>

Pede pra sair, Wade! Pede pra sair!

O negócio é o seguinte: se você tem a noite da sua carreira e mesmo assim seu time sai de quadra derrotado, é porque alguma coisa muito errada está acontecendo. Dwyane Wade marcou 48 pontos além de 7 rebotes, 11 assistências, 3 roubos e 3 tocos. Mas isso não é o bastante para um dos times que mais fedem atualmente na NBA.

Isso me lembrou uma anedota. Em 2004, Tracy McGrady era o cestinha de toda a NBA, estava a 20 jogos seguidos marcando pelo menos 20 pontos por partida e havia feito mais de 40 pontos nos dois jogos anteriores. No entanto, seu time ainda ocupava o último lugar da tabela. A frustração com a campanha e com o resto da equipe levou a um total descontrole na partida contra o Denver Nuggets: após tomar um toco do Chris Andersen (alguém ainda lembra dele?), T-Mac simplesmente chutou a bola em direção à arquibancada, tomando uma falta técnica. Quando a bola foi devolvida para a quadra, T-Mac metodicamente pegou a bola de novo e chutou para fora outra vez, para ser expulso. Vale a pena dar uma olhada no vídeo:

O mais engraçado de tudo é a reação do Juwan Howard quando percebe que o T-Mac vai chutar a bola pela segunda vez. Ele corre como um desesperado tentando impedir o inevitável, obviamente pensando “pelamordedeus não seja expulso senão a gente vai ser humilhado aqui!” Ironicamente, o Magic ganhou aquela partida.

Eu não ficaria surpreso se o Wade chutasse umas bolas pra fora da quadra na próxima partida. Pra começar, ele foi obrigado a jogar de armador principal. O fato de ficar com a bola mais tempo em mãos ajudou a marcar 48 pontos, claro, mas é nítido o desconforto do Wade na posição. Ele se atrapalha, ele escorrega, e eventualmente ele recebe marcação dupla no meio da quadra e não tem ninguém para levar a bola e devolver para ele depois. Onde estavam os outros armadores? Jason Williams e Chris Quinn machucados, (o Quinn, aliás, estava risível no banco porque ele tem 4 anos de idade e parecia ter pegado o terno do pai para brincar) fora o Smush Parker que simplesmente resolveram esquecer que existe. Fora isso, o Earl Barron foi titular já que Shaq está com uma contusão no quadril e o Alonzo encerrou a carreira.

O resto do time até que se saiu bem, Dorrel Wright tem potencial (mas faz uns 15 anos, daqui a pouco ele vai ser daqueles vovôs que tinham potencial e nunca fizeram nada), o Cook é um bom arremessador (o arremesso pra levar o jogo pra prorrogação foi surreal), o Haslem é um dos jogadores mais consistentes da NBA, mas simplesmente não há talento o bastante ali para fazer justiça ao pobre do Dwyane Wade.

Todos os torcedores do Heat que pedem para que o Shaq seja trocado precisam pensar bem a respeito. Com o Shaq no banco, até a melhor noite da vida de Wade não foi o bastante. Mesmo quando o Shaq não está fazendo nada, desmotivado, entediado, parado no garrafão simplesmente pensando em donuts, a vida de todo o resto do Miami Heat já fica mais fácil. Ele é uma presença que sempre vai desestabilizar defesas e exigir ajustes defensivos mesmo quando tiver 120 anos e jogar basquete numa cadeira de rodas.

Outras trocas deveriam acontecer, claro, mas o Shaq deveria ficar lá. Obviamente, trazer o fominha do Ricky Davis não foi a resposta para nada. Trocas menores podem ser o bastante para dar um ânimo novo para a equipe que, como o Denis ressaltou nesse artigo sobre o Heat, precisa de motivação.

Enquanto isso, Sixers e Jazz fizeram uma troca menor que pode ser bastante útil para os dois times. Recentemente lembro de ouvir alguém falando sobre como o Kyle Korver estava sendo desperdiçado na Philadelphia. Em um time que precisasse de um arremessador puro para ficar lá parado matando bolas, ele seria uma peça fundamental. Some a isso o fato de que o Jazz vem sendo destruido por times que marcam por zona permitindo que a equipe de Utah apenas arremesse de fora, deixando óbvio o quanto eles precisam desesperadamente de um arremessador, e adquirir o Korver parece uma resposta perfeita. Deixar ele em quadra por alguns momentos, se aproveitando do espaço que o Boozer deve gerar, deve ser o bastante para que ele tenha a chance de sua carreira.

