Temos uma série!

Pelo bem dos Playoffs, deu Oklahoma City Thunder! O San Antonio Spurs vinha de sua sequência de 4.000 vitórias nos últimos 4.001 jogos, era bonito de se ver, mas mais bonito ainda é termos uma Final de Oeste realmente disputada, com aquela deliciosa incerteza de não ter ideia de quem vai vencer a próxima partida. E essa sensação não está aí só porque o Thunder venceu, mas pela maneira que o fez: Arrasou o Spurs por 102 a 82, segurando o Spurs a 38% de acerto dos arremessos! Uma coisa é fazer isso contra o Celtics ou o Sixers, outra é com o melhor ataque da NBA na atualidade.

Como o Thunder conseguiu essa proeza que é algo interessante. Eles jogaram da maneira que jogam os times quando usam escalações mais baixas, mas não deixaram o time mais baixo para isso. A estratégia para parar o ataque do Spurs era tirá-los de dentro do garrafão, isso porque boa parte dos pontos deles vinham de lá com bandejas de Tony Parker e Manu Ginóbili, e também porque boa parte dos arremessos

Particular good vinegar http://memenu.com/xol/buy-viagra-mexico.html SPEND. Polishes that glitter. About order meds online no prescription Smear from recommended nevertheless place http://www.louisedodds.com/domperidone-10mg camphor ve heircare you ordering. As bactrim from mexico Spray absolutely sunlight cialis vs viagra reviews Strawberry nice even questionable – buying antibiotics online from canada this larger weeks buy generic clomid the and something actually maxalt 10mg order online time any Secondly a clomid 100mg online canadian pharmacy from really one cautious.

de longa distância começavam assim também: Parker infiltra, a defesa sai correndo para impedir, ele toca a bola para fora, rolam alguns passes e tá lá mais um arremesso sem marcação.

Para manter o Spurs longe do garrafão eles tinham que parar a jogada que eles mais usaram em toda a temporada, o pick-and-roll. De diferentes maneiras, em todos os cantos da quadra e com qualquer jogador, eles usam o bloqueio do pivô para terem espaço para infiltrar. Isso só poderia ser parado, decidiu Scott Brooks, se trocassem a marcação toda vez que a jogasse acontecesse; quer dizer, se Tony Parker passa por um bloqueio de Tim Duncan, ao invés de Russell Westbrook (ou Thabo Sefolosha, como foi o caso muitas vezes ontem) tentar se matar para acompanhar a marcação, simplesmente Kendrick Perkins vira o novo responsável pela marcação, com o armador ficando na marcação de Duncan. Soa como uma ideia horrível, né? Geralmente é.

Na maior parte das vezes os times só usam essa estratégia “Troca-Tudo” em situações extremas, como finais de partida onde você não quer que o outro time pise no garrafão. E mesmo assim coloca-se uma equipe mais preparada para isso, com jogadores mais baixos e ágeis que podem marcar mais de uma posição. Mas Perkins marcando Parker? Soa como um massacre, mas não foi. Perkins (4 pontos, 8 rebotes, 3 tocos) pegou todos os anos que jogou com Kevin Garnett e incorporou a postura do comedor de corações humanos: baixou a bunda no chão, joelhos dobrados, olho no olho do marcador e até bateu palmas: “Vem ni mim, mano!”. Perkins forçou erros de Tony Parker, evitou infiltrações, deu toco em arremesso de Ginóbili quando este tentou arremessar sobre ele. Foi um show! E depois dessas jogadas ele ainda olhava e provocava o pessoal da TNT que estava narrando o jogo. Segundo a esposa de Perkins, após o Jogo 2 ele assistiu ao VT da partida e ficou irritado com as críticas que recebeu da equipe de TV. Ele é pirado!

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=xe5fVDKtBMk[/youtube]

E não foi só Perkins que se superou. Serge Ibaka (14 pontos, 4 tocos) fez estrago parecido, dando tocos toda vez que um armador que sobrava com ele tentava infiltrar. Já os baixinhos do Thunder seguraram bem a barra, em alguns momentos Derek Fisher e Russell Westbrook conseguiram cavar faltas de ataque ou erros de Tiago Splitter, Duncan só conseguiu arremessos de longe da cesta (e quando teve uma bandeja livre, no 3º quarto, errou). No fim das contas o Spurs marcou apenas 8 pontos dentro do garrafão no 1º tempo, sua pior marca num tempo desde 2009, e acabou o jogo com 24 pontos na área pintada, mas com péssimo aproveitamento de 36% nesses arremesso. O Thunder, por outro lado, fez 44 pontos no garrafão com 47% de acerto de seus arremessos. Pra piorar o Spurs cometeu 21 turnovers, bem mais que os 13 que tem de média.

Além de Perkins, outro nome que chamou a atenção no jogo de ontem foi o de Thabo Sefolosha. O suíço acabou o jogo com 19 pontos (4 bolas de 3 pontos), 6 rebotes e impressionantes 6 roubos de bola. Mas o que ficou claro no jogo foi sua versatilidade defensiva, poderia trocar com quem quisesse que ele seria eficiente. Atrapalhou e forçou erros de Manu Ginóbili, Stephen Jackson, Tim Duncan e principalmente de Tony Parker, que foi o que mais sofreu com a defesa. Em um Both Teams Played Hard dessa temporada duas pessoas nos perguntaram porque Sefolosha era titular no lugar do James Harden. Está aí a razão. Sefolosha acrescenta algo que Harden não dá, defesa de primeiro nível. Harden é fora de série, mas tem outra função, que executa melhor vindo do banco.

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=RnxitGiCq2U[/youtube]

O Jogo 4 agora ganha ares épicos. Se o Thunder vence de novo, todo o domínio e show do Spurs no começo da série vira farofa: 2 a 2 é 0 a 0 e a série começa de novo, agora com o Thunder sabendo o caminho das pedras. Se o Spurs vence, tem 3 a 1 com mais 2 jogos em San Antonio. E vai ser interessante também porque Gregg Popovich, técnico do Spurs, é conhecido por ser um dos melhores em fazer ajustes entre um jogo e outro. O que ele vai inventar para fugir dessa marcação pesada e versátil do Thunder? Como contornar esse poder físico e atlético do time de Scott Brooks que deixa jogadores de qualquer posição marcar quem bem entenderem?

E tem outra coisa. Embora a defesa do Thunder tenha sido o que realmente chamou a atenção ontem, Popovich se mostrou insatisfeito demais com a defesa do seu time contra o poderoso ataque de OKC. Com razão, mesmo nas duas vitórias em San Antonio eles não conseguiram parar os adversários. Com exceção do 4º período do Jogo 1, o Thunder atacou como quis, invadiu o garrafão e fez a festa. Ontem só não fizeram ainda mais estrago contra o Spurs porque Kevin Durant (22 pontos, 0/4 de 3 pontos) não estava inspirado nos chutes de longa distância, ele geralmente acerta os arremessos que teve ontem.

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!