🔒Filtro Bola Presa #101

Fim de carnaval, fim da parada do All-Star Weekend e a NBA está devidamente encaminhada para a sua parte final. Mas antes disso trazemos mais um Filtro Bola Presa para lembramos do que aconteceu no fim de semana das estrelas, da dancinha de Kawhi Leonard, dos recordes que a galera do Milwaukee Bucks anda quebrando, da broderagem fashion de Harden e Westbrook, das tretas internas de Cavs e Bulls, dos torcedores brasileiros que chamaram a atenção da NBA, da melhor história envolvendo mascotes em anos e muito, muito mais!


SEXTA-FEIRA DA MOLECADA DA SEMANA

O All-Star Weekend começou com o jogo dos novatos e jogadores de segundo ano, vencido pelo Time EUA em uma virada devastadora sobre o Time Mundo. O interessante é que o MVP da partida não foi nem Trae Young nem Zion Williamson nem Ja Morant, mas sim Miles Bridges. Ele pouco fez no primeiro tempo, mas simplesmente DOMINOU a segunda metade da partida, enterrou bolas de tudo que era jeito e mereceu a conquista. O segredo para o sucesso? Jogar sério! Olha o que ele postou no intervalo…

Será que seria mesmo tão ruim liberar jogadores para usarem as redes sociais durante os intervalos dos jogos? Os times ficariam putos e os treinadores decepcionados, é claro, mas o nível de entretenimento e drama iria subir bastante. O próprio Bridges, porém, é contra tuitar no intervalo e disse que fez só pela piada.

Outro grande momento do duelo foi a cena abaixo de Trae Young e Luka Doncic. O esloveno arremessou do meio da quadra nos últimos segundos do primeiro tempo, Trae provocou, ameaçou contestar o chute e ambos acompanharam juntinhos a trajetória da redonda pelo ar até ela encontrar a cesta. Uma imagem para ilustrar para sempre a carreira dos dois, ligadas pela troca no dia do Draft, pela briga pelo troféu de Novato do Ano, pelas eternas comparações e até pela seleção precoce como titulares no All-Star Game dos adultos:

Mas Zion teve seu momento de brilho também: além das cravadas BÁSICAS em pontes aéreas disparadas pelo amigo Ja Morant, o ala do New Orleans Pelicans também ENTORTOU A TABELA ao enterrar uma bola. Sim, literalmente:

O jogo ainda teve um jogo de altinhas entre a garotada do Time Mundo. Como bons não-americanos, todos são muito interessados em futebol, mas como bons jogadores de basquete, não levam tanto jeito pra coisa. Nem todo mundo é Steve Nash!

Os novatos ainda tiveram a chance de conhecer o ex-presidente Barack Obama, que apareceu de surpresa num evento de caridade que contava com a participação dos atletas. O curioso foi ver alguns comentando depois que nem lembravam o que tinham conversado com Obama porque estavam muito nervosos na hora:


SÁBADO DAS ESTRELAS DA SEMANA

Toda a novela da enterrada de Aaron Gordon sobre Tacko Fall, a disputa contra Derrick Jones Jr. e a armação de Dwyane Wade para definir o campeão apagou a grande participação de Pat Connaughton na competição. Não só ele deu duas enterradas muito boas, como uma delas foi inspirada no filme Homens Brancos Não Sabem Enterrar. Como preparação teve até vídeo emulando uma cena do filme, teve até participação de Giannis Antetokounmpo:

E ainda sobre o Campeonato de Enterradas, uma mini seção Números da Semana: Aaron Gordon se tornou o jogador com mais enterradas de nota máxima na história da disputa. Nunca foi campeão.

Além do show em quadra, foi legal ver Shaquille O’Neal retomar sua função de CAMERAMAN que ficou tão conhecida naquele evento do ano 2000 vencido por Vince Carter. Faltou usar a mesma câmera RETRÔ pra dar um toque especial:

No sábado a NBA também colocou suas estrelas para brincar com um novo filtro no celular: enfie sua cara e A MÁQUINA diz qual seu nível no jogo NBA 2K. Anthony Davis e Rudy Gobert não ficaram nem um pouco satisfeitos…

Sou velho demais até para esses filtros de Instagram/Snapchat e afins, mas pelo menos sei o que está acontecendo. Mas TikTok? Isso é além da minha capacidade. Quem são essas três garotas que a NBA levou para o All-Star Weekend? Por que elas estão importunando o Nikola Jokic?

