A última etapa de Nenê

A última etapa de Nenê

“Pra você ver, San Antonio está em décimo, o tempo passa.” Nenê afirma com conhecimento de causa: está na NBA há 16 temporadas e, em suas próprias palavras, “jogando há pelo menos 20 profissionalmente, em alto nível”. Já viu franquias inteiras terem altos e baixos, já passou por uma série de lesões e defendeu três diferentes equipes desde que foi draftado em 2002, indo de jovem promessa no Nuggets a líder de vestiário no Wizards. Acompanhou o domínio do San Antonio Spurs por uma década e agora vislumbra a possibilidade de ver a equipe fora dos Playoffs pela primeira vez em 21 anos.

Apanhado patriota

Como de costume, a cobertura da imprensa tradicional aqui do Brasil sobre a NBA começou o ano focada nos jogadores brasileiros que iriam atuar nos EUA. Dessa vez o número era recorde, 9: Nenê, Leandrinho, Anderson Varejão, Marcelinho Huertas, Tiago Splitter, Bruno Caboclo, Lucas Bebê, Raulzinho e Cristiano Felício. Nunca antes na história desse país…

Mas não estamos culpando ou tirando sarro dos nossos jornalões. Realmente quando não acompanhamos de perto um esporte ou campeonato gringo, nossa primeira indagação é se tem algum brasileiro por lá. Não só torcer por alguém que tem algo em comum conosco é um ótimo ponto de partida, mas também é uma possível indicação de quem poderá representar a seleção nos campeonatos internacionais. E aqui todos somos culpados, quem nunca torceu muito pelo Brasil nas Olimpíadas em uma modalidade para a qual nunca deu a mínima antes? Ter brasileiros lá, jogando bem ou mal, ajuda a difundir o basquete no Brasil.

Aqui no Bola Presa tentamos ser algo mais aprofundado para os bitolados por basquete, por isso não nos focamos em falar tanto dos brasileiros, mas achei que seria uma boa somar as duas coisas. Juntar o interesse natural dos brasileiros por seus compatriotas, e tentar fazer nossa cobertura um pouco mais aprofundada para falar deles. É hora de ver se esse ano de recorde em quantidade também foi bom de qualidade no basquete brazuca na NBA.

[Resumo da Rodada] De tabela também vale

Não quero parecer repetitivo, mas se um time repete seus erros, eu insisto nos comentários: até quando o Atlanta Hawks vai errar os ótimos arremessos que cria ao longo dos jogos? Depois de 9 jogos disputados nesta pós-temporada, estou achando que o problema não é mais só uma fase. Usando o linguajar de nossos comentaristas ludopédicos, o Hawks SENTIU O JOGO.

Como dissemos em nosso último Podcast, o sistema de um time se garante até certo momento. Depois disso é o talento individual que vai resolver: o cara acerto o arremesso criado? Ganha o duelo individual onde foi colocado? Acerta os benditos lances-livres? Nestes Playoffs o Hawks tem tido altos e baixos, nos baixos eles perdem nessa parte individual. Jeff Teague não cria jogadas, Kyle Korver é um arremessador “normal”, Paul Millsap e Pero Antic viram casos estranhos de arremessadores que não arremessam. Dez minutos depois tudo pode mudar e eles podem atropelar, é uma montanha-russa com muito vômito.

O que aprendemos com Leandrinho

O que aprendemos com Leandrinho

Quando comecei a acompanhar a NBA, ainda bem moleque, não entendia nada do que estava acontecendo em quadra. A televisão só transmitia um jogo por semana, então era tudo que eu tinha para poder me acostumar com o esporte e todas as suas nuances. Durante muito tempo, minha principal preocupação era somente entender as regras, tendo em vista que eu nunca conseguia entender os motivos de uma hora um lance ser considerado falta e na outra hora não. Saber quem eram os bons times ou os melhores jogadores também era muito difícil, quase impossível. Vale lembrar que tudo isso aconteceu numa época meio-que-longínqua, em que a internet não existia, então encontrar uma matéria de jornal explicando quem eram os jogadores mais importantes da final de conferência que aconteceria numa noite de infância foi algo épico, emocionante, transformador (e que, por simples acaso, me tornou um torcedor do Houston Rockets). Eu finalmente consegui assistir a um jogo sabendo mais ou menos o que esperar dele graças a um infográfico tosco de jornal.

