As prorrogações em números

A partida de 4 prorrogações entre o Atlanta Hawks e o Utah Jazz na noite desse domingo chamou algumas perguntas: Qual o recorde de prorrogações em um jogo da NBA? E quem jogou mais minutos em um jogo? E nos playoffs? Então seguem as estatísticas mais interessantes sobre prorrogações na NBA.

Mais prorrogações em um jogo
O recorde de prorrogações em um jogo é de 6. Foi na partida entre Indianapolis Olympians e Rochester Royals, vencida pelo Olympians por 75 a 73 em 1951. É importante lembrar que nessa época não existia relógio de 24 segundos definindo a posse , então os times podiam segurar a bola por mais tempo e correr menos riscos. Por isso o placar baixo mesmo com tanto tempo extra.

Mais minutos jogados
O recorde de minutos disputados em uma partida aconteceu no jogo com maior número de tempos extras na era dos 24 segundos. O Seattle Supersonics perdeu para o Milwaukee Bucks após 5 prorrogações em novembro de 1989! Quem mais deve ter sofrido com a derrota foi o ala do Sonics Dale Ellis (foto), que jogou 69 dos 73 minutos possíveis. Ele saiu de quadra com 53 pontos, 20 deles marcados só nas prorrogações, e com a derrota. O segundo lugar da lista é de seu companheiro de Sonics, o pivô Xavier McDaniel, que no mesmo jogo atuou por 68 minutos, conseguindo 37 pontos e 13 rebotes. Entre os jogadores ainda em atividade o recorde é de Vince Carter. Em 2001 ele jogou todos os 63 minutos na derrota de seu Toronto Raptors para o Sacramento Kings por 119-118, a partida teve 3 prorrogações e Vinsanity (na época ele mais que merecia o apelido) fez 38 pontos e pegou 10 rebotes.

Na partida de ontem Gordon Hayward jogou 57 minutos, recorde do Utah Jazz empatado com a marca de Karl Malone de 1992 em um jogo de tripla prorrogação contra o Chicago Bulls. Quem mais jogou pelo Hawks foi Joe Johnson, com 55. O recorde da franquia é do mesmo JJ, que jogou 57 em uma derrota após dupla prorrogação para o Kincks em 2006.

Mais pontos marcados em uma prorrogação
Curiosamente o dono desse recorde foi, por um pequeno período de tempo, o anão Earl Boykins. Em 2005 ele quebrou um recorde que durava 21 anos e marcou 15 dos 21 pontos do Denver Nuggets em uma prorrogação contra o Sonics. O jogador de 1,65m só perdeu o posto quando Gilbert Arenas fez 16 pontos em uma prorrogação sobre o Los Angeles Lakers em 2006. Naquele jogo o Agent Zero marcou 60 pontos!

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=hm2XO28YRYU[/youtube]

Se falarmos de times, não jogadores, o recorde de pontos marcados em uma prorrogação é do New Jersey Nets. Eles fizeram 25 pontos no tempo extra de uma vitória sobre o Clippers em 1996. O time do Nets daquele ano era treinado pelo John Calipari que agora brilha pela Universidade de Kentucky na NCAA e tinha nomes conhecidos como Sam Cassell, Jayson Williams, Shawn Bradley, o já citado Xavier McDaniel e Kendall Gill, o cestinha daquele jogo com 29 pontos.

O recorde negativo é de 0 pontos em uma prorrogação. 10 times já fizeram isso na história, o último foi o próprio Atlanta Hawks no último jogo de 3 prorrogações antes do de ontem. Foi quando o Hawks perdeu para o Heat (sem Wade e LeBron) em janeiro desse ano. Os 5 minutos em branco foram na última e decisiva prorrogação.

 

Nos playoffs
Jogos de playoff já são tensos por natureza, quando tem muitas prorrogações viram coisas de outro mundo. No passado recente tivemos dois jogos históricos. No ano passado mesmo o Memphis Grizzlies e o Oklahoma City Thunder fizeram um jogo de tirar o fôlego: Foram 3 prorrogações, viradas, bolas complicadas, heróis. Foi sensacional e decisivo. Para o Thunder, vencer o jogo 4 fora de casa e recuperar o mando de quadra foi essencial para vencer a série.