Além de participar de eventos constrangedores, o pivô sérvio também fez parte de coisas legais, como o Special Olympics Unified Game, uma partida festiva que reunia atletas com alguma deficiência e ex-jogadores da NBA. Jokic treinou um dos times e não conseguiu calar a boca como técnico: reclamou de andadas, pediu defesa, deu bronca em Toni Kukoc e até pediu para a mesa colocar dois pontos a mais para sua equipe…

Por fim, nessa semana também teve ANIVERSÁRIO de Jokic. O Denver Nuggets até fez os novatos do time aprenderem a cantar parabéns em sérvio para agradar o grandalhão. O curioso é ver o vídeo e ouvir o parabéns em… português?!

O responsável pela cantoria é Claus Souza, auxiliar de preparação física do time e nascido em Brasília. Ele foi levado ao Nuggets por Felipe Eichenberger, brasileiro de Ribeirão Preto e principal preparador físico da franquia do Colorado. Para quem quiser conhecer mais sobre a dupla brazuca que leva o “Parabéns a Você” aos EUA é só ler essa matéria sobre eles no Metrópoles.


AS ESTRELAS DO DOMINGO DA SEMANA

O All-Star Game pode ter sido o máximo e Kawhi Leonard pode ficar feliz com seu troféu de MVP, mas o que mais vai marcar mesmo a participação do ala no evento foi sua dancinha pré-treino com uma alegre dançarina adolescente. É esse o Kawhi que o povo quer ver!

A dança compete como seu grande momento com ele chegando na mesa de entrevista, escondendo uma garrafa de ISOTÔNICO e murmurando “eu não sou patrocinado pela Gatorade”:

Outro nome do LA Clippers foi destaque nos treinos do All-Star. O armador Patrick Beverley, que participou do Skills Challenge, deixou bem claro para as crianças que é preciso pedir POR FAVOR na hora de solicitar o autógrafo de alguém:

Tão famosos quanto os jogos são as festas e eventos que rolam durante o fim de semana. Nesta organizada pelo Dwyane Wade temos James Harden e Russell Westbrook mostrando seu melhor entrosamento… no carteado.

A dupla também brilhou na capa da revista GQ em uma referência ao saudoso OUTKAST:

A dupla está em fase boa também dentro de quadra, com vitórias se acumulando nas últimas semanas e Westbrook jogando seu melhor basquete em muito tempo desde que Clint Capela deixou de ocupar espaço dentro do garrafão. Uma das jogadas mais impressionantes da dupla veio contra o Utah Jazz e no meio de um trash talk já tradicional entre Westbrook e sempre chata torcida de Salt Lake City. O torcedor provocou dizendo que Rudy Gobert era o melhor defensor da NBA e que o rival não deveria entrar no garrafão, Westbrook respondeu saindo da zona morta e indo buscar uma ponte aérea. O quanto é impressionante, ainda mais por essa câmera, a capacidade atlética de um cara capaz de ir de “corpo relaxado” para “enterrada monstruosa” em um segundo?!

Uma dupla um pouco menos entrosada é Ben Simmons e Joel Embiid, mas até eles se divertiram. A encarada do pivô no companheiro de time após o TAPÃO NA BUNDA durante o All-Star Game foi hilária:


AMOR GEOGRÁFICO DA SEMANA

Para quem perdeu, vale a pena rever a apresentação que a organização do All-Star Game fez unindo uma maquete gigante de Chicago e grandes nomes que nasceram, cresceram ou brilharam na cidade como Dwyane Wade, Candance Parker, Buddy Guy, Michael Jordan, Isiah Thomas, Barack Obama e o rapper Common…

Por falar em Common, como diabos ele conseguiu criar, decorar e não se embananar com essas rimas que fez para todos os 24 All-Stars e mais os técnicos?! Obra-prima nível Caju e Castanha:

O show pré-jogo estava tão bom que alguém tinha que estragar, né? A responsável foi Chaka Khan, que fez isso aí com o hino nacional americano:


FOFURA DA SEMANA

Tipo de criação de conteúdo que nunca tem erro: bebês. Tipo de conteúdo que não tem erro MESMO: famosos quando bebês.


DICAS DE LEITURA


HOMENAGENS DA SEMANA

Na semana em que a morte de Kobe Bryant completou um mês, tivemos uma série de homenagens. No All-Star Game vimos música de Jennifer Hudson e falas de Magic Johnson e Common. No memorial organizado no Staples Center falaram a viúva Vanessa Bryant, Diana Taurasi, Sabrina Ionescu, Geno Auriemma, Shaquille O’Neal e um surpreendentemente emocionado Michael Jordan, que disse que Kobe o enchia o saco com perguntas e ligações desde sempre, mas que depois quis ser o melhor irmão mais velho que poderia. Ele também disse que uma parte dele morreu junto com Kobe no acidente…

A parte divertida foi ele dizendo que não queria falar no evento porque sabia que iria chorar e que não queria virar meme “pelos próximos anos” de novo. Não deu certo: ele se emocionou e certamente a internet não vai perdoar.


