Saco de pancada

>

Princípio de bagunça entre Lakers e Clippers. Destaque para o juíz 
segurando o Artest pela camisa, esse não tem medo da morte

Um dos jogos mais divertidos que assisti nos últimos tempos não foi entre Lakers e Celtics, ou entre Heat e Thunder, mas sim entre Cavs e Nets, as duas piores equipes do Leste se degladiando para manter o último fio de auto-estima. Foi um jogo disputado, brigado, sofrido – e medonho, nível “Playboy da Mara Maravilha”, capaz de traumatizar pelo resto da vida. Os dois times são uma porcaria, parecia futebol feminino em aula de educação física quando todo mundo corre pra cima da bola e o lance de mais efeito é a bolada na orelha da criança que estava passando na lateral da quadra segurando um copo de refrigerante. Depois de um par de horas vendo Nets e Cavs jogar, mudar para um jogo “normal” foi como se eu passasse a ver seres sobre-humanos capazes de voar, com super-velocidade e super-força. Foi como tirar um sapato muito apertado depois de um dia inteiro de pé no trabalho, uma deliciosa surpresa ao descobrir como o basquete podia ser um esporte bonito e elegante – sem Nets e Cavs em quadra, claro. Foi tão proveitoso ver dois times tão ruins jogando que cheguei a propor no twitter um playoff ao avesso com os 4 piores times de cada conferência, em que o último colocado seria obrigado a sentar no canto usando um chapéu de burro.

A cara do Antawn Jamison, acostumado com dias melhores, conforme ia percebendo que não seria capaz sequer de vencer o Nets, foi impagável. Era o olhar de um homem deseseperado tentando encontrar rotas de fuga, uma janela mais próxima, um emprego de atendente de telemarketing, uma brecha judicial que lhe permitisse anular a troca que o tirou do Wizards na temporada passada. Enquanto isso o resto do Cavs era um bando de homens sem alma, vagando rumo ao vestiário pensando em quais legumes comprariam na quitanda na manhã seguinte e quantos anões daria para contrabandear dentro do cabelo do Varejão. Aliás, alguém verifique a legitimidade da lesão do Varejão, porque na situação dele seria muito justificável um “vou ali comprar cigarro e já volto” versão lesões da NBA, tipo o Shaquille O’Neal quando não queria mais jogar no Heat.

A lista de coisas necessárias para tirar um time dessa situação de saco de pancadas na NBA é imensa. Exige esforço dos engravatados para contratações, para boas escolhas de draft e para uma boa saúde financeira na equipe; exige esforço da equipe técnica para continuar desenvolvendo os jogadores e criar planos de jogo sérios que busquem sempre ser competitivos mesmo frente ao desastre; e exige um elenco que acredite ser capaz de sair das últimas colocações. Equipes que fedem precisam de políticas claras para o futuro. Não adianta ficar tentando remendar a equipe, tapar buracos, tentar escapar imediatamente. Tudo começa com uma reconstrução, uma renovação, se livrar dos contratos ruins, criar flexibilidade salarial. Depois, a equipe técnica precisa dar minutos para quem está nos planos da equipe, quem é essencial para o futuro, não pode se desesperar e botar pirralhos burros para mofar no banco só porque vão perder ainda mais feio sem um veterano qualquer que vai estar com reumatismo daqui alguns meses. Mas não vamos nos focar na parte admnistrativa ou técnica de reconstruções, não estou com vontade de falar mal do Detroit Pistons hoje. Vamos falar de outra coisa essencial para tirar os times da merda: os próprios jogadores. Pra isso, vamos analisar dois casos distintos hoje, mas que possuem algo em comum: o Clippers e o Thunder.

Caso 1: Los Angeles Clippers

O Clippers fingia ter alguma esperança de sucesso na temporada passada até que o Blake Griffin se contundiu ainda nas Summer Leagues e não chegou a jogar uma partida sequer da tempora regular na NBA. Pronto, temporada jogada na privada, o time parecia um circo, o Al Thornton foi banido da equipe, o Chris Kaman se contundiu duzentas vezes, e o Baron Davis gordo e desmotivado só queria encher os bolsos de grana e nunca mais ter que entrar em quadra. Mesmo com a volta do Griffin nessa temporada, o clima no Clippers era de fracasso total, o time parecia mais elenco de Big Brother do que equipe de basquete, e o começo da temporada refletiu isso: foram 5 vitórias e 21 derrotas.

O que foi necessário para que o Clippers alcançasse o atual recorde de 18 vitórias e 28 derrotas (13 vitórias e 7 derrotas desde o início mequetrefe)? Como o Denis destacou em seu texto sobre o time, Blake Griffin e Eric Gordon são espetaculares, lindos e maravilhosos, evoluem mais rápido do que Pokémon e estão jogando um absurdo. Mas já estavam jogando bem durante o começo desastroso da equipe. A real transformação foi na união e na postura da equipe com a presença de Blake Griffin em quadra.

Griffin tem um gigantesco arsenal de giros, infiltrações, ganchos e arremessos de média-distância usando a tabela, mas seu jogo é predominantemente físico, todo jogo ele pula por cima de alguém, dá uma enterrada de empolgar até a sua mãe aí, e sempre – é de lei – erra uma enterrada que seria completamente histórica se entrasse. Se não bastassem as enterradas fantásticas que ele dá, juro que vale a pena ver um jogo apenas para ver as enterradas que ele não dá, as que ele erra por pouquinho ou sofre falta no processo. E, como sabemos, enterradas não são apenas um modo de fazer cestas bem perto do aro, no imaginário americano as enterradas lidam com agressividade e humilhação do adversário. É a cesta que é feita não porque você é mais habilidoso, mas porque é mais forte, pula mais alto e tem o pênis maior, é a cesta que você impõe na base do muque, e se a enterrada é em cima de alguém, é a cesta que submete o adversário ao seu poder, é a cesta que humilha, que retira toda a honra, que desmoraliza o adversário.

Quando o Blake Griffin enterra o tempo todo em cima de adversários, ele deixa de ser apenas um novato qualquer num time horrível e sem chances de vitória e passa a ser aquele cara ousado que, mesmo sem chances de vencer, veio “aqui na minha casa e me humilhou, me fez passar vergonha”. O Clippers fede, quem se importa com eles, mas os vídeos se espalham pelo YouTube e a questão da honra e do ego é central nas quadras de basquete americanas. Antes de Yao Ming ir para a NBA, por exemplo, enterradas não aconteciam na China por serem um desrespeito ao adversário. Quando Griffin enterra em alguém, não importa se o Clippers está perdendo por 50 pontos, o adversário se abala e quer vingança. Por isso, não demorou muito para que quase todas as partidas com o Clippers tivessem algum incidente em que algum mané aleatório tentasse peitar o Griffin, encher ele de porrada, ou simplesmente cometesse faltas mais feias para provar que “ele não vai enterrar assim tão fácil”. O Griffin tem jeitão briguento e cara de maloca (e cabelo vermelho, o que lhe caracteriza como um cosplay do Kuwabara, do Yu-Yu Hakushô, algo que um leitor nos avisou em nosso formspring), mas nem ele pode resistir a constantes punições físicas e confrontos em todos os jogos. Até que o Clippers resolveu fazer uma reunião a portas fechadas e decidiu que todo o elenco precisava proteger o Griffin antes que ele amanhecesse com a boca cheia de formigas. Tudo bem que o time fosse uma merda, mas se eles tinham um jogador tão bom apanhando e sendo constantemente ameaçado em quadra, o mínimo que eles poderiam fazer seria protegê-lo, cercá-lo quando ele fosse derrubado no chão, partindo pra cima de quem lhe fizer uma falta mais grave, pressionando os juízes em marcações contrárias a ele.

