🔒Filtro Bola Presa #103

O ano acaba hoje, mas a temporada 2020-21 acabou de começar! E com o campeonato em andamento tem Filtro Bola Presa de volta com força total. Hoje temos dois recordes históricos da NBA caindo na primeira semana, Kyrie Irving se tornando o homem mais interessante da liga, James Harden exigindo troca no strip club, um pedido de casamento flagrado por Dwyane Wade, Nate Robinson virando meme, os logos dos 30 times reimaginados, a revelação do comediante Anthony Edwards e muito mais!


O HOMEM MAIS INTERESSANTE DO MUNDO

Lembram do comercial de cerveja que falava do “homem mais interessante do mundo”? Eles bem que poderiam voltar com a campanha mas agora usando Kyrie Irving como estrela dos filmes. Nada do que sai da boca dele é previsível ou comum, nada do que ele faz é um tédio, tudo é um show como suas infiltrações e bandejas acrobáticas. Ele costuma estar certo? Não, mas quem é que se importa com isso em 2020? Ele começou seu show ainda em setembro, quando disse que não via o Brooklyn Nets tendo um técnico de verdade, mas mais um “trabalho colaborativo”.

Eventualmente ele até retirou o que disse, mas mesmo assim alguns meses depois estava negociando com Kevin Durant em uma live se ele poderia ter OITO post-ups por jogo. Durant não topou, disse que seriam apenas duas e meia: a meia é ele receber a bola e já devolver para KD. Terminaram sem entrar em um acordo:

Só vamos ignorar o começo do vídeo onde Kyrie diz que numa vida passada ele era Durant, que na sua mente ele é como Durant e que não enxerga os adversários, não sei o que comentar sobre isso. Nessa mesma época, quando a NBA estava voltando à sua tentativa de normalidade, Irving decidiu que não iria mais falar com a imprensa e chegou a ser multado pela liga por não aparecer para suas coletivas. Na mesma live, Damian Lillard apareceu no chat pra mandar ele ir dar suas entrevistas:

Após a multa, Kyrie se pronunciou no Instagram. Ele começou citando Malcolm X:  “Estou de saco cheio da propaganda dos outros. Sou a favor da verdade, não importa quem a diga. Sou a favor da justiça, não importa para quem ou contra quem.  Eu sou um ser humano, em primeiro lugar, e como tal, sou a favor de quem quer e o que quer que beneficie a humanidade como um todo”. Ele já disse algumas vezes que se enxerga como Malcolm X ou Martin Luther King.

E terminou com um clássico instantâneo da sua já folclórica carreira: “Rezo para que usem o ‘dinheiro da multa’ para as comunidades marginalizadas em necessidade, especialmente vendo como está nosso mundo. Estou aqui pela Paz, Amor e Grandeza. Então parem de distrair a mim e a meu time e apreciem a Arte. Nos movemos de uma maneira diferente por aqui. Eu não falo com peões. Minha atenção vale mais”.

Uma curiosidade é que o dinheiro da multa que os jogadores levam ao longo do ano vão sim para projetos sociais, está nas regras da liga! E quem escolhe esses projetos é o sindicato dos jogadores do qual Kyrie é vice-presidente. Conspiracionista do jeito que é, não surpreende que ele veja a mídia como “peões” de algo maior e que são incapazes de apreciar a sua Arte com A maiúsculo. Quando finalmente decidiu dar entrevistas, disse que apenas sentia que não havia um bom tratamento com “alguns artistas em algumas plataformas”e que buscava um “ambiente seguro e protegido” para trabalhar. Por um lado eu entendo, por outro eu não entendo é nada.

