Preview 2012/13 – Washington Wizards

Continuamos aqui o melhor preview da temporada já escrito por um blogueiro gordo. Veja o que já foi feito até agora:

Leste: Boston CelticsCleveland CavaliersBrooklyn NetsIndiana Pacers e Atlanta Hawks

Oeste: Memphis GrizzliesSacramento KingsDenver NuggetsGolden State Warriors e San Antonio Spurs

Até o esperado dia 30 de Outubro, quando teremos a rodada inicial da Temporada 12/13 da NBA, todos os times terão sido analisados profundamente aqui no Bola Presa.

Nesse ano vamos repetir uma ideia de uns vários anos atrás. Ao invés de só comentar as contratações e fazer previsões, vamos brincar de extremos: O que acontecerá se der tudo certo para tal time, qual é seu teto? E o que acontecerá se der tudo errado, onde é o fundo do poço? Em outras palavras, como seria um ano de filme pornô, onde qualquer entrega de pizza vira a trepa do século? E como seria um ano de novela mexicana, onde tudo dá errado e qualquer pessoa pode ser o seu irmão perdido em busca de vingança?

Hoje é dia de falar do time da capital federal, do antigo Bullets, do time da pistola de ouro, o Washington Wizards.

Washington Wizards

 

 

 

 

 

Poucos times na NBA mudaram tanto de cara nas últimas temporadas. Logo depois de encerrar a era Gilbert Arenas, Antawn Jamison e Caron Butler, o Washington Wizards virou o time que estava fazendo o que o Houston Rockets faz agora, colecionando jogadores novos, talentosos e de grande potencial. Poucos eram consolidados na NBA, mas eles acreditavam que valia a tentativa. Não deu muito certo. JaVale McGee cansou técnico e torcida com suas burradas monumentais, Nick Young tinha mais tesão em arremessar bolas contestadas de 3 pontos do que em ganhar jogos e Andray Blatche estava sempre fora de forma e com seu ar superior e egoísta. Os três foram despachados no meio da última temporada e no meio das negociações chegou o veterano brasileiro Nenê. Poucos meses depois, com a temporada já encerrada, chegaram Emeka Okafor e Trevor Ariza.

A mensagem do Wizards ficou bem clara. Eles aproveitaram o período de experimentação com os jogadores jovens para decidir com quem gostariam de continuar e quem eles queriam longe de John Wall. Blatche, McGee e Young não acrescentavam muito e eram péssima influência, tanto dentro (McGee, Young) quanto fora de quadra (Blatche). Para recompor as perdas, nenhuma super estrela, mas jogadores que traziam o que faltava ao time, experiência e defesa. Dos jovens ficaram o tcheco Jan Vesely, que teve um bom último mês de temporada 11/12 e Jordan Crawford, ótimo pontuador mas que não tem lá muito mais consciência que Nick Young. No Draft chegou Bradley Beal, pontuador veloz que tem boas chances de formar ótima dupla com John Wall na armação.

Apesar de John Wall ser um baita armador, ele não deslanchou como se esperava após sua boa temporada de novato. João Paredão não pareceu melhorar nada em sua segunda temporada, seus números, aliás, são estranhamente idênticos em seus dois primeiros anos de NBA: Em pontos foram 16.4 em 2010/11 e 16.3 em 11/12. Em assistências foi de 8.3 para 8.0, em rebotes de 4.6 para 4.5. Os erros continuaram altos, de 3.8 foi para 3.9. Mudança mesmo só nas bolas de 3 pontos, e para pior. Ele acertou 30% de longa distância como novato, fez 34 de 115 tentativas. No ano passado ele teve somente 7% de acerto, míseras 3 bolas certas em 42 tentativas! Para esse ano a desculpa de um time mal estruturado e cheio de jogadores individualistas não existe mais. E não são só nos números. O jogo de Wall não mudou muito de um ano para o outro, são os mesmos pontos de contra-ataque e a mesma dificuldade no jogo de meia quadra, a mesma necessidade de atacar a cesta e nenhum arremesso de média e longa distância. Um terço da visão de jogo e da manha de Andre Miller e ninguém segura John Wall.

No ano passado o Wizards foi um dos piores times da NBA em algumas coisas básicas para o sucesso de um time de basquete: Bolas de 3 pontos (28º em aproveitamento), lanceslivres (26º), assistências ( 27º) e turnovers (26º) e pontos sofridos (21º) e rebotes (21º). De destaque mesmo só os pontos de contra-ataque, onde eles marcavam 17 pontos por jogo, 4ª melhor marca da liga.

