Filtro Bola Presa – Pré-temporada

Quando anunciamos no nosso Apoia.se que os assinantes teriam direito a um Filtro Bola Presa por semana, imaginamos que nem todo mundo iria lembrar da nossa seção de alguns anos atrás. Por isso, que tal uma versão aberta e caprichada após essa pré-temporada?

O conceito do Filtro é simples: uma espécie de resumo semanal em que fazemos um apanhado de pequenas histórias que nunca iriam virar textos grandes, mas que merecem alguma atenção. Pode ser um vídeo, uma notícia, uma estatística, uma curiosidade. Bora lá!


Primeiros jogos de pré-temporada e já tivemos a primeira briga! Trevor Booker, o gatilho mais rápido do Oeste, se enroscou com Julius Randle em uma partida entre Jazz e Lakers e Roy Hibbert foi lá tirar satisfação. Booker, provavelmente achando enfadonho jogar tantos amistosos, já tentou dar um SAFANÃO no pivô do Lakers para ver se arruma uma suspensão/folga.

A imprensa americana, sempre tão diferente da nossa (às vezes para bem, às vezes para mal), não condenou as ~cenas lamentáveis~, ao invés disso louvou o fato de Hibbert, às vezes tão desligado e desinteressado, ter mostrado algum fogo. Também não é nada mal quando um dos veteranos do time vai lá mostrar pra pivetada que eles tem alguém os apoiando na retaguarda. Somos todos bichos, afinal.


Na mesma série de amistosos entre Jazz e Lakers no Havaí, Raulzinho começou a ganhar seu espaço no time. E entre grandes passes e inúmeros roubos de bola, o que chamou mais a atenção foi essa surreal assistência que o brazuca deu para Tibor Pleiss. É Dwyane Wade fazendo escola na estratégia do “pule primeiro, decida depois”.


Pré-temporada é época também de brigas por posição. E parece que já temos alguns vencedores, embora outros só vamos descobrir pra valer quando a temporada começar:

  • Zach LaVine tem sua juventude como vantagem e venceu o duelo com Kevin Martin no Wolves, o técnico interino Sam Mitchell disse que “a vaga é de LaVine até que ele faça algo para perdê-la”. Ou seja, não caga, moleque!
  • Kent Bazemore, até por falta de opção, será o novo titular do Atlanta Hawks. Dá pra imaginar um time liderando uma conferência com Bazemore de titular?
  • Tudo indica que Fred Hoiberg vai montar um time mais baixo e planeja mudar o quinteto titular do Bulls para isso, Joakim Noah pode acabar indo para o banco, deixando Pau Gasol e Nikola Mirotic como dupla titular de garrafão. Na ala, Tony Snell parece ser o escolhido para o lugar do machucado Mike Dunleavy Jr
  • Josh McRoberts está TOMANDO CONTA do ataque do Miami Heat, eu não ficaria surpreso se ele roubasse a vaga de Hassan Whiteside no time titular no futuro, mas por enquanto ainda não é o caso

Um quinteto titular que não tenho ideia de como vai ser é o do New Orleans Pelicans. O Danilo vai falar mais deles no último preview que falta antes da temporada começar, mas não importa qual seja a previsão, ela será atrapalhada pelos desfalques. Olha só a atual lista de contundidos do time:

Pelicans

Não são apenas seis jogadores fora, são seis que fazem parte do time titular ou da parte mais importante da rotação da equipe. E temos que colocar aí ainda o Jrue Holiday que, dizem, deve começar o ano com a limitação de 15 minutos por jogo por estar retornando de lesão.

Sem Ajinça e Asik, podemos ter Kendrick Perkins como titular de um time da NBA. Em 2015. E o recém-chegado Bo McCalebb pode ser a única opção decente para jogar na armação nos minutos que Holiday ficar de fora. Na ala, sem Tyreke Evans e Quincy Pondexter, sobrou só Dante Cunningham! Esperem os números mais absurdos vindos de Anthony Davis nessas primeiras semanas de temporada, é aposta certa.


