Preview dos Playoffs – Toronto Raptors x Washington Wizards

O Leste merece um preview completo, bonitinho, cheiroso e gostoso? Não, senhor. Mas o Espírito da NBA vai puxar o nosso pé de noite enquanto a gente dorme caso a gente não faça um preview dessa Série B de basquete? Sim, senhor. Então aqui vai nosso primeiro preview em “versão Conferência Leste”: mequetrefe, capenga, mas é o bastante pra chegar na pós-temporada porque as expectativas são baixas. Tipo a vida.


Toronto Raptors

 Eficiência Ataque Defesa Saldo Posses de bola
(posição na liga) 111.0 (4) 107.7 (25)  +2.4 (12) 92.8 (21)

Quintetos mais usados:

Toronto Raptors Basketball

Kyle Lowry, DeMar DeRozan, Terrence Ross, Amir Johnson, Jonas Valanciunas (390 minutos)

Greivis Vasquez, Louis Williams, James Johnson, Patrick Patterson, Tyler Hansbrough (228 minutos)

Pontos fortes: Um daqueles casos bizarros em que ninguém no time é espetacular, ninguém no time é medonho, então o adversário tem sempre a encrenca de saber quem deve marcar com atenção. Se um jogador estiver sem condições de arremesso, o Raptors encontra outro jogador de talento igualmente questionável em melhor situação para arremessar. O fato de que isso acontece também com o banco de reservas (pelo menos 5 jogadores do banco poderiam facilmente ser titulares dessa equipe) faz com que o nível da equipe mantenha-se sempre constante, um pesadelo para os reservas adversários. Em geral é justamente usando o banco que o Raptors vence os jogos. E quando tudo dá errado – e olha, nesse time é até bem comum – existem três jogadores que, apesar de suas limitações de jogo, sabem colocar a bola embaixo do braço e tirar leite de pedra: DeMar DeRozan, Kyle Lowry e Louis Williams. Na hora do aperto nos playoffs ter três opções com essa vontade de decidir é um luxo exclusivo do Raptors.

Pontos fracos: A defesa do Raptors, que foi a responsável por segurar o elenco limitado no topo do Leste ano passado, simplesmente DESMONTOU nessa temporada. Especialmente depois do All-Star Game, a defesa do Raptors virou uma peneira e o técnico Dwane Casey, que é um guru defensivo, não faz ideia do que está acontecendo. Durante o ano parece que os jogadores foram, aos poucos, deixando de se focar na defesa do garrafão e querendo apenas roubar bolas para correr para o ataque. Mas a defesa piorou tanto no processo que os contra-ataques foram diminuindo, o ritmo de jogo foi caindo, e justamente aí o Raptors encontrou um ponto confortável no ataque. É uma anomalia: um ataque que se favoreceu de ser uma defesa pior. É pra tirar o sono de qualquer analista de NBA! Mas esse mesmo time já defendeu muito melhor alguns meses atrás, basta que tentem voltar aos velhos hábitos – mas com o bonde andando!


Washington Wizards

 Eficiência Ataque Defesa Saldo Posses de bola
(posição na liga) 103.7 (22) 103.0 (5)  +1.7 (15) 93.7 (18)

Quintetos mais usados:

Wizards

John Wall, Bradley Beal, Paul Pierce, Marcin Gortat, Nenê (595 minutos)

John Wall, Bradley Beal, Paul Pierce, Marcin Gortat, Kris Humphries (317 minutos)

Pontos fortes: A defesa do Wizards é imponente – especialmente no lugar em que mais importa nos playoffs, que é no garrafão. O que não falta no elenco é gente enorme para atrapalhar arremessos perto do aro, aliados a uma excelente defesa de pick and roll e a mutante capacidade de cometer pouquíssimas faltas. Essa é a receita clássica para enlouquecer os adversários nos playoffs, porque quando a coisa aperta todo time tenta forçar o caminho para a cesta e descolar faltas no processo, algo que o Wizards não permitirá. Além disso ainda temos John Wall, o jogador que mais passa tempo com a bola nas mãos em toda a NBA, controlando o ritmo de jogo e desafogando o ataque quando necessário.

Pontos fracos: O Wizards é um dos piores times da liga na linha de 3 pontos. A especialidade da equipe é o PIOR arremesso do basquete, o arremesso de média distância. Além disso, a equipe até consegue ter certa velocidade nos contra-ataques (já que John Wall rompe as barreiras de espaço-tempo), mas o elenco inteiro tem muitas dificuldades em atacar a cesta e cavar faltas para cobrar lances livres. Junte tudo isso e o que temos em mãos é o time menos confiável do planeta para decidir partidas de playoffs se estiverem atrás do placar precisando de um pontinho. O ataque da equipe constantemente engasga, não sai nada, e John Wall acaba tendo que arremessar bolas de longa distância na transição, exatamente a única coisa em que ele não gastou pontos de experiência nos últimos anos.


Palpite

Temos o encontro da quinta melhor defesa contra o quarto melhor ataque da NBA, o que deveria levar a um embate de mil dias e mil noites. Mas na prática, vemos com frequência – especialmente nos playoffs, em que os juízes ESQUECEM COMO USAR O APITO – as defesas levando enorme vantagem em cima dos grandes ataques da NBA. Tapando o garrafão e cometendo poucas faltas, o Wizards vai tirar duas das melhores opções de desafogo que o Raptors tem: o “abaixar a cabeça e trombar até a cesta” do Lowry e o “driblar em círculos até gerar um arremesso caindo pra trás perto do garrafão” do DeRozan. Vai sobrar o Louis Williams que às vezes pega fogo num espetáculo mítico de combustão espontânea na linha de 3 pontos para tentar salvar as coisas sempre que o time travar. O meu palpite é o seguinte: com o placar apertado o Wizards leva vantagem, com o John Wall costurando a fraca defesa adversária e as melhores opções de ataque do time de Toronto tendo que enfrentar pedreira defensiva no garrafão.

Tendo dito isso, acho que o Raptors vai ter todas as oportunidades do mundo de não deixar nenhum jogo chegar ao final com o placar apertado por conta dos seus reservas. O banco do Wizards é uma calamidade e deve tomar surras constantes; quando os titulares voltarem e devolverem solidez à defesa, o placar já deve estar elástico demais para ter chance de volta. O Wizards é forte em casa, deve manter a série muito parelha por um tempo, mas aos poucos vão cansando e o banco deve decidir. Não descarto um Jogo 7 que só eu e a mãe do John Wall acham que pode rolar, mas coloco minhas fichas num 4 a 2 para o Raptors com sufoco no começo e um passeio no parque mais pro final.

Torcedor do Rockets e apreciador de basquete videogamístico.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!