🔒Filtro Bola Presa #38

Mais uma semana, mais um Filtro para que nossos assinantes gastem uma meia hora sabendo de coisas que eles não precisavam saber. Um brinde a todos que têm um emprego inútil! Vamos lá acompanhar tudo o que não passou no Filtro?

Na última temporada nós sempre aparecíamos aqui com estatísticas e vídeos espetaculares de Stephen Curry. O MVP unânime de 2015-16 foi uma máquina de estatísticas impensáveis e lances impossíveis. Neste ano, embora estivesse jogando muito bem, parecia mais humano. Parecia. É hora de voltar a falar do ‘Baby Faced Assassin‘:

Tudo começou quando Kevin Durant resolveu ser o cara legal e mandou a RELA para Curry: “Se solta, faz o que você fazia antes e eu vou me adaptar, pode relaxar”. O técnico Steve Kerr concordou que o seu armador era quem mais estava se sacrificando para acomodar KD, especialmente na criação de jogadas, e liberou o jogador para pensar menos e se soltar mais nas partidas.

Os deuses do basquete (a NBA, no caso), premiou a ação e deu o prêmio de Jogador do Mês de Janeiro para a dupla do Warriors! No Leste, o vencedor foi um anão verde que por algum motivo espera o tempo passar antes de começar a marcar umas cestas:

Os números são bem claros para mostrar que o Curry que vimos no ano passado voltou: quanto mais se solta, mais arremessa, mais arrisca e mais ACERTA também! A maioria dos jogadores precisa de um ritmo para jogar bem, mas Curry parece ser acima da média nisso também, ele é um velho carro a álcool que precisa esquentar e de repente vira uma Ferrari:

O auge das suas atuações monstruosas veio no jogo contra o Charlotte Hornets, onde Curry acertou ONZE bolas de 3 pontos, duas a menos do que o recorde dele mesmo de mais bolas de 3 em um jogo. O detalhe é que ele nem pisou em quadra no último período! Com as 6 bolas de 3 de Klay Thompson, a dupla somou 17 arremessos de longe num mesmo jogo, a maior marca de dois PARÇAS numa partida da NBA.

Este jogo marcou a OITAVA vez que Curry conseguiu 10 ou mais bolas de 3 pontos num jogo. Nenhum outro jogador na história conseguiu sequer METADE dessa marca…

O Hornets é alvo constante da maldade de Curry. O armador cresceu na cidade da Carolina do Norte e frequentava o ginásio do time já que seu pai, Dell Curry, era jogador da franquia nos anos 90. Papai Curry vive lá até hoje, onde é comentarista oficial dos jogos do Hornets na TV local. Curry marca, em média, 28.1 pontos contra o Hornets na sua carreira! O único alvo que apanhou mais é o Toronto Raptors, que toma em média 30.2 pontos por duelo. A coincidência? Dell também jogou em Toronto! Algum psicanalista austríaco mais qualificado vai explicar por que Curry quer matar o pai, até lá nós nos contentamos em ver Dell mostrar que ainda está vivo e acertar uma bola de 3 pontos –USANDO TERNO– após passe do seu pimpolho:

Por fim, Steph foi objeto de uma ótima análise sobre plus/minus no Nylon Calculus. Ao invés de só colocar o valor bruto do saldo de pontos do time quando ele estava em quadra, eles resolveram olhar o desempenho minuto a minuto para mostrar quanto, e em quanto tempo, as vantagens do Warriors cresciam ou caíam dependendo da presença do MVP em quadra.

Abaixo, por exemplo, eles mostram um jogo do começo da temporada passada contra o Raptors. Curry saiu de quadra com um saldo de +15, mas o time venceu apenas por 3. Dá pra ver a história do jogo sob a perspectiva do jogador:

Curry1

Fazendo isso com todos os jogos da temporada passada e desta é possível ver como o time está respondendo diferente à presença de Curry. No ano passado ele fazia mais a diferença no primeiro quarto, neste ano os ‘momentos Curry’ tem sido guardados para a segunda metade do terceiro quarto, muitas vezes quando Kevin Durant senta e ele comanda o ataque do time ao lado de Andre Iguodala.

Curry-Total

Como será SER Steph Curry e conseguir essas marcas espetaculares e se sentir nas nuvens? Até Steve Kerr, que esteve lá em quadras de basquete, quer saber:


Sim, eu sei, eu lembro: Curry e o Warriors desperdiçaram uma liderança de 3 a 1 na Final da NBA. Então é hora de falar um pouquinho também de LeBron James! Nesta semana King James ficou marcado pelas suas reclamações, brigas e desabafos.

