🔒Filtro Bola Presa #21

O nosso querido Twitter completou 10 anos nesta semana. Além da dúbia contribuição de ter introduzido o mundo ao conceito de hashtag, eles transformaram o jeito que vemos a NBA. Dá pra imaginar outra maneira de acompanhar a trade deadline ou o Draft que não seja por lá? E a coisa poderia ser mais intensa se não fosse por isso:

Na última semana completou sete anos o tweet que Charlie Villanueva enviou de dentro do vestiário, no intervalo de um jogo contra o Boston Celtics e que levou a NBA a proibir que os jogadores publicassem qualquer coisa na rede social desde 45 minutos antes até 45 minutos depois de qualquer partida. Cedo ou tarde iria acontecer, né? Foram três anos de Twitter até que acontecesse, mas se a NBA não criasse essa regra, certamente cada time iria criar a sua variação.

E para provar a relevância que o Twitter ainda tem na NBA, ele foi notícia já nesta semana de novo. LeBron James, por alguma razão ainda desconhecida, deixou de seguir a conta oficial do Cleveland Cavaliers! MEU DEUS! PAREM AS MÁQUINAS! E isso aconteceu completou uma sequência de eventos onde ele havia realizado treinos com Dwyane Wade e decidido ficar um dia extra em Miami após eles terem enfrentado o Heat. SOLTEM OS BOATOS! A imprensa americana já pirou com o unfollow.

É, o Twitter pode ser semi relevante, mas faça uma pergunta sobre isso a um jogador e não só soa ridículo como o faz ir embora da entrevista =/

Ah, mas ele ainda segue Mario Chalmers!

Sabemos que uma das coisas que mais irritou LeBron James nos últimos tempos foi a incapacidade do Cleveland Cavaliers de atrair Joe Johnson depois que ele saiu do Brooklyn Nets. Como, com o melhor elenco do Leste e quase uma passagem garantida para a final, eles não conseguem atrair um veterano em quase fim de carreira? De qualquer forma, JJ está lá no sol, vendo o Heat melhorar e, vejam só, jogando muito:

E não é só a gente que gosta de ser chato com o LeBron, aparentemente Jusuf Nurkic também gosta. O pivô bósnio do Denver Nuggets já mandou seu trash talk para metade da NBA nessa temporada, e agora foi a vez de LeBron James, que ele encarou depois de um toco e depois teve que aguentar a vingança.

Ah, e lembra que falamos do filho de LeBron James na semana passada? Mais informações sobre os garotos. Segundo o próprio papai, LeBron James Jr. usa o número 0 por causa de Russell Westbrook, e Bryce Maximus, o caçula, usa o número 30 porque é fã de Steph Curry. Nem em casa, Bron?


Lembram do podcast onde a gente comentou que Anthony Davis estava correndo sério risco de perder (ou melhor, deixar de ganhar) 24 milhões de dólares? Pois é, tem tudo para acontecer. Sem muitas chances de levar seu New Orleans Pelicans para os Playoffs, o Monocelha será poupado até o fim da temporada e deverá passar por uma cirurgia no ombro. Ombro, aliás, que está o incomodando HÁ TRÊS ANOS. A lesão e a cirurgia, claro, deixam Anthony Davis fora das Olimpíadas do Rio.

Tá bom, mas e a grana? É o seguinte: a Derrick Rose Rule estabelece uma exceção para que super jogadores jovens possam ganhar mais dinheiro mais cedo na NBA. Essa regra diz que, ao fim do contrato padrão de novato assinado no Draft, um jogador poderá receber um contrato de até 30% do total do Salary Cap, ao invés dos 25% que os outros jogadores assinam, desde que:

  • Ele seja MVP de uma temporada
  • Ele seja votado ao menos duas vezes para o All-Star Game como titular
  • Ele seja eleito duas vezes para os All-NBA Teams

Até cogitaram Davis como MVP antes dessa temporada acontecer, mas não chegou nem perto. Na temporada passada ele foi titular do All-Star Game e entrou na votação do primeiro dos All-NBA Teams, mas o primeiro não se repetiu nessa temporada e a única chance do Monocelha se encaixar nesses requisitos é  entrar nesses times de fim da temporada, votados pela imprensa norte-americana.

O problema são as estatísticas: nos últimos 10 anos, dos 150 jogadores que entraram nos três All-NBA Teams de cada temporada, 94% estavam em times classificados para os Playoffs. Dos que não entraram, apenas DeMarcus Cousins no ano passado estava em um time com um aproveitamento tão baixo quanto o do Pelicans.

Tudo indica que o novo contrato de Davis somará 25% do novo super-teto-salarial da NBA, mas o teto é tão, mas tão alto que esses 5 pontos de diferença podem somar até 24 milhões de dólares ao longo dos anos.


O HoopsHype fez uma galeria com as melhores frases de Evan Turner. Não é todo jogador que merece uma galeria para comportar a quantidade de coisas surreais que diz.

Quando Brad Stevens disse para ele vir do banco…. ‘Tive que ver se ele não estava com o hálito de álcool. Procurei por drogas no escritório dele. Disse ‘você deve estar chapado’, sabe? Mas fui educado é claro e acredito no processo. Inacreditável, né?’


Vivemos em uma realidade alternativa onde isso é possível


Na coluna que assina no Eurohoops, Giannis Antetokounmpo conta sobre seu encontro com Kobe Bryant e diz que “teve arrepios” falando com o Black Mamba

Quando o jogo acabou, nos abraçamos. É um momento que nunca vou esquecer. Eu disse pra ele ‘Nós vamos sentir sua falta. Incrível trabalho todos esses anos, OG’, que é uma expressão que usamos na NBA apenas para alguns poucos jogadores. Ele sorriu e respondeu, ‘ótimo jogo, rapaz’.

