[Preview] Semi-finais da Conferência Oeste

San Antonio Spurs (2) x OKC Thunder (3)

Acho que podemos dizer que quando times que mantém seu núcleo se enfrentam pela terceira vez nos Playoffs já é rivalidade, né? Spurs e Thunder, sem mudarem seus jogadores mais importantes, se pegaram nas finais do Oeste de 2012 e 2014. No primeiro confronto o Spurs vinha de umas 180 vitórias seguidas (ou eram 20?) e abriram 2-0 na série, mas de repente perderam 4 seguidas e o melhor time da temporada deu adeus.

https://twitter.com/KOCOCarson/status/725716098344095745

Dois anos depois o Thunder ameaçou fazer o mesmo e igualou uma série que perdia por 0-2, mas aí o Spurs colocou Boris Diaw no time titular, reagiu, venceu, foi para a final contra o Miami Heat e se sagrou campeão.

Somando esse histórico a tudo o que aconteceu na temporada regular dos últimos anos, podemos afirmar que o OKC Thunder é um raríssimo time que sabe incomodar o San Antonio Spurs há tempos. Mas será que é o bastante para parar a versão 2016 do time de Gregg Popovich?

Análise do Draft 2013 – Parte 3

Chegamos a terceira parte da análise do Draft 2013. Para quem perdeu as primeiras, seguem os link:

Parte 1 (Cavs, Magic, Wizards, Bobcats e Suns)

Parte 2 (Pelicans, Kings, Pistons, Jazz, Blazers, Sixers, Thunder, Celtics, Wolves)

 

Lucas BebÊ

A tradição dos posts do Draft é assim: Analisamos time por time, na ordem das escolhas e damos a cada equipe um selo de qualidade que resume o que achamos das escolhas no geral. O tema dos selos muda todo ano, já foi baseado em mulheres, números, Michael Jackson, memes da internets e até seleções brasileiras em Copas do Mundo. No ano passado tivemos sucesso usando Redes Sociais como parâmetro.

Nesse ano, mantendo a tradição, fizemos selos de qualidade baseado em um assunto gostoso do momento: manifestações no Brasil.

Passe Livre Passe-Livre: Contra corporações que faturam em cima de um serviço básico, é apartidário mas não é anti-partidário, tem uma luta focada e organizada e conseguiu seu objetivo, revogar o aumento das passagens. Selo para os times que sabiam o que queriam, correram atrás e vão olhar para o Draft 2013 com orgulho.

Ruas Sair Na Rua: Muita gente só saiu na rua, meio sem saber o que fazer. O ideal pode ser ter um ideal, uma causa para lutar e assim forçar mudanças, mas não podemos ignorar a beleza e o poder de uma multidão concordando apenas em sua insatisfação. Selo para quem não foi perfeito no Draft, mas fez a coisa certa.

vandalismo ~Vandalismo~: Quem quebrou coisas na rua virou inimigo número 1 da multidão, mas nem por isso a pessoa é idiota. Teve gente que fez porque é babaca, teve gente que fez porque acredita que quebrar propriedades públicas ou privadas é um modo de lutar pelo o que se quer. Talvez não seja a forma ideal de conquistar as coisas, mas é válida e às vezes a única coisa que dá.  Selo para os times que não pegaram nenhum grande jogador, mas fizeram o que dava na hora.

Guy Fawkes Máscara do Guy Fawkes: Símbolo de uma bizarra história real e que ficou famosa por uma história em quadrinhos fantástica, mas as pessoas insistem em estragar coisas boas. Usar a máscara por usar e movimentar um mercado paralelo de gente lucrando com isso parece fugir ao motivo original. É o selo para o time está achando que fez uma coisa boa,  mas que vai quebrar a cara em breve.

CoxinhaCoxinha: Sou brasileiro com muito orgulho e muito amor, estamos todos juntos aqui pelo Brasil, seja lá o que isso quer dizer. Vamos lutar contra a corrupção mesmo sem saber se existe alguém que é a favor. O mensalão é holocausto brasileiro. Imposto zero! Selo para os times que erraram feio e deveriam se envergonhar disso.

…..

