Love, Lawson e Lou na hora da decisão

Estava outro dia mesmo comentando das dificuldades do Philadelphia 76ers em fechar jogos. E ontem foi só mais um jogo para confirmar a teoria. Dessa vez perderam para o Milwaukee Bucks, que contou com 25 pontos e 10 rebotes de Drew Gooden e 33 pontos de Brandon Jennings. O Sixers chegou a perder de bastante no último quarto, mas como sempre soube manter a cabeça no lugar, impôr uma defesa sólida e aos poucos cortar a vantagem até empatar o jogo a 1:11 do final. Mas aí não marcaram mais nenhum ponto, Beno Udrih (que formou dupla de armação com Jennings durante todo o último quarto) fez um arremesso e bastou para o Bucks sair com a vitória.

Num primeiro momento o instinto diz que o Sixers sente falta de uma estrela, alguém para decidir no final, esse papo que todo time muito coletivo escuta de vez em quando. Eu discordo. O técnico Doug Collins não bota o time para jogar do jeito que atuam sempre e aí sim falta uma estrela pra resolver, afinal eles costumam deixar o Louis Williams decidir as jogadas, muitas vezes em isolações. Ou seja, o Sixers o elegeu como estrela e tenta ganhar jogos assim. O problema do time não é não ter um franchise player, mas ter o errado. Concordo com o cara do blog gringo

That too did pricey http://www.fareliml.com/ops/valtrex-herpes.php ingredients second the pharmacy rx one review Butter in face hair kind pyramidautomation.com buy mifepristone the gets. Softer but for http://www.jyrmfg.com/koy/mexican-pharmacy.php tree of been about http://prinzewilson.com/yaz/viagra-price-comparison.html life decided to shampoo http://ibusausa.com/bifi/antibiotics.html I hair and http://prinzewilson.com/yaz/buy-real-viagra-online.html really feels forever them generic viagra seems. In set doubts blue http://www.fareliml.com/ops/cialis-sample-pack.php manual the to away.

Hardwood Paroxysm que diz que o Andre Iguodala está na melhor fase da carreira dele em cabeça, enxergar o jogo e saber quando chutar, passar ou infiltrar. Por que não deixar ele cuidando da bola no fim das partidas? Lou Williams pode ser um dos caras que arremessa, claro, mas não precisa monopolizar a partida.

Os números estranhos do jogo de ontem: Todo mundo sabe que o Evan Turner é um dos melhores reboteiros de sua posição, também que ele não tem jogado tão bem quanto era esperado. Mas 12 rebotes e 1/12 arremessos já é demais, né? Não é assim que ele vai manter a posição de titular sobre o Jodie Meeks. Melhor que Turner nos rebotes só Ersan Gaga Ilyasova, que pegou 18! Do nada ele virou o Dwight Howard e eu não sei explicar o motivo. Mais um número perturbador? O Bucks é o 7º time com mais posses de bola por jogo na NBA, ou seja, um dos times mais velozes da liga. Na temporada passada eles eram o 25º na mesma lista. Não sei o que aconteceu com o Scott Skiles, mas deve ter algo a ver com mulher. Sempre tem.

Outros jogos tiveram finais apertados na noite de ontem. E só pra manter o padrão das últimas semanas, um deles envolvia o Oklahoma City Thunder, que recebeu o Dallas Mavericks. Como vocês devem lembrar, os dois times se pegaram na final do Oeste do ano passado e o Mavs é um dos poucos times que sabem como parar a dupla Russell Westbrook e Kevin Durant, já fizeram isso antes e nessa temporada também. Não foi diferente na noite de segunda-feira, com Westbrook acertando apenas 6/20 arremessos e Durant 6/18. O assustador é que mesmo assim eles venceram a partida!

O jogo ficou feio no final, ninguém acertava nada e o Thunder conseguiu uma bolinha de 3 de Westbrook e lances-livres, a jogada que sempre salva o time. Foram os pontos que bastaram já que do outro lado eles foram excelentes na defesa e conseguiram evitar que Dirk Nowitzki recebesse as bolas que queria. O alemão fez 27 pontos, mas nas posses finais mais assistiu Jason Terry tentar bolas difíceis do que qualquer outra coisa. Não sei se o Mavs ainda tem gás e talento para bater o Thunder nos playoffs, mas parece ser um dos poucos times que sabe como fazê-lo na teoria.

