Resumo da Rodada – Finais da NBA: Jogo 2

O Golden State Warriors ainda não teve Kevin Durant de volta no Jogo 2 da Final da NBA e ainda viu Kevon Looney e Klay Thompson deixarem a partida com lesões no meio do caminho. Mas mais uma vez o atual bi-campeão conseguiu tirar forças do fundo do seu elenco para vencer o Toronto Raptors fora de casa e igualar a série decisiva em 1 a 1.

A partida começou com ataques bem menos inspirados que na primeira partida. Logo de cara Marc Gasol e Pascal Siakam tiveram arremessos livríssimos graças à marcação dupla sofrida por Kawhi Leonard mas dessa vez não começaram quentes como na última quinta-feira, só fizeram dois dos oito chutes que tentaram no período. E aquela história do Draymond Green dizer que não podiam deixar eles tão livres? As rotações até foram um pouco mais presentes que no jogo anterior, mas não faltou arremesso sem marcação ainda. O diferente mesmo foi ver Kawhi tentando entrar mais no jogo e arremessando mais mesmo com a marcação pesada e exagerada na sua frente.

Do outro lado o Warriors não parecia muito melhor que na partida anterior. Estavam cometendo menos turnovers e cedendo menos contra-ataques, isso é verdade, mas o ataque ainda estava meio encardido. Foram salvos pela falta de disciplina do Raptors, que cometeu faltas demais e deixou o rival bater TREZE lances-livres só no quarto inaugural. Vários deles feitos ainda no campo de ataque, quando o time atacava o rebote ofensivo e acabava atropelando Draymond Green. E como em todo jogo de vida ou morte desse time, Klay Thompson apareceu para o resgate marcando 18 pontos logo no primeiro tempo com aqueles arremessos inexplicáveis que só ele acerta.

Com clima parecido com o do jogo anterior, o Raptors parecia completamente sob controle e a impressão era de que iria deslanchar a qualquer momento. Quando Fred VanVleet começou a acertar bandejas acrobáticas e Norman Powell acertou um arremesso de 3 pontos em uma jogada bem defendida pelo Warriors, a diferença passou dos 10 pontos e pareceu um daqueles momentos chave de uma partida onde a sangria deve ser estancada antes que vire um desastre completo. Foi quando DeMarcus Cousins veio ao resgate: em uma importante sequência ele marcou sete pontos seguidos, quatro em lances-livres, quando sofreu falta ao atacar a cesta do seu jeito TRATOR e mais três em uma bola de longa distância que Marc Gasol não se deu muito ao trabalho de contestar.

Ao fim do primeiro tempo o Warriors perdia milagrosamente apenas por cinco pontos. A etapa ainda teve Kevon Looney fora após machucar o ombro em uma queda, Andre Iguodala voltando para os vestiários após bater a cabeça em um corta-luz de Gasol e Steph Curry aparentemente passando mal e se consultando com o médico do time a cada cinco minutos. E Cousins, que jogou bem quando esteve em quadra, ainda precisou ir para o banco por cometer três faltas em 10 minutos.

Podemos colocar essa na conta da defesa do Warriors, que estava funcionando de maneira bem ensaiada até com os reservas em quadra, embora o prejuízo de ter Jonas Jerebko e Alfonzo McKinnie em quadra sempre apareça eventualmente. A estratégia de marcar Kawhi Leonard com muitos jogadores está forçando o Raptors a sempre gastar os 24 segundos de posse de bola e a arriscar arremessos nos últimos segundos, nem sempre nas melhores condições. Como bem apontou o John Schuhmann, da NBA.com, o Raptors acertou apenas cinco de VINTE arremessos dados nos últimos seis segundos de posse de bola. No Jogo 1? QUINZE acertos em 23 tentativas. O mais engraçado é ver que após dois jogos o Raptors deu 43 arremessos no fim da posse de bola contra míseros 16 do Warriors.