“Eu odiava o Sasha. Odiava ele e nos desentendemos algumas vezes. Ele é um daqueles jogadores meio sujos, sorrateiros, que segura sua camisa e faz falta depois que a jogada já parou. Ele me falava coisas na língua dele e agora que eu entendo o que ele dizia, o odeio ainda mais. Mas ter ele no nosso time foi uma grande adição, sabendo como ele é batalhador. Ele sabe como jogar, é um veterano, entende como jogamos.”

E aí, Carmelo Anthony está realmente feliz com a contratação de Sasha Vujacic?


A novela Tristan Thompson acabou! E eu adoro chamar contratações longas de novelas. =)

Depois de passar meses e meses brigando com o Cavs por sua extensão de contrato, o jogador conseguiu nada mais nada menos do que 82 milhões de dólares por 5 anos para continuar na equipe. O drama todo era o seguinte: o Cavs já tem uma das folhas salariais mais pesadas dos últimos anos, então queriam dar o mínimo possível para o jogador. O agente do atleta, um dos negociadores mais temidos da liga, insistiu até o fim que não aceitaria menos que o máximo permitido para ele. O time aceitou a derrota, preferiu não desagradar LeBron James, amigo próximo de Thompson (e com o mesmo agente) e achou melhor não começar o ano desfalcado.

Rich Paul, além de agente de Thompson e LeBron James, é o representante de Eric Bledsoe, que fez exatamente a mesma coisa na temporada passada. Assim como Thompson, Bledsoe era Free Agent Restrito, e ao invés de ficar na defensiva como geralmente ficam os restritos, fez jogo duro e disse que preferia não jogar do que fazer um contrato ruim. Bastou o Minnesota Timberwolves levantar a hipótese de dar um contrato gordo para Bledsoe que o Suns abriu a carteira para o armador. O Cavs não corria o mesmo risco, com apenas Philadelphia 76ers e Portland Trail Blazers podendo oferecer a Thompson o que ele queria, mas mesmo assim Paul e Thompson não baixaram a guarda e levaram a grana pra casa.


Em inglês: Para quem consegue ler bem em inglês, aproveitem esse surreal relato de um técnico americano que rala e luta contra tudo e todos para treinar a seleção palestina de basquete.


Os uniformes alternativos já não são mais novidade. Além das cores de casa e de fora de casa, vários times criaram terceiros e até quarto uniformes para usar ao longo da temporada. Quem inovou nesse ano foi o Milwaukee Bucks, que lançou um DESENHO DE QUADRA ALTERNATIVO para combinar com seu uniforme novo.

Bucks Alternate


Uma matéria da SportsIllustrated tem tudo pra deixar os torcedores do Sixers bem desanimados. O repórter Brian Geltzeiler conta que Joel Embiid, uma das grandes apostas do time para sua demorada reconstrução, tem sido um cara difícil de lidar. No último ano ele brigou com assistentes e com a equipe médica, se recusou a usar a bota que protegia seu pé operado, não relatou detalhes de seu tratamento e até ignorou os alimentos saudáveis que o time comprava para ele e guardava dentro de sua geladeira como se fosse uma avó preocupada. O jogador engordou, não protegeu seu pé e alguns acreditam que sua lesão não apenas piorou, mas que na verdade a falta de cuidado criou uma fratura nova! Ele precisou de uma nova cirurgia e deverá perder seu segundo ano seguido de NBA.

Como se não fosse o bastante, a tensão entre o General Manager Sam Hinkie e o técnico Brett Brown tem crescido. Eles já tinham discordado da troca de Michael Carter-Williams, e agora o treinador começa a ficar sem paciência ao ver seu currículo ir para o ralo com tantas derrotas. Como ser técnico se o seu superior tem como princípio não te dar jogadores bons o bastante? E como exercer sua reputação de trabalhar e evoluir jogadores com tantas mudanças no elenco?