Primeiro foram os olhares da morte a cada erro de Kevin Love na defesa. Depois deu uma bronca no General Manager David Griffin pela falta de um “playmaker” no elenco, o que rendeu uma crítica de Charles Barkley, que chamou o jogador do Cavs de “chorão” por ficar cobrando melhoras num elenco que tinha sido campeão outro dia e que recebeu Kyle Korver quase de graça outro dia.

Muito mais irritado e menos polido do que o normal, LeBron resolveu retrucar:

“Não vou deixar que ele desrespeite meu legado desse jeito. Não sou eu que já joguei alguém por uma janela. Nunca cuspi numa criança. Nunca tive dívidas não pagas em Las Vegas. Nunca disse ‘não sou um modelo’. Nunca apareci para o All-Star Weekend só no domingo porque estava em festas em Vegas. Tudo o que fiz na minha carreira foi representar a NBA da maneira correta. Catorze anos, nunca me meti em problemas. Respeitei o jogo. Publique isso”.

O rei das respostas milimetricamente pensadas, o dono das indiretas mais bem estudadas e planejadas da NBA resolveu DESABAFAR? Pegou pesado e foi para o pessoal?! DAORA! Até Dwyane Wade ficou aliviado: “Graças a deus ele disse alguma coisa!”

A discussão em si é tola. Barkley tem certa razão ao dizer que LeBron reclama de barriga cheia, mas ele faz isso de maneira tosca, grosseira e ofensiva de sempre. E o jogador que nunca responde uma hora realmente fica de saco cheio e resolve mandar o outro simplesmente calar a boca. Tudo em público, para virar circo.

Não ajuda a paciência do ala do Cavs que ele acaba de viver UM DOS PIORES MESES DA SUA CARREIRA! Janeiro de 2017 foi a primeira vez desde 2006 que King James teve mais derrotas que vitórias num mês:

LeBron___

No meio dessa raríssima má fase, LeBron fez a alegria dos COMPARACIONISTAS de plantão ao igualar a marca de minutos que Michael Jordan teve ao longo de toda sua carreira, somando Playoffs. Afinal, depois de passar exatamente o mesmo tempo de VIDA nas quadras da NBA, quem ganha?

Na verdade o mais impressionante de tudo é pensar que LeBron, que LIDERA A NBA em minutos nessa temporada, já igualou o tempo de quadra de Jordan tão cedo na carreira. Ele ainda está relativamente jovem, saudável, atlético e em altíssimo nível. A carreira dele ainda vai MUITO longe! Nada como entrar na liga ainda adolescente, não parar para jogar BEISEBOL e, claro, ser uma experiência genética do exército.

E quando forem falar do LEGADO de LeBron, temos que lembrar disso aqui:


Uma das derrotas do Cavs na última veio das mãos do Dallas Mavericks, que começou a temporada NO LIXO e agora esboça uma excelente reação. O técnico do time, Rick Carlisle, definiu o time assim: “Somos um time de merda. Mas somos um time de merda subestimado. Esse é o mais preciso que consigo ser”.

Boa parte dessa MERDA DO BEM passa por Harrison Barnes estar se adaptando à sua nova função, uma onde ele faz mais pontos em situações de mano-a-mano do que em todos os outros anos de sua carreira somados:

Mas é outro cara que faz a diferença: o Mavs está invicto desde que assinou um contrato de 10 dias com Yogi Ferrell, armador sensação da D-League de míseros 1,80m que virou o novo TALISMÃ do time texano.

O time já venceu Spurs, Cavs e Sixers desde que Ferrell chegou! #Empolgou

O mais impressionante é que a vitória no clássico texano foi de virada após o jogo ir para o intervalo com o Spurs vencendo por 10. Esta partida quebrou uma sequência de CENTO E DEZESSETE vezes em que o Spurs não perdia uma partida liderada por ao menos 10 no intervalo. A marca, mais longa deste tipo na história da liga, começou em 2008!

Enquanto isso, no Leste, o Miami Heat está numa sequência de NOVE VITÓRIAS SEGUIDAS! Quem é o Yogi Ferrell deles? Okaro White, ala que também chegou com um contrato de 10 dias e que ainda está invicto na NBA!!!! E daí que ele só joga 15 minutos por jogo, foi sua chegada que fez o Heat ser o time mais QUENTE do Leste.


