🔒Filtro Bola Presa #75

Toda semana vivo um dilema ao começar o Filtro Bola Presa dos assinantes. Devo ou não devo listar mais recordes e feitos absurdos de James Harden? O ponto todo mundo já entendeu, mas os recordes se renovam sem parar. No fim das contas creio que seja obrigação moral desta seção listar marcas absurdas que estejam sendo quebradas pelo atual MVP, especialmente as mais tolas e aquelas que o pessoal cavuca lá nos confins do Basketball-Reference para achar. Um dia a HISTÓRIA irá nos agradecer.

Começamos com um recorde que Harden quebrou antes mesmo de entrar em quadra. Ele se tornou o  jogador com maior Over/Under de pontos nas casas de apostas dos EUA. Essa aposta é simples: a casa oferece um número de pontos e os apostadores devem botar dinheiro para acertar se ele vai ficar acima (over) ou abaixo (under) dessa marca.

Só que Harden está numa sequência tão absurda de pontuação que colocar esse Over/Under em 25 ou 30 pontos seria como dar dinheiro de graça para a galera. Para ficar difícil, então, antes do jogo do Lakers a marca foi estabelecida em absurdos QUARENTA E UM pontos! O pior é que ele ainda ficou no over, marcou 48.

Agora vamos em ordem crescente de pontos nos recordes do Barbão:

30 – James Harden chegou a VINTE jogos seguidos com 30 pontos ou mais, ficando atrás só das marcas absurdas de Wilt Chamberlain.

40 – O armador agora lidera a NBA entre os jogadores em atividade com 65 partidas de ao menos 40 pontos. Ele superou LeBron James (64). O terceiro da lista é Kevin Durant, com 55.

50 – Somando seus pontos e assistências, Harden produziu mais de 50 pontos em 19 jogos seguidos, maior marca da história da NBA

60 – Com os 61 pontos que marcou contra o NY Knicks nesta quarta-feira, ele se tornou apenas o QUINTO jogador da história a ter mais de um jogo de 60 pontos na carreira, juntando-se a Wilt Chamberlain, Kobe Bryant, Michael Jordan e Elgin Baylor.

Nesse jogo contra o NY Knicks, aliás, Harden se tornou o primeiro jogador da história a tentar ao menos 20 bolas de 3 pontos e 20 lances-livres no mesmo jogo. É o Harden se hardenizando mais a cada jogo que passa.

Para encerrar os números absurdos, que tal esse aqui? Nos jogos contra Memphis Grizzlies, Brooklyn Nets e LA Lakers, Harden somou RIDÍCULOS 163 pontos. Todos foram feitos SOZINHO, nenhuma cesta teve uma assistência de um companheiro de time:

Desde que a ESPN publicou esse número o Houston Rockets jogou mais vezes e… nada de assistências dos OUTROS para Harden. Já são DUZENTOS E SESSENTA E TRÊS PONTOS feitos sem passe do amiguinho. Como mostra o Tom Haberstroh, essa sequência é maior do que as maiores fases sem-assistência das carreiras de Kobe Bryant, LeBron James e Steph Curry… juntos.

Para finalizar, Scottie Pippen compartilha as suas ideias sobre como ele faria para tentar parar Harden:


DICAS DE LEITURA

Vamos ficar com Steven Adams porque o pivô do OKC Thunder rendeu duas histórias estranhas nessa semana. Uma delas, talvez, a mais estranha de TODAS: o Crunchyroll, serviço de streaming especializado em animes, começou uma campanha para levar Adams para o All-Star Game. O motivo? Ele é muito fã da série One Piece:

Em outro momento bisonho, o neozelandês tentava dar uma entrevista enquanto Russell Westbrook, do outro lado do vestiário, perguntava quem ele iria provocar e chamar para a briga hoje:


JOGADA BOLA PRESA DA SEMANA

Essa foi uma semana especial com três fortíssimos candidatos a Jogada Bola Presa DO ANO inteiro. A primeira veio de ninguém menos que Stephen Curry, que estava livre para uma bandeja (enterrada?) quando escorregou um dos escorregões mais escorregadios já escorregados por um escorregão. Era sabão puro! Ele ainda conseguiu se recuperar, pegar a bola, se posicionar para a bola de 3 e…

Depois do jogo Curry disse que iria “tentar algo que nunca tentou antes” mas que “o Senhor não permitiu”. Como cara bem humorado que é, ainda fez piada com si mesmo no Instagram:

