🔒 O Brasil procura a sua cara no basquete

Este conteúdo é exclusivo para assinantes. Deseja assinar? É só dar uma olhadinha aqui! ;-)

Denis

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.
  • Claudomiro Manuel Venâncio

    Ta aí um texto que deveria daqui uns dias ser aberto para o público geral. Muito boa análise. Parabéns.

  • Ricardo Yokoo

    Eu acho importante essa discussão do desenvolvimento do basquete no país, não apenas pra seleção ser forte, mas porque o esporte é muito importante na sociedade.
    E por que não jogo-lo da maneira “certa”?
    Hoje temos diversas transmissão de NBA em dois canais, NBB e Campeonato Paulista passando na Rede Tv e na internet. Mas o que me incomoda muito é o desserviço que muitas vezes os comentaristas fazem ao esporte e àqueles que gostam dele ou estão apenas conhecendo.
    A forma como eles tratam o esporte é defasada em no mínimo 30 anos, a Hortência disse do alto de seu conhecimento, que a seleção americana se juntou 3 dias antes das Olimpíadas porque eles não precisam treinar já que são muito superiores a todos os outros times.
    No futebol a ESPN Brasil costuma tentar arejar as ideias do esporte, agora com o Data Espn, com discussão boas de vários comentaristas muito estudiosos que tratam o futebol como um esporte a ser estudado, não só um jogo que ganha quem faz mais gol. O André Rocha tem um blog muito bom no UOL falando sobre tática e o Eric Beting escreve para o máquina do esporte e também tem um blog sobre negócios em que frequentemente fala sobre como a NBA é um exemplo de negócio.

    Neste contexto, me parece que a “salvação”do basquete brasileiro passa pela NBA visando nosso mercado consumidor. Nós vamos consumir o que tem de melhor no mundo tanto esportivamente quanto mercadologicamente. Nos eventos eles promovem clínicas para os técnicos entre outras ações. Cabe aos técnicos da base se esforçarem para trazer novos conceitos de desenvolvimento de atletas, não de times para vencer campeonatos escolares municipais, cabe a CBB organizar campeonatos que permitam esse intercâmbio entre os técnicos de base e estabelecer com um comando técnico diretrizes para o desenvolvimento de um estilo de jogo. Como aquela ideia de que no Barcelona desde a base os meninos jogam buscando posse de bola e triangulações, ou como os centros de desenvolvimento do futebol espalhados pela Alemanha em que eles visam ensinar aos garotos desde cedo conceitos técnicos e táticos, não prendendo os maiores a serem zagueiros truculentos, mas ensinando todos a dominarem os fundamentos do jogo.

    Nossos armadores não sabem jogar de costas para a cesta e nossos pivôs não sabem driblar, nós jogamos um jogo antigo, de posições engessadas nas limitações técnicas que nos foram ensinadas, infelizmente.

  • Manguxi

    Enviem esse texto para o chorão do “Malassiano” do Mala na Cesta, que vira e revira, mexendo na merda, não acrescentando nada e só a tornando mais mal cheirosa.
    O Brasil perdeu nos detalhes, e isto faz parte do jogo. Agora, não se pode dizer que houve nas olimpíadas, falta de treinador, falta de empenho dos jogadores, que o que estava ali patente era desorganização da CBB, que se os jogadores brasileiros tivessem subido ao morro o ouro estava mais do que garantido… Na disso foi para ali chamado, tirando um ou outro jogo, a prestação do Brasil foi elevada de méritos -tendo em conta alguns dos muitos factores que vocês enumeraram -, mesmo não tendo se classificado para a segunda fase do torneio.

    Um abraço. Manguxi, o angolano.

    PS: Mesmo sabendo que vocês abominam a veneração ao passado, não posso deixar de dizer que, a cobertura das olimpíadas de 2008 continua insuperável.

    • Nicolas Miau(NM10)

      Polêmico