🔒Filtro Bola Presa #6

Boas histórias sobre Kobe Bryant vão pipocar ao longo da temporada. É seu último ano e ele vai dar um gazilhão de entrevistas e todos os jogadores vão ser peguntados sobre ele. Temos algumas para compartilhar nessa semana, mas aguarde porque isso tem tudo para ser uma seção quase fixa. É o nosso processo de luto, respeitem por favor. =(

Perguntado sobre quem foi o melhor defensor que enfrentou na sua carreira, Kobe Bryant listou vários caras que ficaram famosos por defendê-lo em alto nível: Raja Bell, Bruce Bowen e Ruben Patterson, o cara que se deu o apelido de Kobe-Stopper. Mas no fim das contas ele mesmo elegeu Tony Allen como o cara mais difícil de superar.

Falando como observador de fora, que não precisou sentir o suor de nenhum deles, acho que concordo, embora também colocasse Rip Hamilton na lista. Kobe sempre pareceu ser o oposto de LeBron James, ele se incomoda mais com os caras físicos, os que se arriscam e sempre tentam roubar a bola; LeBron, como muitos outros jogadores que gostam de infiltrar, ficam mais confusos com defensores conservadores que preferem cercar a ir lá meter a mão dentro do nariz dos outros. E entre os que incomodam, nenhum é mais insuportável que o Grindfather.

– Uma boa história que pipocou essa semana via a ótima Rachel Nichols envolve o último jogo de Kobe Bryant em Miami, ainda antes dele anunciar oficialmente a sua aposentadoria. Um dia antes da partida, Dwyane Wade foi ao centro de treinamento do Heat para fazer uma boa banheira de gelo. Mas chegando lá, surpresa: já tinha um outro All-Star lá dentro. Wade estranhou porque não é todo dia (ou não é nunca) que o Heat libera suas banheiras para adversários. Os dois ficaram conversando e Kobe perguntou se os filhos de Wade iriam ao jogo, o ala do Heat disse que não, mas Kobe logo o convenceu a deixar a lição de casa pra lá: “deve ser meu último jogo aqui”. Wade levou os meninos, que tiraram fotos com Kobe após a partida.


A temporada de Kobe Bryant, como é fácil de perceber, é a pior de sua carreira. Mas pelo menos tivemos dois momentos de velho Kobe até aqui: o quase triple-double na vitória sobre o Detroit Pistons, em Los Angeles, e as bolas decisivas na vitória sobre o Washington Wizards, fora de casa, na última semana. Kobe começou voando, sumiu e depois finalizou o jogo acertando todos os arremessos que fecharam o jogo. A torcida foi ao delírio, ignorando que era o time da cidade que estava sofrendo com aquilo. Sempre tão odiado, não imaginava uma turnê de despedida tão cheia de homenagens.

Mas ok, vamos ao dado bizarro: nesse jogo contra o Wizards foi apenas a TERCEIRA VEZ na vida de Kobe Bryant que ele fez duas cestas da virada no minuto final. Ele tem 15 minutos de game-winners na carreira, mas só outras duas vezes ele tinha virado um jogo duas vezes assim.


Chega de Kobe Bryant! Que tal falar de… Robin Lopez? O maior vilão dos mascotes em toda a NBA finalmente contou o que se passa debaixo daquela cabeleira. Ele disse que quando era jovem foi a um evento onde estava Thunder, o antigo (e ridículo) mascote do Golden State Warriors. Mas na hora de pedir o autógrafo à criatura, Robin, que tinha um problema de fala, disse que seu nome era “Wobin” ao invés de “Robin” e o mascote assinou seu pôster tirando sarro do coitado: “Para Robin, mas onde está o ‘W’?” Para piorar, o cruel Brook Lopez pendurou aquilo na parede do quarto dos meninos e Robin teve que olhar para o seu fracasso por anos a fio. Era o nascimento do maior vilão que o mundo dos mascotes já viu.

Nessa semana a vítima foi Bango, o mascote do Milwaukee Bucks. Calhou do New York Knicks visitar a cidade bem na “Star Wars Night”, então Bango pegou seu sabre de luz e partiu para cima de Darth Robin. O resultado é que Bango precisa de mais uma temporada em Dagobah…

Nessa semana também tivemos o primeiro Lopez Bowl em Nova York. Brook jogando pelo Brooklyn Nets, Robin pelo NY Knicks. Deu Knicks, e a mamãe Lopez conseguiu um jeito bem brega de ser neutra durante o jogo:

maxresdefault

Após a partida, onde o Knicks ESPANCOU o Nets, o técnico Lionel Hollins disse: “foi um pesadelo. Acho que todo mundo pode parar de falar em rivalidade, nós não chegamos sequer prontos para competir e eles pularam em cima da gente”. Ouch!


Lembram do GIF de Carmelo Anthony terminando uma maratona com a bola na mão antes de finalmente comentar o seu drible no Filtro da semana passada? Dirk Nowitzki também entra na briga no Troféu Marcha Atlética de Andada da Temporada:

Mas se na quadra ele foi desastrado, fora dela o alemão estava pegando fogo. Apenas vejam essa sequência ÉPICA de tweets.

