Filtro Bola Presa #62 – Offseason e pré-temporada

Depois de um longo e tenebroso inverno de muito futebol nacional, Copa do Mundo e até VÔLEI, finalmente chegou a hora de ver basquete de novo. Com a temporada da NBA por aqui de novo, o Bola Presa volta a publicar semanalmente o FILTRO, um post que exclusivo para ASSINANTES que vocês poderão conhecer seu formato nesta edição aberta também aos que não nos amam tanto assim.

A ideia do Filtro não é filtrar o que aconteceu de melhor, mas sim olhar o que ficou preso no filtro e jamais iria virar um texto de verdade no blog. Podem ser notícias pequenas, polêmicas rasas, causos estranhos, estatísticas curiosas, vídeos bisonhos, mascotes fazendo mascotagens ou boas histórias que não têm peso para virar um textão, mas que merecem ser mencionadas. É um jeito de ficar por dentro do submundo dos obcecados pela NBA.

Essas postagens acontecem uma vez por semana durante a temporada regular porque é quando a NBA existe em sua potência máxima, mas isso não quer dizer que as férias –a offseason— e a pré-temporada foram livres de bons causos. Separamos histórias dos TRINTA TIMES nos últimos meses, bora lá?


Atlanta Hawks

A gente passou a offseason inteira tentando ESQUECER que o Atlanta Hawks existia, mas infelizmente falhamos bem no final. Primeiro eles viraram notícia ao ajudar o OKC Thunder a esconder o corpo de Carmelo Anthony, depois apareceram para a gente só na pré-temporada, quando o novato Trae Young ganhou um jogo contra o San Antonio Spurs fazendo o que ele prometia na faculdade: sendo um emulador de Steph Curry:

O nome de mais peso no elenco do Hawks é pesado pela sua história, não pela bola que joga hoje. É Vince Carter, que no alto dos seus QUARENTA E UM ANOS vai para mais uma temporada na NBA. Ele não está gagá, mas foi confuso quando ele assinou com o pior time da NBA e deu uma entrevista dizendo não ser desses que busca um time bom para “caçar anéis de campeão”. A gente meio que tinha percebido isso quando você deu bola para Kings e Hawks em anos seguidos, amigão! De qualquer forma, fica a lição de que é possível fazer isso aqui depois dos 40:

Aliás, curiosidade estatística bizarra: Vince Carter entrou na liga CINCO ANOS antes de LeBron James, mas o ala do Lakers já tem SETE MIL minutos de quadra a mais que ele! É surreal o que o corpo de LeBron aguenta.


Boston Celtics

Favorito ao título do Leste, elenco mais qualificado para bater de frente com o Golden State Warriors, técnico fenomenal e finalmente um elenco que não se reformulou inteiro de um ano para o outro. O que falta para o Boston Celtics ser campeão? Jayson Tatum mostra que entrosamento não é problema:

Entre as poucas novidades do elenco do Celtics estão os seus novatos. Um deles, Robert Williams III, teve um verão de aprendizados: (1) ele DORMIU demais e perdeu a videoconferência com a imprensa um dia depois de ter sido draftado, (2) perdeu sua carteira DUAS VEZES durante a Summer League e (3) tentou beber um daqueles gatorades que ficam nas mesas de entrevista coletiva e descobriu que seu conteúdo é falso, puro plástico:


Brooklyn Nets

No discreto time do Nets, a offseason vale pela diversão de acompanhar Spencer Dinwiddie nas redes sociais. Ele é ativo no Twitter e no Instagram e tem o estranho hábito de responder os seguidores como se fosse uma pessoa normal. No começo da temporada da NFL ele foi o responsável por descobrir que o pivô Jonas Valanciunas, do Toronto Raptors, está jogando futebol americano sob o codinome de Travis Kelce:

Também foi divertido o dia que ele percebeu que o Woj, da ESPN, estava seguindo ele no Twitter e ficou com medo que isso significava que ele iria ser trocado:

Um outro membro do time foi responsável por uma das bonitas ações dos últimos meses. Allan Crabbe usou parte da grana PESADA que conseguiu naquele contrato com o Portland Trail Blazers para salvar uma escola de Los Angeles, sua cidade natal. O colégio, onde o ala estudou, foi fundado pelo seu avô.