O último capítulo na lenda formada ao redor do armador aconteceu ainda na pré-temporada, quando ele fez sua primeira visita ao TD Garden desde que decidiu deixar o Boston Celtics. Antes da partida começar ele foi flagrado fazendo algum negócio com fumaça ao redor da quadra que ninguém entendeu na hora…

Depois descobrimos que ele estava queimando sálvia, um ritual de purificação comum em inúmeros povos nativos dos EUA. Kyrie tem antepassados da tribo Standing Rock Sioux, de North Dakota, e nos últimos anos tem mergulhado na cultura de seus ancestrais. “O ritual limpa a energia, garante que tudo está equilibrado. Quando a gente vem para esse trabalho, a gente vem para esse lugar também. Não é nada que não faça em casa. Fiz no último jogo e planejo fazer em todos os ginásios se o time adversário me permitir”, disse o armador. É o homem mais interessante do mundo.


ROOKIE WATCH DA SEMANA

Não sabemos quando vai surgir o próximo novo grande personagem da NBA como Kyrie, mas ficando de olho nos novatos podemos perceber quem tem mais POTENCIAL. É o caso de Anthony Edwards, primeira escolha do último Draft e que deu uma entrevista para o site do Minnesota Timberwolves que até agora eu estou me perguntando se era para ser séria ou se eles estavam tentando vender como um quadro do Saturday Night Live. Nessa parte ele fala como é bom em TODOS os esportes. TODOS. Ele disse TODOS!

Ele explicando como decidiu adotar cachorros durante a quarentena não fica muito atrás:


QUERO IR EMBORA DA SEMANA

Como vocês sabem muito bem, James Harden quer dar o fora do Houston Rockets. Para forçar a troca, já informou o time que pretende sair, deu os destinos favoritos, faltou aos primeiros dias de treino e furou algumas vezes o protocolo de saúde e segurança da NBA para fazer festinha. Ele não nega nada disso, mas saiu em público para dizer que ao contrário do que dizia a MÍDIA GOLPISTA, ele não estava em um strip club. Era um club, não um strip club!

O Rob Perez sugeriu algo que vale até Museu de Relevância Temporária um dia, uma lista com as maneiras mais engraçadas que jogadores já usaram para exigir trocas. Entre as sugestões dele e dos seus seguidores estão:

  • Eric Bledsoe tuitando “Não quero estar aqui” quando estava no Suns
  • Anthony Davis com a camiseta “That’s All Folks” antes do último jogo da temporada do Pelicans
  • Jimmy Butler jogando com os reservas dos reservas e humilhando Karl-Anthony Towns e Andrew Wiggins
  • Kristaps Porzinigs postando foto andando de bicicleta quando deveria ter uma reunião com Phil Jackson
  • Robert Horry jogando uma TOALHA na cara de Danny Ainge, então técnico do Suns
  • Kyrie Irving dizendo que iria fazer uma cirurgia se não fosse trocado pelo Cavs
  • Derrick Rose DESAPARECENDO ao invés de aparecer para um jogo do Knicks
  • Vince Carter contando para os adversários que jogada o Raptors iria fazer
  • Kawhi Leonard se escondendo de membros do Spurs enquanto fazia sua reabilitação em NY
  • Andrew Bynum arremessando do meio da quadra toda vez que pegava na bola nos treinos do Cavs

DICAS DE LEITURA


FOFURA DA SEMANA

Durante a offseason, Dwyane Wade passeava pela praia em Miami como o bom velhinho aposentado que é quando de repente foi surpreendido com um pedido de casamento rolando bem na sua frente! As fotos do pedido flagraram a emocionada reação do ex-jogador ao fundo e depois ele até foi lá bater foto com o casal:

E pra provar que não é apenas mais um senhorzinho emocionado, Wade postou esses dias vídeos de seus treinos com o filho Zaire Wade, que se prepara para seu último ano de ensino médio e já recebe interesse de algumas universidades Estados Unidos afora:

Outra fofura extrema veio lá de Boston, onde a filha de Robert Williams ficou toda animada quando achou seu pai em quadra na TV:


