[Resumo da Rodada] Anões contra gigantes

[Resumo da Rodada] Anões contra gigantes

Sem Nenê, contundido e fora pelo resto da temporada, o Rockets resolveu experimentar durante o Jogo 4 com uma formação mais baixa. O resultado deu tão certo que já para o segundo tempo, Eric Gordon foi titular com apenas Clint Capela no garrafão e Ryan Anderson como seu substituto, permitindo ao Rockets jogar efetivamente sem pivô nenhum. O Spurs insistiu em tentar jogar alto e foi completamente neutralizado, especialmente porque LaMarcus Aldridge e Pau Gasol não conseguiram usar a vantagem de tamanho.

Parte da graça do Jogo 5 estava em ver como o Spurs iria responder a isso: continuaria apostando na altura, forçando o jogo embaixo da cesta, ou tentaria um jogo mais rápido para competir com o Rockets nas bolas de três pontos? Nas primeiras posses de bola já ficou evidente que a abordagem seria manter os gigantes para enfrentar os anões adversários e tentar acionar o garrafão sempre que possível. Meio que por acaso, o Rockets foi obrigado a se tornar uma VERSÃO CARICATA DE SI MESMO, uma versão ultra-exagerada de seu próprio sistema tático, praticamente impossibilitado de apostar nas infiltrações, perdendo rebotes o tempo inteiro, mas disposto a trocar bolas de dois pontos de um lado por bolas de três pontos do outro, especialmente em transição. Se o time acreditou no modelo até aqui, agora se vê obrigado a abraçá-lo num grau de exagero sem precedentes. Resumo da história: até o final da partida, o Rockets terá arremessado QUARENTA E OITO bolas de três pontos e apenas 38 bolas valendo dois pontos.

🔒Para entender o fenômeno Isaiah Thomas

🔒Para entender o fenômeno Isaiah Thomas

No Jogo 2 da série entre Boston Celtics e Washington Wizards, o armador Isaiah Thomas salvou seu time com incríveis 53 pontos, sendo 29 deles no quarto período e na prorrogação. O número fica mais assustador quando lembramos o quanto é difícil marcar tantos pontos em disputados jogos de Playoffs: esta foi a maior pontuação de um jogador na pós-temporada desde os 55 pontos de Allen Iverson contra o New Orleans Hornets em 2003.