 

Guy FawkesMilwaukee Bucks
(15) Giannis Antetokounmpo / SF
(38) Nate Wolters / PG

O Bucks tem grandes chances de perder Brandon Jennings, Monta Ellis e acabaram de gastar 15 milhões de dólares para um contrato de 3 anos com Zaza Pachulia! Em outras palavras, eles querem ser ruins. Talvez o projeto de reconstrução devesse envolver o Tobias Harris, que mandaram para Orlando em nome de meia temporada de JJ Redick, mas tudo bem, é passado. Nesse Draft investiram pra valer nesse negócio de resultado a longo prazo, pegaram Giannis Antetokounmpo, que, por razões óbvias, só vou chamar de Giani daqui pra frente. O grego filho de nigerianos tem só 18 anos, uns 2,10m de altura e na base das seleções gregas chegou a jogar como point-forward, armando o jogo mesmo sendo gigante. O quanto é legal que ele esteja no mesmo time de Ersan Ilyasova, outra aberração daquele canto do mundo?

Mas assim como Ilyasova demorou para engrenar, o mesmo deve acontecer (se acontecer) com Giani. É muito jovem e tem muito o que aprender. Espero que nesse elenco cheio de alas do Bucks, uma nova tara deles à la Kings, ele tenha espaço e minutos de jogo. Gostei da análise que o Ball Don’t Lie fez dele: “ele pode virar Scottie Pippen, pode virar Thabo Sefolosha ou pode não estar mais na NBA em 2015″. Sim, galera tá sabendo bastante sobre ele.

Na segunda rodada, Nate Wolters. O armador tem bom arremesso e, dizem, leitura de jogo bem acima da média. Se sobrou para a escolha 38 é porque causa dúvidas, mas pode ter espaço para pegar o jeito em um time que não tem muitos jogadores de sua posição.

 

Passe Livre Atlanta Hawks
(16) Lucas Nogueira
(17) Dennis Schroeder
(44) Mike Muscala

O Hawks, pelo o que eu me lembre, não tinha histórico de pegar jogadores gringos como o Raptors e o Spurs, mas nesse ano apostaram nos não-americanos e empolgaram os críticos, me incluo nessa. O nosso Lucas Bebê ainda está magro para jogar de pivô na NBA, mas pode usar isso a seu favor. Nenê também chegou na NBA magro e no seu primeiro ano isso o ajudou a roubar muitas bolas na base da interceptação, acompanhar contra-ataques e vencer outros pivôs com agilidade. Quando ele ganhou peso, perdeu muito dessa qualidade na transição.

O brazuca encantou os scouts estrangeiros com seus belos tocos e leitura defensiva e é nisso que ele deve se focar. Novatos que defendem bem costumam ter mais tempo de quadra e liberdade para errar no outro lado da quadra. Com a saída de Pachulia, Bebê pode ter participação importante como reserva de Al Horford e também do recém-adquirido Paul Millsap.

Com a escolha seguinte o Hawks pegou Dennis Schroeder, alemão que traz o grande nome DENIS de volta à NBA depois de tantos anos após a aposentadoria de Rodman. Agora o Bola Presa quer saber quem é melhor, Denis (Schroeder) ou Danilo (Gallinari)? Alguns olheiros dizem que Schroeder é um dos jogadores com mais potencial nesse Draft, que às vezes parece ser uma estrela. Não caímos nessa porque sabemos do risco da palavra ‘potencial‘, mas vale a pena ficar de olho. Ele é veloz e ataca a cesta sem medo, tem o perfil dos armadores contemporâneos e passou confiança o bastante para o Hawks não renovar com Jeff Teague, que deve ir para o Bucks.

 

vandalismoDallas Mavericks
(18) Shane Larkin / PG
(43) Ricky Ledo / SG

Não me parece que Shane Larkin esteja pronto para ser um titular na NBA, talvez nunca esteja, mas quando o Mavs contratou José Calderon essa escolha pareceu menos arriscada e, logo, melhor. No ano passado muita gente falou da boa influência do espanhol sobre os jovens jogadores do Pistons e se ele fizer o mesmo com Larkin, pode ser um armador para o futuro. Mas o Mavs contratou também o armador israelense Gal Mekel que, se render bem, pode fazer Larkin mofar no fundo do banco. Será que não era melhor ter apostado em alguém de outra posição?

Na segunda rodada o Mavs selecionou o misterioso Ricky Ledo. Saca só o histórico do cara: jogou em 4 escolas diferentes durante os 4 anos de colegial, onde foi eleito um dos melhores jogadores dos EUA na categoria. Depois foi para a Universidade de Providence, onde era muito bem cotado mas não jogou porque suas notas eram ruins. Mesmo sem ter atuado durante o ano todo, decidiu tentar o Draft e foi escolhido pelo Mavs. O Two-Minute Warning compara ele ao Lance Stephenson, muito talento e uma cabeça complicada. O ala do Pacers demorou, mas engrenou, vamos acompanhar a história de Ledo.