VISUALIZAÇÃO DE DADOS DA SEMANA

Se tem uma crítica que eu aceito sobre o BASQUETE MODERNO é que ele padronizou o tipo de arremesso que cada equipe procura. Olhem só a imagem abaixo que mostra os 25 pontos preferidos de arremessos dos diferentes times da NBA em 2006-07 e depois em 2019-20. Antes existia alguma variedade, hoje são todos mapas quase idênticos:

Mas vale um adendo: esses arremessos não são criados da mesma forma! Todos os times buscam bandejas e bolas de 3 pontos, mas alguns criam isso com velocidade, outros com lentidão, alguns via um pivô passador, outros com um armador dominante, alguns com muitos passes, outros com muito mano-a-mano.


LUTOS DA OFFSEASON

Ainda no começo da pandemia de Covid-19 o mundo da NBA ficou de luto pela morte da mãe de Karl-Anthony Towns, o que a gente não sabia era que aquele tinha sido só o primeiro capítulo de um ano devastador para o pivô. Ao voltar para a temporada ele revelou que perdeu outros SEIS familiares para a doença! Ao ser perguntado sobre como estava sendo a preparação do time neste ano comparado a anos anteriores, ele deu uma resposta longa e dolorosa sobre o luto que vive desde abril:

“Quer saber, eu nem reconheço a maior parte dos jogos ou anos em que joguei ou como me senti na hora. Se posso ser honesto com você, não me lembro e não me importo. Só sei o que aconteceu do dia 13 de Abril pra frente. Você pode até me ver sorrindo, mas aquele Karl morreu em 13 de Abril. Ele não vai voltar, eu não lembro dele e não conheço ele. Você está falando com meu corpo, mas minha alma morreu faz tempo”.

Há um limite para o que o Minnesota Timberwolves e a NBA podem fazer, mas espero que tudo o que falaram nos últimos anos sobre saúde mental esteja sendo colocado em prática no caso de Towns.

Quem também morreu de Covid-19 foi David Mass, famoso no mundo da NBA por seu quadro de trocas insanamente rápidas de roupa ao lado da mulher Dania. O casal iluminava os shows do intervalo em diversos ginásios liga afora e quem tem League Pass já deve ter visto eles várias vezes.

O Houston Rockets também passou por uma perda importante. Justo num momento de turbulência, com a saída de Daryl Morey, Mike D’Antoni e o pedido de troca de Harden, com inúmeras matérias contando todos os podres do time, a franquia perdeu BJ Johnson, olheiro que trabalhava no Rockets há VINTE E SEIS ANOS e que morreu após um acidente quando fazia sua corrida rotineira de 48km de bicicleta. Adorado NBA afora, ele era um dos rostos mais ligados ao Rockets para quem vivia o dia-a-dia da liga e convivia com as pessoas que só brilham atrás do palco. Entre os vários depoimentos interessantes temos o de Chad Ford, especialista em Draft da ESPN, que disse que as opiniões de BJ Johnson sobre os novatos eram as que mais pesavam em seus rankings. Ele disse que até o tentou convencer duas vezes de trabalhar na ESPN, mas que ele preferiu seguir nos bastidores:

O armador Jamal Crawford contou que BJ Johnson o ajudou muito no seu ano de novato, com dicas e confiança. E ele nem jogava no Houston Rockets!

Daryl Morey contou que antes de chegar no Rockets, o então General Manager Chris Wallace disse que Johnson deveria ser a primeira pessoa com quem ele deveria conversar para se inteirar do time.