O resultado dessa união para proteger Griffin de apanhar dos coleguinhas se converteu em vitórias dentro da quadra, no maior estilo “Os nerds contra-atacam”. Criou união no grupo, orgulho, vontade de enfrentar os adversários, gente pulando no pescoço do Lamar Odom porque ele deu um empurrão no Griffin após uma jogada mais competitiva no final do jogo. E aí o Clippers passou a ser um time que faz jogadas mais competitivas no final do jogo porque sabe que o resto do elenco estará lá para proteger, apoiar e descer o sarrafo se der pancadaria. Baron Davis admitiu que foi isso que motivou o grupo, defender Blake Griffin dos seus agressores, e olha que o Baron Davis não se motiva por nada nesse mundo. O Clippers depende imensamente do talento do Baron Davis, pena que ele não seja lá muito interessado nesse tal de basquete. Mas agora é.

Nada une tanto um grupo quanto hostilidade do mundo exterior. Já comentei aqui que o momento que finalmente transformou o atual Miami Heat em um time foi a primeira partida dessa temporada em Cleveland, em que todo o elenco teve que estufar o peito e defender LeBron de uma quantidade absurda de hostilidade irracional. Desde então, o time está transformado. Isso me lembra uma vez que fui escrever um texto sobre o movimento “emo” em seu começo no Brasil, entrevistei um monte de gente, e eles não tinham nada em comum – ideologia, gosto musical, opiniões sobre a vida, choradeira, nada – a não ser a hostilidade que recebiam pelo modo com que se vestiam. Durante as entrevistas um monte de gente passava e xingava os emos só por esporte, e a maioria – que nem se considerava emo, no fim das contas – acabava abraçando a identidade do grupo apenas para se defender desse tipo de coisa.

Alguns jogadores são fodões mas são calados, moderados, até bobões, às vezes. A reação do elenco para proteger esses jogadores é diferente, o Houston se uniu para defender o Yao Ming de ser tão hostilizado por ser um banana, mas o Kings não estufou o peito para fazer nada com o castigo físico sofrido pelo Tyreke Evans porque ele tem a cara eterna de “nada” que é característica do Duncan e não responde com agressividade a coisa alguma. No caso de jogadores agressivos, físicos, a resposta dos companheiros tende a ser mais passional, mais agressiva. Jogadores assim podem incendiar equipes, motivar caras como o Baron Davis, e retirar repentinamente a postura derrotista de uma equipe acostumada a ser saco de pancada. Às vezes, jogadores espetaculares com personalidades diferentes acabam sendo menos efetivos na tentativa de transformar uma franquia justamente por isso. Caras como Blake Griffin e sua capacidade de retirar a honra dos adversários e apanhar por isso são perfeitos para unir equipes rapidamente.

Caso 2: Oklahoma City Thunder

O Thunder era um time novo demais, recheado de jogadores jovens e com potencial. Mas Durant, Jeff Green e Russell Westbrook são bons moços, daqueles que a garota tem orgulho de levar pra casa e mostrar pra mãe. Nenhum deles é famoso por enterrar na cabeça de ninguém, pular até a lua, arrancar o coração de um defensor e beber seu sangue em um cálice de cristal. A melhora do Thunder não foi graças à união do grupo, à tentativa de defender Durant dos violentos jogadores adversários, à motivação de estar jogando ao lado de um jogador passional e agressivo. Durant e Westbrook simplesmente ficaram muito bons.

Esse, aliás, é o motivo de que mesmo vencendo jogos e com o Durant liderando a NBA em pontos temporada passada, ainda assim ninguém levava o Thunder muito a sério. Nunca foram um grupo coeso, unido, agressivo ou orgulhoso, daqueles que bate no peito e berra “não perderemos aqui hoje, não na minha casa!”. As vitórias de Durant e seus amigos sempre foram recebidas com a estranheza de quem acha que deveria feder mas não fede, aquela surpresa estranha que se aceita rápido antes que percebam que você não merecia. Esse grupo de jogadores só se tornou realmente perigoso quando, após alguns jogos de sorte e atuações friamente espetaculares, começou a perceber que dava para vencer o Lakers em pleno playoff da NBA.

Essa é minha teoria para uma questão que me intriga e está levando vários analistas da NBA à loucura: por que diabos o Thunder quase venceu o Lakers graças a uma defesa por zona fantástica e sufocante nos playoffs e agora tem uma defesa furada – aliás, a defesa que mais involuiu numericamente da temporada passada para cá? Provavelmente aquela defesa não era fruto de treino, tática apurada e união dentro de quadra, era fruto da paixão e desespero de um time que nunca acreditou que poderia ganhar nada e de repente estava diante do Lakers sonhando com a chance de derrotá-lo nos playoffs. Depois daquilo, com a consciência plena de que eles são um dos melhores times do Oeste, não era mais possível tamanha intensidade defensiva, tamanho desespero. Eles sabem que Durant e Westbrook são dois dos melhores jogadores da NBA, podem vencer jogos sozinhos, e pelo jeito isso basta.

Com o Clippers, o time inteiro foi transformado pela intensidade de Blake Griffin e o time responde com igual intensidade para protegê-lo. Com o Thunder, a melhora de dois jogadores levou o time a patamares inesperados, mas a união só veio na compreensão de que poderiam vencer mesmo os maiores times. Entretanto, sem a intensidade de alguém com sangue nos olhos cansado de ser saco de pancada, uma das mais impressionantes defesas da NBA já esmoreceu rapidinho.

É evidente que a melhora de qualquer equipe saco de pancada da NBA está em grande parte nas mãos dos próprios jogadores e da evolução de cada um deles, mas prestamos pouca atenção no papel que a postura ou a personalidade dos jogadores tem nisso. O Thunder, como sabemos, precisa de um bom pivô, mas não tanto quanto precisa de um jogador defensivo apaixonado, vocal e intenso do tipo que exige esforço dos próprios companheiros. É esse tipo de qualidade que Kevin Garnett traz para suas equipes, a certeza de que nenhuma derrota virá sem intensidade, cobrança e esforço mesmo se o time for uma droga como foram muitos dos elencos que o Garnett teve no Wolves. É esse tipo de qualidade que Griffin traz para o Clippers além de seus giros, trabalho de pernas e enterradas, é isso que motiva até um carinha “bleh” como o Baron Davis. É disso que o Thunder precisa, mas seu caminho de evolução foi para outro lado, silencioso, comedido – e muito talentoso. O meu único medo é que o projeto do Thunder acabe seguindo o caminho do Blazers, que sem nada para unír seus jogadores jovens e talentosos além da simples surpresa de estarem vencendo quando não deveriam, ameaça desmoronar o tempo todo. Mas o Blazers é assunto para outro post, claro.

Dono da Bola – Los Angeles Clippers

>

Sterling depois do churras com a galera do prédio

Falei do Los Angeles Clippers no último post e prometi um texto com o perfil do dono da equipe, Donald Sterling. Também aproveitei para postar esse texto sobre o cara feito pelo blog Grandes Ligas. O texto é bom e diz muito do que vou dizer aqui, mas promessa é promessa e precisamos continuar a parada série sobre donos de equipes.

Donald Sterling
(via: HoopsHype)

Temporadas no comando: 31
Playoffs: 4
Títulos de divisão: 0
Títulos de conferência: 0
Títulos da NBA: 0

Riqueza estimada: 500 milhões de dólares
Comprou o time por: 13 milhões de dólares (1981)
Valor atual da equipe: 295 milhões de dólares
Maior contrato oferecido: Elton Brand (US$82.1 milhões, 2003)
Técnicos contratados: 16 (Paul Silas, Jim Lynam, Don Chaney, Gene Shue, Don Casey, Mike Schuler, Larry Brown, Bob Weiss, Bill Fitch, Chris Ford, Jim Todd, Alvin Gentry, Dennis Johnson, Mike Dunleavy, Kim Hughes e Vinny Del Negro)


Você não leu errado, em 31 anos como dono do Los Angeles Clippers o Sr. Donald Sterling viu o seu time ir aos playoffs apenas 4 vezes. Nunca venceu título de divisão, conferência ou da liga. Ele também não é nenhum fanático bilionário que comprou o time por amar basquete e nem faz isso pelo dinheiro, o Clippers, apesar de estar na segunda maior cidade americana, é apenas o 24º time que mais rende dinheiro na NBA segundo a Forbes. O que faz Sterling prosseguir no cargo é um mistério.

