🔒Filtro Bola Presa #50

Uma semana se passou desde o último Filtro e já estamos num novo ano. Começamos logo com a edição CINQUENTA desta sessão tão divertida!!! Mas sem celebrações por números redondos, vamos nos focar no que interessa: estatísticas bizarras, histórias curiosas, namoros improváveis e decisões fashion de gosto duvidoso. Bora lá!

Nós já dissemos que gostamos de esperar um pouco para opinar sobre técnicos, que só no longo prazo é possível ver o seu impacto em diferentes situações. É um bom jeito também de fugir de questões sem resposta fácil. Afinal, o que achar de Jason Kidd? Como técnico do Brooklyn Nets ele começou MUITO MAL e viveu o famoso CASO DO REFRIGERANTE, quando pediu para um jogador esbarrar nele para derrubar bebida na quadra e atrasar um jogo: “Hit me”…

Mas depois ele foi um dos pioneiros no small ball, colocou Paul Pierce na posição 4 e fez o Nets melhorar demais no meio de um ano difícil. Já no Bucks ele consegue ao mesmo tempo fazer todos seus jovens jogadores se desenvolverem e criar um ataque que é sempre um PARTO de assistir. Ah, ele também faz isso aqui:

Explico: na vitória do Milwuakee Bucks sobre o Cleveland Cavaliers, o ala Khris Middleton estava na linha de lance-livre com o seu time liderando por 2 pontos e com apenas 1.4 segundo no relógio. O lógico seria acertar os dois lances, colocar a vantagem em 4 pontos e tirar qualquer chance de empate, certo? Não para Kidd. Ele pediu para Middleton ERRAR O SEGUNDO LANCE-LIVRE! 

Segundo Kidd, a ideia era forçar o Cavs a uma improvável combinação de pegar rebote e, como não tinham tempo para pedir, conseguir acertar um chute de quadra inteira. Para o técnico isso era mais improvável do que o Cavs bater o fundo bola e conseguir um arremesso de 3 seguido de falta, que resultaria em 4 pontos. Não entendeu? Pois é, ninguém sacou. Que tal abrir 4 pontos de vantagem e simplesmente falar para seus jogadores VIRAREM AS COSTAS e nem defenderem os rivais para não correr o risco de falta? Vai entender.


#LookDoDia

Alguns novos uniformes feitos pela Nike são bonitos, outros são feios, uns agradam os clássicos e o do Wolves é um verde muito legal. Tem gosto pra tudo. Mas o UNIFORME DO ANO não está na NBA, mas na G-League, a liga de desenvolvimento. O 87ers, afiliado do Philadelphia 76ers, vai organizar a “Nickelodeon Night” e usará um UNIFORME DE BOB ESPONJA:

É o melhor uniforme que eu vejo desde Kobe Bryant, Andrew Bynum e cia usando micro-shorts em homenagem ao Los Angeles Lakers dos anos 1980:

Fora das quadras o grande ganhador fashion da semana foi Paul George. A internet ainda não decidiu se ele está sendo influenciado pelo ÍCONE DA MODA Russell Westbrook ou se foi um presente de Natal do colega de time que ele ficou meio assim de ir na Renner trocar. De qualquer forma, mais criativo que todos os vestidos brancos com transparência e renda das blogueiras no Réveillon:

View this post on Instagram

Happy New Years! ❤️😍😋

A post shared by Paul George (@ygtrece) on

Saindo das roupas, mas ainda falando de estilo. Acho que Gerald Green se empolgou demais com o contrato que recebeu do Houston Rockets, né? Mas gostei, cabelos assim fazem falta com Jeremy Lin fora da temporada:


DICAS DE LEITURA


JOGADA BOLA PRESA DA SEMANA

Qualquer técnico de basquete vai dizer para seus jogadores que é preciso contestar e atrapalhar o arremesso dos adversários. Se possível, colocar a MÃO NA CARA do rival para ele não ver a cesta quando faz o movimento. Mas e se o próprio CABELO do atacante fizer esse trabalho pela defesa? Ansioso para saber se o aproveitamento de Elfrid Payton vai melhorar no dia que ele cortar a juba:

Em uma semana difícil para os árbitros, tivemos o juiz Tony Brown com dificuldade para CONTAR ATÉ CINCO. Afinal, quantos segundos duram 5 segundos?

E é impressão minha ou Joel Embiid ANDOU COM A BOLA quando tentava mostrar para o juiz que não tinha andado com a bola? Desta vez os árbitros venceram:


TRAUMAS DA SEMANA

Como Blake Griffin irá lidar com esse VÁCUO do Lou Williams? Sorte que DeAndre Jordan apareceu para o resgate:

Mas ninguém deve ter ficado mais traumatizado nos últimos dias que o armador Ron Baker, do New York Knicks. Ele foi alvo de uma das enterradas mais ferozes dos últimos tempos. Calma, Anthony Davis!

Valeram os dois pontos. Foi falta. Ron Baker saiu sangrando para o vestiário. FATALITY. E ainda rendeu algumas das fotos mais impressionantes (e humilhantes) da DÉCADA:

Pelo menos restou o bom humor no pobre armador do Knicks, que postou uma foto do seu rosto com a seguinte legenda: “Quando você acorda, liga na ESPN e viu que entrou no Top 10”


RELACIONAMENTO ALEATÓRIO DO ANO

Vocês conhecem a atriz Laura Dern? Deveriam. Ela foi uma das protagonista do primeiro ‘Jurassic Park’ e já foi indicada ao Oscar por ‘As Noites de Rose’. Neste último ano ela esteve gloriosa como a vice-almirante Holdo em ‘Star Wars – Os Últimos Jedi’. Acho interessante dizer também que ELA É GATA.