ASPAS DA SEMANA

Os juízes estavam marcando muitas faltas em Luka Doncic na partida entre Sacramento Kings e Dallas Mavericks. O técnico do Kings, Luke Walton, resolveu então apelar para a ironia: “Hey Luka, faça-me um favor e dê um autógrafo para ele depois do jogo. Ele é seu fã”, enquanto apontava para um dos árbitros. Luka não gostou…

Outra frase legal veio de Zion Williamson. Ele contou que quando era mais novo sua mãe falou para ele estudar três jogadores: Magic Johnson, Larry Bird e Michael Jordan, mas com um adendo, “quando cheguei em Jordan ela me disse para ver jogos inteiros, não melhores momentos. Assistir jogos completos”.


REVELAÇÃO HISTÓRICA DA SEMANA

Lembram quando LeBron James anunciou para o mundo em um programa de TV que iria deixar o Cleveland Cavaliers para assinar com o Miami Heat, seu famoso “The Decision”? A grande polêmica da época foi que LeBron não avisou os times envolvidos antes do anúncio, deixando todo mundo no escuro enquanto preparava seu show. O que descobrimos agora, numa cena de um novo documentário sobre Dwyane Wade, é que nem mesmo o futuro companheiro de time e melhor amigo sabia da sua decisão até ela ser dita em rede nacional:


BOA AÇÃO (DE MARKETING) DA SEMANA

Um pai brasileiro reclamou nas redes sociais que não encontrava produtos do Orlando Magic no Brasil. No seu protesto ele PINTOU UMA CAMISA do time no coitado do filho! A reclamação foi extrema, mas deu resultado: o Magic mandou uma camisa clássica de Shaquille O’Neal para o garoto:


FANATISMO DA SEMANA

O YouTuber brasileiro Sidney Gabriel, o famosos DoisPorCento no Twitter, é o maior fã de Chris Paul no Brasil. Se não for o maior, é pelo menos o que mais demonstra sua paixão. A sua coleção de camisas do CP3 é tão extensa e impressionante que acabou chegando no próprio jogador, que retuitou o vídeo dizendo que “isso é amor”:

Seu vídeo foi retuitado também pela ESPN gringa, a ESPN aqui do Brasil conversou com ele e o Oklahoma City Thunder entrou em contato para que ele pudesse atualizar a sua coleção:


AMOR DA SEMANA

Na última semana viralizou essa foto de Steph Curry com a mulher Ayesha durante uma viagem. As pessoas viram uma certa ANIMAÇÃO FÍSICA do armador durante a foto, vamos dizer assim. Ayesha comentou com “poderia ter colocado um filtro, mas te amo mesmo assim”:


NÚMEROS DA SEMANA

Lembram do bom e velho Z-Bound, nome criado em Memphis para se referir aos rebotes ofensivos transformados em pontos por nosso amado Zach Randolph? O termo voltou e sua inicial ainda faz sentido! Ele agora está sendo usado para Zion Williamson, que transforma 10% dos seus próprios erros em cestas. Ele faz um bom trabalho com os erros dos outros também e já é um dos melhores reboteiros da liga, como mostra o Tom Haberstroh:

Sempre costumamos analisar os números gerais de uma equipe ao longo da temporada para ver se um time é bom ou ruim no ataque ou na defesa. Mas pensando em Playoffs, podemos tentar ser mais precisos e ver como determinados times se saem contra a nata da nata da liga, afinal são esses times que irão para a pós-temporada. Abaixo o John Schuhmann fez uma tabela legal para ver que times tem os melhores números defensivos contra os 13 melhores ataques da NBA:

O líder é o LA Clippers com alguma folga. Surpreende ver o Milawuakee Bucks, melhor defesa da NBA, despencar para a OITAVA posição quando contamos apenas os jogos contra os melhores ataques. O Denver Nuggets é o oposto, sobe da 10ª posição geral para a QUARTA quando enfrenta sistemas ofensivos mais perigosos.

