[Convidado] Identidade, passado e presente em Memphis

Murilo Basso, nosso amigo e leitor do Bola Presa, partiu numa peregrina√ß√£o para San Antonio para assistir¬†presencialmente √† aposentadoria da camiseta de seu √≠dolo Manu Gin√≥bili. No processo acabou¬†passando por outras cidades dos Estados Unidos e resolveu nos escrever sobre sua viagem, as cidades que visitou e a rela√ß√£o delas com os times da NBA que abrigam. Nesse primeiro texto abaixo Murilo resgata a rela√ß√£o de Memphis com a m√ļsica, a dificuldade¬†inicial de¬†acolher o Grizzlies e a import√Ęncia da identidade da equipe para a cidade.


Em meados do s√©culo XIX¬†a Beale Street era¬†um local esquec√≠vel, at√© que m√ļsicos, em sua maioria negros, come√ßaram a se apresentar ali; foi o primeiro passo para que a rua se tornasse uma esp√©cie de meca para os afro-americanos de todo o sul dos Estados Unidos. Mas foi apenas no final de 1800 que a Beale Street se tornou um centro de ebuli√ß√£o cultural. E logo ela estaria repleta de lojas, restaurantes e clubes.

[image style=”” name=”off” link=”” target=”off” caption=””]http://bolapresa.com.br/wp-content/uploads/2019/04/Beale-St.jpg[/image]

Era o cen√°rio perfeito para que uma nova forma de express√£o musical ganhasse vida: dos campos de algod√£o do centro-sul dos Estados Unidos, passando pelos ritmos africanos que foram mesclados √†s can√ß√Ķes de igreja e em meio a um misto de personagens decadentes, dinheiro f√°cil e bebidas alco√≥licas, surgiu o blues.

Foi ali que W.C Handy escreveu a primeira can√ß√£o do g√™nero: embora originalmente um tema de campanha para Edward Hull “Boss” Crump, o ‚ÄúBoss Crump Blues‚ÄĚ logo se tornou ‚ÄúThe Memphis Blues‚ÄĚ e ganhou os clubes da cidade. ‚ÄúSt. Louis Blues‚ÄĚ seria lan√ßada tr√™s anos depois e enfim o primeiro estilo musical 100% americano estava criado: ali, em Memphis, outros nomes como Muddy Waters, Minnie McCoy e Riley ‚ÄúBlues Boy‚ÄĚ King, que mais tarde seria conhecido como BB King, ascenderam.

Mas foi em 1954, em um est√ļdio na 706 Union, que Memphis se tornou, de fato, o centro dos EUA: se Elvis Presley foi o primeiro astro do rock e o elemento de propuls√£o de uma nova cultura popular, Memphis, enquanto cidade, negou a ideia de ser o ber√ßo do rock‚Äôn‚Äôroll; aqueles jovens perambulando pela Sun Records eram vistos apenas como um bando de irrespons√°veis tentando romper o status quo ‚Äď aquele misto de emo√ß√Ķes desordenadas combinadas com o imediatismo urgente do rock and roll n√£o combinava com as tradi√ß√Ķes conservadoras da cidade.

[image style=”” name=”off” link=”” target=”off” caption=””]http://bolapresa.com.br/wp-content/uploads/2019/04/Cartaz-Bonito.jpg[/image]

Mesmo assim, Presley recebeu mais respeito local do que outros roqueiros da cidade; era imposs√≠vel ignorar o m√ļsico mais bem sucedido da hist√≥ria, j√° que ele montara uma at√© ent√£o in√©dita grande explos√£o pop, alimentada pela televis√£o, para se tornar a primeira grande estrela de uma nova era: Elvis Presley n√£o mudou apenas a m√ļsica, ele mudou a forma como absorvemos e consumimos a cultura.


Lar improv√°vel

Se Memphis demorou a aceitar a m√ļsica como parte de sua hist√≥ria, a cidade tamb√©m demorou a perceber o papel do Memphis Grizzlies na constru√ß√£o de sua identidade. E houve tamb√©m enorme resist√™ncia para que a franquia entrasse em seu dia a dia: Memphis, claro, n√£o queria arcar com os milh√Ķes de d√≥lares para tornar o antigo Pyramid lar dos Grizzlies por tr√™s anos enquanto uma nova arena era constru√≠da. Ali√°s, Duncan Ragsdale, um advogado local, chegou a entrar com um processo legal afirmando que a constru√ß√£o do FedEx Forum seria realizada para beneficiar interesses de terceiros.