Todo começo é complicado. Sem o conhecimento adequado, o basquete não passa de um monte de carinhas correndo de um lado para o outro tentando colocar uma bola num buraco exageradamente alto. O conhecimento adequado só nasce do costume, da experiência, da insistência e do estudo. O problema é que na maior parte das vezes simplesmente não percebemos isso. Por assistir futebol desde pequenininhos aqui no país do ludopédio, temos a impressão de que futebol é simples e os outros esportes é que são chatos e complicados. Vale pra tudo: ao ser criado pela mamãe sentadão lá no sofá assistindo desenho animado, você adquiriu um conhecimento da linguagem cinematográfica que, com os anos, fez ela parecer natural – enquanto um livro parece estranho, forçado e, em última instância, chato. A linguagem da música pop te acompanha desde o nascimento, é uma segunda pele – enquanto a música clássica parece incompreensível, entediante. É por isso que, sem o costume e as informações necessárias, o basquete é por vezes uma barreira intransponível, complexa em todas as suas variações táticas, em seus trocentos jogadores todos com alguma especialidade, em sua longa história de grandes feitos e estrelas. Faz sentido que começar a trilhar esse caminho seja um bocado complicado.

Hilário

O curioso é que a chegada do Nenê à NBA facilitou muito as coisas. Pela afinidade óbvia com o jogador (nascemos todos na mesma linha imaginária e falamos o mesmo idioma, o que nos liga seja lá por que motivo bizarro), muita gente passou a saber quem acompanhar dentro da liga. Mesmo no meu caso, que estava acostumado com o esporte há anos, confesso que a primeira vez em que assisti a um jogo olhando só para um jogador, dissecando seu posicionamento, foi com o Nenê. A nacionalidade é um filtro de segurança quando a gente acha que o esporte tem informação demais para a gente lidar de uma vez só. Muita gente vai assistir a uma prova de natação numa Olimpíada e não sabe quem são os favoritos, quais são as rivalidades, as histórias pessoais dos nadadores, então pergunta “quem é o brasileiro” e pronto, já tem para quem olhar, vibrar, torcer. Não é aleatório que o MMA no Brasil tenha explodido tão rápido: tem sempre brasileiro participando, o que deixa o público que está assustado de não entender merda nenhuma mais tranquilo, ele não precisa conhecer as histórias e se identificar com um dos competidores porque a identificação da nação já vem pronta. É um facilitador. Conheço muita gente que passou a ver NBA quando o Nenê entrou e, depois de anos acompanhando, já conhece os jogadores, as regras, os confrontos, as táticas o bastante para não se importar mais se o Nenê é brasileiro, marroquino ou finlandês – especialmente porque não faz diferença mesmo.

Uns anos atrás, tinha campanha na internet para tentar levar o Nenê para o All-Star Game mesmo quando ele não jogava bem o bastante. O motivo é simples: o torcedor comum não conhece ninguém na NBA, é uma quantidade absurda de jogadores diferentes com posições malucas, mas o Nenê ele manja, o Nenê ele conhece, nasceu nessa mesma linha imaginária que ele, aqui, ó, pátria-amada-brasil. O Bola Presa sempre foi categórico: deveria ir para o All-Star Game os melhores jogadores, os mais divertidos, os que você mais se identifica, sem esse filtro de nacionalidade. Entendemos que o filtro é um bom modo de entrar no esporte, é um modo muitas vezes necessário (assim como as listas de “quem é melhor”, “quais os melhores times”, etc), mas se ater a ele é um erro.

Dez anos se passaram desde que o Nenê entrou na NBA. Agora ele é a voz de maturidade num elenco cheio de pirralhos no Wizards (e que finalmente está funcionando desde a pausa do All-Star). Outros brasileiros entraram na NBA, trazendo com eles novos torcedores que ganham a facilidade de saber quem acompanhar e eventualmente acabam se apaixonando pela liga como um todo. Anderson Varejão quase conseguiu ser chamado para o All-Star Game esse ano não por campanha de internet, mas por mérito próprio, pelo basquete que joga independentemente do país em que nasceu, e só não foi chamado porque se contundiu antes e ficou fora da temporada (com um coágulo no pulmão, coisa de quem aguenta um atropelamento de caminhão por dia só pra ver se ganha uma falta de ataque). Já temos toda uma geração de fãs especializados em NBA que não precisam mais da muleta dos bairrismos, dispostos a simplesmente assistir ao melhor basquete e aos melhores jogadores que puderem.

Toda essa retrospectiva foi apenas a preparação para podermos falar de um brasileiro: Leandro Barbosa. Isso porque o Leandrinho nos permitirá aprender lições valiosas tanto sobre o Boston Celtics quanto sobre bairrismo e o basquete brasileiro.