Então minha família se juntou a mim e fomos no vestiário ver Kobe e conversar. Minha mãe tirou uma foto que ela queria com ele há muito tempo. E então a coisa mais engraçada aconteceu. Jason Kidd e Kobe estavam conversando, então Kobe olha pra mim e diz, ‘se você tiver algum lugar pra ir, pode ir, não se preocupe’.

Ir pra onde? Estou numa sala com Kobe Bryant e Jason Kidd e vocês estão me dando conselhos. Ir embora pra onde? Isso que eu respondi pra ele. Kidd com tantos recordes na NBA, Kobe e o pequeno Giannis de Sepolia. Ainda penso nisso e não acredito’


Histórias de fantasma na NBA? Sim, existem. Taj Gibson já acordou com a porta de seu banheiro batendo muito forte no meio da noite, Bill Simmons acordou com a sensação de ter outra pessoa no quarto, Eddy Curry foi dormir no quarto de Nate Robinson com medo do fantasma da mulher que se matou junto de seu bebê. E na semana passada Wesley Johnson contou que em uma noite acordou para ir no banheiro e encontrou a banheira cheia de água. Tudo isso no temido Skirvin Hotel em Oklahoma City, o hotel mal assombrado.

Mas nada se compara ao que aconteceu com Shawn Marion…

…eu teria medo do nosso glorioso Brian “The Custodian” Cardinal também


Qual o nível de fracasso da temporada do Los Angeles Lakers? Até quando os jogadores estão felizes e bem humorados eles acabam dando socos na cara do coleguinha

Pode piorar? Claaaro! Sempre pode. E de um jeito que em nada lembra uma brincadeira. Jordan Clarkson e Nick Young foram acusados de assediar uma mulher no trânsito de Los Angeles. Segundo a garota, eles estavam em um carro e, ao pararem no sinal vermelho, começaram a mexer com ela e sua mãe, que estavam em outro veículo, com ofensas sexuais.

Isso já é ridículo e ofensivo por si só, certo? Certo. Mas a Lei de Murphy é pesada e queria dar uma lição nos caras. A garota assediada é Alexis Jones, uma ATIVISTA QUE LUTA CONTRA ASSÉDIO SEXUAL ENTRE ATLETAS. Sério. Sério. Que coincidência deliciosa!

Alguma coisa boa na temporada do Lakers? Pelo menos temos o REI DO TANKING no comando

ByronScott Tanker

O Byron Scott teve seus ótimos momentos no New Jersey Nets e no New Orleans Hornets (dois times que não existem mais com o mesmo nome, coincidência?), mas nos últimos anos foi só TANK, TANK e TANK. E melhor, com sucesso depois no sorteio. O Lakers precisa mantê-lo até o sorteio, não pode o demitir antes disso!


O outro time de Los Angeles tem os seus vários problemas também, mas estão bem perto de conseguir algo histórico. O Clippers pode se tornar a primeira equipe a juntar o líder da NBA em aproveitamento geral de arremessos, aproveitamento em lances-livres e também em arremessos de 3 pontos

CLips


Michael Beasley está feliz de voltar para a NBA?

Ainda no Houston Rockets, o manager Daryl Morey está fazendo scout em Israel e está apaixonado pela torcida local. Nunca que a NBA seria capaz de proporcionar algo assim, né?

Mas a melhor notícia vinda da cidade foi a de que Dwight Howard foi pego usando STICKUM, um tipo de cola em spray para conseguir segurar melhor a bola. Ele foi descoberto após ter exagerado na dose contra o Atlanta Hawks e Paul Millsap o dedurou

O pior de tudo? Dwight Howard disse que não sabia que tinha problema e afirmou usar o produto HÁ CINCO ANOS! Não temos ideia do que a NBA vai fazer a respeito, mas certamente os adversários não vão deixar passar.


Até agora o March Madness da NCAA tem feito jus ao nome. Dúzias de zebras, jogadas malucas, game-winners e tudo mais. Mas de tudo o que aconteceu, separo os meus momentos favoritos:

Primeiro, a desvantagem de DOZE pontos que desapareceu em menos de um minuto

Depois uma entrevista que nem Rasheed Wallace seria capaz de dar. Taurean Prince explica didaticamente como Yale pegou mais rebotes que Baylor:

Eu draftaria o moleque sem nunca ter visto ele jogar.


Momento Golden State Warriors da Semana:

Até este ano nenhum jogador havia tido mais de um jogo com mais de 10 arremessos de 3 feitos na mesma temporada. Agora tivemos Steph Curry e Klay Thompson, dois caras DO MESMO TIME, alcançando o feito inédito. A cada dia que passa a decisão de NÃO trocar Klay por Kevin Love parece mais acertada.

E seguindo a ESCOLA WARRIORS, saca só até o Luís Scola se transformando a essa altura da carreira

Como explicamos nesse post, porém, o San Antonio Spurs não é todo mundo e não está imitando o Golden State Warriors. Será que estão tendo sucesso?

É isso mesmo, amigos internautas.  O Spurs bateu LA Clippers, OKC Thunder e Golden State Warriors nas últimas rodadas e, no meio do caminho, segurou o trio Chris Paul, Russell Westbrook e Steph Curry a míseros DOIS PONTOS, vindos de lance-livre, em quartos períodos. Não consigo pensar outro time na NBA capaz dessa proeza.

E seria mais fácil odiar o Spurs se fosse tudo só defesa e destruição, mas tem o outro lado também…

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!