Charlotte Hornets

A coisa mais legal do Charlotte Hornets é que Michael Jordan é o dono do time. O mais chato é que Jordan não tá nem aí para nós mortais e a gente raramente vê ele fazendo ou falando alguma coisa, virou um cara de bastidores. Quando MJ finalmente virou notícia nessa offseason, pelo menos foi por uma ótima causa: ele doou 2 milhões de dólares para ajudar aqueles atingidos pelas devastações do furacão Florence na Carolina do Norte:

Também vale a pena escutar o podcast do JJ Redick em que ele entrevista Kemba Walker, a estrela-mor do Hornets. Ótimo papo sobre como o armador lida com os boatos de que ele vai para o NY Knicks no ano que vem, como é ser um armador da NBA de hoje, como foi participar daquele Charlotte Bobcats que venceu só SETE jogos num ano inteiro e por que Nova York deixou de revelar novos grandes jogadores.


Chicago Bulls

A melhor coisa do Bulls que eu vi nessa offseason foi a foto que esse cara postou da sua coleção de 59 Bobbleheads do time:

Bulls

TOP! Dá pra ver as fotos em detalhe nesse álbum aqui. Dentro de quadra o drama ainda não chegou, mas está perto: Jabari Parker, a contratação polêmica de 20 milhões de dólares, já foi para o banco de reservas no quarto jogo de PRÉ-TEMPORADA. Quando um time percebeu tão cedo que tinha caído numa cilada?


Cleveland Cavaliers

Com as eleições rolando soltas e selvagens e todos seus amigos fazendo textões naquela rede social, você já deve ouvido falar no termo “vácuo de poder”. Acontece quando um poder central perde força e deixa um vazio, que normalmente é preenchido por alguma coisa que a gente abomina.

No caso do Cavs, a saída do todo-poderoso LeBron James deixou um vácuo enorme que deveria ser preenchido por alguém. Em parte foi por Kevin Love, que passou a ser mais vocal nas mídias sociais, na imprensa e dentro do time, sendo ele o responsável por organizar os treinos de pré-pré-temporada que antes LeBron montava. O problema é que Love não é grande o bastante, e JR Smith resolveu abrir as asinhas…

Primeiro ele se envolveu numa polêmica bizarra: entre suas mil tatuagens, ele resolveu fazer uma nova, com o logo da marca Supreme na batata da perna…

A NBA, porém, tem uma regra que proíbe jogadores de mostrarem logotipos e marcas em seus corpos ou cabelos. JR Smith ficou puto, reclamou no Instagram e cobriu a tatuagem, mas não sem antes uma piadinha com Kevin Love:

Em quadra, sem papai LeBron em volta para dar bronca, JR Smith arranjou briga com o Boston Celtics e depois ainda ficou no Twitter dizendo para o Marcus Smart ir pegar ele na rua:

Pior: não foi nem a primeira nem a mais comentada briga desse Cavs-vácuo-de-poder. Meses antes, numa festa pomposa após a entrega dos prêmios ESPY, Tristan Thompson partiu para cima de Draymond Green. Alguns dizem que rolou um soco, outros dizem que foram DOIS SOCOS, outros que foi um empurrão, outros que foi um soco pelas costas. Ninguém confirmou os detalhes, mas que teve briga, isso teve.

Culpo Tristan Thompson pela agressão, mas não pela raiva. Socar alguém é sempre desprezível, mas Draymond forçou a barra: após a dupla ter brigado no Jogo 1 da Final, Thompson foi cordialmente apertar a mão do rival ao final da série, dado que estava tudo acabado. Green não só se recusou a apertar sua mão como disse que eles “não eram do mesmo tipo de pessoa”.

Até chegaram a organizar uma festa em Cleveland para celebrar o soco em Draymond Green, mas infelizmente ela acabou cancelada em cima da hora:


Detroit Pistons

Sabe a sensação de finalmente comprar aquele produto que você sonha há anos só para depois descobrir que já é tarde demais e você pagou por algo defasado? Então, o Detroit Pistons sonha com esse Blake Griffin que encantou crianças –hoje todos jogadores da NBA– em 2012…

…mas está com esse que toma toco da pirralhada:


Denver Nuggets

Já que escrevo isso no Dia dos Professores, um vídeo do “professor” Mike Malone mostrando na prática como ele quer que as coisas funcionem no seu time. Preocupante que um time com defesa tão ruim não consiga parar um senhorzinho? Ou eles pegaram leve com o chefe?