Ele é de uma família de imigrantes judeus de Chicago, mas se mudou para Los Angeles com apenas 8 anos de idade. Lá ele estudou, se formou em Direito e começou a atuar como advogado e a investir no mercado imobiliário, que foi onde realmente se destacou e rapidamente construiu uma fortuna, hoje é o maior dono de terrenos em Beverly Hills. Já cheio da grana, em 1979, ele fez um grande investimento de 2.7 milhões de dólares em apartamentos de propriedade de Jerry Buss, que precisava desse dinheiro extra para finalizar a compra do Los Angeles Lakers. Pouco tempo depois Buss disse ao Sterling que ele deveria também comprar seu próprio time na NBA, conselho que acatou comprando o San Diego Clippers. A franquia tinha se mudado há poucos anos de Buffalo para San Diego, mas sem sucesso nas quadras e com a torcida local.

Em pouco tempo, 1984 para ser exato, Sterling já havia convencido a NBA a mudar a franquia para a sua cidade, Los Angeles. Embora a mudança tenha rendido alguns frutos em termos de público e curiosidade geral na cidade, o fracasso nas quadras continuou: Nos seis primeiros anos de Clippers em LA o melhor aproveitamento deles foi de 39%; e na temporada 86-87 eles somaram apenas 12 vitórias, a segunda pior marca da história. Ao mesmo tempo o Lakers fazia a rapa de títulos no Oeste e na NBA. O mais próximo de sucesso nessas 31 temporadas foi a segunda rodada nos playoffs de 2006 quando perderam para o Phoenix Suns em 7 jogos. Só. Fim.

Mas quanto um dono de time pode influenciar negativamente uma equipe? Afinal, em teoria ele só coloca o dinheiro e são General Managers, técnicos e jogadores que fazem o trabalho. Bom, olhe o que eu mesmo disse aqui sobre porque o Clippers, mesmo cheio de espaço salarial, não atraiu nenhum Free Agent de nome:

“Os motivos para não atrair jogadores de nome são vários: o time não ganha nada faz tempo, não tem um técnico que impressione os jogadores, não tem atenção da mídia, tem fama de perdedor e o seu dono, Donald Sterling, é um idiota que volta e meia faz comentários racistas, sexistas ou só idiotas mesmo. Nessa offseason ele comentou as contratações de Randy Foye e Ryan Gomes dizendo “Eu nunca ouvi falar desses caras, mas o que eu posso fazer se o técnico pediu?”. Boa primeira impressão para os novos funcionários.”

Dá pra imaginar a motivação de atuar para um dono desse? Claro que depois de um tempo você atua porque você quer vencer por conta própria, pelos companheiros e pelos fãs, mas é a pior primeira impressão para um novo funcionário na franquia. Mas fica pior que isso: Desde a temporada passada Sterling tem dado uma de Mark Cuban e fica perto do banco de reservas torcendo. Mas se “torcer” para o dono do Mavs significa incentivar os jogadores que ele paga, para Sterling é uma chance de gritar coisas como “Por que você tentou esse arremesso?”, “O que você está fazendo em quadra?” e um singelo “Você está fora de forma!”, esse olhando diretamente para o cara mais bem pago do time, Baron Davis. O jogador tentou evitar polêmica ao comentar o assunto, mas disse que a situação já estava difícil e ele ainda precisava “lutar batalhas desnecessárias”.  Até mesmo o Chris Kaman, talvez o grande ponto positivo da temporada passada, recebeu críticas do dono do time durante os jogos. Sterling também foi a público no fim do ano passado dizer que se pudesse trocaria todos os jogadores e em uma das poucas visitas que fez ao vestiário só o fez para apontar para Al Thornton e chamá-lo de fominha e egoísta.

Está dando pra sacar como um dono pode influenciar o time negativamente? Nessa temporada ele voltou de novo a visitar seus empregados, dessa vez acompanhado de mulheres, para quem mostrava os jogadores se trocando e dizia “Veja que belos corpos negros”. Pior, aconteceu mais de uma vez. Um cara de dentro do Clippers que não quis ser identificado disse ao Yahoo! que “O dono de um time tem que ser o cara que apoia todo mundo na franquia, quando ele não faz isso acaba com a confiança de todos”. E faz sentido, quando seu chefe só te põe pra baixo você sai da zona de conforto, bate o desespero, o medo de ser demitido, de ter sua imagem manchada no mercado e tudo mais. É comum para todo tipo de profissão.

Como se não bastasse fazer isso só com os jogadores, fez também com o General Manager do time, o lendário jogador Elgin Baylor. Depois de trabalhar no time de 1986 até 2008, ele saiu da equipe e imediatamente processou Donald Sterling por racismo. A acusação é meio estranha, o Baylor cita casos de racismo contra ele e outros ao longo desses 22 anos que serviu ao time, mas por que contar tudo só quando é mandado embora? E não só isso, ele diz que nesse período de tempo o Clippers perdeu muitos jogadores negros bons porque o Sterling não os queria. Ele cita Danny Manning, Charles Smith, Michael Cage, Ron Harper, Dominique Wilkins e Corey Maggette. Bom, como o blog Clipsnation lembra, Cage foi trocado por outro negro, Gary Grant, uma troca que ainda foi considerada boa na época. Manning foi trocado por Dominique Wilkins em fim de carreira, outro negro. Maggette foi trocado depois de assinar uma extensão milionária com o próprio Clippers. O problema mesmo está em outro dado, o Clippers só assinou seis extensões de contrato com mais de 3 anos de duração nos 30 anos de Sterling! Só seis! Ou seja, seja branco, negro, amarelo ou azul, ninguém quer ficar no Clippers.

Mas voltando ao Elgin Baylor. O momento em que resolveu falar sobre o racismo do Sterling foi estranho, assim como esse argumento de que eles perderam jogadores, mas não quer dizer que ele partiu do nada. Sterling é mesmo racista se acreditarmos em todos os (muitos) depoimentos espalhados por aí. Baylor diz que o seu antigo chefe uma vez disse sobre Danny Manning que estava “Oferecendo muito dinheiro para um pobre garoto negro” e chegou ao cúmulo de comparar o seu time a uma fazenda “com garotos pobres do sul comandados por um treinador branco”. Ou seja, o Baylor tinha razões para acusar Sterling de racismo, coisas ditas desde 20 anos atrás, mas só decidiu trazer a público depois que foi colocado de lado no comando do time, tendo suas funções aos poucos ocupadas pelo então técnico Mike Dunleavy. Embora embasado, ficou mais parecendo vingança do que qualquer outra coisa.

Fora do mundo do basquete a fama de Sterling também não é das melhores. Como descrito perfeitamente pelo site Deadspin em um momento Amélie Poulain, “Donald Sterling não gosta de: Mexicanos, negros e crianças. Gosta de: Coreanos e sexo oral”.

Uma vez ele disse para uma das mulheres que cuidavam de um dos seus prédios que não queria inquilinos que “se diferenciassem muito de sua imagem”. Com isso ele queria dizer que não queria negros, mexicanos, descendentes de mexicanos, crianças e nem pessoas que recebiam subsídios do governo para moradia. Segundo depoimentos de inquilinos, Sterling sabia que não podia negar moradia para essas pessoas, então resolvia o seu problema transformando a vida deles em um inferno. Ele recusava os cheques dados por eles para no dia seguinte acusá-los de não pagamento, aparecia com constantes visitas surpresas de inspeção para achar qualquer tipo de irregularidade, ameaçava sempre de expulsão e nunca providenciava consertos para qualquer tipo de problema na infraestrutura dos apartamentos. Eventualmente, exaustos, eles acabavam saindo. Segundo o depoimento de uma funcionária de Sterling, ele dizia que os mexicanos só sentam por aí fumando e bebendo o dia todo, enquanto negros cheiravam mal e não tinham higiene.