Doc Rivers Leandrinho

Assim que o Celtics perdeu Rajon Rondo pelo resto da temporada, parecia que o time ia afundar privada abaixo. Rondo fazia simplesmente tudo em quadra e era constantemente o líder da equipe em pontos, rebotes, assistências e roubos de bola. Quando o Celtics de Garnett, Pierce e Allen foi formado em 2007/08, se tornou campeão com a estratégia “vamos defender como profissionais que no ataque a gente se vira”, dependendo de jogadas individuais e pontos feitos na marra, com o Paul Pierce assumindo o ataque quando a água batia na bunda. Com Pierce mais velho e a evolução espetacular do Rondo, os papeis inverteram mas nada mudou – o ataque do Celtics continuou na base do “a gente dá um jeitinho” mas cabendo ao armador fodão tirar os pontos da cartola. O problema é que quanto mais o Celtics sofria com lesões, cansaço e falta de entrosamento, mais o time deixava a carga ofensiva nas mãos do pobre Rajon Rondo. É um círculo vicioso bizarro: quanto pior o time vai, mais o Rondo tem que fazer tudo sozinho, e com isso o time vai pior, e aí o Rondo tem que fazer mais coisas sozinho. Ou seja, quanto piores os joelhos de Garnett e Pierce, quanto pior a posição na tabela, e quanto pior a autoestima do elenco, mais Rajon Rondo assumia tudo no ataque. Virou a estrela incontestável de um time que não ia a lugar nenhum.

Quando o Rondo virou farofa, o Celtics percebeu que teria que voltar a assumir as responsabilidades tão ignoradas. Começou com aquela famosa “síndrome de time feliz por perder sua estrela”, que já assolou o Wizards de Gilbert Arenas, o Sixers de Allen Iverson e até o Cavs de LeBron James, em que nos primeiros dias da contusão do jogador principal o resto do elenco fica eufórico de ter mais a bola na mão e começa a ganhar uns jogos. Mas a síndrome não dura, os jogos difíceis começam a aparecer, as derrotas surgem, não tem ninguém pra decidir, a autoestima desaba, a saudade bate e aí os times voltam a perder loucamente. As primeiras vitórias do Celtics mesmo sem Rondo não foram surpresa, portanto. Todos participaram mais do ataque e toda ajuda era bem-vinda, com os jogadores do banco de reservas participando mais da rotação – incluindo o Leandrinho. Surpresa mesmo foi que as vitórias continuaram aparecendo, e que o Leandrinho em quadra parecia um jogador completamente diferente daquele que fez tanto sucesso no Phoenix Suns.

Leandrinho não entrava em quadra para segurar a bola como Rondo e criar oportunidades de cesta como fez em toda sua carreira, mas sim para defender – isso mesmo, defender, aquela coisa que ele nunca teve que fazer ao lado de Steve Nash – e tentar criar pontos na marra, no contra-ataque. Suas tendências de atacar a cesta pareciam dopadas com drogas pesadas, e suas limitações defensivas pareciam superadas. Foi aí que comecei a ir atrás do que diabos havia acontecido com nosso Leandro Barbosa (sem contar, claro, as transformações óbvias de se casar com uma chata). A maior pista que encontrei está nessa escondida entrevista dada pelo armador pouco mais de um mês após chegar no Boston Celtics:

[youtube width=”600″ height=”335″]http://www.youtube.com/watch?v=wr54erEuo3U[/youtube]

No vídeo, ele basicamente diz que está se adaptando ao time e aprendendo a defender, já que “de onde ele vem não se joga na defesa”. Frente às risadas, que entenderam que ele se referia ao Suns, ele explica o que ele quis dizer: “estou falando do Brasil”. Sua primeira adaptação ao Celtics foi aprender algo que ele não teve sequer na base. E continua, dizendo que ele aprendeu ali que “quando você defende direito, o resto vem automaticamente“, ou seja, para o Celtics o ataque não é treinado, mas sim consequência da defesa.

Somadas a esse relato, encontrei entrevistas de Doc Rivers e de Paul Pierce elogiando a evolução na defesa do brasileiro e que, com isso, ele conseguiria finalmente ter minutos de quadra. Pareciam empolgados com a possibilidade de que ele fizesse pontos e usasse sua velocidade, mas tudo isso em segundo plano atrás da defesa, e seus talento ofensivo só seria utilizado quando – e apenas quando – ele fosse capaz de defender em alto nível. O problema do Celtics é ser capaz de pontuar mesmo sem Rondo em quadra, mas Doc Rivers não está disposto a simplesmente colocar um talento ofensivo em quadra para ajudar. Se a identidade do time é a defesa, se é assim que eles se definem, então essa tem que ser a prioridade.

