Podcast Bola Presa #129 – Preview Noroeste

Podcast Bola Presa #129 – Preview Noroeste

Bem amigos do Bola Presa, mais um podcast no ar!

Nesta edição seguimos com o preview da temporada 2017-18 e falamos sobre a Divisão Noroeste. Escolhemos ela porque é lá que se encontra o OKC Thunder, que acabou de fechar o VERÃO DOS SONHOS com uma troca por Carmelo Anthony. Analisamos o time do MVP Russell Westbrook, mas gravamos antes da notícia de sua renovação por mais CINCO temporadas com o time. Também falamos sobre o (sempre) promissor Minnesota Timberwolves de Karl-Anthony Towns, do Denver Nuggets da dupla Paul Millsap e Nikola Jokic e de duas boas equipes que, por puro EXCESSO DE TIMES BONS, correm risco de ficar de fora dos Playoffs, o Portland Trail Blazers e o Utah Jazz.

Ah, e também separamos um tempinho para falar da chegada de Dwyane Wade no Cleveland Cavaliers, claro!

No Both Teams Played Hard respondemos perguntas sobre pessoas (no plural) que sonham com blogueiros e falamos de basquete de FANTASIA, troca de corpos e do retorno do basquete de clones.

Dwyane Wade não é mais o mesmo

Dwyane Wade não é mais o mesmo

Na batalha para ver quem pisca primeiro, quase um empate. Nem Dwyane Wade nem o Chicago Bulls saíram totalmente satisfeitos, mas ninguém está reclamando também. Segundo o jornal Chicago Tribune, dos quase 24 milhões de dólares que o jogador tinha para receber ao longo da próxima temporada, ele abriu mão de cerca de 9 milhões. É muita grana para deixar de lado, mas muitos milhões a serem pagos a um jogador que não vai pisar em quadra com seu uniforme também.

🔒A história tática da NBA – Anos 1980

🔒A história tática da NBA – Anos 1980

Na parte anterior do nosso especial sobre a história tática da NBA falamos sobre os loucos anos 1970, quando haviam duas ligas importantes rolando ao mesmo tempo, um campeão diferente por ano e quando o show, o estilo e as enterradas passaram a fazer parte essencial do que era o basquete americano. Para onde fomos depois disso?

A recusa

A recusa

Os times campeões da NBA tradicionalmente são recebidos na Casa Branca pelo presidente dos Estados Unidos numa pequena cerimônia aberta à imprensa. O ritual é simples: apertam-se mãos, o presidente aparece em fotos com as grandes estrelas do esporte, os atletas sentem-se prestigiados, muitas fotos são tiradas e então todo mundo volta para casa. Num país muito ligado ao seu modelo democrático e extremamente respeitoso com a figura de seus presidentes – por mais controversos que sejam – essa ritualística serve como uma espécie de honraria para os times campeões, um aceno vindo de uma figura simbolicamente munida de poder. Jogadores estavam sempre empolgados para conhecer Barack Obama, mas mesmo o ex-presidente George Bush, que por diversos momentos de seus dois mandatos não possuía muito apelo popular, recebeu continuamente as equipes campeãs da NBA mesmo quando era evidente que alguns daqueles jogadores não faziam parte de sua base de apoiadores políticos. Rasheed Wallace, um dos jogadores mais politizados e vocais a passar pela NBA, era um crítico declarado de Bush e sua política externa. Em sua visita à Casa Branca com o Pistons campeão de 2004, Rasheed não trocou palavras com o então presidente, mas não recusou o aperto de mão, por mais constrangedor que ele fosse. A cerimônia simbolizava o caminho do Pistons rumo ao topo, a glória de conquistar um título tão importante que não podia ser ignorado por ninguém no país. Nas palavras de Sheed, ir à Casa Branca era algo que ele “simplesmente precisava fazer”.

OKC Thunder fisga Carmelo Anthony

OKC Thunder fisga Carmelo Anthony

Grandes poderes e grandes responsabilidades, né? É como nos sentimos agora. Depois de sortearmos a camiseta do Kyrie Irving no dia de sua troca no mês passado, repetimos a dose agora com um sorteio da camiseta de Carmelo Anthony um dia antes dele ser negociado. A NBA está em nossas mãos?! Quem manipularemos no próximo mês?

Brincadeiras à parte, bora falar desse grande negócio. Depois de MESES E MESES de novela, Carmelo Anthony finalmente aceitou ser trocado pelo New York Knicks. Ele tinha uma cláusula que poderia barrar qualquer negociação mas topou ser enviado para o OKC Thunder, que em troca mandou Doug McDermott, Enes Kanter e uma escolha de 2ª rodada do próximo Draft. Eu diria que é muito pouco para uma estrela, mas foi exatamente isso que falamos sobre as trocas de DeMarcus Cousins, Paul George e Jimmy Butler nos últimos meses. Pelo jeito o mercado simplesmente não está fácil. Ganha quem arrisca na hora certa, com o xaveco certo e tem uma boa dose de sorte.

1 2 3