Arremessar no fim da posse de bola não é necessariamente bom ou necessariamente ruim, depende se o time consegue criar boas ou más oportunidades ao longo dos 24 segundos. No Jogo 1 vimos o Raptors acertar tanto arremessos sem marcação como bolas desesperadas e improváveis, no Jogo 2 foi o oposto. Nestes Playoffs o time canadense é o que mais arremessos deu nos segundos finais de posse de bola: 13,1% dos seus tiros vieram nos últimos QUATRO segundos da posse de bola. E com 30% de acerto nesses chutes, o Raptors só não foi pior que Utah Jazz e San Antonio Spurs no quesito.

E o que poderia salvar o Warriors no segundo tempo? Um bom e velho TERCEIRO QUARTO DA MORTE! Quem tava com saudade? Com defesa sufocante, ataque veloz e as trocas de passe mais bonitas do basquete, o Warriors fez nada menos que um DEZOITO A ZERO para começar o segundo tempo.

Já imagino torcedores do Portland Trail Blazers e do Houston Rockets se contorcendo só de lembrar como é passar por isso. O Raptors parecia executar seu ataque cada vez pior a cada cesta sofrida. Nem pedidos de tempo salvaram a pátria.

Aconteceram ajustes táticos para que a virada acontecesse, mas geralmente esses grandes momentos têm mais a ver com boa execução que com um plano revolucionário. No ataque o time de Steve Kerr usou a marcação cada vez mais agressiva para cima de Steph Curry para criar buracos dentro do garrafão. Aí o time confiou nos passes de Green e Cousins para encontrar quem ficasse livre. Reparem no número de vezes em que o cara que fica livre se aproveita de uma marcação dupla sobre Curry ou de um corta-luz do armador que segura um defensor e deixa o companheiro livre:

Como bem disse o na NBA Canada, Curry acabou com a defesa do Raptors SEM ENCOSTAR na bola.

Ao todo o Warriors deu assistências em 34 dos 38 arremessos que acertou no jogo, sendo que todas as 22 cestas marcadas no segundo tempo vieram do passe de alguém. Os 89,5% de cestas com assistência são a maior marca da história das finais da NBA desde 1960! É mais legal ter Kevin Durant no time, mas não é nada mal ter um time capaz de fazer isso quando sua melhor opção de mano-a-mano está fora. Dito isso: a NBA tem o hábito de contar assistências para qualquer coisa, isso aqui abaixo não sei da onde tiraram…

Quando o jogo estava prestes a desandar para o outro lado, Kawhi Leonard finalmente virou protagonista. Agressivo mesmo contra as marcações duplas, cavou faltas, acertou bandejas difíceis sobre múltiplos marcadores e aproveitou o fim do quarto para marcar pontos sobre os reservas do Warriors que entraram. Embora Andrew Bogut tenha feito uma partida boa, com vários pontos em pontes aéreas até, seus pés não são rápidos o bastante para dobrar a marcação sobre Kawhi.

As cestas foram importantes para manter a diferença na casa dos 10 pontos, mas ficou por aí. Ao contrário da partida anterior, os coadjuvantes do Raptors foram bem mais discretos. Eles também sofreram com uma defesa diferentona do Warriors na segunda etapa: Draymond Green saiu do garrafão para botar pressão sobre Kyle Lowry e evitar que ele fizesse bloqueios para Kawhi. Enquanto isso Andre Iguodala, recuperado da pancada da primeira etapa, marcava Siakam e Klay Thompson assumiu o trabalho de marcar Kawhi, sempre com a ajuda das dobras, claro.

A defesa incomodou muito Lowry, que voltou a ser discreto na pontuação e dessa vez nem pode contribuir em outros aspectos porque ficou pouco em quadra. Ele saiu com seis faltas no meio do último quarto, logo depois de cometer duas infrações tolas tentando roubar bolas que nunca teria a chance de agarrar. Embora VanVleet tenha jogado bem, o ideal era ter os dois juntos em quadra. O técnico Nick Nurse foi obrigado a colocar o frio Danny Green de volta.