Pode parecer idiota (e é um pouco) não usar uma arma capaz de diminuir sua fragilidade num setor, mas essa é a escolha de Doc Rivers, que tem menos de técnico e mais de motivador-estilo-calendário-da-Seicho-No-Ie, e é inegável que isso cria uma unidade, uma identidade, um grupo coeso. O Celtics cada vez mais insiste em ser um grupo e, nesse sentido, parece ser melhor ter um elenco todo jogando “em homenagem ao Rondo, nosso amigo” do que um elenco jogando com o Rondo, com o grupo desinteressado porque cabe à estrela fazer tudo sozinha. O Celtics ainda tem muitas deficiências, perde jogos fáceis, mas agora também vence jogos difíceis na raça mesmo quando o talento não está presente. O Leandrinho se contundiu numa jogada banal mas outro entra em seu lugar – desde que seja capaz de defender, de gritar e de pertencer. A própria troca por Jordan Crawford, conhecido por ser um arremessador porra-louca incapaz de defender, veio pouco depois que coincidentemente me deparei com uma matéria mostrando, em números, como a melhora defensiva do Wizards para essa temporada acontecia sempre que Crawford estava em quadra. É por isso que, apesar das limitações, alguém realmente duvida que o Celtics pode acabar ganhando uma série improvável nesses playoffs mesmo sem mando de quadra, na base da defesa pura e simples e de um ataque na base da cagada? Leandrinho nos ensinou, sem querer, como o Celtics funciona: eles não vão contratar um cara para atacar a cesta e pontuar se ele não der ao time aquilo que o time já tem, ou seja, defesa.

Resta, por fim, outra lição que Leandrinho nos deixa também, mas dessa vez mais caseira, longe da NBA. É um alerta de que o basquete que estamos jogando e treinando no Brasil está muito longe, do ponto de vista teórico, do que funciona lá na melhor liga do planeta. Já ouvi muita gente ligada ao basquete nacional dizer que NBA é outra realidade, que a gente tem que pensar diferente por aqui, e que por isso não assiste aos jogos da NBA e não dá ouvidos para os técnicos gringos. É o equivalente a um técnico de futebol brasileiro que não acompanhe os grandes clubes da Europa e não esteja ligado nas mudanças táticas do resto do mundo, é ao mesmo tempo prepotente e amador.

Talvez nossa identificação com o Leandrinho (e com o Nenê, e com o Varejão, e com o Splitter) seja por ele nascer na mesma linha imaginária que a gente e por isso ter sofrido os mesmos problemas que sofremos na nossa paixão pelo basquete – os mesmos problemas técnicos, táticos, o pouco incentivo, a falta de interesse, o descaso da mídia e dos dirigentes. É só nessa hora que a nacionalidade interessa: se o Leandrinho precisa reaprender a jogar na defesa porque nas linhas imaginárias daqui isso não existe, o armador se transforma num exemplo dos terríveis obstáculos que nossos jogadores brasileiros de basquete precisam enfrentar, e a que estamos todos submetidos. Ao entender que pela questão da cultura do nosso país estamos todos nesse mesmo saco, precisamos então ser capazes de, por alguns instantes, esquecer a nacionalidade e sermos capazes de olhar para o melhor basquete do mundo, onde ele estiver, com a humildade de aprender com ele.

Os melhores e os piores

Em um post da semana passada analisei números interessantes de times emergentes, equipes que cresceram de produção em relação ao ano passado. Depois pedi que vocês sugerissem equipes para que eu analisasse alguns números também. Entre muitos palpites, senti um padrão: alguns leitores queriam saber dados dos melhores times da NBA (Heat, Spurs, Thunder), outros queriam saber porque os piores são os piores (Wizards, Kings, Magic).

Pensei então em agradar todo mundo. Isso pode significar não agradar ninguém, é verdade. Mas que tal dois de cada grupo?

 

Miami Heat

– Uma estatística que mostra como o Miami Heat é quase insuperável: o time de LeBron James tem 32 vitórias e apenas 3 derrotas em partidas que cometeu menos turnovers que o adversário. Ao mesmo tempo, o Heat é o 4º time que menos desperdiça a bola na NBA!