Em troca do Korver, o Sixers recebeu o Giricek e mais uma escolha de 1o round no draft do ano que vem. O Giricek arrumou encrenca com o Sloan e por isso vai embora. Ele até pode quebrar um bom galho em sua nova equipe, mas o fundamental é a escolha de draft. O Korver foi uma escolha de 2o round e eles receberam em troca uma de 1o, ou seja, no papel já saíram no lucro. No Sixers, o Korver nunca seria de grande valia mesmo. E como o time está se reconstruindo, nada melhor do que arrumar mais novatos para o ano que vem.

Para o bem do Wade, torço para que o Heat também arrume algumas trocas que adicionem peças importantes. O próprio Korver se daria bem por lá, substituindo o já foragido Jason Kapono. Ou, na pior das hipóteses, é bom o Heat pensar no futuro e começar a trocar por escolhas de draft do ano que vem. Mas aí podemos nos preparar para ver o Wade chutando um bocado de bolas para fora do ginásio…

>Meu novo chinês

>

Yi Jianlian tentando entender porque diabos esses ocidentais
enfiam um boné na cabeça quando são draftados

Estou me metendo num território perigoso. Todo mundo sabe que sou fã do Yao Ming, me tacam tomates quando ostento orgulhosamente minha camiseta vermelha número 11 do Houston pelas ruas e, como se não bastasse, vou fazer uma declaração que vai aumentar ainda mais o número de piadas com a minha pessoa. Vão dizer que eu tenho tara por chineses com mais de dois metros e dez de altura e criar vários motivos engraçados para isso que remetam à minha infância. Minha namorada vai ficar preocupada toda vez que cruzarmos com um chinês gigante, assustada com minhas estranhas tendências. Mas mesmo assim devo dizer:

O Yi Jianlian vai ser uma estrela na NBA.

Eu não trabalho para a máfia chinesa. Não, não ganho nem um centavo do governo comunista para instaurar propaganda vermelha no mundo ocidental (mas bem que gostaria de ganhar). Meus motivos (pelo menos os conscientes) são puramente técnicos. Acho que o chinês joga demais.

Foram apenas três partidas até agora, é bastante cedo para qualquer coisa. Mas mesmo em sua pior partida, em que marcou apenas 2 pontos em 15 minutos de quadra, é impossível não ver muito talento no garoto. Com 2,13 de altura, Yi tem tamanho para ser pivô na enorme maioria dos times da NBA. Joga bem de costas para a cesta e é bom reboteiro. No entanto, tem talento o bastante em seus arremessos para jogar facilmente de ala. O jumper de meia distância é sólido, o da linha de 3 pontos é razoável. É atlético, rápido, bom em tocos e excelente em roubos de bola interceptando as linhas de passe. Mas não é isso que impressiona mais. Quando o chinês recebe a bola e então parte para dentro do garrafão, é como mágica sendo feita, é tudo lindo, perfeito, assombroso, pétalas voam do céu e descrever isso desse jeito realmente deveria deixar minha namorada preocupada, droga. Mas bato o pé: quando parte para dentro, Yi é um monstro. Ele corta com uma velocidade impraticável para seus 2,13 desafiando as Leis da Física. É veloz, explosivo, mantém o equilíbrio no ar e tem muita técnica perto do aro.

Exagero? Boiolisse? Tara bizarra por gigantes chineses? Talvez. Mas acompanhei muitos jogos do Bucks na pré-temporada e sua mais recente atuação, 16 pontos, 8 rebotes, 2 roubos e 2 tocos na vitória contra o Chicago Bulls, me convenceram finalmente a arriscar o palpite do estrelato iminente de Yi.

É o tipo de coisa que os (três) leitores do Bola Presa podem acabar esfregando na minha cara um dia (como a vaga do Al Jefferson num All-Star game) mas eu realmente acredito no que estou dizendo.

E, graças ao Yi, estou interessado e pretendo assistir muito mais jogos do Bucks esse ano. Graças a ele e também ao fato de que as televisões chinesas, que passam os jogos do meu amado Houston, estão dando bem mais atenção para os Veados Roxos. Então não tenho muita escolha, não é mesmo?

1 128 129 130 131