Por que estou falando dela num post sobre NBA? Bem, porque agora não são mais só as Kardashians que pegam os atletas da nossa liga favorita. Laura Dern foi flagrada dando uns chamegos no espetacular (e aposentado) Baron Davis.

Se lembrarmos que Baron Davis se mudou para Los Angeles porque queria ficar mais próximo do mundo do cinema, o relacionamento não fica tão aleatório assim, mas bater o olho com a notícia valeu aquele estranhamento seguido de “EU SHIPO ESSE NEGÓCIO”.  O tweet abaixo resumiu o fascínio pelo caso: “Estou aqui comendo e pensando quem diabos é Laura Dern enquanto ao mesmo tempo deve ter gente querendo saber quem é Baron Davis”. 

É tipo apresentar gente do trabalho para os amigos de escola. Uma colisão de mundos diferentes!


ESTATÍSTICAS DA SEMANA

O Boston Celtics conseguiu uma virada espetacular contra o Houston Rockets nesta semana, saindo de 26 pontos abaixo para virar no minuto final após DUAS FALTAS DE ATAQUE seguidas de James Harden sobre Marcus Smart. A única vez que o Celtics liderou no jogo foi nos segundos finais. É aquele ponto verde ali, ó:

Esta foi a MAIOR VIRADA da NBA nesta temporada. E veio do mesmo time que já tinha revertido um placar de 17 pontos contra o Golden State Warriors:

E lembra que eu disse que tinha sido uma semana difícil para os árbitros? Só nesse jogo, revisando os últimos DOIS MINUTOS de partida, eles acharam CINCO ANDADAS e uma invasão de lance-livre que não foram marcadas:

Quem voltou nessa semana foi Stephen Curry, que logo estabeleceu a maior marca de bolas de 3 pontos em um jogo nesta temporada, DEZ. O recorde histórico também é dele, de 13. E ele ajuda até quando não é ele quem arremessa: antes de sua lesão, o Warriors chutava 25.6 bolas de 3 pontos sem marcação por jogo; com ele machucado o número caiu para 20.1!

De qualquer forma, o Golden State Warriors não está na mesma forma do passado recente. Eles perderam para o Charlotte Hornets nesta semana e já chegaram a CINCO DERROTAS EM CASA na temporada. Já é o mesmo número de revezes em Oakland no último ano. E o mesmo número de derrotas caseiras das temporadas 2014-15 e 2015-16 SOMADAS.

Já o Chicago Bulls fechou o ano de 2017 com 10 vitórias em seus últimos 12 jogos. Neste período eles tiveram: o 4º melhor ataque, o 8º melhor aproveitamento de arremessos, o 6º melhor aproveitamento de 3 pontos, a 5ª melhor marca em assistências, foram o segundo time mais veloz e tiveram a TERCEIRA MELHOR DEFESA! Uau! Ah, e nenhum outro time venceu tanto nesse período. Por 20 dias, o Chicago Bulls foi O MELHOR TIME DE TODA A NBA. 


SÉTIMA ARTE

O Ringer fez vários atletas de diferentes esportes interpretarem personagens de filmes famosos. Por que? Não sei, mas aqui está Robin Lopez como Han Solo:

Se você preferir, tem o novato finlandês Lauri Markkanen como Borat:

Ainda na busca por talentos cinematográficos, temos Chris Paul, Jamed Harden e Trevor Ariza cantam Backstreet Boys num novo comercial:


MAIOR DO NORTE

Aos poucos DeMar DeRozan caminha para ser o melhor jogador da história do Toronto Raptors. Até o fim do seu longo contrato ele deve bater os recordes que ainda estão com Vince Carter e, com sorte, pode vencer o bastante para superar o impacto cultural do Vinsanity na cidade. Nesta semana ele fez 52 pontos contra o Milwaukee Bucks, superando Carter (e Terrence Ross!!!!!) como maior marca de um jogador do time. Jonas Valanciunas homenageou o companheiro no maior estilo Wilt Chamberlain:

O sucesso, claro, traz dinheiro, fama e algumas interesseiras. Por sorte, seu parceiro Kyle Lowry está lá para impedir que qualquer uma atrapalhe a estrela do time:

@inanna tried to play it off ? Follow @athleticsplays for more!

A post shared by Basketball (@athleticsplays) on

Muito mais atencioso foi Devin Booker com essas jovens fãs que não conseguiam acreditar que tiraram uma foto com o ídolo. #FofuraDoDia:


MASCOTES POWER RANKING

O mascote vencedor desta semana não fez mais do que levantar uma placa, mas ganha o prêmio por conseguir se envolver num momento muito importante na vida de um casal. Boomer, mascote do Indiana Pacers, foi o responsável por revelar o sexo do bebê do ala Damien Wilkins com a sua noiva =)

O segundo lugar fica para a continuação da gravidez: Benny The Bull conseguiu se infiltrar na tradicional corrida de bebês do Chicago Bulls para colocar o seu filho para correr. TALVEZ tenha sido uma trapaça…

Aliás, méritos para o Bulls pela ESPETACULAR apresentação da Baby Race. Os jogadores mereciam bônus no contrato por se envolverem tão bem no esquema:

CLASSIFICAÇÃO GERAL

Coyote – 25 pontos

Benny – 20 pontos

Grizz, Hooper, Hugo, Clutch, Boomer, Franklin e Bango – 10 pontos

Jazz Bear– 5 pontos

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!