Dallas Mavericks

As aspas da offseason vão para o bom e velho Dirk Nowitzki:

Acabei de fazer um teste surpresa de doping. Falei para o cara: você viu como eu me mexi na temporada passada? Se eu estivesse usando alguma coisa eu deveria mudar de produto rápido!’

O alemão também tocou guitarra no banco de reservas em um amistoso na China porque sim:


Golden State Warriors

Uma das perdas do Warriors nesta offseason foi o veterano David West, que se aposentou. Durante um jogo desta pré-temporada ele contou quando foi que decidiu parar: foi num jogo contra o LA Lakers quando ele tentou levar o ARMADOR novato e baixinho Josh Hart para o post-up no garrafão e não deu conta do recado. Claro que foram atrás do vídeo…

O Warriors também se destacou por contratar DeMarcus Cousins e por iniciarem a revolução do basquete de clones:


Houston Rockets

O time que mais chuta bolas de 3 pontos na história da NBA foi atrás de Carmelo Anthony o rei do arremesso de… meia distância. Talvez só falar isso não dê a dimensão do que estamos falando, então temos NÚMEROS: nas últimas duas temporadas, Melo arremessou mais bolas de meia distância que TODO O TIME do Rockets!

Mas pelo menos ele já entendeu que o novo time tem regras específicas. Seu pedido de desculpas após abrir mão de um chute de 3 por um mais próximo foi a imagem do time na pré-temporada:

Provavelmente Melo precise de umas aulas com Russell Westbrook, que estudou bastante o Rockets e já até sabe imitar perfeitamente o James Harden.


Indiana Pacers

Minha história favorita do Indiana Pacers aconteceu durante o Media Day, onde os jogadores dão horas da entrevista mesmo sem ter muito o que dizer. Em certo momento Victor Oladipo revelou que sempre assiste os mesmo filmes antes de dormir: Shrek, Mulan, Esqueceram de Mim ou Esqueceram de Mim 2.

Viciado em treinos desde que fracassou no OKC Thunder e guiado por Dwyane Wade na nova maneira em que aborda a carreira, Oladipo também se destacou por chamar todo o elenco do Pacers para treinar com ele nas praias de Miami. É um jeito de formar uma FAMIGLIA como a que o Pacers montou há alguns anos. Nesta offseason o George Hill se casou e fez questão de convidar todos os membros daquele time que bateu de frente com o Miami Heat, lá estavam Paul George, Roy Hibbert, CJ Miles, DJ Augustin e Ian Mahinmi, o técnico Frank Vogel e até Leandrinho:


Los Angeles Clippers

Quem já é assinante há um tempo sabe que o Filtro Bola Presa é OBCECADO por Boban Marjanovic desde que ele estava no San Antonio Spurs. Eu nunca vou deixar de me impressionar com a sua altura e nunca vou deixar de postar qualquer imagem que mostre isso. Fica aqui mais uma delas:

Mas talvez o grande feito de Boban na offseason tenha sido sua websérie ao lado de Tobias Harris. Para os que estão por fora, Tobi e Bobi é o maior bromance da NBA desde que Kyle Lowry e DeMar DeRozan foram separados pelo destino:

Outro destaque do Clippers foi a estreia do novato Shai Gilgeous-Alexander. Você consegue imaginar como esse nome cabe na camiseta do armador? DESCUBRA.


Los Angeles Lakers

Sabemos que LeBron James tem interesse no mundo do entretenimento e que sua ida para Los Angeles vai ajudar a alavancar alguns projetos. Ele já tem programa de TV na HBO, bancou um documentário sobre esporte universitário e até quer produzir uma série baseada na vida do pupilo Ben Simmons. O que ele não imaginava é que a maior obra audiovisual com o seu nome é um vídeo que simula a ida de JR Smith para assombrá-lo em Los Angeles. Depois de Kobe, teremos a NBA vencendo outro Oscar de curta-metragem? Merece!

E LeBron James é seu jogador favorito? Para alguns ele é o ESPORTE favorito. Sempre tem um cara que é mais fã.