 

RuasChicago Bulls
(20) Tony Snell / SG/SF
(49) Erik Murphy / PF

Difícil imaginar um jogador nesse Draft que tivesse mais a cara do Bulls do que Tony Snell. Discreto, dedicado, se entrega ao time sem estrelismo e não tem frescura para defender. Aliás, é ótimo nisso, segurando quem o atacasse a apenas 18% de acerto em jogadas de mano-a-mano na última temporada universitária. Snell finaliza o pacote com ótimo arremesso de meia distância. Em outras palavras, é um clone de Luol Deng. Dizem que não chamou atenção o bastante para subir no Draft porque às vezes parece muito passivo e desligadão em quadra, mas nada que o Tom Thibodeau cobrando DISCIPLINA E INTENSIDADE durante 5 horas seguidas não resolva.

Não sei se Erik Murphy terá muito espaço na rotação magérrima do Bulls, mas ele chega para fazer o que Vlad Radmanovic deveria ter feito no ano passado. Jogador alto que pega meia dúzia de rebotes e arremessa de longe. Dá pra dizer que o Bulls buscou construir o elenco do último ano, mas mais jovem e barato. Murphy é Radmanovic, Snell é um Deng com funções de Rip Hamilton. Gostei.

 

vandalismoBrooklyn Nets
(22) Mason Plumlee / C

 

O Nets está numa fase de gastança e ostentação, eles nem se importam com um pirralho na 22ª escolha! Mas já que tinham que escolher, fizeram razoavelmente bem. Não que Mason Plumlee seja grande coisa, apesar de estar mandando bem na Summer League de Orlando, é bem limitado. Ele joga com intensidade e vai fazer a alegria dos torcedores com a empolgação nos poucos minutos de quadra atrás de um garrafão que já tem Kevin Garnett, Brook Lopez, Andray Blatche e Reggie Evans. Talvez um especialista de longa distância fosse melhor aqui, mas com a saúde e idade do elenco, é bom garantir um garrafão.

 

CoxinhaIndiana Pacers
(23) Solomon Hill / SF

 

Durante a última temporada o Pacers sentiu falta de jogadores que pudessem criar jogadas de ataque mesmo quando as coisas dessem errado. Solomon Hill fez isso na universidade, mas a maior parte dos críticos gringos não o via como talento de primeira rodada. Entenderia perfeitamente se o Pacers trocasse sua escolha por contratos não garantidos de segunda rodada, afinal o elenco já parece fechado e provavelmente Hill sobraria por lá, poderiam pegá-lo por menos dinheiro e sem garantia de contrato. E se fosse pra manter a escolha 23, que usassem melhor.No dia pedi um armador reserva, mas pelo menos eles contrataram CJ Watson depois pra compensar. O Two-Minute Warning sugeriu Reggie Bullock aqui e eu concordo, mas poderia ter sido Tim Hardaway Jr também. E falando nele…

 

RuasNew York Knicks
(25) Tim Hardaway Jr / SG

 

Vejam isso aqui: “Junior dá ao Knicks mais uma ameaça de longa distância, ele também tem habilidade para criar seu arremesso do drible em situações de mano a mano. É um pontuador que pode pegar embalo e tomar conta de um jogo sozinho”. Parece que o Junior acima é o famoso JUNIOR Smith, o JR Smith do Knicks, mas não, é como o NBADraft.net descreve Tim Hardaway Jr, draftado pelo mesmo Knicks na 25ª colocação do Draft.

O problema é que ainda não sabemos se essa descrição é um elogio, né? De qualquer forma, o Knicks penou na última temporada porque faltaram armas ofensivas para ajudar Carmelo Anthony, especialmente nos Playoffs. Se JR Smith era de lua e não confiável, agora eles têm dois JR Smiths para aumentar a probabilidade do time ter um segundo pontuador pegando fogo. Pode dar certo ou pode deixar o técnico Mike Woodson, já careca, arrancando os cabelos. Vou manter o otimismo e dar um selo bom para o time de NYC.

>

– Agora segurar novato com as duas mãos é falta, professor?