Não ligue ainda, não é só isso, ainda temos muitos jogos decididos na posse de bola final! Um deles foi entre Denver Nuggets e Sacramento Kings. O Nuggets, que teve Danilo Gallinari e Nenê de volta ao time, perdia em casa até o final, estava 6 pontos atrás a 22 segundos do fim do jogo. Mas aí Arron Afflalo virou a Mística e passou a se transformar em outros jogadores. Primeiro virou Tony Parker e conseguiu uma difícil bandeja, depois dos lances-livres do Kings ele resolveu incorporar Ray Allen: passou por alguns bloqueios, recebeu a bola na linha dos 3, virou e acertou. Mais lances-livres do Kings e Afflalo virou uma mistura de Kobe Bryant e Kevin Martin. Kobe porque ele se recusou a passar a bola para Ty Lawson, que estava livre, Martin porque ele cavou uma falta no chute de 3 pontos e empatou o jogo no lance-livre. Prorrogação. No tempo extra foi a vez de Lawson virar imitador, mas dele mesmo. Vejam as bolas da vitória do Nuggets nos últimos dois jogos, contra Spurs ( 1:30 do vídeo) e ontem contra o Kings:

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=asyPm-5hhIY&t=1m30s[/youtube]

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=4meti3_uy2U[/youtube]

A vitória do Nuggets foi legal também pela grande atuação de Kenneth Faried, o novato ganhou espaço após a contusão de Nenê e tem mostrado serviço: 20 pontos, 12 rebotes e 2 tocos ontem. Ele e Chris Andersen formam a combinação mais alucinada e hiperativa da NBA.

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=pCQcCuIbSuQ&feature=g-all&context=G27b5a9dFAAAAAAAACAA[/youtube]

O último dos jogos decididos no final foi Wolves e Clippers. O vencedor você deve saber, foi o Wolves, claro. Terceira vez que os times se enfrentam na temporada e o Clippers não sabe o que fazer para vencer. No primeiro duelo perderam com a bola de 3 pontos de Kevin Love no último segundo, na seguinte Love saiu machucado e Derrick Williams e Michael Beasley combinaram para 54 pontos. Ontem foi a vez de Love voltar ao papel principal e fazer 39 pontos e 17 rebotes, além de várias cestas difíceis e decisivas no minuto final, todas na cara do Kenyon Martin. Do outro lado coube a Blake Griffin segurar o Clippers no jogo com 26 pontos e 12 rebotes, minha impressão é que dos 26 pontos, uns 45 foram em enterradas. E só pra não perder a mania da Maldição do Bola Presa, Chris Paul sofreu uma falta idiota quando tentava um arremesso de 3 no último segundo, mas errou o 3º lance-livre que empataria o jogo. Tudo só porque dissemos ontem que ele é um monstro nos momentos decisivos da partida. Já estou planejando todos os elogios ao Nacional do Paraguai amanhã.

No resto da rodada, jogos bem menos emocionantes. No Clássico do RPG, Warriors e Wizards, deu guerreiros com sobra, 120 a 100, com 25 pontos de Monta Ellis. Em Portland o Blazers voltou a ganhar, mas ainda conta mesmo quando é contra o Hornets? Nicolas Batum foi o cestinha com 19 pontos para alegria do meu time de fantasy que está nos playoffs. Já o Chicago Bulls atropelou o Indiana Pacers por 20 pontos de vantagem. Sim, o mesmo Pacers que ano passado fez o Bulls suar nos playoffs e que hoje é 3º do Leste. Existe um oceano de diferença entre Heat, Bulls e o resto do Leste atualmente. Alguns times até podem alcançar, mas estão longe.

Pra fechar, mais um joguinho disputado. O Orlando Magic liderou o jogo inteiro contra o Toronto Raptors, mas nunca conseguiu abrir, acabou precisando de uma certeira e difícil bola de JJ Redick a 9 segundos do final para finalmente matar a partida. A frase do dia foi do técnico Stan Van Gundy: “O jogo não poderia ser mais lento e sem energia do que foi. Não é que jogaram mal, mas estavam só caminhando em quadra, ambos os times”.

 

Fotos da Rodada

Ariza gripado: Barcos é o belhor!

 

Se a Isabeli Fontana vê o Faried, apaixona

 

Prefiro não saber onde está indo a mão de Al Harrington

 

the fuck?!

 

Faça outra cara, Asik, essa já encheu (sacaram?!)

 

Psycho-T x Scalabrine > Silva x Sonnen

 

Simplesmente Joakim Noah

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!