Lembram que o Chandler Parsons recusou uma oferta generosa do Portland Trail Blazers para ir jogar no Memphis Grizzlies na última offseason? O pessoal lá no noroeste ficou ressentido e resolveu tirar uma da cara dele quando o Grizzlies foi visitar Portland e o ala meteu uma airball: “Para ser justo, a linha de três é bem longe” disse o Twitter oficial do Blazers:

Parsons respondeu com um cruel “boa sorte na loteria do Draft”, só para lembrar que o Blazers está em NONO no Oeste no momento. E CJ McCollum chegou com os dois pés na porta pra mandar um “ganhamos na loteria ao não assinar com você”. Um bom e velho barraco virtual (da quinta série) do século 21:

A treta fez PRESIDENTE do Blazers ir à mídia falar que a equipe das redes sociais foi muito perto do limite que eles oferecem para as brincadeiras no Twitter e que tomaram mais cuidado mais pra frente.

O CJ McCollum estará no campeonato de 3 pontos do All-Star Weekend. Acham que ele aceitou o convite porque é competitivo e quer provar que é o melhor arremessador do planeta? Não, na verdade apenas descobriu que sua namorada vai estar ocupada e não poderá acompanhá-lo numa viagem.


JOGADA BOLA PRESA DA SEMANA

Kyle Singler, não é assim que você vai perder a fama de pior jogador com emprego na NBA:


E se eu te dissesse que existe um jogador que não acha que a imprensa é sua inimiga e que até entende o trabalho deles de certa forma? Parece SURREAL, não é? Mas aconteceu. Um repórter contou para o John Wall que pensou (e escreveu) que o Washington Wizards não teria solução depois de começar a temporada com apenas 2 vitórias nos primeiros 10 jogos e que hoje se sentia meio idiota por ter escrito isso, ao que João Paredão respondeu:

“Você não pode se sentir mal, você estava dizendo a verdade. Você precisa escrever alguma coisa, então pensa ‘será que eles vão se acertar?’. E se a gente não tivesse nos acertado, você estaria certo”.

Finalmente um atleta que percebe que nós não podemos escrever “vamos esperar e ver” durante seis meses e aí aguardar a final!!! Único Wall que merece meu respeito nos EUA.


MOMENTOS FOFOS DA SEMANA

Foi uma semana de muita fofura para aquecer nossos corações tão machucados pelas notícias desse mundão de meu deus. Primeiro tivemos Joel Embiid conhecendo o membro mais fofo e adorável da NAÇÃO EMBIIDEIRA:

Também tivemos Aaron Gordon ensinando uma criança a enterrar sobre um BONECO DE PELÚCIA do Stuff, o mascote do Orlando Magic:

O BROMANCE mais forte e ADORÁVEL da NBA também segue firme e forte. Ou pelo menos um lado parece firme e forte, o outro já caiu na rotina e se apaixonou pela amiga do trabalho:

E olha que coisa mais fofinha esse senhor de idade brincando na quadra com um uniforme do Memphis Grizzlies:


MASCOTES POWER RANKING

Antes de começar a falar dos mascotes da NBA, gostaria de utilizar este espaço para aplaudir a ULTRAGAZ, que não somente está usando o grande meme nacional deste começo de ano para se promover, como também está aproveitando esta situação para tentar expandir a cultura dos MASCOTES CORPORATIVOS. Afinal, por que toda grande empresa não tem mascotes?

Veja que adorável é este BOTIJÃO DE GÁS COM OLHOS dando mais charme e sensualidade ao espetáculo:

Voltando aos mascotes de times de basquete, hora de irmos além das piadas e valorizar também os números de DANÇA que estes seres de pelúcia nos oferecem toda semana. Não é fácil dançar, muito menos com terno e uma calça que precisa de um furo na bunda pra caber o seu rabo. Excelente trabalho do Raptor para homenagear o ícone pop Justin Timberlake: 10 pontos pra ele! Dança demais!

Também gostaria de valorizar o excelente trabalho do Coyote. No maior estilo Spurs, ele segue tirando leite de pedra e nos divertindo das maneiras mais simples e tolas possíveis. Enquanto alguns precisam de super estruturas, o Coyote é capaz de capturar a atenção de um ginásio inteiro apenas com um cavalo inflável, merece os 5 pontos do segundo lugar.

Classificação Geral

Stuff > 30
Coyote > 30
Benny > 20
Raptor > 20
Rumble > 15
Clutch > 15
Harry > 15
Moondog > 10
Grizz > 10
Hugo > 10
Gorilla > 10
Crunch > 10
Jazz Bear > 10
Hooper > 5
Pierre > 5
Franklin > 5
Bango > 5

Até a próxima semana e Feliz Ano Novo Chinês!

 

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!