Na pré-temporada foi legal ver a estreia de LeBron, as enterradas de JaVale McGee, a evolução de Brandon Ingram e os malabarismos inúteis de Lance Stephenson, mas nada foi mais legal do que ver Rajon Rondo tentando trollar os cumprimentos de lance-livre dos adversários. Por que DIABOS ele faz isso?! Eu amo demais, meu deus.


Memphis Grizzlies

A NBA pode ter muita história curiosa, bonita e emocionante, mas não imagino alguma superando o fato de que Marc Gasol usou suas férias para entrar num barco e resgatar refugiados que tentavam atravessar o Mar Mediterrâneo rumo à Europa.

“Frustração, raiva e muita impotência. Inacreditável como tantas pessoas vulneráveis são abandonadas para morrer no mar. Admiração profunda pelos meus companheiros de equipe com a @openarms-fund”


Miami Heat

Muito se especulou sobre a maior estrela da história do Heat durante a offseason: Dwyane Wade vai se aposentar? Vai aceitar a proposta milionária da China? Vai tentar um título em outra cidade? No fim das contas ele estava apenas esperando o fim das férias para dizer que volta para um ÚLTIMO ano em Miami. Tour de despedida para emocionar uma geração de torcedores e jogadores que assiste ele infiltrar há 15 anos e ainda não sabe o que vai vir a cada jogada.

Nesse verão Wade foi bem ativo nas redes sociais, comentou notícias, interagiu com populares e se sentiu tão do povo que perguntou para a galera de Nova York onde ia rolar um joguinho amador. Nas palavras daquele comentarista: “pegar uma peladinha aê?”. O pessoal respondeu e ele apareceu para jogar com um bando de caras que jogam depois do expediente:


Milwaukee Bucks

Vendo Giannis Antetokoumnpo jogar nessa pré-temporada me deixa pouco me importando com os últimos meses e mais ansioso com o que vem a seguir. A montagem abaixo mostra bem como os torcedores do Bucks ficaram vendo a evolução do Greek Freak, que agora até parece que vai arremessar de longe com menos medo:


Minnesota Timberwolves

Uma estatística avançada explica toda a indignação de Jimmy Butler com o seu ainda parceiro Andrew Wiggins: segundo as câmeras que mapeiam a movimentação dos jogadores em quadra, Wiggins está CORRENDO em apenas 4,8% do tempo em que  está no jogo. É uma das 10 piores marcas da NBA e ao seu lado estão apenas pivôs pesados com mais de 2,10m de altura.


New Orleans Pelicans

Os boatos de que Anthony Davis pode ser trocado existem desde que ele chegou na NBA. Por que o Pelicans faria isso? Eles não fariam, o mundo dos boatos que é poderoso demais. O técnico Alvin Gentry deixou clara a situação com uma fala curiosa:

O Pelicans não trocaria Anthony Davis por ninguém. Nem pela Beyoncé

Ok.


New York Knicks

Renegado pela própria família e proibido de voltar a seu país natal por criticar o presidente Erdogan e fazer parte do movimento do opositor Fethullah Gulen, o pivô Enes Kanter é o personagem mais interessante do New York Knicks.

O Ringer fez um perfil dele contando seu começo no país natal, a polêmica que o levou a ser proibido de jogar na Universidade de Kentucky, o começo de carreira no Utah Jazz, os laços criados com o OKC Thunder e a fase de ídolo cult da torcida do Knicks. O foco maior, porém, é em sua relação com a Turquia, que o vê hoje como um inimigo a ser combatido:

‘Toda vez que saio de casa eu levo alguém comigo. Se estou sozinho, falo com alguém pelo telefone. Nunca se sabe, basta um louco’. Kanter agora evita restaurantes turcos ou pede para amigos pegarem pedidos para ele, já que ele nunca sabe se será recebido com carinho ou ódio. Ele também se afastou de outros jogadores turcos, incluindo o veterano Hedo Turkoglu, que trabalhou como conselheiro de Erdogan e chamou Kanter de ‘traidor’ e disse que ‘espera que Deus nunca dê um filho como ele a ninguém’. Ele também não fala com seu ex-companheiro de Jazz Mehmet Okur. ‘Eu mando mensagens para ele, escrevo no Twitter, no Instagram, mas ele nunca responde. Eu ainda respeito eles, mas eles têm medo até de me escrever’