Outro número legal é do já citado Chris Paul. O armador está liderando a NBA em aproveitamento de arremessos de meia distância com 55% de acerto. Mas o mais impressionante foi descobrir que nem Steve Nash nem Dirk Nowitzki, dois dos melhores arremessadores de meia distância da história da NBA tiveram uma temporada com aproveitamento tão alto:

Já ouviu falar do Paradoxo Ben Simmons? O Kirk Goldsberry explica: por um lado ele só fez DUAS bolas de 3 pontos desde que chegou à NBA, por outro já deu assistências para 782 bolas de longa distância na carreira, o máximo na NBA desde que ele chegou. E isso num time que nem sempre contou com grandes chutadores no seu elenco. Ele rende bolas de longe, só não peça pra ele mesmo arremessar…

O Clube 50-40-90 é conhecido e cobiçado, nele estão os poucos jogadores a já terminarem uma temporada com ao menos 50% de aproveitamento em arremessos gerais, 40% em bolas de 3 pontos e 90% nos lances-livres. Até hoje só OITO jogadores alcançaram essa marca: Larry Bird, Mark Price, Reggie Miller, Steve Nash, Dirk Nowitzki, Stephen Curry, Kevin Durant e Malcolm Brogdon. Pois Khris Middleton está não só para entrar nesse grupo como para um outro ainda mais restrito, os de que chegam nessas marcas ao mesmo tempo que marcam mais de 20 pontos por partida. Elite:

Não é à toa que tanto Brogdon quanto Middleton jogaram ao lado de Giannis Antetokounmpo na hora de conseguir essas marcas, o grego está jogando em OTO PATAMAR. Veja só esse número caçado pelo StatMuse: desde 1983 só três jogadores conseguiram jogos de 30 pontos, 15 rebotes e 5 assistências jogos onde ficaram em quadra por só 30 minutos ou menos. Giannis já igualou essa marca sozinho só nesta temporada!

Tem número negativo e positivo ao mesmo tempo também: Bradley Beal chegou a OITO partidas com 40 ou mais pontos nessa semana. Perdeu SETE, incluindo duas nesta semana quando se tornou o primeiro jogador desde Kobe Bryant em 2007 a marcar mais de 50 pontos em dois DIAS seguidos. Repito, não são só dois jogos seguidos, mas partidas disputadas em dias consecutivos!!!

O The Ringer fez uma coleção com um dos números mais amados dos torcedores: quem acertou mais arremessos da vitória no estouro do cronômetro na história da NBA? O líder é Michael Jordan, com NOVE acertos. Ele está seguido de perto por Kobe Bryant, Joe Johnson (8), LeBron James e Paul Pierce (7).  Mas o King James supera todo mundo que o assunto é Playoff: cinco das suas sete bolas vitoriosas no estouro vieram na pós-temporada.

Captura de Tela 2020-02-26 às 7.46.37 PM

Já os líderes em temporada regular são Kobe e JJ, com SETE bolas cada. Na lista ainda vemos Jordan, Kevin Garnett, Paul Pierce, Dwyane Wade e até Andre Iguodala, alguém que ninguém nunca pensa quando o assunto é dar um arremesso no último segundo. Captura de Tela 2020-02-26 às 7.47.33 PMPara alegrar os fãs de Kobe, ele é o líder em arremessos de VIRADA. Das oito bolas vitoriosas de Kobe, SEIS delas vieram quando o Los Angeles Lakers estava perdendo o jogo, nada de placar empatado com a comodidade da prorrogação lá esperando.

Captura de Tela 2020-02-26 às 7.48.43 PM


PROVOCAÇÃO DA SEMANA

O Cleveland Cavaliers trocou de novo de técnico. John Beilein, que havia sido contratado na offseason, foi REMANEJADO para outra função na franquia e JB Bieckerstaff foi promovido a técnico principal. O clima na franquia estava ruim desde o começo do ano, quando os jogadores reclamavam que estavam sendo tratados como crianças e que não aguentavam mais os treinos de fundamentos. Aí o barco afundou de vez quando o treinador usou a palavra THUG, de cunho extremamente racista quando usado por um branco como Beilein, durante um ELOGIO que fazia aos jogadores após uma rara vitória.

Embora ele tenha dito que usou a palavra errada, que queria ter dito outra coisa e mesmo com o pedido de desculpas, o clima nunca se resolveu. Os jogadores, que reclamaram de terem sido tratados como crianças, responderam à situação agindo como… bem, adolescentes. Segundo matéria do The Athletic, eles colocavam para tocar músicas com a palavra “thug” bem alto sempre que o treinador estava por perto:

O clima no Chicago Bulls é melhor, mas nem tanto. No episódio 45 da novela “Todos odeiam Jim Boylen“, flagraram Zach LaVine dizendo “eu tenho 40 pontos, porra” antes de, aparentemente, ignorar ordens do seu treinador e marcar mais três. Alguns dias antes já tinham lido seus lábios xingando o treinador por pedir um tempo com 10 segundos para o fim do jogo e o placar já decidido:


BUSCA DA SEMANA

Alguém tentou buscar por fotos do Christian Wood, pivô do Detroit Pistons que ganhou mais espaço desde a troca de Andre Drummond, no sistema da Getty Images. Encontraram uma imagem dele enterrando uma bola… e uma de uma cruz de madeira.