Difícil pensar em algo que possa superar Curry, não é? Mas Kyle Korver estava inspirado. Depois de uma airball de Damian Lillard, Korver estava com tanta pressa para cobrar o fundo bola que não percebeu que a bola tinha caído DENTRO da quadra:

Mas quando parecia que a briga seria entre Curry e Korver, PJ Tucker chegou chutando a porta. Não só ele fez uma jogada BISONHA, mas também inexplicável. Eu entendo o que Curry e Korver PENSARAM na hora, mas o que Tucker tinha na cabeça quando isso aqui aconteceu? Até o Noah Vonleh ficou na dúvida se poderia pegar a bola:

O triste do ângulo desse vídeo é que só mostra o Eric Gordon ficando REVOLTADO, mas a reação do técnico Mike D’Antoni é melhor ainda:

Depois do jogo, o técnico disse que Tucker ficou confuso porque ele estava indo bater o fundo bola. Aí quando Gordon passou para ele, ele ficou na dúvida se deveria pegar a bola ou se deveria ir para fora da quadra e então colocar ele a bola em jogo. Não é o bastante para salvar sua pele, porém.

Em um Filtro normal daríamos mais atenção para o fato de Michael Beasley esquecer de colocar a bermuda de jogo, mas nesta semana ele foi superado:


DOENÇA DA SEMANA

Na semana passada uma pessoa com SARAMPO foi assistir a um jogo do Blazers em Portland e ajudou a espalhar a doença no Estado. Ao menos 19 pessoas foram infectadas na região do estado de Washington. Os EUA tiveram 349 casos da doença no último ano, o segundo maior número desde que a doença foi considerada erradicada do país em 2000.


ESTATÍSTICAS DA SEMANA

Em mais uma atualização dos líderes em cestas de cada ponto da quadra, temos ainda Giannis Antetokoumnpo dominando o garrafão e James Harden na linha dos 3 pontos, mas caras novas surgiram: Steph Curry agora compartilha uma das zonas mortas com PJ Tucker e D’Angelo Russell aparece para dividir a média distância com a dupla do San Antonio Spurs e Kevin Durant:

E para detalhar o quanto Giannis está dominando o garrafão, olha só a diferença dele para o resto da NBA no total de enterradas criadas sem assistência, é quase um Harden das cravadas. Geralmente quem enterra tanto é tudo vindo de ponte aérea dos amiguinhos, mas não o Greek Freak:

Pausa para mudar de esporte: o tenista grego Stefanos Tsitsipas ouviu um grito de “Greek Freak” durante sua entrevista coletiva após vencer as quartas-de-final do Aberto da Austrália, mas não aceitou o apelido. Disse que eles precisavam de Giannis por lá:

Voltando aos números, olha esse que legal: o Orlando Magic é o time que mais vezes perdeu um jogo em que abriu 15 pontos de vantagem. Aconteceu SETE VEZES! O Dallas Mavericks amarelou 5 vezes. O único time a não perder um jogo após abrir frente tão larga foi, claro, o Washington Wizards (?!?)

Todos estavam ansiosos para a estreia de DeMarcus Cousins na última sexta-feira. Foi legal, mas foi RÁPIDO. Ele cometeu SEIS FALTAS em apenas 15 minutos de quadra. Foi a 50ª vez na carreira que Boogie foi eliminado com 6 faltas num jogo. É o  mais que o DOBRO do que o segundo com mais eliminações desde 2010-11, quando Cousins estreou na liga:

FRASE DA SEMANA

Após todo o AUÊ em volta da sua estreia, DeMarcus Cousins disse que: “Foi o amor mais falso que já vi na vida. Não sei como Steph e Durant aguentam”

OUTRA FRASE DA SEMANA

Líder da NBA em aproveitamento de 3 pontos, o letão Davis Bertans disse que só acertar arremessos não era o bastante para ele jogar no San Antonio Spurs:

Uma das primeiras coisas que Pop me disse foi que eu poderia jogar na NBA com ataque que eu tinha, mas que precisaria defender para ser jogador dele


ALFACE DA SEMANA

Após o documentário What The Health viralizar no mundinho da NBA há alguns anos, vários jogadores viraram vegetarianos ou veganos. Alguns pensaram nos animais, mas a maioria na saúde e no desempenho como atleta. Entre os que mudaram estão Damian Lillard, Kyrie Irving, Jahill Okafor e Wilson Chandler, o mais militante do grupo.

Nesta última semana o CloseUp360 fez uma grande matéria com o mais alto do grupo vegano da NBA, o pivô DeAndre Jordan. Ele diz que a oferta de lugares para comer caiu muito ao mudar de Los Angeles para Dallas, mas que já descobriu os seus locais favoritos. Tem indicações dos favoritos dele na matéria, caso alguém esteja a caminho do Texas.