As semanas que antecederam a decis√£o final foram repletas de tens√£o: embora o ent√£o propriet√°rio da franquia Michael Heisley falasse aos quatro ventos sobre seu interesse em deixar Vancouver, ele estava fazendo o poss√≠vel para arrancar o m√°ximo de Memphis ‚Äď ele sabia que¬†a cidade¬†faria o que estivesse ao seu alcance para curar as feridas de in√ļmeras rejei√ß√Ķes da NFL, ent√£o em diversas ocasi√Ķes as negocia√ß√Ķes simplesmente pararam. Afinal, era consenso que uma cidade fora dos grandes mercados n√£o poderia fazer certas concess√Ķes para abrigar uma franquia da NBA, como por exemplo um acordo que responsabilizaria a cidade por todos os d√©ficits operacionais da nova arena. Por 20 anos.

[image style=”” name=”off” link=”” target=”off” caption=””]http://bolapresa.com.br/wp-content/uploads/2019/04/Cidade-1.jpg[/image]

Como a negocia√ß√£o parecia n√£o caminhar, Dean Jernigan, empres√°rio local, conseguiu reunir todos os envolvidos na mesa novamente e, mesmo que ali todos os cen√°rios apontassem para o encerramento definitivo das negocia√ß√Ķes, os Grizzlies aceitaram o acordo: eles arcariam com as perdas operacionais em troca da hoje infame cl√°usula de n√£o concorr√™ncia que deu ao Grizzlies prioridade na reserva de shows e eventos do g√™nero na cidade. Quase 25 anos depois, a m√ļsica novamente definia o destino de Memphis.


Acredite em Memphis

Dez¬†anos depois da realoca√ß√£o, voc√™ n√£o se importa com um concerto musical. Volte aos Playoffs de 2011: foi quando Memphis percebeu que podia gritar para o mundo que estava ali. ‚ÄúBelieve in Memphis‚ÄĚ era um slogan t√£o clich√™ quanto desafiador, mas ele moldou uma identidade e, enquanto protagonizava umas das maiores ‚Äúzebras‚ÄĚ do basquete contempor√Ęneo, mostrou aquilo que o Grizzlies √© e sempre foi: uma franquia que n√£o deveria estar ali, jogando um basquete que n√£o deveria mais funcionar na NBA moderna, que se torna defasado ano ap√≥s ano, com caras como Zach Randolph e Tony Allen que, bem, n√£o deveriam ser capazes de liderar um equipe.

Ali Memphis percebeu que o Grizzlies n√£o era apenas um time: era a cidade em quadra. E desde ent√£o, nada √© f√°cil para o Grizzlies. √Č dif√≠cil vencer, mas tamb√©m √©, na mesma propor√ß√£o, dif√≠cil perder. Cada cesta envolve exaust√£o, em cada arremesso √© preciso certo n√≠vel de viol√™ncia ‚Äď na mesma medida, para defender, √© preciso de alguma forma suar sangue.

Desde o in√≠cio da d√©cada cada partida se resume a marcar o m√≠nimo de pontos suficientes enquanto a defesa se transforma em um moedor. Temporada ap√≥s temporada s√£o 82 jogos em intensidade m√°xima ‚Äď n√£o importa se os velhos rostos n√£o est√£o mais ali, ou se no final das contas a franquia n√£o luta por mais nada al√©m de sua identidade.

‚ÄúSe voc√™ realmente quisesse criar um time de basquete que fosse uma met√°fora para uma cidade, para as pessoas que ele joga, voc√™ deveria se inspirar no Memphis Grizzlies‚ÄĚ, confidencia um torcedor, quando a vit√≥ria sobre o Oklahoma City Thunder j√° estava definida.