As novas aquisições podem ajudar em muitas dessas coisas: Trevor Ariza tem bom passe embora seja mais reconhecido pela sua defesa, deve ajudar John Wall a soltar mais a bola e dar melhor passe à equipe, Bradley Beal também pode contribuir nesse aspecto. Nas bolas de 3 pontos Ariza até pode ajudar em alguns jogos, mas ele pode se empolgar e chutar mais do que deveria, lembra dele arremessando sem parar no Houston Rockets? Em compensação o Ariza dos Playoffs de 2009 arremessava bem demais. Beal teve 34% de acerto em bolas de 3 na faculdade, veremos como se sairá nessa temporada. Okafor e Nenê darão mais segurança defensiva e tem tudo para melhorar o rebote defensivo da equipe. Rebotes não são a especialidade de Nenê, mas ele é bom no box out para que outros peguem o rebote. E se ano passado ele sofreu marcando pivôs mais altos que ele, nessa temporada poderá usar sua mobilidade para marcar jogadores mais baixos enquanto Okafor pega os grandalhões. E não vamos esquecer Kevin Seraphin, ninguém dá bola pra ele, mas o cara fez um ótimo fim de temporada há alguns meses e pode ganhar minutos com as frequentes contusões de Nenê.

Um problema desse time é que nenhum dos jogadores que chegaram são geniais, todos tiveram os melhores momentos da carreira quando estavam em um time estável, de sistema tático estabelecido, entrosados e com papeis bem definidos lá dentro. Ninguém é estrela. Os melhores anos de Okafor, por exemplo, foram no Bobcats de alguns anos atrás quando ele contava com um bom time de Gerald Wallace, Raymond Felton e Boris Diaw relativamente magro. E o Wizards de hoje não tem um esquema tático definido, não tem nada de entrosamento e dependerá muito da criação e evolução de John Wall. E pior, Wall machucou o joelho em treinos na offseason e só voltará a jogar no meio de Novembro. Ou seja, perde toda a pré-temporada e training camp, pegará entrosamento com os novos companheiros com a temporada rolando.

 

Temporada Filme Pornô

No melhor dos cenários o Wizards consegue encaixar uma boa defesa nos dois primeiros meses de temporada enquanto o entrosamento não aparece. É possível, o time tem alguns bons defensores no elenco, mas precisarão do melhor lado do imprevisível Trevor Ariza. A defesa atrapalhada do ano passado era boa em uma coisa, forçar erros dos adversários. Se o time conseguir manter isso sem compensar cedendo cestas fáceis, sucesso à vista.

Se o time sobreviver ao começo da temporada poderá começar a ganhar mais lá por Janeiro quando já der tempo de ganhar algum entrosamento. Aí é torcer para John Wall jogar o que se espera dele e o time ser aquele que deslancha depois a parada do All-Star Game. O Bucks já foi esse time, o Bobcats já foi esse time, por que não o Wizards? De qualquer forma, pensar em Playoff pode ser ainda cedo demais para a franquia. Embora a presença de veteranos indique uma vontade de ganhar logo, já seria sucesso o time ganhar uma identidade e rondar a zona de classificação. Assim no ano que vem eles poderiam ser mais pontuais nas contratações para reforçar o ainda fraco banco de reservas.

 

Temporada Drama Mexicano

Essa contusão do João Paredão pode dar mais dor de cabeça do que a gente imagina. O time tem muitas caras novas e esse era o momento de pegar entrosamento, aprender as jogadas e ganhar ritmo de jogo. Claro que dá pra fazer isso aos poucos durante o campeonato, mas lembra ano passado quando nenhum time teve pré-temporada? Foi a temporada com pior aproveitamento de arremessos desde 2005, a pior média de pontos por posse de bola desde 2004 e a maior marca de turnovers por jogo desde 2007. Faz muita diferença não ter um período de preparação bem feito. E  o Wizards faz seus treinos sem Wall e também sem Nenê, que sofre com suas eternas dores na sola do pé. Vai saber as consequências disso ao longo do ano.

O Wizards corre grandes chances de ser nesse ano o que Detroit Pistons foi na temporada passada. Não sei se vocês lembram, mas depois de começar a temporada 11/12 com apenas 4 vitórias em seus primeiros 24 jogos, o Pistons se manteve na casa dos 50% de aproveitamento (21v, 21d) no resto da temporada, o que seria o bastante para fazê-los brigar pela 8ª posição com o Philadelphia 76ers. Mas pouca gente lembra disso porque nos números gerais o Pistons foram péssimos devido ao começo desastroso.

 

Top 10 – Melhores jogadas do Wizards em 2012

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=ZD3tW5bgDno[/youtube]

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!