O jogo muda pra valer no quarto período, quando Klay Thompson se machuca. Ele cai de maneira esquisita após um arremesso de 3 pontos e parece sofrer uma lesão muscular na coxa. Ele tenta ficar em quadra, mas eventualmente pede para sair e demonstra uma irritação bem incomum para um jogador famoso por jogar mesmo com qualquer lesão e nunca reclamar.

Com um arremessador a menos em quadra, o ataque do Warriors entra numa seca perigosa motivada por uma defesa pouco vista na NBA: o box-and-1. Nesse tipo de marcação quatro jogadores marcam por zona, protegendo o entorno do garrafão, enquanto um jogador apenas é defendido individualmente, nesse caso era Fred VanVleet marcando Steph Curry.

A ideia é deixar o Warriors passar a bola como quer no perímetro, não entrar no garrafão e que qualquer um menos Curry possa arremessar. O resultado é que o Warriors não fez NENHUMA CESTA quando marcado assim! Veja no lance abaixo como os jogadores do Raptors só saem de suas posições quando a bola chega a alguém livre, mas que o objetivo é deixar um monte de gente livre mesmo. Iguodala, Draymond e Cousins hesitam em chutar depois de erros seguidos e a bola acaba nas mãos de Quin Cook, que acertou três arremessos IMPORTANTÍSSIMOS de longa distância nesse jogo, sempre para parar um bom momento do rival, mas que dessa vez erra:

É raríssimo ver defesas assim na NBA. O box-and-1 é coisa de basquete universitário em que existe time tem um cara fora de série cercado de diversos manés. Em parte isso pegou o Warriors de surpresa, até porque não estão acostumados a terem tão poucos arremessadores em quadra, mas em parte também foi sorte. Uma ou duas bolas que Cousins ou Cook acertassem e o jogo já era.

Serviu nesse jogo para o Raptors, que foi cortando a diferença até ela chegar a DOIS PONTOS no minuto final. Boa pontaria no ataque? Nem tanto. O Raptors acertou só 26% (IRGH!) dos seus arremessos no último quarto, mas pegou OITO rebotes de ataque! Foi na base da insistência mesmo. O placar de pontos de segunda chance, aqueles marcados após um rebote ofensivo, foi de VINTE A ZERO para o time da casa. Surreal.

Os últimos pontos do time vieram em uma terceira chance, inclusive. Uma bola de longa distância de Danny Green após dois rebotes ofensivos. Com 30 segundos no relógio e dois pontos atrás, o Raptors poderia escolher se iria fazer falta para parar o relógio ou se iria tentar defender e pedir um tempo nos segundos restantes. Ao que parece o técnico Nick Nurse escolheu a marcação forte, mas pediu falta quando Draymond Green, um batedor fraco de lances-livres, recebeu a bola. Os jogadores não ouviram e continuaram tentando o roubo. Quase tiraram a bola da mão de Curry e Kawhi quase interceptou um passe para Shaun Livingston, que então passou para Andre Iguodala MATAR o jogo com uma bola de 3 pontos.

Ao fim do jogo Steph Curry disse que era “DESRESPEITOSO” deixar Iguodala tantas vezes livre como estava fazendo o Raptors nessa série e que uma hora eles iriam pagar. Bom, o ala não acertava uma bola de 3 pontos desde o Jogo 6 da série contra o Rockets, então entendo o lado do Raptors. Mas ontem ele meteu duas bolas de longa distância, incluindo a que fechou a partida.

Para o Jogo 3, dúvidas: Klay Thompson volta da lesão? Kevin Durant irá para a partida? As duas coisas influenciam demais a continuidade ou não da inusitada defesa do Raptors que parou o Warriors no fim deste Jogo 2. Veremos!


BOLA PRESA AO VIVO

Estamos acompanhando os jogos da Final da NBA ao vivo no nosso canal no YouTube! É só ligar na gente enquanto assiste ao jogo na ESPN, na Band ou no League Pass para curtir nossos comentários e interagir com a gente no chat. Assim foi nosso Jogo 2:

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!