Danilo

Torcedor do Rockets e apreciador de basquete videogamístico.

🔒 As duas torres

🔒 As duas torres

Numa data limite para trocas que tinha tudo para ser completamente sem impacto, eis que a troca de DeMarcus Cousins para o New Orleans Pelicans caiu como uma hecatombe nuclear em nossas cabeças. Como já analisamos por aqui, tanto o discurso de Cousins, quanto as afirmações da diretoria do Kings e até as NOVAS REGRAS SALARIAIS indicavam que o jogador continuaria sua carreira em Sacramento. Alguns times reclamaram que o Kings sequer os procurou para discutir uma troca; analistas afirmam que nenhuma equipe tinhas as condições reais (ou motivos) para oferecer qualquer pacote superior ao do Pelicans. De uma maneira ou de outra, o que importa é que Anthony Davis e DeMarcus Cousins, que jogaram na mesma universidade ainda que nunca tenham jogado juntos e tentaram ativamente pensar em maneiras de se encontrar num mesmo time na NBA, agora são parceiros de equipe. O Pelicans, famoso por estar gastando os melhores anos da carreira de Anthony Davis com um misto de péssimas contratações, draft duvidoso e o PIOR DEPARTAMENTO MÉDICO da NBA agora tem dois dos melhores jogadores de garrafão que essa geração já viu. Será que vai dar certo?

Kings contra a parede

Kings contra a parede

O contrato entre a Associação dos Jogadores da NBA e a Liga não era renegociado desde 2011, o fatídico ano em que um impasse nas negociações fez com que a temporada começasse apenas em dezembro. Dessa vez, o contrato (conhecido como CBA) foi assinado sem maiores conflitos assim que um problema apontado pelos donos dos times encontrou uma solução que agradou os jogadores: temendo que estrelas abandonassem suas equipes de formação para criar “super-times” como o Golden State Warriors, as equipes da NBA queriam melhores chances de manter seus jogadores; a solução foi permitir que apenas aqueles que tenham feito uma extensão com o time que os draftou possam assinar um SUPER-MEGA-HIPER-BLASTER contrato máximo, que apelidamos aqui no Bola Presa de “pote de ouro” e que certamente agradou os bolsos dos poucos jogadores que se qualificam para recebê-lo. Para entender mais sobre todas as novas regras salariais, vale a pena dar uma ouvida em nosso podcast especial que destrincha todas as mudanças entre o acordo atual e aquele que estava em vigor desde 2011.

Draftado pelo Kings em 2010 e previsto para encerrar sua primeira extensão na temporada que vem, DeMarcus Cousins é um dos raros jogadores que poderiam se aproveitar das novas regras salariais imediatamente.

🔒Celebrem o homem

🔒Celebrem o homem

Quando Kevin Durant pisou na quadra do Oklahoma City Thunder para ser apresentado pela primeira vez com o uniforme de outra franquia, as vaias preencheram o lugar. Se foi possível ouvir alguns poucos aplausos e gritos de apoio a princípio, quando o jogo começou as vaias certamente já haviam atropelado qualquer outro tipo de manifestação. Toda vez que tocava na bola, Durant era bombardeado pelas cornetas desafinadas da hostilidade. Em meio aos ruídos, o técnico Steve Kerr foi questionado sobre a situação. Sua resposta foi simples e categórica: “É o esporte, apoio totalmente que vaiem o jogador, mas celebrem o homem”. Existe de fato uma distinção entre o jogador e o homem? Será mesmo possível esquecer dos efeitos do jogo assim que uma partida esportiva termina?

Os pivôs armadores de Denver

Os pivôs armadores de Denver

As últimas duas semanas foram movimentadas para a família Plumlee, com dois dos três irmãos sendo trocados para diferentes equipes. Primeiro foi a vez de Miles Plumlee, que estava recebendo poucos minutos no Bucks apesar do contrato robusto, ser enviado para o Hornets em troca de Spencer Hawes e Roy Hibbert, dois outros pivôs que também não possuem muito espaço na NBA atual. E agora foi a vez de seu irmão mais novo, Mason Plumlee, ser trocado para o Denver Nuggets após uma última temporada surpreendente em Portland.

O Denis comentou recentemente por aqui sobre como o Blazers foi pego de surpresa pela melhora do elenco na temporada passada e gastou uma fortuna para manter jogadores que não necessariamente melhoraram na temporada atual. Já acima do teto salarial, a equipe teria que gastar ainda mais na temporada que vem para manter Mason Plumlee, que recusou uma simples extensão de contrato por achar que merece muito mais. De fato, nos Playoffs passados Plumlee se mostrou uma das peças mais importantes da equipe, e não foi naquilo que costumamos esperar de um pivô tradicional: sua contribuição aconteceu na cabeça do garrafão através de passes precisos para seus companheiros.

Podcast Bola Presa – Edição 100

Podcast Bola Presa – Edição 100

Bem amigos do Bola Presa, chegamos finalmente ao tão anunciado PODCAST 100!

Nesta edição especial com QUASE TRÊS HORAS DE DURAÇÃO contamos com a participação de amigos, personalidades, ouvintes de longa data, figuras que marcaram a história do blog e gente que contou com o Bola Presa nos momentos mais dramáticos (ou cômicos) de suas vidas. Passamos alguns convidados pela estranha experiência de responder perguntas dos nossos ouvintes e depois encaramos nós mesmos um Both Teams Played Hard sobre o blog e sua história.

Nem acredito, chegamos ao cem! Agora não tem mais jeito: vida longa ao Bola Presa!

Para seguir o podcast basta assinar nosso feed no iTunes ou qualquer outro agregador de podcasts. =)

1 2 3 4 48