Captura de Tela 2019-01-23 às 8.13.31 PM

O pivô do Clippers fala que os jogadores encararam a mudança bem, mas que sua mãe ficou preocupada achando que ele poderia perder muito peso e energia no processo. Ele também conta que está investindo na Beyond Meat, uma empresa que desenvolve produtos que substituem a carne na dieta.


#VOLTATEMER DA SEMANA

Frustrados com o time medíocre que são obrigados a ver toda semana, os torcedores do New York Knicks resolveram apelar para a arte da ironia. Resolveram relembrar os bons velhos tempos em que eles também eram ruins. Durante a derrota para o OKC Thunder, a torcida entoou um canto de “Ray-mond Fel-Ton”. O armador se divertiu e entendeu a brincadeira, ao contrário de alguns ex-presidentes que levaram a campanha do #Volta como se fosse coisa saudade real:

Em outro jogo, Felton se mostrou preocupado com a estrela do time, Paul George, que não parava de colocar a mão na cabeça. Estaria ele com dor de cabeça? Não, PG13 só queria ficar com o cabelo arrumadinho:


TORCEDORES DA SEMANA

Em Milwaukee, um solitário torcedor do Dallas Mavericks ficou INDIGNADO quando Luka Doncic caiu em cima de uma fotógrafa após ser levemente empurrado por George Hill. Enquanto o novato conversava e se desculpava com a profissional, o cara começou a gritar “ELE ESTÁ TENTANDO MACHUCAR MEU ROOKIE”

Em Atlanta, a sempre divertida Kiss Cam acabou com um torcedor fazendo a cara que todos fizemos em casa:

Por fim, um fã do Sacramento Kings quis ajudar Harry Giles com um gole de cerveja no meio do jogo. Legal, mas ilegal. O ala tem apenas 20 anos, um a menos do que a idade mínima para começar a beber no país:

Não culpo o torcedor, Giles age como se fosse mais velho. Só IDOSO mumifica o joelho desse jeito no meio de um jogo:


CONSTRANGIMENTO DA SEMANA

Após vencer por pouco o New Orleans Pelicans, Blake Griffin resolveu criticar seu Detroit Pistons na entrevista pós-jogo. Disse que até estava feliz por vencer, mas que isso só iria mascarar os erros do time e de como eles não saber fechar jogos. O clima pesado foi então interrompido por um piadista Reggie Jackson. Torta de Climão nível 100:

Lembrou muito aquela entrevista do técnico Stan Van Gundy no Orlando Magic, quando ele critica Dwight Howard que, sem saber o assunto da conversa, interrompe tudo para fazer brincadeiras com o treinador. Um clássico do climão:


COMEMORAÇÃO DA SEMANA

Uma dessas derrotas do Pistons foi em casa para o Sacramento Kings. Buddy Hield se embananou com a bola, achou um espaço, ganhou o jogo e simplesmente SAIU CORRENDO como se não houvesse amanhã e o chão fosse lava:


TÁTICA DA SEMANA

O ala Kyle Kuzma corre o risco de se tornar apenas o QUARTO jogador da história da NBA a acertar menos de 30% das suas bolas de 3 pontos ao mesmo tempo que chuta mais de 6 bolas de 3 por partida. O canal SilverScreenAndRoll fez uma interessante análise dos seus arremessos para tentar explicar porque ele piorou tanto no chute de longa distância em relação ao ano passado:


TROCA BIZARRA DA SEMANA

Na NBA você não pode simplesmente mandar um jogador para outro time, é necessário haver uma troca. Pode ser uma escolha de 2ª rodada com proteção Top 55 de 2023, mas tem que ser alguma coisa. Muitas vezes os times contornam essa regra enviando os “direitos sobre um jogador” numa negociação, o que na prática é mandar NINGUÉM. Muitos jogadores não-americanos são escolhidos no fim do Draft e não vão para a NBA, mas seus direitos seguem ligados a um time que ficará com ele se um dia o cara mudar de liga. Uns fazem essa mudança no ano seguinte, outros depois de três anos, alguns nunca vão.