GRAPHIC DESIGN IS MY PASSION DA SEMANA

Não sei bem explicar o motivo, mas eu fiquei apaixonadíssimo por essa versão meio tosca dos logos da NBA criada pela Dana Smart, uma torcedora do Toronto Raptors que sempre posta coisas divertidas no Twitter:

slack-imgs.com

Por 25 dólares canadenses você leva uma camiseta com esses logos. Aceito de MIMO! Se não quiserem presentear o blogueiro com a camiseta, uma outra opção é um MAPA. O Kirk Goldsberry, que sempre faz aqueles mapas de arremessos dos jogadores da NBA, fez um trabalho novo onde uniu suas duas paixões, basquete e cartografia. O resultado é um mapa do fictício “Naismith National Park”, recheado de referências aos especialistas ou eventos históricos de cada posição da quadra:

Naismith

A brincadeira custa 50 dólares e eu nem quis saber do frete. Melhor não sofrer!


GRANDES MOMENTOS DA TELEVISÃO

Ainda antes de ser trocado, John Wall estava na televisão dando uma entrevista sobre seu retorno quando a gente percebeu que ele tava fazendo algo a mais do que só falando. O maluco estava JOGANDO BARALHO enquanto dava uma entrevista ao vivo! E segundo o Marc Spears, do New York Times, ele é um excelente jogador de Spades, acho que esse era o desafio final:


COMENTÁRIO POLÍTICO DA SEMANA (OU QUASE ISSO)

O Nate Silver, do FiveThirtyEight, estava no Twitter comentando a eleição americana quando contestou um argumento volta e meio usado nas discussões políticas nos EUA que se pergunta sobre “e se Donald Trump fosse competente e mentalmente são?”, usado quando tentam lembrar de outros fatores que fizeram eleitores votar em Trump. Para Silver, não dá pra simplesmente tirar uma característica de uma pessoa, “ela é o pacote completo”. Como exemplo, ele lembrou a NBA e disse: “É como dizer ‘como seria Steph Curry com 2,10m de altura?’ Ele não seria o Steph Curry”. Ao que Daryl Morey, num toque de gênio, respondeu com uma foto do antológico Steve Novak, o cara que mal conseguia tempo de quadra mas que Jeff Van Gundy já chamou de “o melhor arremessador do planeta”:


Um clássico da diversão na transmissão da TV é quando flagram alguém NO VÁCUO ao esperar um cumprimento de alguém. Aconteceu com Luka Doncic (como alguém ignora Lukinha?!), que reagiu com bom humor e recebeu nota máxima de Josh Hart, o maior especialista da NBA em ficar sobrando:


FRASE DA SEMANA

Depois de assinar sua extensão de contrato, OG Anunoby foi perguntado sobre quem pagava os jantares com Kyle Lowry e outros membros do time. Sua resposta foi clara: “Quando saímos para comer eu não sei quem paga. Só como, não é comigo. Como a comida que aparece e vou embora quando acabo. Não sei quem paga, mas acho que da próxima vez vou acertar a minha parte”.


ESTATÍSTICAS DA SEMANA

A primeira semana da temporada já teve dois números nunca antes vistos na HISTÓRIA DA NBA! O primeiro aconteceu no último domingo, quando o Dallas Mavericks surpreendeu o LA Clippers na matinê do Staples Center e venceu o primeiro tempo do jogo por 77 a 27! Sim, CINQUENTA PONTOS de vantagem, a maior de um primeiro tempo na história da liga. E como o Clippers marcou apenas 46 pontos no segundo tempo, o Mavs poderia ZERADO o segundo tempo que mesmo assim teria vencido a partida. Surreal:

O outro recorde aconteceu dias depois quando o Milwaukee Bucks se alimentou de PURO ÓDIO para vingar a eliminação nos Playoffs e meter nada menos que VINTE E NOVE bolas de 3 pontos pra cima do Miami Heat, a maior marca da história da NBA, superando as 27 do Houston Rockets em 2019. E ainda veio outro recorde junto: DOZE jogadores diferentes acertaram bolas de longa distância ao longo da partida!