Existe o caso de uma mulher idosa e negra com problemas de saúde e parte do corpo paralisado que tinha um vazamento constantes no seu apartamento (ela tinha que usar um saco plástico ao invés de privada e tinha o apartamento alagado por muitas vezes). Ela pediu para a empresa de Sterling consertar, o que ele respondeu para a sua funcionária com “Despeje a vagabunda”. Já em compensação gostava de inquilinos coreanos porque “eles aceitam qualquer condição que eu ofereço e não importa o que aconteça sempre pagam”. A admiração pela cultura asiática era tamanha que ele pedia que seus funcionários pedissem desculpas abaixando a cabeça como nos cumprimentos japoneses e dizendo “Desculpe por tê-lo desapontado, Sr. Sterling, farei melhor da próxima vez”.

Quando precisava de funcionários para trabalhar nos jogos do Clippers o próprio Sterling colocava anúncios nos jornais pedindo mulheres bonitas para trabalhar como hostess na entrada do STAPLES Center ou mesmo para festas organizadas pela franquia. Ele pedia que as garotas levassem fotos sensuais e o próprio Sterling fazia a seleção de quem seria contratada ou não, fazendo-as passar por situações constrangedoras. Uma mulher que uma vez tentou o emprego disse que ele pediu fotos semi-nuas e deu a entender que queria mais, dando um “sorriso vazio” quando teve o pedido negado. Outra contou que “Trabalhar para o Sr.Sterling foi o trabalho mais desmoralizante que eu já tive”. O caso mais extremo foi de Christine Jaksy, funcionária que o processou por assédio sexual. Ela disse que ele não só tentava relações com ela como pedia que ela arranjasse massagistas dispostas a fazer sexo oral nele. O processo foi encerrado quando ambas as partes chegaram em um acordo financeiro.

Racistas existem em todos os lugares, é fato. Pessoas idiotas que acham que podem tudo porque tem dinheiro também. Sterling não é exceção ou novidade em nenhum dos casos, mas é especial por ser o dono de time mais fracassado em toda a NBA, disparado, e ao mesmo tempo o que tem o pior histórico em questão de comportamento. Por que será que a NBA, que é capaz de multar e suspender jogadores que dirigem bêbados nas férias ou brigam em uma casa noturna, não faz nada contra um dono de equipe com tantas acusações de racismo e mal comportamento dentro e fora do time? Ele também não mancha a imagem perfeitinha da NBA? Difícil sugerir o que fazer, não sei nada da lei e dos contratos entre as franquias e a NBA, mas algum tipo de pressão teria que existir.

Na página sobre Donald Sterling no site do LA Clippers não há nenhuma dessas informações, mas você descobre que ele ganhou o prêmio BBA de Humanitário do Ano em 2008 e o prêmio de “Herói das Crianças” em 2006.

…..
Outros textos da coleção “Dono da Bola” sobre donos de equipes:
Philadelphia 76ers – Ed Snider
Boston Celtics – Wyc Grousbeck
Washington Wizards – Abe Pollin

O time do momento

>

A difícil vida de Blake Griffin

Não deixem a antepenúltima posição do Oeste e a 7ª pior colocação na NBA te enganarem, o LA Clippers é hoje um dos grandes times da liga. Talvez não dure muito tempo, a maldição está aí para acontecer a qualquer segundo e estragar tudo, mas temos que aproveitar o momento para enaltecer como esse time está jogando bem. E eu estou falando do time mesmo, não só do novo queridinho do público, Blake Griffin.

Se formos olhar no calendário e buscarmos os jogos desde exatamente um mês atrás, eles tem 11 vitórias e 5 derrotas nesse período, se lembrarmos que eles tem hoje 16 vitórias e 26 derrotas no total fica fácil fazer a conta e descobrir como o time era horripilante antes dessa boa fase. E a pergunta que não quer calar é o que diabos aconteceu para o time começar a vencer de lá pra cá?

Certamente não foi um calendário fácil como aqueles que motivaram o começo de temporada forte do Lakers ou aquela sequência de vitórias do Knicks, só lembrar que no meio do caminho eles bateram o Bulls, o Heat e o Lakers, sendo o primeiro em Chicago! E se você olhar os números, dá pra ver que eles melhoraram em tudo. O número de pontos sofridos caiu de 105 por jogo em novembro para 95 em dezembo, nesse período o número de pontos marcados caiu um pouco de 98 para 96, mas em compensação em Janeiro pulou para 106 por partida. O número de assistências também sobe mês a mês, junto com a dos tocos e tudo mais que pode ser mensurado em um jogo de basquete.

O primeiro instinto é celebrar a temporada maravilhosa que fazem dois jovens jogadores, Eric Gordon e Blake Griffin. O Eric Gordon é a estrela silenciosa da equipe, sem ninguém dar muita atenção pra ele (afinal joga no Clippers e tem a sombra colossal do Griffin) tem média de 24 pontos por jogo, o que faz dele o 8º cestinha da temporada atrás de Durant, Amar’e, Kobe, LeBron, Wade, Ellis e Rose. Ou seja, juntinho de todo mundo que está todos os dias aparecendo nas listas de MVP da temporada. Completando o Top 10 de cestinhas estão Dirk Nowitzki e Carmelo Anthony, o que faz de Eric Gordon, disparado, o cara mais desconhecido entre os grandes pontuadores da NBA na atualidade.

O Eric Gordon é mais um dos jogadores que chegaram cheios de confiança depois do mundial da Turquia vencido pelos EUA, junto com Russell Westbrook, Kevin Durant, Steph Curry e outros que vão ser exemplo por anos de como jogar na offseason pode render bons frutos ao invés de ser apenas risco de contusão. O Luis Scola já disse que jogar durante as férias ajuda ele a não perder o ritmo e eu não tenho dúvidas de que seria bom para o Tiago Splitter jogar pela seleção no pré-olímpico só para se mexer depois de tantos meses esquentando banco. Mas além disso, Gordon funciona no Clippers porque ele é o tipo de jogador perfeito para atuar ao lado de jogadores do tipo de Blake Griffin e Baron Davis. Ele é bom arremessador, abre espaços na quadra e não precisa ter a bola na mão o tempo inteiro para ser efetivo. Gordon já seria útil só arremessando, que era basicamente o que ele fazia até o ano passado, mas agora ele também está batendo pra dentro e se movimentando muito bem sem a bola. Com esse tipo de jogo você dificilmente vê ele forçando bolas idiotas, o que é raro para alguém que faz tantos pontos. É um daqueles casos de role players que são tão bons que são estrelas, mas com as características de role players. Confuso? É como aquela garota que nem é tão bonita, mas se veste tão bem e é tão engraçada que parece uma Miss Universo. Sim, você pensou naquela menina da sua classe e agora entendeu.

A verdadeira garota mais linda da escola é o Blake Griffin. Não dá pra descrever o impacto que o garoto está tendo na NBA e o quanto ele é espetacular. As enterradas impressionam mais do que tudo, é claro, daria pra fazer um Top 50 de melhores jogadas dele todas de altíssimo nível e só estamos no meio da temporada! Mas tem muito mais além disso, ele tem um bom arremesso de meia distância e sabe usar a tabela como o Tim Duncan, tem um giro para infiltrar que é muito eficiente, é rápido e, o que mais me surpreendeu, bate a bola como um armador, dribla como o bom e jovem Kevin Garnett. E se eu usei Duncan e Garnett para dar parâmetros do estilo e qualidade de jogo de um novato já deu pra sacar, ele é um absurdo de bom! Vale lembrar, para mostrar o nível do rapaz, como ele foi anulado por Gasol e Odom no primeiro tempo da partida contra o Lakers e voltou no segundo tempo com outro jogo, outras jogadas, outra estratégia e ganhou o jogo para o Clippers. Essa capacidade de adaptação para um novato é coisa de outro mundo.