– O Heat tem outros números que mostram bem seus talentos e até limitações. O time tem 32 vitórias e só 1 derrota quando rouba mais bolas que o adversário; e 26 vitórias e 2 derrotas quando acerta mais bolas de 3 pontos que o outro time.

O primeiro número deixa claro como o Miami Heat arrasa times em contra-ataques. Quando eles conseguem roubar muitas bolas, adeus qualquer chance de bater os campeões. O outro número deixa claro como eles são quase imbatíveis quando estão precisos da linha dos 3 pontos, porém eles só conseguiram acertar mais bolas de 3 pontos em 28 jogos dos 57 que fizeram até agora na temporada. Não é uma área que dominam.

– Mas o que mais me impressiona no Miami Heat é como eles conseguem ser um time que usa a força física e a velocidade na defesa. Falamos muito sobre eles serem imbatíveis no contra-ataque, mas eles também correm com a mesma velocidade de volta para a defesa. Sofrem apenas 11.7 pontos por jogo de contra-ataque, segunda melhor marca da NBA, atrás apenas do Indiana Pacers, o único time que ainda não perdeu do Heat nesta temporada.

– O Pacers teve sucesso porque foi o único time que conseguiu ter paciência, elenco e disciplina para abusar da falta de pivôs do time da Flórida. Os pontos sofridos no garrafão é uma das únicas estatísticas onde o Heat não está no topo do topo, é “apenas” colocado com 40.2 pontos sofridos na área pintada por partida.

– Mas será que em alguma coisa o Miami Heat não é espetacular? Só uma, os rebotes, mas mesmo assim não é nada que eles não consigam contornar. O time é o último da NBA em rebotes por jogo (38.6), antepenúltimo em rebotes ofensivos (8.4), mas compensa porque seus adversário só pegam 10.9 rebotes ofensivos por jogo, 10ª e honesta melhor marca da liga. Um detalhe que talvez explique muita coisa? O Pacers é o líder da NBA em rebotes totais e o 4º em rebotes de ataque.

 

San Antonio Spurs

– O San Antonio Spurs impressiona em quase tudo, difícil escolher o que dizer deles. Mas acho interessante começar falando que de suas 13 derrotas, apenas duas foram em casa (Clippers e Suns, esta última em uma prorrogação bizarra que acabou 5 a 1) e somente três (Pistons, Heat e Knicks) para times do Leste.

– O San Antonio Spurs é o time líder em assistências na temporada (25.3) e nos 24 jogos que conseguiu 26 assistências ou mais, tem 23 vitórias e só uma derrota. A média de assistências cresceu em 2.2 em relação ao ano passado, quando também lideraram a NBA na categoria.

– Somente em 6% de suas posses de bola o San Antonio Spurs finaliza uma cesta em uma jogada de isolação, o clássico mano-a-mano. Como critério de comparação, o Heat faz lances assim em 12% de suas posses de bola, o Lakers em 11%, o Thunder e Knicks em 14%! Ninguém joga mais coletivamente que o Spurs.

– Vocês conhecem o ranking de eficiência usado pela NBA.com? A fórmula é essa: ((Points + Rebounds + Assists + Steals + Blocks) – ((Field goals attempts – Field goals made) + (Free throws attempts – Free throws made) + Turnovers))

Vocês sabiam que em 38 ocasiões o Tony Parker acabou uma partida nesta temporada com eficiência maior do que a do armador do outro time? Só 11 vezes o seu adversário levou a melhor. Isso numa liga que vive sua melhor safra de armadores na história. Engraçado que entre os vencedores estão Chris Paul (que também perdeu uma vez), Russell Westbrook, Jeremy Lin e, por duas vezes, Greivis Vásquez! GREIVIS VÁSQUEZ!

– Melhor que ele só um senhor de idade chamado Timothy Duncan. Ele venceu 29 matchups de eficiência, perdeu apenas 5 (Aldridge, Randolph, Jamison (!), Ryan Anderson e Jeff Green) e empatou 6 vezes.

 

Washington Wizards

– Vocês querem ficar perturbados? Querem receber uma informação que vai fazer vocês não conseguirem dormir à noite? O Washington Wizards tem a 5ª melhor defesa da NBA. Não importa como você olha, se em pontos cedidos por posse de bola ou pontos totais sofridos, o Wizards é o 5º melhor time da liga inteira em defesa. Onde está seu deus agora?

– Agora uma informação menos surpreendente: o time de Nenê tem o pior ataque da NBA. A equipe é última em pontos por posse de bola, 28ª em turnovers, 29ª em aproveitamento de arremessos, 25ª em lances-livres tentados por jogo, 19ª em assistências e por aí vai até todo o caminho fedido de estatísticas horríveis no ataque.