Ontem foram divulgados os times de novatos e dos sophomores (os jogadores de segundo ano) que irão se enfrentar na noite de sexta-feira do fim de semana das estrelas. Os times são os seguintes:

Novatos: Stephen Curry (Warriors), Jonny Flynn (Wolves), Brandon Jennings (Bucks), Tyreke Evans (Kings), James Harden (Thunder), Taj Gibson (Bulls), Omri Casspi (Kings), Jonas Jerebko (Pistons) e DeJuan Blair (Spurs)
Sophomores: Derrick Rose (Bulls), Russell Westbrook (Thunder), Eric Gordon (Clippers), OJ Mayo (Grizzlies), Danilo Gallinari (Knicks), Michael Beasley (Heat), Kevin Love (Wolves), Marc Gasol (Grizzlies) e Brook Lopez (Nets)
A primeira parte da nossa função de pitaqueiro é ver quem faltou. No time dos novatos eu senti falta do Ty Lawson, que vem jogando muito como reserva do Billups no Nuggets, ele está sendo melhor que o James Harden como sexto homem do Thunder, por exemplo. Sua ausência, porém, é facilmente explicada. O draft de 2009 teve armadores demais! O time já tem Curry, Flynn, Jennings e Evans. Além do Lawson podemos apontar ainda o Darren Collison, Eric Maynor, Jrue Holiday e AJ Price com boas temporadas até agora! Esses últimos nem estão jogando tão bem para merecer uma vaga no jogo, mas é assustador o número de bons armadores desse ano, e isso porque o Rubio amarelou e ficou na Espanha!
O excesso de armadores acabou prejudicando também os ala-armadores, os jogadores da posição 2. Provavelmente Curry e Evans vão dividir essa posição no jogo e com isso arrancaram a vaga de outros bons novatos como Wesley Matthews, DeMar DeRozan e Terrence Williams. Os três tem sido bons mas nem chegam perto do nível dos armadores, os dois últimos farão falta por causa do show, mas não mereciam mesmo uma vaga. Em compensação o DeRozan estará lá no intervalo do jogo para disputar uma vaga no campeonato de enterradas com o Eric Gordon.
Nada contra o Eric Gordon, mas ele é só um ótimo arremessador e não deveria estar lá. Ele mesmo disse que só esperava ser chamado para o campeonato de três pontos! Essa disputa deveria ser apenas entre novatos, com o DeRozan enfrentando o Terrence Williams. Vocês viram as duas enterradas dele na vitória (VITÓRIA!!!) do Nets sobre o Clippers (ah, era o Clippers…)?
Já o time dos sophomores é muito forte. Muito forte! Forte mesmo, tipo raios gama. A gente não botava tanta fé na classe dos novatos do ano passado mas eles saíram melhor que a encomenda. Se considerarmos o time titular com Rose, Mayo, Gallinari, Love e Lopez, isso quer dizer que o time reserva seria Westbrook, Gordon, Beasley e Gasol. São só 4 jogadores porque só 9 são chamados para o jogo, mas garanto que só os 4 em quadra já venceriam os novatos. Pela qualidade dos jogadores e por ter jogadores de mais de uma posição, acho que os sophomores vão manter a tradição e levar o jogo.
Entre as principais ausências do time dos sophomores estão a dupla do Kings Jason Thompson e Donte Greene, o Roy Hibbert, que é forte candidato a jogador que mais evoluiu na temporada, o George Hill do Spurs e até a Lady GaGa da NBA, o Ersan Ilyasova.
E já que estamos falando dos caras que foram novatos na temporada passada, é hora de relembrar de um post meu do ano passado. Na verdade eu nem lembrava que eu tinha feito essa porcaria, mas o nosso leitor João Inácio lembrou e me avisou. O post é esse aqui. Nele eu crio várias categorias para medir a qualidade dos atletas (desde Mega Estrelas até Pedaços de Carne Desformes e Imprestáveis) e digo onde cada novato irá se encaixar dentro de 5 anos.
Como sei que vocês não vão clicar pra ler o post antigo, vou postar aqui as partes mais importantes, onde explico as categorias e depois coloco os novatos do ano passado em cada uma delas.
…..
1.Mega Estrelas: São aqueles jogadores que vão jogar bem todo dia, que vão liderar franquias, que vão vender doces, biscoitos, tênis e celulares com seu nome, serão entrevistados pela Angélica e vão participar de vários All-Star Games.
Exemplos: LeBron James, Kobe Bryant, Tim Duncan, Chris Paul.

2. Estrelas Light: Sem áçucar, a estrela de soja só é uma estrela dependendo do desempenho do time na temporada. O cara só é cotado para participar do All-Star Game se o time está bem. Geralmente esse atleta é mais discreto e não é unanimidade entre os fãs, apesar de serem excelentes.
Exemplos: Antawn Jamison, David West, Pau Gasol, Stephen Jackson.