Só pra não dizer que ele é perfeito e o melhor de todos desde já, como algumas pessoas insinuam, ele tem seus defeitos. Muitas vezes ele falha no posicionamento de rebote defensivo (embora no ataque seja fantástico) e para alguém com esse tamanho e impulsão a média de apenas 0.6 tocos por jogo é decepcionante. Como vimos ontem contra o cada vez melhor LaMarcus Aldridge, ele ainda tem uns macetes para pegar na defesa também. Mas sinceramente, é o tipo de comentário focado nos detalhes, uma coisinha ou outra para ajustar com o tempo e em poucos anos se tornar incontestável.

Um blog gringo que eu sempre recomendo aqui é o Basketbawful, que é sem dúvida o mais engraçado sobre NBA. Uma das características do blog, a principal na verdade, é apontar tudo o que de ruim acontece na liga, todo dia tem um resumo deixando claro as merdas que cada um faz. Mesmo quem é bom e joga muito tem aquele detalhe negativo exposto para o nosso entretenimento. Sem contar que eles são sempre céticos e pessimistas, não dão elogios de graça para ninguém além do ídolo máximo do blog, Larry Bird.

Porém, eis o que eles escreveram há poucos dias quando Blake Griffin marcou 47 pontos contra o Indiana Pacers, maior marca de um jogador nessa temporada:

“Pense em todos os jogadores que deveriam dar uma reviravolta no Clippers: Bill Walton, Danny Manning, Antonio McDyess, Michael Olowokandi, Lamar Odom, Darius Miles, Elton Brand, Shaun Livingston… tantos fracassos.

Mas o Griffin é de verdade. O garoto é impressionante. E eu digo isso mesmo sendo o mais cínico da blogosfera em relação a tudo dentro da NBA. Não é só o seu talento, mas a sua atitude também. Eu sou um fã de Blake Griffin, ele me fez assistir ao Clippers. E eu nunca achei que isso fosse acontecer. Nunca.”

Esse pequeno texto deixa claro como é difícil se destacar no Clippers, não basta ter talento. E foca também na atitude do Griffin. Ele não é medroso e aceita derrotas como todos dentro da franquia, ele é agressivo, encara depois da enterrada, infla os companheiros de motivação a cada jogada, chama o jogo no final das partidas (e com sucesso, ao contrário do DeMarcus Cousins). Foi essa atitude positiva do Griffin, a mensagem que ele passa de que é um jogador que tem talento e quer vencer, que provocou a grande mudança na temporada Clipperiana.

O recorde patético mudou para um dos melhores da NBA quando Baron Davis voltou ao time e começou a jogar o seu melhor basquete desde que ainda não brigava com Don Nelson no Golden State Warriors. No começo dessa temporada o B-Diddy foi afastado do time pelo técnico Vinny Del Negro por estar fora de forma e não ter treinado na offseason. Até fizemos piada aqui quando ele disse que quando era novo ficava em forma rapidinho e agora se surpreende em como demora para ficar magro, é duro ficar velho. Mas depois do período fora ele recuperou (um pouco) a boa forma e, mais do que isso, voltou a ter vontade de jogar. Baron Davis é um daqueles jogadores com o ego difícil de controlar e que se acha o centro do mundo, se as coisas não são do jeito dele, dá o fora, ignora. Quando o resto do time não era bom ele não se dava ao trabalho de tentar melhorar as coisas, simplesmente deixava pra lá, mas agora, vendo que esse elenco com Eric Gordon, Blake Griffin e outras promessas como Al-Farouq Aminu e especialmente DeAndre Jordan está jogando bem, quer fazer parte da festa.

Dá pra questionar suas atitudes, sua personalidade, mas não o seu basquete. Quando ele tem aquele arremesso de meia distância funcionado ele é imparável nos pick-and-rolls e quando não está bocejando pensando no que vai comer quando voltar pra casa pode defender como um dos melhores. É mais um como Lamar Odom ou Vince Carter, é um dos melhores, mas só se valer a pena o esforço e a fadiga.

Para esse ano provavelmente não vai dar para ir para os playoffs. No Oeste é provável que os times precisem de 48 a 50 vitórias para estar em oitavo lugar e o Clippers tem 16 vitórias faltando 40 jogos. Se eles conseguirem 32 vitórias em 40 jogos não só se classificam como já entram favoritos a ganhar de todo mundo, porque seria heróico. Mas não só fica a boa impressão para o próximo ano como vale a pena vê-los em ação só pelo prazer de ver um time que agora tem padrão de jogo, jogadas bonitas e jogadores criativos. O resto dos times bons você vê nos playoffs, para a temporada a melhor pedida é pegar o League Pass e procurar o jogo do Clippers. E, juro, não estou sendo irônico.

Os 47 pontos de Griffin contra o Pacers:

E só pra lembrar que o Eric Gordon faz mais do que só bolas de 3

Ah, o Clippers tem um lado sombrio que vai além da sua maldição de fracassos. O dono do time Donald Sterling, para saber mais dele vai ter um perfil do cara por aqui nesse fim de semana. E vocês sabem, promessa do Bola Presa… (é furada, mas vou me esforçar!)

Atualização: Me avisaram nos comentários que o Blog Grandes Ligas fez um texto sobre o Donald Sterling. É muito bom, conta bastante dos absurdos que esse cara faz por aí! Ótima leitura.

O Mavericks e a zona

>

 Nowitzki conta para o árbitro que está chovendo

No sábado, o Dallas Mavericks teve o melhor primeiro quarto que eu já vi na vida – chegando a vencer por 29 a 4 em cima do coitadinho do Utah Jazz. O primeiro quarto espetacular não mostra apenas quão bom esse Mavs realmente é, ele nos mostra também – assim como nos mostra a reação do Jazz no mesmo jogo – a importância das defesas por zona na NBA.

Para quem não viu, os melhores momentos da partida estão aí abaixo:

Confesso que, já faz muito tempo, não sou um fã das movimentações ofensivas do Mavs. Nunca entendi times que preferem terminar contra-ataques com arremessos de três, e o ataque sempre se baseou muito na isolação de jogadores mesmo com um armador épico como o Jason Kidd em quadra. Eu reclamava bastante por aqui no blog de como o Kidd era mal utilizado, que ele ficava entediado num canto sendo obrigado a passar para o lado, e que o técnico Rick Carlisle, mesmo sendo um baita nerd de basquete, não tinha conseguido se utilizar da inteligência do armador. Mas as coisas no Mavs mudaram bastante no ataque graças a uma única mudança drástica – que foi do outro lado da quadra, na defesa.

Escrevi uns meses atrás sobre como tem gente por aí achando que a NBA não usa defesa por zona – o que é um engano enorme – mas que as regras da NBA incentivam os jogadores a infiltrarem, ao contrário do que acontece na FIBA, em que as bolas de três (e as defesas por zona) são regra absoluta. A NBA é a liga de basquete em que menos se arremessa de três no mundo, as regras privilegiam o jogador que ataca a cesta e procura o contato, as jogadas acabam tentando isolar jogadores para que infiltrem, e a defesa por zona tende a ser menos usada. Ainda assim, todos os times usam em vários momentos de todas as partidas com sucessos variados. Mas nenhum time usa a defesa por zona de modo integral, durante todos os minutos de todas as partidas, como o Dallas Mavericks tem feito nessa temporada.

Foi-se o tempo em que o Dallas, por não ter defesa (“D”, como é carinhosamente chamada em inglês), era chamado de “Allas Mavericks”. Assim que o Don Nelson deu o fora e o Avery Johnson assumiu a equipe, o Mavs deixou de ser uma peneira para se tornar uma defesa bastante respeitável. É claro que as deficiências individuais sempre comprometeram a defesa da equipe como um todo (faltava um pivô, Nowitzki tem problemas para defender o garrafão, Jason Kidd hoje em dia só defende as linhas de passe), mas nada que impedisse a defesa de ser sólida e muito distante daquele projeto-de-Warriors que era o Mavs da era Don Nelson.