Mas mesmo que o cara nunca vá para a NBA, seus direitos ficam lá com a franquia até que a equipe abra mão deles. Por isso que a troca de Carmelo Anthony do Houston Rockets para o Chicago Bulls envolve nomes que nunca ouvimos falar como Jon Diebler e Tadija Dragicevic. Segue abaixo a lista com os jogadores mais VELHOS a ainda terem seus direitos ligados a um time:


PICUINHAS DA SEMANA

A briga entre Devin Booker e Gorgui Dieng pode ter sido a mais 5ª série desde o caso dos túneis secretos do Staples Center. Os dois se desentenderam em quadra, bateram boca, foram expulsos e mandaram um “te pego na saída então, otário”. Cada um foi obrigado a sair por um túnel, mas fizeram questão de correr para fugir dos seguranças.

O que dizem é que Dieng chegou a brigar com dois seguranças e conseguiu chegar perto do vestiário do Phoenix Suns, mas que Booker não estava lá e nada de mais aconteceu. Aproveito o momento para lembrar que Dieng é um atleta profissional de 29 anos de idade que estava em seu local de trabalho.

Uma briga mais saudável e não-violenta se deu entre Russell Westbrook e Jusuf Nurkic. Mas não por isso ela foi menos INFANTIL. Aumente o volume por aí para ouvir a incrível Batalha das Risadas Sarcásticas:

Depois do jogo, Westbrook se recusou a responder uma pergunta sobre “esse palhaço”, ao que Nurkic retrucou no Twitter chamando o rival de “Westbrick”,  juntando o nome do inimigo da 6ª Série B com a palavra “tijolo”, apelido que a internet usa para falar do péssimo aproveitamento de arremessos de Westbrook.


MASCOTES POWER RANKING

Os 10 pontos dessa semana vão para Benny The Bull, que conseguiu o que nenhum outro mascote alcançou nesta temporada. Ele trocou de camisetas com Dwyane Wade na partida contra o Miami Heat e ainda foi chamado de “lenda”:

Durante seu tour de despedida, Wade tem trocado camisas com as estrelas do outro time ou com algum jogador que tem uma história e um relacionamento com ele. Pode colocar Benny nessa lista aí!

Os 5 pontos vão para dois mascotes. O primeiro é Rumble, do OKC Thunder, por sua simplicidade: adoramos as coisas super trabalhadas, mas o trabalho de um mascote precisa durar o jogo inteiro. É importante usar estratégias simples e fáceis de fazer, como assustar a repórter do time visitante:

E mais 5 pontos para o GORILA do Phoenix Suns, que parece estranhamente familiar nessa luta contra o Crunch, mascote do Minnesota Timberwolves:

RANKING

Bango – 45
Franklin e Benny – 25
Raptor – 20
Grizz e Coyote – 15
G-Wiz, Hugo, Crunch, Rumble, Stuff e Clutch – 10
Champ, Gorilla, Harry, Chuck, Moondog e Rocky – 5


MAIS MASCOTES DA SEMANA

Achou que tinha acabado a pelúcia? Achou errado, admirador de animais que representam entidades, clubes e ideias. Sou moralmente obrigado a utilizar este espaço para compartilhar duas coisas sensacionais envolvendo nossos amados bichinhos. Primeiro esse FIO no Twitter onde o Impedimento traz os mais incríveis mascotes do futebol brasileiro.

Tem tamanduá (rival do time cujo mascote é uma FORMIGA), uma feiticeira, um jacaré andando de moto, um HOMEM PEDRA, um fantasma bombado, uma zebra bombada, um SOL e até uma IGREJA COM BRAÇOS E PERNAS. Repito: uma IGREJA com braços e pernas.

Mas minha história favorita vem do Japão, país que tem até curso para mascotes. Lá algumas cidades têm mascotes oficiais, que participam de eventos da cidade e promovem campanhas como um Zé Gotinha menos segmentado. Acontece que em Susaki, alguém criou um mascote igual ao original, mas que ao invés de educar e entreter a população, faz pole dance e VIRA CARROS:

As pessoas começaram a confundir o rebelde Chiitan com o oficial. E diante de tantas reclamações de cidadãos indignados com o mau exemplo do suposto mascote da cidade, o prefeitura decidiu que era melhor simplesmente acabar com o posto. O New York Times explica:

Depois de receber mais de 100 reclamações de todo país sobre o comportamento de Chiitan, a cidade desistiu de renovar o contrato de Embaixador do Turismo do mascote real. Publicações em redes sociais viralizaram dando a entender que o mascote real tinha sido demitido porque a cidade havia abraçado o comportamento do mascote fora da lei, o que não é verdade.

A história rendeu uma matéria na CNN com participação de Chris Callier, criador da conta MondoMascot que segue o mundo dos mascotes japoneses:

Se isso não fez o seu dia mais feliz, nada fará.

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!