Outra envolvendo o Sixers? O time foi alvo de uma piada do governador de Ohio, John Kasich, que tenta ser o candidato republicano à presidência. No Twitter, a conta da franquia respondeu tirando sarro da porcentagem de intenção de voto do cara: “pelo menos vencemos mais de 2% dos nossos jogos”.


Pop

Logo depois do Coach K avisar que iria deixar a seleção dos EUA após os Jogos Olímpicos de 2016, a USA Basketball já anunciou quem vai cuidar do time até os jogos de 2020: Gregg Charles Popovich. Sim, Pop vai fazer algo que não está acostumado no San Antonio Spurs, treinar um time só com americanos.

Difícil imaginar a seleção jogando como o Spurs, é algo que precisa de muito tempo de treino e entrosamento, mas é uma contratação importante para manter algo que a USA Basketball ralou para ganhar nos últimos anos, que foi criar o desejo dos principais atletas da NBA de jogar pela seleção nacional. Se o técnico mais respeitado da atualidade abraça a ideia e se diz honrado, certamente muito jogador vai abraçar a causa também.


Precisa de pelo menos uma boa notícia nessa vida, torcedor do Lakers? Preparem-se para se empolgar com Julius Randle, que foi chamado por Kobe de “Lamar Odom no corpo de Zach Randolph” nessa pré-temporada. Ou seja, já é um favorito do Bola Presa!


Outro favorito do Bola Presa que está VOANDO nessa pré-temporada é o Beatle: Paul George! Depois de voltar meio sem ritmo no fim da temporada passada, George chegou destruindo tudo e todos, até parece mais em forma do que antes da lesão grave na perna.

Ele tem reclamado de sua nova função, obrigado a jogar como stretch-4, o ala de força que joga aberto, longe do garrafão, no ataque, e defendendo um dos gigantes adversários na defesa. Realmente pode ser que seja pesado demais fisicamente para o cara, mas lá na frente tem dado resultado. George está com espaço para chutar de 3 pontos e para dar as primeiras passadas em direção à cesta.


Vale a pena tomar um capote só para conseguir pedir tempo e manter a posse de bola em um jogo da pré-temporada? Kevin Garnett acha que sim.


O canal da NBA no YouTube tem feito bons vídeos históricos nessa semana. Além de mostrar as primeiras cestas da carreira de 50 jogadores diferentes na liga, fizeram também compilações da primeira vez que várias estrelas marcaram 20 pontos na NBA.


Brazucas na pré-temporada

  • Anderson Varejão não foi muito bem, mas perfeitamente normal para quem passou tanto tempo fora. Terá que se superar, porém, para ter espaço num garrafão com Thompson, Timofey Mozgov e Kevin Love.
  • Raulzinho foi até titular em alguns jogos do Utah Jazz, conquistou o técnico Quin Snyder e deve ter todo o espaço do mundo na armação do time, que perdeu Dante Exum. As poucas opções ofensivas do Jazz atrapalham, mas é sinal que ele vai ter bastante a bola na mão.
  • Marcelinho Huertas já virou ídolo cult para os torcedores do Lakers, um armador old school que conquistou a torcida com alguns bons jogos na pré-temporada. Até entrosamento com Nick Young o Huertas arranjou!
  • Nenê parece que perdeu vaga no time titular do Wizards, que deve jogar mais baixo e usar o brasileiro como reserva de Marcin Gortat. Parece ruim, mas pode ser melhor para todo mundo no fim das contas, Nenê pode crescer jogando contra os reservas adversários e poderá ser mais acionado como criador de jogadas de dentro do garrafão, onde ele é muito bom.
  • O Raptors está com menos opções na ala e Bruno Caboclo está ganhando mais espaço no time. Mas não é bom sinal que tenha acertado só 2 das 14 bolas de 3 pontos que tentou na pré-temporada. Seu grande momento foi esse toco ESPETACULAR em Karl-Anthony Towns

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!