NOTÍCIA ALEATÓRIA DA SEMANA

Vocês sabiam que JaVale McGee ESCREVEU e PRODUZIU uma das músicas do novo álbum de Justin Bieber? Agora você sabe. O triste é o nome estar escrito errado nos créditos, mas tudo bem…


TROMBADAS DA SEMANA

Lembram da garçonete de Portland que tomou um TOMBAÇO no jogo contra o LA Lakers e logo depois ganhou um abraço de LeBron James? Pois é, ela sofreu outro acidente de trabalho e dessa vez a culpa foi de um árbitro!

Outros funcionários em profissão de risco são os garotos responsáveis por limpar o suor que os jogadores deixam em quadra. Nesta semana dois deles foram pegos de surpresa por contra-ataques e quase não sobrevivem pra contar a história:


SEPARADOS NO NASCIMENTO DA SEMANA

Vocês já viram as comparações entre Jonas Valanciunas e o jogador da NFL Travis Kelce? Vocês devem ter visto, mas acharam que eram duas fotos do Valanciunas. Uma vez o Spencer Dinwiddie até se perguntou se alguém já tinha visto dos dois na mesma sala. Bom, aconteceu…


CAMISA APOSENTADA DA SEMANA

Em cerimônia nesta semana o Miami Heat tornou oficial aquilo que todo mundo já sabia HÁ ANOS que iria acontecer: ninguém mais na franquia irá poder usar a camisa 3 eternizada por Dwyane Wade.

Foi legal ver Wade falar sobre o que o Heat significou para ele na carreira e no caminho falar sobre companheiros que o ajudaram no caminho como LeBron James, Chris Bosh e Udonis Haslem, outro que certamente terá o número eternizado mesmo sem os grandes números.


JOGADA BOLA PRESA DA SEMANA

Não canso de ver o quanto Rajon Rondo é espetacularmente preciso nos seus passes. Kentavious Caldwell-Pope que o diga!

Muitos dizem que James Harden é o atacante mais criativo da NBA na atualidade, mas nem ele pensou num drible tão inovador quanto Kyle Lowry na partida contra o Milwaukee Bucks. Foi falta de ataque? Claro, mas só porque o mundo não está preparado para tamanha genialidade…


MASCOTES POWER RANKING

Muitos pontos a serem distribuídos em uma semana cheio de pelúcia! Começamos com CINCO PONTOS para todos os participantes dessa ESQUETE do All-Star Game: Harry The Hawk, Jazz Bear, Bango, Benny e Blaze montaram a banda “The Bird and the B’s” que foi devidamenet encerrada graças a uma acesso de raiva e fúria de Benny. ENTRETENIMENTO:

Quem também leva CINCO PONTOS é o Stuff, mascote do Orlando Magic que resolveu mostrar para o Aaron Gordon como se faz uma enterrada que realmente ganha campeonatos:

Também CINCO PONTOS para Clutch, o mascote do Houston Rockets, que simplesmente não consegue errar arremessos. Mesmo. Ele tentou bastante, mas a edição de vídeo não deixa:

RANKING DA TEMPORADA
Coyote – 45
Stuff – 35
Benny e Jazz Bear – 30
Bango – 25
Clutch – 20
Rocky- 15
Harry, Blaze, Raptor, Burnie, Slamson e Crunch – 10
Boomer – 5


BÔNUS DOS MASCOTES

Precisamos dar mais destaque para o que o Toronto Raptors tem feito com seus mascotes de ex-jogadores. São seres de pelúcia e cabeçudos, uma lição para aquela vergonha do Boston Celtics, para representar ídolos alternativos da história do Raptors como Jerome Williams, José Calderón e até Matt Bonner:

E por fim uma DICA DE LEITURA: o The Athletic precisou manter as identidades secretas para conseguir a história, mas revelou que as ALMAS por trás dos mascotes de Denver Nuggets e Detroit Pistons são PAI e FILHO. Uma história deliciosa de um cara que praticamente inaugurou a cultura de mascotes da liga em 1990 e que irá se aposentar ao fim desta temporada e um filho que, aos poucos ao longo da infância e adolescência, aprendeu a admirar o trabalho do pai.

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!