3.Caolho em terra de cego: Caolho em terra de cego é rei, mas ainda é caolho e não pega mulher. Esse tipo de jogador é muito melhor que a maioria da NBA mas ainda não pode se achar tudo isso.

São os jogadores que obviamente tem muito talento mas que nunca vão ser cogitados para liderar um time a uma campanha vitoriosa como uma primeira opção, são aqueles caras que só funcionam sendo a terceira opção do time. Em geral são jogadores que sofrem um certo preconceito porque um dia acharam que eles seriam Estrelas Light, ou sofrem pressão porque são novos e acham que podem virar uma Mega Estrela.
Exemplos: Lamar Odom, Rajon Rondo, Josh Howard, Richard Jefferson, Jose Calderon.

4. Role Player Integral: Cheio de gordura mas sem ser o Zach Randolph são aqueles caras que têm um papel específico no time e que sempre fazem esse papel muito bem. Eles são os jogadores limitados mas que, o que sabem fazer, fazem com perfeição. Costumam ser o sexto-homem de um bom time.
Exemplos: Shane Battier, Eddie House, Travis Outlaw, James Posey, Roger Mason

5. Role Player Desnatado: Se não tiver integral vai desnatado mesmo. Têm a mesma função dos role players integrais mas são incompetentes demais para serem regulares e confiáveis. É o tipo de jogador que joga bem em casa e mal fora ou bem contra time ruim e mal contra time bom.(Edit: Hoje eu chamo esses jogadores simplesmente de Radmanovics.)
Exemplos: Sasha Vujacic, Jared Jeffries, DeSagana Diop, JJ Barea

6. Zé Alguém: São aqueles caras que você sabe que estão na NBA, que participam dos jogos, mas que em um jogo disputado e que vale alguma coisa nunca vão estar em quadra nos momentos finais a não ser que algo bizarro aconteça (muitas contusões, muitos jogadores eliminados por falta, chantagem atômica).
Exemplos: Hilton Armstrong, Ryan Hollins, Charlie Bell, Trenton Hassell

7. Pedaço de carne desforme e imprestável: É aquele tipo de jogador que entra ano, sai ano e por algum milagre divino o cara continua com contrato. Na prática é só um pedaço de carne desforme e imprestável que nunca entra em quadra, só esquenta banco, entrega gatorade, aplaude e depois da temporada arranja outro time pra fazer a mesma coisa. Eles estão na liga mas não jogam.
Exemplos: Sean Marks, Mark Madsen, Brian Cardinal, Lorenzen Wright

Só saberemos ao certo onde cada um dos novatos desse ano vai se encaixar daqui um tempo, mas eu como blogueiro isento da responsabilidade de falar coisa com coisa, posso dar meus palpites de como será o status dos jogadores draftados em 2008 daqui umas 5 temporadas baseado no que vi nessa de 2008-09.

1. Mega Estrelas: Derrick Rose e OJ Mayo
2. Estrelas Light: Brook Lopez, Michael Beasley, Russell Westbrook, DJ Augustin, Greg Oden
3. Caolhos em terra de cego: Kevin Love, Eric Gordon, Jason Thompson, Jerryd Bayless, Rudy Fernandez
4. Role Player integral: Danilo Gallinari, Courtney Lee, George Hill, Nicolas Batum, DeAndre Jordan, Mario Chalmers, Marc Gasol
5. Role Player desnatado: Brandon Rush, Mareese Speights, Roy Hibbert, JaValle McGee, Ryan Anderson, Darrell Arthur, Luc Mbah a Moute, Mike Taylor, Anthony Morrow
6. Zé Alguém: Joe Alexander, Robin Lopez, Anthony Randolph, Donte Greene, Chris Douglas-Roberts, Kyle Weaver
7. PCDI: Kosta Koufos, Goran Dragic
0. Estarão fora da NBA: Alex Ajinca, DJ White, JR Giddens