O que dá pra tirar da história toda é que Kanter é um cara que gosta de atenção, quer ser aceito e passou a vida sendo jogado de um lado para o outro até chegar ao ponto de ser chutado para fora da família e do país, o que é especialmente dolorido quando se vive no exterior desde novo. Ele abraça qualquer chance de fazer parte de um grupo, de ser aceito e importante para alguém. Sua carência pode irritar às vezes, mas tem razão de ser. À NBC ele disse que gosta de andar pela Times Square e pelo metrô de NY  para ver a reação do público e interagir com os torcedores:

No campo das aspas, o pivô Knicks também se destacou quando disse que fica “com os mamilos duros” de pensar em levar o time aos Playoffs. Aí já foi nformação demais, amigo! Continue falando só de política.


OKC Thunder

Um dos grandes parceiros de Kanter no Thunder era o também pivô Steven Adams, os “irmãos bigode” eram Tobi e Bobi antes de ser cool. Mesmo sem uma vida tão conturbada quanto a do amigo, Adams lançou uma biografia neste ano com algumas boas histórias. Não sou fã de biografias de pessoas que não tem nem 30 anos, mas vale pelos causos.

Em um trecho ele diz que nunca foi adepto do trash talk, que é calado em quadra. Mas que um dia Jonas Valanciunas estava falando tanto, mas tanto que ele respondeu a um pedido de briga dizendo “Você não quer brigar comigo. Você usa garfo e faca para comer, eu uso minhas mãos”. Segundo Adams, “ele não sabia o que responder porque o que eu disse foi muito idiota, mas consegui fazer ele ficar quieto”.

Os stories do Russell Westbrook no Instagram não só provam que Adams realmente come com a mão como dão um uma ideia da quantidade de alimento necessária para sustentar um ser humano daquele tamanho:

Infelizmente ele foi um dos jogadores do time que não pode comparecer ao TORNEIO DE PESCA organizado por Paul George.

MOMENTO NELSON RUBENS

O grande vencedor da offseason é Andre Roberson. Não há lesão de joelho que derrube o fato de que ele está namorando a Rachel DeMita, musa de 10 entre 10 jogadores da série NBA 2k:


Orlando Magic

Cabe a nós apenas rezar para que Mo Bamba faça esse time ser relevante de novo. Começou bem, com uma parceria com o colega novato DeAndre Ayton no clássico “Call Me Maybe”, uma das estrelas da nossa playlist “Música de Menina”:


Philadelphia 76ers

O que o Sixers espera de suas estrelas na offseason? Que Ben Simmons foque nos treinos e que Joel Embiid não se machuque. Que notícias vemos na internet? Simmons correndo atrás de uma Kardashian e Embiidão jogando futebol num terrão em Camarões:

Culpa da mídia que só traz medo no noticiário! Li no WhatsApp que os dois vão chegar VOANDO na temporada.


Phoenix Suns

O quanto do esporte é competição, o quanto é negócio, o quanto é só mais um trabalho e o quanto ele virou entretenimento ao longo das últimas décadas? Daria uma boa discussão com DeAndre Ayton, primeiro escolhido no último Draft, que mandou essa: “Sou um entretainer, não me vejo como um jogador de basquete, gosto de entreter as pessoas”. Isso é bom ou ruim?


Portland Trail Blazers

A nova modas da offseason da NBA é a dos “workout videos”, aquelas publicações onde os jogadores querem mostrar para o mundo que estão treinando loucamente, que ralam enquanto os outros estão de férias. Em parte esses vídeos existem porque os atletas gostam de aparecer, em parte porque os treinadores deles querem se promover e ganhar novos clientes. O que importa aqui é que Damian Lillard ficou de saco cheio da egotrip alheia e resolveu fazer a sua própria versão:

Em um verão de ironias, Lillard também se arriscou em outra área que marca dessa época do ano: a corrida pelo furo jornalístico na transferência de jogadores. Com Lillard, porém, foi o oposto: ele que usou o Twitter para anunciar que jornalistas estavam trocando de plataformas…