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=3HDPYmy42IQ[/youtube]

Em toda a história dos playoffs já aconteceram 200 jogos com prorrogações, apenas 35 vezes (17%) o jogo teve mais de um tempo extra e somente 5 vezes uma partida alcançou 3 prorrogações ou mais. Além desse Grizzlies/Thunder, o outro jogo do passado recente que eu citei é aquele épico Bulls/Celtics, o jogo 6 da série de 1ª rodada de 2009 que teve 7 prorrogações disputadas em 7 jogos. Os jogos 1 e 4 tiveram prorrogação, o jogo 5 teve uma dupla e o jogo 6 essa tripla. Vale ver o vídeo inteiro: Ray Allen com 51 pontos, Derrick Rose cobrando lateral para o Ben Gordon decidir, o toco do novato Rose sobre Rajon Rondo, um clássico:

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=gigjm4C2s5Y[/youtube]

 

Os outros jogos de 3 prorrogações ou mais foram esses:
Boston Celtics 111 Syracuse Nationals 105 – 4 OT (Jogo 2, Semi-Final do Leste/1953) – Recorde de prorrogações na história dos playoffs. Bob Cousy fez 30 de seus 50 pontos na linha do lance-livre

Phoenix Suns 126 Boston Celtics 128 – 3 OT (Jogo 5, Final da NBA 1976) – Esse é chamado de “O melhor jogo de todos os tempos”. O Celtics vencia por 20 pontos em casa a grande zebra dos playoffs, o Suns que, liderados pelo ex-técnico do Kings Paul Westphal, empatou o jogo. No final do tempo normal John Havlicek errou um lance-livre decisivo e o jogo foi para a prorrogação. Novo empate no tempo extra e o jogo foi para uma prorrogação dupla. Lá, a poucos segundos do fim, Havlicek dessa vez acertou e deu 1 ponto de liderança para o Celtics. Pensando que o jogo tinha acabado, a torcida invadiu a quadra. Muito tempo depois, com o pandemônio resolvido, o Suns pediu tempo mesmo sem ter um disponível. A estratégia era: Deixar o Celtics bater o lance-livre de falta técnica e depois ter a bola no meio da quadra, não na linha de fundo. Deu certo, saindo do meio o Suns conseguiu colocar a bola na mão de Garfield Heard, que levou o jogo à 3ª prorrogação. Lá, finalmente, o Celtics venceu.

New Jersey Nets 127 Detroit Pistons 120 – 3 OT (Jogo 5, Semi-final do Leste: 2004) No caminho para ser campeão da NBA de 2004, o Pistons perdeu esse jogo histórico para, acreditem, Brian Scalabrine. Você quer mais drama do que o normal para um jogo com tantas prorrogações? Aí vai: O Nets perdeu seus 4 jogadores de garrafão (Kenyon Martin, Jason Collins, Rodney Rogers e Aaron Williams) com 6 faltas, o Pistons perdeu 4 de seus titulares (Rip Hamilton, Tayshaun Prince, Ben Wallace e Rasheed Wallace) e a última prorrogação de um jogo decisivo de playoff tinha Darvin Ham, Mike James, Corliss Williamsom, Lucious Harris e Brian Scalabrine em quadra! O Ginger Ninja acertou as 4 bolas de 3 pontos que tentou no jogo e saiu de quadra com 17 pontos. Herói.

Mas a coluna é sobre estatísticas, certo? Então vamos a elas com ajuda do SportsDelve: Nas 158 vezes que um jogo de playoff não fechou uma série, o que aconteceu no jogo seguinte? Venceu o time empolgado com a vitória anterior, certo? Poucas vezes. O time vencedor de um jogo de prorrogação nos playoffs venceu apenas 38% das sequências. Venceu então o time da casa? Não necessariamente. O time da casa tem aproveitamento de 51% em jogos com prorrogação, praticamente nada.

A média de vantagem de vitória nos playoffs em prorrogações é de 4.5 pontos. A menor margem foi, claro, 1 e a maior, empatada por 5 times, de 11. Curiosamente as séries de playoff que mais tem prorrogações são as que tem os times com recorde mais distante: A Primeira Rodada e as Semi-Finais de Conferência. 38% das prorrogações foram nas Semi, 34% na 1ª rodada e só 15% nas Finais. Abaixo a estatística do SportDelve que mostra em que jogo da série costumam aparecer mais as prorrogações:

Muito legal que o miolo da série seja o mais disputado. Mas faz sentido: Geralmente um time começa melhor que o outro, que precisa se ajustar, os jogos 4 e 5 costumam ser quando os times já estão acostumados com o que o outro tem a oferecer. No final já prevalecem mais as equipes que fizeram as melhores mudanças. São linhas gerais, não vale para toda série, mas números também amplos comprovam essa teoria.

O time que mais disputou prorrogações em playoffs foi o Lakers. Em 43 jogos foram 24 vitórias e 19 derrotas. O time com melhor aproveitamento é o Miami Heat, 5 vitórias em 5 prorrogações.

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!