A tríade de recorde não veio por pouco. O déficit de 47 pontos no placar final apenas IGUALOU a maior derrota da história do Heat, um 138 a 91 contra o LA Lakers treinado por Pat Riley no oitavo jogo da história da então recém-inaugurada franquia. E por falar em lavadas, essa tem sido a temporada das SURRAS. A média das vitórias tem sido por 12,9 pontos de vantagem, a terceira maior da história da liga após 54 jogos disputados e a maior desde 1971-72!

Essa é daquelas pra olhar e só falar “não é possível”. A expressão serve tanto para a marca descrita como para quem se deu ao trabalho de ir olhar. Vamos lá: Tristan Thompson, novo reforço do Boston Celtics, teve mais de 10 rebotes de média por partida nas últimas duas temporadas. O Celtics, em compensação, não tem um jogador com média de 10 rebotes por jogo desde Al Jefferson em 2006-07! Como diabos Kevin Garnett nunca teve 10 rebotes de média por lá?

Dá pra ganhar um apelido na NBA mesmo depois de mais de 10 anos de carreira? Pois Trevor Ariza deveria virar Carmen Sandiego. Onde diabos no mundo está Ariza? Ele começou a offseason no Portland Trail Blazers, mas aí foi trocado para o Houston Rockets, que logo o mandou para o Detroit Pistons, que o envolveu em um negócio com o OKC Thunder. Foram QUATRO TIMES em SETE DIAS! Somando com as mudanças no começo da carreira, ele se tornou o jogador mais trocado da história da NBA, dez vezes.

O oposto de Ariza é Patty Mills, cúmulo da estabilidade. Ele se tornou nesta semana o décimo jogador a completar 600 jogos pelo San Antonio Spurs, se juntando a Tim Duncan, Tony Parker, Manu Ginóbili, David Robinson, George Gervin, Sean Elliott, Avery Johnson, Bruce Bowen e Matt Bonner. Só LENDA!

Falamos muito no último podcast sobre como era incomum um campeão como o LA Lakers mudar tanto o seu elenco de uma temporada para a outra. Mas quanto exatamente o time mudou? O John Schuhmann da NBA.com fez um levantamento do quanto cada equipe trocou de jogadores em relação à temporada passada: Indiana Pacers e Chicago Bulls, que mudaram de técnico, foram os que mais NÃO MEXERAM no elenco, enquanto o Detroit Pistons ficou na última colocação com apenas CINCO jogadores mantidos e 24% dos minutos da temporada anterior:

Captura de Tela 2020-12-30 às 2.05.54 PM Captura de Tela 2020-12-30 às 2.06.20 PM

O Los Angeles Lakers ficou apenas na VIGÉSIMA QUARTA posição do ranking de continuidade, mantendo só donos de 56% dos minutos da temporada anterior! O último campeão a sofrer uma mudança drástica nos seus jogadores com mais minutos tinha sido o Dallas Mavericks, mas eles ficaram em 66%. Para achar um número tão alto quanto o do Lakers entre campeões temos que voltar até o Chicago Bulls de 1998-99 que só manteve os responsáveis por 33% dos minutos do time na temporada anterior após a aposentadoria de Michael Jordan e as saídas de Scottie Pippen, Dennis Rodman, Steve Kerr e companhia.

O Lakers está no topo de um outro gráfico completamente diferente: mais jogos televisionados em rede nacional nos EUA. O time já aparecia bastante até quando era ruim por causa da torcida gigantesca, agora que tem LeBron James, Anthony Davis e um troféu, não é surpresa que lidere a lista. Boston Celtics, Dallas Mavericks, New Orleans Pelicans e Golden State Warriors empatam em segundo:

Os muitos jogos de Mavericks e Pelicans indicam uma aposta em Luka Doncic e Zion Williamson, a nova geração de estrelas da NBA. Mas por que o Atlanta Hawks de Trae Young, que até foi votado pelos fãs como TITULAR no All-Star Game do ano passado, tem apenas um jogo? Também achei estranha a posição do Washington Wizards, que mesmo com Bradley Beal e Russell Westbrook não terá um jogo sequer transmitido para todo o país.

