“Para salvá-lo de si mesmo”

“Para salvá-lo de si mesmo”

Sem maiores explicações, Rajon Rondo foi retirado de quadra pelo técnico Fred Hoiberg no intervalo de uma partida contra o Pacers, no final do ano passado, e não recebeu um minuto sequer por 5 jogos consecutivos a partir de então. Rondo afirmou desconhecer os motivos; Hoiberg afirmou que as razões eram estritamente relacionadas ao basquete, ou seja, que estavam relacionadas ao rendimento da equipe em quadra. Mas o incidente, incomum pela ausência de explicações claras, foi suficiente para que se abrissem as COMPORTAS do passado de Rajon Rondo, pipocando pela internet todos os inúmeros incidentes que ele teve com seus técnicos desde o seu tempo de aluno colegial. Ao todo, Rondo bateu boca com seus técnicos (e eventualmente foi colocado no banco como punição) no seu tempo de escola, na sua passagem pela Universidade de Kentucky, no Celtics de Doc Rivers, no Mavs de Rick Carlisle, no Kings de George Karl e, por fim, no Bulls de Fred Hoiberg. Há um padrão claro que não pode ser negado e que, segundo alguns, sepulta em definitivo a carreira de Rondo no basquete.

No entanto, pouco se fala de um outro padrão que também surge ao se desenterrar o passado de Rondo: o de um gênio que exige ser ouvido. Seu técnico de escola é categórico ao afirmar que o jovem Rajon Rondo era um gênio em sua compreensão do basquete e o chamou para ser assistente técnico da equipe ainda DURANTE seu tempo de jogador por lá. Rondo e seu técnico editavam e analisavam as gravações da equipe, desenhavam os planos táticos e estudavam os adversários. Foi daí que surgiram as primeiras tretas entre os dois: seu técnico pedia uma coisa, Rondo fazia outra alegando que, por não estar na quadra, seu treinador “não conseguia SENTIR O JOGO como ele”. Nesses casos de desobediência as discussões e as punições são inevitáveis, mas o técnico hoje admite que na maior parte das vezes Rondo estava mesmo certo – os outros é que, na época, não conseguiam perceber.

🔒Filtro Bola Presa #35

🔒Filtro Bola Presa #35

Parece que ontem mesmo era 2016, mas já passaram mais de 10 dias de 2017, o NY Knicks já não é mais respeitável, o Washington Wizards é um time muito legal de se assistir e o Davis Bertans é um jogador mais relevante que o Joakim Noah. Em resumo: o tempo passa, o tempo voa e o Filtro Bola Presa já chegou na sua edição 35! Vamos guardar aqui nesta ala do Museu Bola Presa de Relevância Temporária tudo o de pequeno da última semana?