Aquela mentalidade defensiva instaurada por Avery Johnson (que é muito melhor técnico do que lhe dão crédito) é o que tornou possível a defesa por zona em tempo integral de Rick Carlisle, um projeto ousado para a NBA atual. O Mavs inteiro se mostra comprometido com a defesa a um ponto tal que as deficiências individuais simplesmente desaparecem. Na prática, funciona assim: Jason Kidd marca individualmente o jogador que arma o jogo e que, portando, detém a bola. Mas dois jogadores marcam as laterais do jogador que arma o jogo, dois passos para trás do perímetro. As infiltrações ficam muito complicadas porque o jogador passa a enfrentar três marcadores, e os arremessos do perímetro são inibidos pela marcação homem-a-homem do armador do Mavs. O que sobra, claro, é um corredor paralelo à linha de fundo embaixo da cesta, em que os jogadores adversários podem transitar livremente e receber a bola sem dificuldade. Quando o Celtics usou essa mesma defesa nos playoffs passados para parar LeBron James, a solução para esse “corredor” era descer a porrada em quem recebesse a bola lá embaixo, forçando o Shaq a cobrar trocentos lances livres (já que ele fede no quesito). No caso do Mavs, a solução é, quem diria, Tyson Chandler. Todo mundo adora dizer que ele não sabe bem amarrar os próprios cadarços, mas a verdade é que ele nasceu para defesas por zona. Sua velocidade lateral garante a proteção dos dois lados do garrafão e torna o Mavericks um pesadelo de se enfrentar perto do aro. A solução contra a zona do Mavericks é amontoar o garrafão e ter que arremessar de fora, no espaço entre dois defensores – o que também significa, na prática, que existem dois defensores bem próximos tentando cheirar o seu pescoço. Contra o Jazz, a defesa por zona do Mavs anulou a movimentação ofensiva da equipe e pavimentou o caminho para o 29 a 4 inicial.

Mas o mais curioso, para mim, é como essa paixão pela defesa por zona no Mavs teve resultados positivos no ataque. O Mavs sempre gostou do jogo de perímetro, mas agora eles jogam em todas as partidas como se estivessem sempre enfrentando defesas por zona, procurando arremessar ao máximo. Isso porque usar a zona de modo tão eficiente também lhe ensina como vencê-la. O Mavs agora dá passes muito rápidos, gira a bola no perímetro, encontra os jogadores livres, e isola o mínimo possível. Dirk Nowitzki, contra o Jazz, acertou 10 de seus 12 arremessos, poderia ter arremessado mais umas 20 vezes, mas prefere não interromper a rotação da bola e premiar os companheiros de equipe livres. Quer aprender a vencer a defesa por zona do Mavs? Veja o Mavs jogar. Não dá pra um jogador sequer forçar arremessos, não dá pra centralizar o jogo, tem que colocar a bola nas mãos de todo mundo, passar o mais rápido possível, e sempre premiar com um arremesso o jogador que ficar sozinho contra a zona. Mesmo que ele seja ruim. Lembra de como a defesa por zona do Thunder deixava sempre o Artest livre na zona morta porque o arremesso dele fedia? Funcionou um jogo, funcionou dois, mas uma hora o Artest treinou e os arremessos caíram e o Lakers venceu a série. Simples assim.

Vale ressaltar, no entanto, que o Jazz conseguiu empatar o jogo com o Mavs no quarto período justamente porque passou a usar uma defesa por zona também. Foi antes de acabar o primeiro período ainda, uma defesa 3-2 focada no perímetro, e o Mavs teve problemas em estabelecer o ritmo que colocou no começo do jogo. Falta ainda para o Mavs um jogo forte de garrafão, uma jogada de segurança perto da cesta, e eu costumo insistir que é difícil levar a equipe a sério – especialmente nos playoffs – se a jogada de segurança, no final dos jogos, for um arremesso de longe, contestado, ou uma isolação para arremesso da cabeça do garrafão. É o mesmo motivo pelo qual não levo o Orlando Magic a sério (já que no final dos jogos não dá pra passar a bola para o Dwight Howard, que sofre a falta e não converte os lances livres). A dificuldade de jogar próximo à cesta ainda está lá no Mavs, mas a evolução do Nowitzki até mesmo nesse sentido é bem clara. O alemão não é apenas um dos melhores jogadores da NBA na atualidade, ele é um dos melhores de todos os tempos e ainda não atingiu seu ápice. Sua defesa melhora a cada dia, sua inteligência em defesas por zona só agora vem à tona, e seu ataque fica cada vez mais diversificado e agressivo próximo à cesta. Ele corre como se tivesse duas pernas esquerdas, mas e daí, seu jogo é eficiente e meu filho vai ter a mesma mecânica de arremesso que ele (vou fazer maratona de vídeos do Nowitzki e dar surra de chibata se ele arremessar como o Leandrinho, que parece um garçom segurando uma bandeja). Cada vez mais o Dirk sabe aproximar a bola do aro nas jogadas importantes e sua habilidade nos lances livres coloca medo nas defesas de descer o sarrafo. Mas ainda falta um bocado para que isso seja uma tendência na equipe e o Mavs consiga efetuar essas jogadas com naturalidade.

Me dou ao direito de ficar sempre com um pé atrás com o Mavericks enquanto o foco for exageradamente no perímetro, mas também me deu ao direito de babar no basquete que eles estão jogando agora. E babar muito, nível Alinne Moraes de babação. É a melhor defesa de se assistir em toda a NBA, e o ataque é muito mais inteligente do que foi nas últimas temporadas – o Jason Kidd até parece ser bem utilizado, o que é um milagre que já vale nossa admiração. Não fico mais tendo um aneurisma cerebram de ver o Kidd tendo que isolar o Shaw Marion de costas para a cesta ou o Caron Butler atrás da linha de três. Vencer 12 partidas seguidas não é acaso, nunca, e a contagem positiva só tende a continuar. Dia 20 de dezembro enfrentam o Heat, que vem de 8 vitórias seguidas, e vai ser legal ver como o ataque fraco de perímetro da equipe de Miami vai enfrentar a defesa por zona do Mavericks. Jogão, e o Mavs agora entra sempre como favorito. Não dá nunca pra respirar aliviado contra equipes com defesas fortes, e a fama do Mavs como melhor defesa por zona da NBA já está bem difundida. As equipes precisam se preparar para enfrentar a zona e acabam dando menos atenção para outros aspectos do jogo. O Mavs agora, finalmente, bota medo nos adversários – coisa que em geral nunca acontece em times sem jogadores físicos e que atacam pouco a cesta.

Mas voltando ao empate do Jazz contra o Mavs no finalzinho do jogo, vale também ressaltar que não foi apenas a defesa por zona que o Jazz colocou em prática a responsável por igualar o jogo. Grande parte da responsabilidade foi de Deron Williams colocando a bola debaixo do braço e resolvendo decidir sozinho. Parece que em todo começo de jogo do Jazz, o time acha que ainda tem o Carlos Boozer e começa com o jogo de corta-luz e arremessos de média distância com os jogadores de garrafão. As bolas não caem, a tática não funciona, e aí o Deron Williams começa a resolver sozinho. Infiltrando mais (já que é atualmente o armador mais forte da liga) cria espaços para os jogadores de garrafão; arremessando mais, a defesa vai para o perímetro e os jogadores de garrafão têm mais espaço para atuar. Paul Millsap e Al Jefferson possuem arremessos razoáveis, mas não são o Carlos Boozer, não molham as calças de alegria com um arremesso livre da cabeça do garrafão. Quanto mais ativo o Deron Williams é em quadra, mais Millsap e Al Jefferson podem ser ativos embaixo da cesta, onde realmente se destacam. Todas as reações históricas que o Jazz andou fazendo nessa temporada concordam nisso: o Jazz engrena quando o Deron Williams resolve ser o dono da budega.