Agora um recorde triste e feliz ao mesmo tempo: o Orlando Magic venceu seus quatro primeiros jogos em uma temporada pela PRIMEIRA VEZ NA SUA HISTÓRIA! Legal por um lado ver o time tendo sucesso, mas por outro não é absurdo que nunquinha eles tenham conseguido isso? Nem com os times finalistas de Shaquille O’Neal ou Dwight Howard começaram tão bem. Bizarro.

Depois de duas derrotas humilhantes para começar a temporada, o Golden State Warriors viajou para enfrentar o Chicago Bulls e a transmissão do time da casa não pegou leve com a ex-dinastia. Eles mandaram um gráfico chamado “Substituindo Klay (“argila”, em inglês) por TIJOLOS” e mostraram que Andrew Wiggins e Kelly Oubre tinham até então somado só DOIS acertos em 21 tentativas de bolas de 3 pontos!

O Warriors até acabou vencendo esse jogo com uma bola de 3 pontos de Damion Lee, o famoso CUNHADO DO CURRY, no último segundo, mas os números continuavam feios especialmente para Oubre. Nos seus três primeiros jogos ele não acertou um arremesso sequer fora do semicírculo sob a cesta!

A atuação de Oubre pode ser resumida no lance abaixo. Muita confiança na infiltração, resultado questionável e os olhares de Steph Curry e Steve Kerr não escondem a frustração:

Mas não é como se Curry fizesse sua parte todas as vezes que Oubre consegue colocar a bola na sua mão…


HUMILHAÇÃO DA QUARENTENA

O nem-tão-grande Nate Robinson poderia ter ficado para a história como o único tricampeão de Torneio de Enterradas mesmo com apenas 1,75m de altura. Poderia ter sido eternizado como um dos baixinhos de maior sucesso na história da NBA ou ainda como um dos heróis da tribo dos jogadores nascidos em Seattle, um dos grupos mais unidos do basquete. Mas não, ele preferiu virar meme: o #NateRobinsonChallenge virou isso aqui…

Tudo porque o ex-jogador resolveu se aventurar no mundo do boxe e foi brutalmente NOCAUTEADO pelo YouTuber Jake Paul em uma luta preliminar na noite do retorno de Mike Tyson. Aliás, releia essa frase com calma e aprecie a insanidade que foi 2020:

Muito mais inteligente foi Damian Lillard, que ao invés de brigar de verdade simplesmente entrou como personagem no jogo de videogame WWE 2K Battlegrounds. O armador é fã declarado de longa data da famosa luta-livre de mentirinha, já fez um tênis da sua linha em parceria com a lenda do quase-esporte Ric Flair, já apareceu fantasiado de lutador no Halloween e já tinha dito que se fosse wrestler usaria o codinome La Heem Lillard. Segundo ele, é uma “palavra muçulmana que significa o melhor dos melhores”. Bom, aí está ele:


HISTÓRIA QUE PARECE MENTIRA DA SEMANA

Um homem INVADIU A CASA de DeMar DeRozan em um condomínio fechado de Los Angeles no fim de Novembro. Ele entrou na casa e depois em uma área onde estava um dos filhos do ala do San Antonio Spurs. Ao ouvir a confusão (e o provável susto da criança), DeRozan foi até o local e encarou o maluco, que fugiu pelo condomínio. Mas não é que o cara voltou? Ele tinha invadido o local  POR ENGANO quando tentava entrar na casa da Kylie Jenner, celebridade do clã Kardashian que é vizinha de DeRozan. Dessa vez a polícia foi acionada e prendeu o cara.