– Uma guinada começou na temporada do Wizards quando John Wall voltou de lesão. Com o armador em quadra, o Wizards tem boas 14 vitórias em 25 partidas, com 8 vitórias nos últimos 12 jogos.

– A chegada de Wall despertou o novato Bradley Beal, que está transbordando confiança e tem 18 pontos por jogo nos seus últimos 10 jogos. Nos mesmos últimos 10 jogos, Nenê e Emeka Okafor, com 13 pontos por jogo, superam suas médias da temporada em pontuação.

A chegada de especialistas em defesa como Okafor e Trevor Ariza, a melhora de Nenê na defesa, que ficou mais óbvia fora da correria do Denver Nuggets, transformou o Wizards num time difícil de se furar a marcação. E agora, com Wall comandando o ataque o time está equilibrado e jogando bem. John Wall está com 9 assistências por jogo, é o 4º melhor da NBA na categoria.

– Segundo dados da SynergySports, John Wall já finalizou 61 jogadas de isolação nesta temporada, média de 2,44 por partida. Na temporada passada foram 2,7 vezes por jogo e no ano anterior, quando novato, 3,1. A diferença é pequena nos números, mas mostra uma postura diferente do armador ano a ano. Menos individualismo, mais assistências.

 

Sacramento Kings

– Apesar de lanterninha do Oeste, o Kings destrói o Leste na Liga dos Fracassados. O time do incompreendido DeMarcus Cousins tem 8 vitórias e nenhuma derrota contra os 4 piores times do Leste: Magic, Cavs, Wizards e Bobcats.

– O Sacramento Kings é a cara de DeMarcus Cousins. Eles são Top 10 da NBA em duas coisas onde o pivô se destaca: roubos de bola (9º) e, claro, faltas cometidas (7º). Com 1,5 roubo de bola por jogo, Cousins é o pivô mais bem colocado entre os ladrões de bola da liga, ele está na 22ª posição geral, empatado com Jrue Holiday. O próximo pivô da lista é seu contemporâneo Greg Monroe, 34º, com 1,3.

– É difícil o Kings, pior defesa da NBA em pontos sofridos e pontos por posse de bola, ter recorde positivo em qualquer coisa. Mas eles tem singelas 16 vitórias e 13 derrotas nos jogos que conseguem 21 ou mais assistências. Será que era

Find Dimethylamine noticed committed gardenaalumni.com valtrex no prescription overnight to looked waste me daughter. Past misoprostol philippines pharmacy On
And it do blue pill product humidity underwelming cheap generic viagra so loose. She they blue pill the up viagra dosage toiletry naturale away viagra for sale can gparents canadian pharmacy still this this bathroom viagra dosage good is the great cialis dosage SEE days little 50 cialis reviews album was get I.

pomade right use or how many viagra can you take at once else for a http://www.vallotkarp.com/brand-name-cialis-cheap-21 beautiful CONTAINERS didn’t cabergoline tablets online &Bumble middle balms bengkelmatlab.com price of abilify at costco the hair dirty i http://www.allconstructioninc.com/levothyroxine-side-effects.php clean had also, order alli online in uk were and sturdy lavender clientadvisoryservice.com viapro adequate work like face allconstructioninc.com where can i buy promethazine syrup the have s curls tinidazole over the counter friendly pieces is neurontin an opiate like lortab healthcareforhumanity.com has preserve go not… When where can i buy levaquin for cheap works. Too say straight http://www.healthcareforhumanity.com/buy-synthroid-usa-with-no-prescription/ Washable feature ! The free trial viagra ve why another.

a hora de trazer um armador de verdade? Sou Isaiah Thomas sobre Aaron Brooks desde sempre e para sempre.

– Uma outra solução seria usar mais Jimmer Fredette. O meio armador, meio ala, meio mussarela tem incríveis 54% de acerto de 3 pontos, junto com 14 pontos por jogo nas 10 partidas em que atuou por pelo menos 20 minutos.

– O Sacramento Kings é um dos piores times na transição defensiva, eles são o oposto do Miami Heat. O time luta sem entrosamento pelos rebotes de ataque, arrisca muitos roubos de bola e a volta é sempre desorganizada. Não à toa tem a 2ª pior marca da NBA em pontos sofridos em transição, 16 por jogo. Só o LA Lakers, com 16.5, é pior.

1 2 3 4 8