Nesse ponto, aquela velha comparação do Deron Williams com o Chris Paul é praticamente impossível. Dia desses nos perguntaram no formspring o motivo do Chris Paul ser “passivo”, não decidir os jogos sozinho como faz o Deron Williams. Pra começar, eles são jogadores muito diferentes. O Deron gosta mais de arremessar, é mais físico, procura o contato. O Chris Paul prefere a velocidade, os contra-ataques, é mais distribuidor. Mas, como sempre insistimos, a diferença sempre está ligada também aos companheiros de equipe, ao resto do elenco – nenhum jogador entra em quadra sozinho. Contra o Sixers, ontem, Chris Paul atacou a cesta (acertou 8 dos 12 arremessos, todas as duas bolas de 3 e os 7 lances livres que tentou) e passou mais tempo com a bola nas mãos – e a derrota foi vergonhosa. Na temporada passada, antes da contusão, o Chris Paul já estava pontuando como um maluco (chegou a ter mais de 30 pontos por jogo) na tentativa de evitar as derrotas constantes, e isso simplesmente não funciona. Parece absurdo, mas o elenco do Hornets é tão limitado que o único jeito de fazer com que saia de quadra com a vitória é minimizar as limitações e se aproveitar de suas qualidades. O Jazz é um timaço, o garrafão é forte, eles podem comer pelas beiradas, receber poucas bolas, viver de rebotes de ataque. O Hornets fede, se você não garantir que o Belinelli vai ter a bola naquele canto exato da quadra, ele não vai te render nada, bulhufas, não vai nem te pagar um refrigerante. O que o Chris Paul precisa fazer é garantir que todo mundo vai render ao máximo, porque ninguém ali naquele elenco é capaz de render sozinho, todo mundo é só carregador de piano. Eu avisei, quando o Trevor Ariza chegou em New Orleans, que ele não iria fazer nada sozinho, seria apenas mais um coadjuvante na equipe – isso porque eu o vi no meu Houston Rockets recebendo a responsa de criar o próprio arremesso e simplesmente sentando na calçada para chorar. Chris Paul tem que fazer todo o trabalho pesado para que os outros brilhem. Não vai dar certo sempre, mas é melhor do que o Chris Paul botar a bola debaixo do braço e assistir aos seus companheiros definhando até a morte, à espera da derrota certa.

Justamente por isso a defesa por zona também tem sido tão importante para o Hornets. O elenco limitado, quando se compromete com algo e joga em conjunto, consegue ser mais forte defensivamente. A defesa por zona exige trabalho coletivo, e maximiza a capacidade de Chris Paul de interceptar as linhas de passe e puxar contra-ataques. O problema é que a defesa por zona do Hornets é vulnerável no perímetro e, talvez por isso, só vem sendo usada nos minutos finais dos quartos (em geral nos 5 minutos finais do quarto perído), que é quando os times têm mais medo de arremessar (e motivo pelo qual o Mavericks precisa de jogadas embaixo da cesta para fechar os jogos, e o Magic depende tanto das infiltrações do Jameer Nelson). O que falta para o Hornets, claro, é encontrar uma consistência no ataque que permita ao time chegar aos minutos finais do quarto período com chances de vitória, algo que dificilmente acontecerá com o Chris Paul se focando apenas em pontuar.

>Fedem mas nem tanto

>

“Dá um abraço no titio!”

Só de brincadeira, imagine que os 15 times de cada Conferência fossem aos playoffs no mesmo formato em que ele é hoje em dia: o melhor time enfrentando o pior, o segundo melhor enfrentando o segundo pior e assim por diante. Se os playoffs começassem hoje, teríamos o melhor time do Oeste, que é o Spurs, enfrentando o pior da  Conferência, que é o Clippers. Enquanto isso, o Lakers em má fase, que caiu para a quarta colocação, enfrentaria o Houston em fase tenebrosa, amargando a quarta pior campanha do Oeste. E, ainda assim, Clippers e Rockets saíram vitoriosos ontem. As duas zebras mostram não apenas que o Lakers anda tropeçando nas próprias pernas e que o Spurs não é esse time imbatível que se comenta por aí, mas também que Rockets e Clippers são equipes muito melhores do que suas campanhas indicam.

A última posição na tabela para o Clippers, em especial, é muito cruel. Isso porque um dos responsáveis pela péssima campanha é a famosa “maldição do Clippers”, que sempre dá um jeito de contundir todo mundo caso o time seja bom: dentre os titulares, Chris Kaman está com uma torção e só jogou metade das partidas até agora, e Baron Davis tem problemas nos joelhos – fora que seus reservas também estão baleados, com o Eric Bledsoe voltando de uma torção no tornozelo e o Randy Foye ainda fora com uma lesão na coxa.

Com Kaman e Baron Davis em plenas condições no quinteto titular, o Clippers certamente teria mais algumas vitórias para sair do fundo do poço. No caso do Kaman, ele é um melhores pivôs da NBA e sua presença embaixo do aro certamente diminuiria a marcação em cima de Blake Griffin – além, claro, de ajudar o time na defesa do garrafão, em que eles fedem. Mas no caso do Baron Davis, o negócio é mais complicado. Quando ele entra bem em quadra, como foi o que aconteceu na partida de ontem contra o Spurs, o Clippers é um timaço. Não faz muito tempo que o Baron Davis era considerado um dos melhores armadores da liga, levando nas costas aquele Warriors que desclassificou o Mavs, dono da então melhor campanha na temporada regular. O problema é que, mesmo quando as contusões não aparecem, é muito difícil ver o Baron Davis entrar bem em quadra, simplesmente porque ele não se importa.

Quando jogava no Warriors, jogava com intensidade, enterrava na cabeça de todo mundo e chamava para si a responsabilidade. Às vezes, até demais. Por ser fominha demais em jogos cruciais que decidiriam a vaga para os playoffs, Don Nelson começou a deixar o Baron Davis de molho no banco de reservas nos momentos importantes das partidas. Não demorou para que ele desse o fora de lá, por conta própria, e escolhesse jogar em Los Angeles para estar mais próximo de sua empresa, uma produtora de filmes. Mas o arrependimento veio logo: Baron Davis descobriu que todas as outras equipes de basquete não comandadas pelo técnico-biruta Don Nelson eram times de verdade, com horários, treinos, defesa, regras de alimentação, jogadas planejadas. Em mais de uma ocasião, Davis foi a público dizer como as coisas eram mais “suaves” no Warriors, e que ele não se dava bem com o clima rígido e pesado do Clippers. Aos poucos foi se desinteressando, focado na produção de filmes nas suas férias, e deixando o basquete de lado.

A troca de técnico talvez pudesse renovar o interesse do Baron Davis, mas o primeiro passo foi catastrófico: ele se apresentou ao time completamente gordo, sem ter jogado um único minuto de basquete nas férias, e o novo técnico Vinny Del Negro ficou puto da vida. Esse é o Baron Davis, senhoras e senhores: um jogador que poderia estar chutando traseiros mas que já torrou o saco, apenas aguarda sua aposentadoria pra poder parar com essa bobagem de basquete. Tipo quem trabalha em banco.