FOTO DA SEMANA

Estamos todos felizes que Kevin Durant está de volta e mais felizes ainda que ele voltou em forma e jogando muito. Poréeeeem nessa primeira semana ele aparece no Filtro apenas como personagem no PÔSTER de Terry Rozier:


MOMENTO KNICKS DA SEMANA

A temporada nem começou direito e o NY Knicks já tem um momento de amadorismo para chamar de seu. Dentro de quadra as coisas até tem ido bem, mas eles tinham que nos lembrar que são uma franquia disfuncional: Reggie Bullock entrou em quadra com um uniforme que tinha dois números diferentes! Era 25 na frente (o certo) e 23 nas costas, o mesmo de Mitchell Robinson. Os árbitros perceberam no segundo quarto e ele teve que ser substituído para trocar de uniforme:


APELIDO ROUBADO DA SEMANA

Essa foi a reação de Donovan Mitchell, o Spida Mitchell, ao descobrir que o pessoal do Denver Nuggets está chamando o Facundo Campazzo de Spiderman pelos seus passes com uma só mão:


JOGADAS BOLA PRESA DA SEMANA

As Jogadas Bola Presa são conhecidas por serem desastrosas, mas não precisam ser SEMPRE assim. Dá pra ter jogadas boas também desde que tenham pitadas de humor nela. É o caso desse arremesso do Trey Burke que rodou tanto no aro que dava pra transformar a história dele numa trilogia de cinema com o The Rock:

Agora essa próxima é feia mesmo. Quer dizer, feia para quem gosta de basquete, mas bonita para quem gosta de um roteiro cheio de reviravoltas. Já assisti 60 vezes e ainda não decidi quem é a maior estrela dessa obra-prima:

Uma variação do mesmo tema veio no jogo entre Washington Wizards e Chicago Bulls. Estou começando a achar que a offseason foi mesmo muito curta e ninguém tá preparado pra jogar basquete de verdade:


BOAS AÇÕES DA PANDEMIA

A gente tem visto desde o começo da pandemia que diversos jogadores estão bem ativos no lado da luta social e especialmente na luta por igualdade racial nos EUA. Mas dois jogadores chamaram a atenção por novas atitudes nesse começo de temporada, ambas focadas na parte da dificuldade econômica que ainda aflige boa parte da população dos EUA. Começamos com Jrue Holiday, que decidiu simplesmente DOAR TODO SEU SALÁRIO da temporada para pequenos negócios de donos negros e instituições sem fins lucrativos. Esse não brinca em serviço:

Quem mostrou a mesma preocupação foi Larry Nance Jr, que criou uma brincadeira legal para engajar a torcida e apoiar pequenos negócios de Cleveland. A ideia é que os torcedores mandem camisetas com logos e marcas de pequenos negócios da cidade. Ele vai usar a camiseta antes do jogo, tirar fotos com ela e promover os negócios. Depois ele vai vender o uniforme que usou naquela partida e igualar do próprio bolso o valor da venda para então doar a soma do dinheiro para os negócios locais.


BOAS FESTAS DA SEMANA

Pelo jeito tinha gente enxergando um Menorá no cabelo de Kawhi Leonard. Agora não consigo desver…


MASCOTES POWER RANKING

Começamos essa temporada parabenizando o Coyote, que recebeu de seus pares o troféu de MASCOTE DO ANO! Ele comemorou do jeito que se deve, estilo Neymar, com FESTÃO. Tudo bem que ninguém apareceu e era só ele num barquinho no rio que cruza San Antonio, mas já foi mais do que o LA Lakers fez após seu título! DEZ PONTOS PRA ELE =)

Ele também ganhou homenagem no ginásio, cortesia de Keldon Johnson e do resto do elenco:

Os 5 pontos vão para Benny The Bull, que imitou direitinho o vídeo do Steph Curry acertando 105 bolas de 3 pontos seguidas:

E já que estamos de bom humor, que tal uns pontinhos também para Clutch e Rumble por essa interação amigável e digna de uma comédia pastelão dos anos 50?

RANKING
Coyote – 10
Clutch, Rumble e Benny – 5

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!