…………….
A minha previsão era para os próximos cinco anos, então não posso dizer o que acertei e o que errei com toda a certeza, mas bastou um ano para que eu, um cara de opiniões fortes, mudasse totalmente de idéia sobre vários jogadores.
Acho, por exemplo, que subestimei Jason Thompson e Kevin Love. Os dois alas de força são melhores do que eu imaginava e tem tudo para subir um nível e virarem Estrelas Light a base de soja. Já o Michael Beasley causa cada vez mais duvidas em mim, o cara obviamente tem muito talento mas desaparece das partidas mais do que o saudoso Souza que jogava no meio campo do Corinthians nos anos 90.
Um que está em baixa mas que eu acho que não errei é o DJ Augustin. Ele tem cada vez menos espaço na rotação do Bobcats (que, convenhamos, nem tem banco de reservas!) mas é só porque ele é treinado pelo Larry Brown e com o Larry Brown ou você defende bem ou você vale menos que um absorvente usado. O Disque Jóquei Agostinho não é um grande defensor mas é rápido, tem bom passe, ótimo arremesso de três e se estivesse no Knicks estaria jogando muito. Ainda tem muita carreira pela frente.
Errei feio com o Danilo Gallinari. Achei que ele acabaria sendo só um arremessador mas agora que seus problemas nas costas são passado, o galináceo tá jogando muito bem. Sabe puxar contra-ataque, controla bem a bola e sabe até infiltrar bem. No fim das contas o Knicks agradece quando ele resolve jogar como um cara completo e não só como um clone branco do Rashard Lewis. Gallinari, assim como o surpreendente Marc Gasol (quem diria que aquele desengonçado faz mais que pegar rebotes?), também subiram um nível na minha lista.
Mas onde errei mesmo foi na previsão dos “Zé Alguém”. Donte Greene está se saindo um ótimo defensor e importante peça do Kings, o Anthony Randolph parece que vai ser um bom jogador quando se livrar das garras do Don Nelson, o Chris Douglas-Roberts finalmente conseguiu começar a jogar na NBA o que jogava na universidade, e o Robin Lopez, para minha surpresa, não é só um Brook Lopez ruim de um universo paralelo onde todo mundo é cabeludo (lembram do episódio do South Park onde todo mundo no universo paralelo tinha barba? Aquilo era humor.)
Por fim, errei também com o Goran Dragic. Aquele moleque inseguro que parecia que ia se mijar a cada vez que entrava em quadra hoje é a arma mais confiável do banco do Phoenix Suns. Bastaram alguns jogos razoáveis para ele se sentir mais confortável e jogar o que prometiam que ele iria jogar há um ano e meio atrás. Outro dia meteu 24 pontos só no primeiro tempo contra o Jazz. Ele é, no mínimo, um role player desnatado.
Se em um ano eu errei tanta coisa, nem quero ver daqui a quatro anos! Mas tudo bem, o importante é que vocês leitores esqueçam de todas as bobagens que a gente fala e continuem nos lendo porque somos engraçadinhos e temos o abdome definido. Vamos agora brincar de prever o futuro dos novatos dessa temporada? Afinal, pisou na merda, abre os dedos.
1. Mega Estrelas: Tyreke Evans e Brandon Jennings
2. Estrelas Light: Stephen Curry
3. Caolhos em terra de cego: Ty Lawson, Jonny Flynn, Omri Casspi, James Harden
4. Role Player integral: Jordan Hill, DeMar DeRozan, Hasheem Thabeet, Terrence Williams, Chase Budinger, Jonas Jerebko, DeJuan Blair
5. Role Player desnatado: Earl Clark, Jrue Holiday, Tyler Hasnbrough, Rodrigue Beaubois, Wesley Matthews, Marcus Thornton, Darren Collison, Eric Maynor, Jeff Pendegraph
6. Zé Alguém: James Johnson, Jon Brockman
7. PCDI: Gerald Henderson, Austin Daye
0. Estarão fora da NBA: BJ Mullens
Não coloquei Blake Griffin e Ricky Rubio na lista porque eles nunca jogaram na NBA, mas boto muita fé no futuro dos dois. Aqui ainda tenho um pouco de dúvidas sobre o Brandon Jennings, mas acredito que seus altos e baixos são mais porque ele é um novato do que por falta de talento. Com Flynn, Harden e Casspi fui cauteloso mas gostaria de ver pelo menos um deles continuar melhorando seu jogo para ganhar pontos de experiência e subir de level antes do último chefão.
Entre os desnatados ainda precisamos de tempo para ver Earl Clark e Tyler Hansbrough na NBA, os dois são os mais cotados para subirem nessa lista até o ano que vem.
Sobre o Tyreke Evans eu falo mais tarde no post em que vamos comentar os reservas do All-Star Game que serão divulgados hoje à noite. Sim, é isso mesmo o que vocês estão pensando, já confessei um dos meus votos.