O Grizzlies parece fornecer uma perspectiva sobre o que √© exatamente Memphis hoje: uma cidade que est√° perdendo para ela mesma, que abandona um de seus mais belos parques √†s margens do Rio Mississippi, uma das √°reas metropolitanas mais pobres dos EUA e, claro, onde a maior parte da popula√ß√£o n√£o possui condi√ß√Ķes financeiras para pagar um ingresso para assistir a um jogo da NBA.

[image style=”” name=”off” link=”” target=”off” caption=””]http://bolapresa.com.br/wp-content/uploads/2019/04/Ponte-Rio-Mississipi.jpg[/image]

Mesmo assim, um grupo de exilados (n√£o h√° defini√ß√£o melhor para nomes como Joakim Noah, Justin Holiday, Bruno Caboclo & amigos) luta por dignidade enquanto equipes com muito mais ‚Äúgrife‚ÄĚ visitam o FedEx Forum duas ou tr√™s vezes na semana.

‚ÄúVoc√™ pode n√£o gostar de n√≥s, mas, bem, estaremos aqui mesmo que voc√™ n√£o goste‚ÄĚ.


Presente e passado

Mike Conley n√£o estava em quadra contra o Thunder, mas √© presen√ßa constante no cora√ß√£o de Memphis ‚Äď hoje, ele √©¬†uma¬†porta para relembrar o passado.

‚ÄúAmamos Mike e o fato dele ainda estar aqui √© um alento. Mas sabe quem amamos de verdade? Tony Allen‚ÄĚ, diz meu colega de arquibancada. ‚ÄúPodem cham√°-lo de sujo, mas o talento o manteve na liga por uma d√©cada ‚Äď e, quando falamos sobre Tony, falamos sobre um artista. Assim como quando falamos sobre Elvis‚ÄĚ, brinca.

[image style=”” name=”off” link=”” target=”off” caption=””]http://bolapresa.com.br/wp-content/uploads/2019/04/Estatua-Elvis.jpeg[/image]

O passado, claro, √© quase eterno em Memphis ‚Äď se h√° lembran√ßas¬†do¬†blues em cada esquina, h√° resqu√≠cios dos melhores dias do Grizzlies na mem√≥ria de seus torcedores. E falar sobre a¬†aus√™ncia¬†de Marc Gasol √© tocar em uma ferida que, obviamente, ainda n√£o foi cicatrizada. √Č algo como perceber que, em algum momento, todos precisamos deixar nossa casa: deixar para tr√°s o certo pelo incerto, e encarar a realidade de um mundo que n√£o conhece¬†nossa verdadeira identidade para come√ßar um novo cap√≠tulo. Para os torcedores do Grizzlies, essa √© a hist√≥ria de Gasol: o menino que veio a Memphis, fez da cidade sua prioridade, passou onze temporadas se confundindo entre o azul do uniforme e da Beale Street, e que agora est√° em busca de um recome√ßo.

Quando Zach Randolph e Tony Allen partiram, Memphis esperava que Marc se tornasse algo que ele nunca poderia ser. Gasol, por√©m, acreditou que ser aquilo que sempre foi seria suficiente: Memphis. Alg√ļem que lutasse por cada posse e liderasse a franquia de uma maneira exclusivamente sua. ‚ÄúEle era imperfeito e teimoso. Mas √©, afinal, o que n√≥s somos como cidade. √Č f√°cil compreender: n√£o √© mais sobre ver suas e nossas imperfei√ß√Ķes, √© sobre encontrar beleza em nossas falhas‚ÄĚ, encerra a sabedoria de arquibancada.

Contra o Thunder, vencer ou perder não faria diferença para o futuro do Grizzlies. Mas Memphis é uma cidade em que uma vitória ou uma derrota pode definir o quão divertido será passar na Beale Street após deixar o FedEx Forum.

Torcedor do Rockets e apreciador de basquete videogamístico.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como s√£o os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conte√ļdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conte√ļdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bol√Ķes + V√≠deo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conte√ļdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conte√ļdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bol√Ķes + V√≠deo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Voc√™ pode pagar com cart√£o de cr√©dito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou dep√≥sito banc√°rio. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conte√ļdo exclusivo.

D√öVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine j√°!