É exatamente o que parece: Pau Gasol completou 1.000 jogos de temporada regular na carreira e pediu para seus seguidores mandarem suas jogadas de Gasol favorita ao longo dos anos. Dirk, muito maduro com seus 37 anos, mandou o vídeo de Nikola Vucevic enterrando e derrubando a FUÇA de Gasol no chão. O pivô do Orlando Magic ainda foi lá e ainda aprovou a decisão do alemão, que insistiu com Gasol que queria seu prêmio.

Eu te levo a sério, Gasol! A minha jogada favorita é essa aqui, quando você era o Vucevic e o Kevin Garnett era você. O mundo dá voltas…


Estamos temáticos hoje, não? Teve o momento Kobe, o momento Robin Lopez e agora Dirk Nowitzki. Não dá pra ignorar que ele passou por esse momento constrangedor….

Mas soube ser piadista no Twitter também quando esteve do lado errado do highlight


Tudo muito bonzinho, né? Jogadores dividem banheira de gelo, fazem brincadeiras saudáveis e se falam pela internet como garotas adolescentes que não olham nos olhos da mãe há 8 semanas. Ninguém mais briga nessa liga? Ninguém se odeia? Ninguém mais quer bater no Blake Griffin? Faça alguma coisa, Roy Hibbert. Brigue com TODO O TIME do Philadelphia 76ers se preciso

Mas LeBron, se for brigar com alguém, faça de um jeito onde pelo menos pareça que exista um motivo para isso. Não serve se a pessoa agredida fica mais confusa do que ofendida.


O jogo da semana, talvez da temporada, aconteceu em Miami entre o Heat e o OKC Thunder. Vejam só, pessoal: foram 11 empates e TRINTA E OITO mudanças de liderança ao longo da partida. O último jogo com tantas mudanças de liderança aconteceu em fevereiro de 2014, uma partida entre Blazers e Clippers que teve 40 trocas de líder em 48 minutos.

Foi nesse jogo também que Kevin Durant fez uma jogada que só alguém com sua envergadura e talento poderia fazer; e que Dwyane Wade decidiu o jogo, encantou a torcida, ENTERROU, mas ainda assim foi incapaz de impressionar seu filho pré-adolescente. Quem nunca, né?


Qual é seu jogador favorito? Steph Curry? Talvez James Harden, Anthony Davis ou mesmo um veterano como Paul Pierce, certo? Para alguns torcedores que foram assistir ao jogo entre Boston Celtics e Sacramento Kings na Cidade do México, a bola da vez é ela, a musa Kelly Olynyk.

É uma cultura diferente, gente, eles comem comida com pimenta, preparam o feijão errado, encaram a morte de um jeito bizarro, produziram o Chaves, adoram a Teresa Mendoza e tem um amor incondicional por um canadense cabeludo que nem é tão bom assim. Só nos resta respeitar o safadão de cada um.


Na última quinta-feira Kawhi Leonard acertou 7 arremessos de 3 pontos durante a vitória do seu San Antonio Spurs sobre o Memphão da Massa. Sabe quem foi o último jogador do Spurs a acertar 7 bolas de 3 pontos em um jogo? Sim, você sabe muito bem.

SAN ANTONIO, TX - JUNE 15: Matt Bonner #15 of the San Antonio Spurs reacts against the Miami Heat during Game Five of the 2014 NBA Finals at the AT&T Center on June 15, 2014 in San Antonio, Texas. NOTE TO USER: User expressly acknowledges and agrees that, by downloading and or using this photograph, User is consenting to the terms and conditions of the Getty Images License Agreement. (Photo by Andy Lyons/Getty Images)


Momento da estatística absurda do Steph Curry: já são 5 quartos (QUARTOS, não jogos) com ao menos 20 pontos nessa temporada. Ano passado o líder da NBA no quesito foi Russell Westbrook com 4 em todo o ano. O BBallBreakdown mostrou com detalhes como Curry conseguiu seus 28 contra o Charlotte Hornets no 3º período.

Mais recordes? Bora lá!
Steph Curry teve 102 bolas de 3 marcadas nos primeiros 20 jogos do ano. Antigo recorde: Antoine Walker com 75 bolas de 3 nos primeiros 20 jogos da temporada 2002-03

– Warriors tem um saldo de +308 pontos ao longo desses 20 primeiros jogos. Antigo recorde: +303 pelo NY Knicks da temporada 1969-70


Vivemos a era do Small Ball, com Draymond Green jogando de pivô de um lado do país e Jared Dudley passando uns bons minutos de pivô do outro. Mas o San Antonio Spurs cansou da zoeira: tem jogado devagar, alto e no garrafão. A arma secreta, porém, ainda não jogou pra valer. Sim, é hora do momento Boban Marjanovic no Filtro Bola Presa! Uma tradição já.

Nessa semana não temos ninguém marcando ele usando um REMO, mas bem que deveria. Ele foi para a D-League e simplesmente ANIQUILOU com tudo e com todos com 34 pontos, 13 rebotes e uma das assistências mais lindas que você vai ver saindo das mãos de um cara com mais de 2,20m de altura. Te desafio a assistir isso sem falar “uau” na hora da assistência e sem mandar um “com esse tamanho até eu”.

E lembram da Jimmer Fever? Jimmer Fredette também está na D-League, e está fazendo o que todos eu, você e todos fazemos quando pisamos numa quadra para uma pelada: imitando Steph Curry.

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!