O curioso é que o Baron Davis gordo e desinteressado já seria o bastante para que o Clippers se tornasse um time respeitável. É por isso que, tirando as lesões, a culpa é quase toda do Vinny Del Negro, que de bom só tem o nome de boxeador. Quanto mais vejo o Clippers jogar, mais lembro dos problemas do Bulls na temporada passada e mais acho o Vinny Del Negro um técnico medonho. No Clippers, quando a bola gira no ataque para um dos lados da quadra, ela simplesmente morre por lá. É como se o time tivesse uma jogada para levar a bola para a zona morta, mas quando não surge com isso uma oportunidade de arremesso, a jogada congela. Fica um jogador com cara de bunda segurando a bola bem marcado, 15 segundos sobrando no relógio de arremesso, e aí vai forçando caminho contra a defesa até fazer alguma merda. Essas jogadas que simplesmente “morrem” se extendem a qualquer jogada planejada pelo Clippers. Quando eles fazem um corta-luz na cabeça do garrafão, por exemplo, e não surge uma oportunidade de cesta, o armador sobra com a bola nas mãos e o time inteiro fica parado – provavelmente pensando algo como “nós só planejamos até aqui”. As jogadas não tem nem ritmo, nem continuidade, e nem um “plano B”. Provavelmente por isso o Derrick Rose era obrigado a se virar tanto sozinho, naquelas jogadas de abaixar a cabeça e correr pra frente que eu tanto critiquei na temporada passada. Pronto, tá aí: depois de ver o Clippers jogar e de ver o Derrick Rose acabar com o meu Houston Rockets uma semana atrás, posso dizer que ele chuta mesmo traseiros e que a culpa era do Vinny Del Negro.

Por isso mesmo o Baron Davis é tão importante para esse Clippers: só ele pode fazer o que o Derrick Rose fazia, que é conseguir espaço à força na defesa e conseguir uma situação de cesta. Ontem contra o Spurs, parecia até brincadeira de criança: o gordinho ia com seus movimentos em câmera lenta adentrando no garrafão da equipe de San Antonio e aí passava pro Griffin só porque era legal. Foi assim que o Griffin deu mais enterradas livres do que em qualquer outro jogo da carreira, e contra uma defesa que deveria ter engolido o novato vivo (pensando melhor, o Griffin já jogou contra o Knicks, então com certeza já deu mais enterradas livres, sim). O Blake Griffin anda despirocando a cabeça da molecada, já diriam essas gírias que eu não faço ideia do que significam. Ele já virou queridinho de uma grande parte do pessoal que acompanha a NBA e tinha saudades de ver tanta enterrada de um cara que não chame Dwight Howard. E tem mais, o Blake Griffin cria os próprios arremessos, arranja na marra o espaço para enterrar, e pode finalizar com as duas mãos sem ter que enterrar em toda jogada. Ou seja, sua inteligência no ataque é o bastante para vencer alguns jogos sozinho, enquanto a inteligência ofensiva do Dwight consegue no máximo fazer cruzadinhas no nível “É sopa!”.

Mas é claro que o Dwight dá um pau quando o assunto é defesa, e é nesse ponto que os novos fãs do Clippers precisam respirar fundo e entender que o time ainda fede. Recebemos perguntas e comentários no formspring o tempo inteiro dizendo que o Griffin vai ser MVP, que o time só precisa de um armador para ser campeão, que o Clippers vai para os playoffs. Vamos parar com as “dorgas”, por favor. Se não bastasse o ataque do Vinny Del Negro ser um desastre e depender justamente de um jogador que não está nem um pouco interessado em jogar basquete, a defesa é ainda pior. O posicionamento para os rebotes é péssimo (inclusive por parte do Griffin), a cobertura é mal feita porque a marcação não roda, e faltam defensores no perímetro. No garrafão, DeAndre Jordan é muito cru e, mesmo tendo muito potencial, não deixa de ser simplesmente uma anta. Suas falhas defensivas são assustadoras, coisa que um gorila treinado não faria, mas aí ele dá alguns tocos espetaculares porque ele conseguiria pular até a Lua se quisesse e todo mundo esquece das cagadas. Kaman precisa voltar logo, pena que os joelhos dele são feitos de farinha.

Eric Gordon está chutando traseiros, voltou espetacular de seu tempinho com a seleção gringa, mas o aproveitamento nas bolas de três pontos tem sido um problema. Eric Gordon tem problemas para se livrar da marcação no perímetro, e as jogadas do Clippers nunca lhe deixam livre. Falta um bom passador no garrafão (coisa que o Griffin, só às vezes, consegue ser) e jogadas que girem a bola atrás de um jogador livre, não que morram nas mãos do Eric Gordon bem marcado e ele não possa fazer nada a não ser forçar uma bola de três pontos horrorosa. Contra defesas de perímetro mais vagabundas, o Clippers é um time bem mais eficiente.

Coisa similar acontece com o Houston Rockets, que também não merece amargar a quarta pior campanha do Oeste. Já falei deles num post recentemente, abordando a dificuldade do time em conseguir um padrão de jogo, mas ainda assim formam uma equipe muito perigosa quando as bolas de três pontos estão caindo. As movimentações ofensivas do técnico Rick Adelman se focam muito em cortes em direção à cesta, seja pelo meio do garrafão, seja pelo fundo da quadra. As equipes que defendem bem o garrafão acabam diminuindo a movimentação do Houston, e as bolas de três pontos precisam cair porque sobra muito espaço para arremessar nesse esquema. Bons arremessadores o time até tem, mas além da maioria não arremessar tanto quanto deveria (deve ser resultado de muita lavagem cerebral do tipo “passem primeiro para o garrafão, procurem primeiro o Yao Ming“, que vai resultar em cedo ou tarde alguém passando a bola para o Yao de terno no banco de reservas), o aproveitamento também tem sido péssimo. Minha sugestão é que se trata, agora, de uma questão de confiança. Após perder os primeiros jogos por placares apertados, não ter mais Yao Ming, e ver a posição na tabela caindo cada vez mais, os arremessos de três ganham outro peso, ficam mais difíceis de converter. Especialmente porque o melhor arremessador da equipe, que é o armador titular Aaron Brooks, passou a maior parte da temporada fora lesionado. Quando ele acerta um par de bolinhas o time acalma, respira, e fica mais fácil para os jogadores secundários acertarem as deles. Depender de bolas de três de quem está tremendo e não quer arremessar fica muito complicado.

É por isso que o Houston venceu o Lakers ontem na experiência do Shane Battier, que sempre foi um bom arremessador de três da zona morta mas que pouco arremessa nesse time, executando outras funções – especialmente defensivas porque o resto do Rockets fede e muito na defesa. Quando as bolas de três caem o Houston é muito perigoso, e isso agora significa – sem Aaron Brooks – que o Battier precisa usar seu sangue frio para arremessar mais. O time coloca cada vez mais a bola nas mãos do Kevin Martin nos momentos difíceis, e ele é um bom arremessador, mas sua tendência é sempre de bater para dentro. Dá pra ver que ele força arremessos de três que não queria dar apenas porque sabe que o time precisa deles, mas sua especialidade é outra – e os próprios arremessos de três que dá seriam mais eficientes se ele pudesse chutar apenas quando está realmente livre, sem a pressão de ter que arremessar a toda hora.

Quando Brooks e Yao voltarem, a situação melhora e o fundo da tabela vai ser coisa do passado, mas a falta de padrão de jogo vai acompanhar para sempre esse time enquanto o Yao for peça central. Assim como o Clippers, que sabe muito bem como é depender de um jogador como o Baron Davis que você nunca sabe se estará lá de verdade, se você poderá ou não contar com ele. O potencial para que os times escalem rumo aos playoffs existe, mas as chances beiram ao ridículo graças à essa dependência de jogadores inconstantes e o quanto isso destrói o padrão de jogo de uma equipe.

Sobre o Lakers e o Spurs, que perderam, a gente comenta nos próximos dias. Mas não antes de comentar a partida de hoje à noite entre Cavs e Heat, que é também um jogo entre um dos quatro melhores do Leste contra um adversário mais fraco – mas que estaria indo para os playoffs, em oitavo, com seus próprios méritos. E tudo isso sendo bem pior do que Clippers e Rockets, vale ressaltar. O mistério do rendimento do Cavs e a reação da equipe – e da cidade – à presença de LeBron James serão nosso post de amanhã. E, antes disso, não deixe de acompanhar a partida (que começa às 23h) através do nosso twitter, que vai estar bombaaaando, cheio de curtição e azaração para a nossa galerinha irada!

1 95 96 97 98 99 100 101 114