Sacramento Kings

No ano passado o Kings gastou uma grana para encher seu elenco com veteraníssimos, com a esperança de que a experiência deles iria ajudar sua pirralhada a virar alguma coisa. Um ano depois parece que pode der dado em algo: o pivô Willie Cauley-Stein conta ao jornal Sacramento Bee que no meio da temporada passada ele estava insatisfeito com seu desenvolvimento e que queria se tornar O CARA do time. Para saber o que fazer, recorreu a Vince Carter:

Mandei uma mensagem para ele e disse que queria ser O CARA. Ele então começou a me explicar todos os sacrifícios necessários para ser esse cara. Trabalhei no meu corpo todo o verão, no meu equilíbrio, em tudo. Corrigi meu corpo, alinhei meus chacras. Corpo, alma, espírito, tudo está bem agora

Chacras? Sei lá o que o Carter falou, mas qualquer coisa que funcione tá bom. O Kings precisa de você!


San Antonio Spurs

Com a novela Kawhi Leonard, a saída de Tony Parker, a aposentadoria de Manu Ginóbili e uma enxurrada de lesões, a melhor coisa do verão do Spurs foi mesmo ficar lembrando do passado. A overdose de saudosismo bateu forte quando nosso argentino postou essa foto ao lado “do outro lado” com Tim Duncan, Bruce Bowen, George Gervin, David Robinson e Sean Elliot.


Toronto Raptors

Desculpe repetir o óbvio, mas nada na offseason do Raptors vai superar a RISADA de Kawhi Leonard ao ser apresentado no time canadense:

Eu sei que Kawhi é um jogador fantástico e que pode levar o time a um outro patamar. Mas ele é um companheiro de time bom o bastante a ponto de aceitar comer INSETOS preparados pelo seu companheiro de time? Pois DeMar DeRozan fez isso com Serge Ibaka. Isso é lealdade:


Utah Jazz

Depois de anos discutindo com a torcida mais implicante da NBA, hoje o Bola Presa vive história de amor com o Utah Jazz. Amamos Ricky Rubio desde os seus 14 anos, temos adoração por Joe Ingles e somos obcecados por Donovan Mitchell. Não bastasse suas cestas e infiltrações malucas, o cara ainda é muito gente boa e relatos do verão comprovam isso.

Um cara postou no Twitter o seguinte causo: seu irmão, que tem um tipo de deficiência mental, estava numa loja da Apple para arrumar seu celular. Ele ficou sabendo que teria de pagar para consertar seu celular mas não tinha dinheiro pagar. Mitchell ouviu a conversa e se ofereceu para pagar o reparo =)

Outro caso aconteceu em um restaurante: uma garotinha que luta contra um câncer pediu para tirar uma foto com Mitchell, ele não só topou como ainda correu para o carro para pegar um par de tênis, autografar e dar de presente para a pequena.


Washington Wizards

A grande contratação do Wizards para a temporada foi Dwight Howard. O pivô, que agora muda de time a cada ano e vê seus companheiros celebrarem sua saída, disse que quer fazer sucesso em Washington e que deseja se aposentar por lá. Já ouviu isso antes? Pois é, correram atrás e descobriram que essa foi pelo menos a QUARTA VEZ que ele disse a mesma coisa:

Só a foto de John Wall ao se apresentar para os treinos da Seleção dos EUA explica a empolgação de jogar ao lado do cara mais odiado nos vestiários da NBA:

Outra boa história do Wizards: Bradley Beal disse que engordou quase 10kg durante o fim da última temporada. Tudo porque sua namorada estava GRÁVIDA! Ao que tudo indica, é uma coisa comum. Pelo jeito o desejo da mulher por pizza e sorvetes toda noite foi compartilhado pelo bom marido.


DICAS DE LEITURA


BIZARRICE DA SEMANA

Tire uns minutos da sua vida para conhecer os logos das equipes da liga japonesa de basquete. Destaque para o Earthfriend Tokyo que parece tirado diretamente de um episódio do Capitão Planeta.


MASCOTES POWER RANKINGS

A competição mais importante entre seres de pelúcia começa para valer na semana que vem, mas o Bango começa com vantagem de 5 pontos por causa dessa foto que reúne as duas melhores coisas que já aconteceram em Milwaukee:

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!