>O Atlanta Hawks não é mais piada

>

Joe Johnson é mala


E não é que o Atlanta Hawks é um time de verdade?
Estava esperando o jogo chave contra o Celtics para ter uma opinião mais bem formada sobre o Atlanta Hawks e apesar da derrota eles definitivamente ganharam muitos pontos comigo e com qualquer um que os viu jogar nessa temporada. Estão parecendo um time de verdade que vamos ver dando dor de cabeça pra muita gente nos playoffs.
Fazer julgamentos assim no começo da temporada é sempre perigoso, mas quem disse que a vida de blogueiro palpiteiro é fácil? Tem que se arriscar. Por exemplo, no ano passado vimos o Portland Trail Blazers ter um começo de temporada ótimo, 13 vitórias seguidas no meio do campeonato e depois vimos eles caírem na realidade de que eles não eram um time pronto para os playoffs.
Com o Hawks pode acontecer a mesma coisa, mas pelo jeito que eles estão jogando eu não acredito nisso. Meu embasamento vem de uma teoria que eu tenho de que ataques não são confiáveis mas que defesas são. Explico: todo mundo tem sua boa fase no ataque, volta e meia algum jogador bizarro tem uma sequência de 5 ou 6 jogos com pontuações fora do comum ou jogadores medianos tem uma temporada de boas marcas em pontos, isso acontece. No ano passado vimos um bom exemplo disso quando o Damien Wilkins começou a temporada fazendo quase 20 pontos por jogo e depois voltou ao normal, alguns anos atrás tivemos o Mike James com uns 19, 20 por partida e hoje ele se mata pra fazer meia dúzia no Hornets.
Como time temos o caso do Bulls. Em um ano eles eram uma máquina de arremessos certos, Hinrich, Deng e Gordon fizeram 4 a 0 no então campeão Miami Heat e eram o time do futuro. Aí todo mundo se deu conta de que não precisavam marcar o garrafão deles e era só contestar os arremessos e atacar as linhas de passe e já era o Bulls, nem para os playoffs foram.
Em resumo: jogadores medianos conseguem boas marcas ofensivas de vez em quando e times limitados conseguem, muitas vezes pelo elemento surpresa, marcar muitos pontos. Mas quando estes ficam conhecidos, perdem seu poder.
Enquanto isso, quem sabe defender sabe defender e pronto. Arremessadores costumam ter seus dias bons e ruins, defensores não têm esses problemas, quem defende bem, defende bem sempre e quem defende mal tá sempre tomando vareio (e aí Nash, beleza?). Por isso, times que defendem bem estão sempre com boas atuações defensivas, que muitas vezes salvam o time em dias ruins do ataque.
E o Hawks nesses primeiros jogos foi um ótimo time defensivo. Eles obviamente sentem falta do melhor jogador defensivo do time, o Josh Smith, mas eles aprenderam a não viver só dos tocos do Josh, eles defendem como um time, contestam arremessos e pressionam bastante os armadores adversários. O problema principal da equipe está apenas nos rebotes, já que é o time que mais sofre com rebotes ofensivos dos adversários (13,6 por jogo!) mas o número deve baixar com o passar dos jogos e com a volta do Josh.
O técnico do time, Mike Woodson, atribui essa melhora defensiva do time à série de playoff do ano passado contra o Boston, quando o Hawks levou o Celtics a 7 partidas.
Eles sabiam, depois daqueles dois primeiros jogos em Boston, que era daquele jeito que o jogo deveria ser jogado. E então viemos para casa e jogamos do jeito que eles jogaram contra a gente. Foi uma ótima bagagem que trouxemos para esse ano porque eles sabem que foi a defesa que deu ao Boston a vitória e a única chance que nós temos é se defendermos e pegarmos os rebotes também.
As palavras dele dizem quase tudo, o Joe Johnson completou com algo também importante:
Nós acreditamos na gente. Acho que aquela série contra o Boston realmente nos deu confiança. Nós olhamos todos os jogos com olhos diferentes agora. Estamos mais focados, mais intensos, mais em sintonia com o que está acontecendo à nossa volta.
A fórmula é simples: confiança no jogo + vontade de defender + aprender a defender é = a um time competitivo. Para completar a mistureba, faltava um ataque mais confiável. Afinal, no ano passado as opções de pontuação já eram poucas e nesse ano eles perderam Salim Stoudemire e Josh Childress.
A solução dos problemas começou com os próprios jogadores. O Bibby está parecendo mais o jogador que era nos tempos de Kings e está jogando muito bem no setor ofensivo, seja como organizador ou como pontuador, o Joe Johnson é hoje um dos melhores jogadores da NBA na posição 2, talvez atrás apenas de Kobe e Wade. E o Horford tem tido seus dias bons ofensivamente, ele ainda pode fazer 25 ou 5 pontos em um jogo, mas só por ter um topo de 25 já é uma melhora em relação ao ano passado.
Mas a grande mudança veio do banco de reservas. No ano passado o único impacto que o Hawks tinha do banco era o Josh Childress, que é um puta jogador, mas que nunca foi grande pela sua pontuação. Hoje, em compensação, eles têm o Mo Evans e o Flip Murray.
O Flip Murray não sabe jogar basquete, sabe fazer pontos. Simples assim. Nasceu para vir do banco, pegar a bola, meter uns 14, 15 pontos e voltar pro banco pra tomar Gatorade, o sexto homem perfeito.
Já o Mo Evans faz um trabalho defensivo ainda melhor que o Childress e se não tem a habilidade de criação de jogadas que o cabeludão, tem um arremesso de 3 muito melhor, o que nos leva a outro ponto muito interessante do Hawks.
Lembram um tempo atrás quando o Salim Stoudamire entrava no jogo só para chutar de 3? Eu lembro claramente (preciso achar os boxscores!) de jogos em que o Atlanta nem bola de 3 acertava. Mas hoje eles tem o melhor aproveitamento de bolas de 3 na NBA inteira! Nada de Suns, Nuggets, Warriors ou Orlando, a melhor marca é do Hawks.
São 42,4% de acerto nos arremessos com uma média de 9 bolas certas por jogo. Créditos para o Mo Evans, Flip Murray, Joe Johnson, Mike Bibby e Marvin Williams. Marvin Williams?
Até o ano passado o rapaz tinha um epíteto no nome. Tinha Alexandre, o Grande, Pepino, o Breve e Marvin Williams, o que foi draftado antes do Chris Paul. Mas hoje já consegue ser destaque no Atlanta e peça muito importante no ataque do Hawks. Nos 6 primeiros jogos da temporada ele chutou 11 bolas de 3 e acertou 8! Ontem contra o Celtics ele acertou todas as 4 que tentou, espetacular!
No jogo de ontem contra o Celtics deu pra ver tudo isso o que eu disse. Boa defesa, ataque forte, dividido entre bons jogadores, as bolas de 3, o Joe Johnson fora de série e tudo mais. Mas deu pra ver também que o Celtics faz tudo isso e faz um pouco melhor ainda. E que se Joe Johnson é um dos melhores jogadores da posição 2, o Paul Pierce é na posição 3. Vejam só o que ele fez no último segundo do jogo:
Oficialmente o Bola Presa deixa de transformar o Hawks em piada. Na hora de nos referirmos a um time medíocre, vamos usar o Thunder.
Exemplo: O Sasha Vujacic é muito ruim, mas seria titular no Thunder.
ou
Até meu time do colegial onde o Danilo era pivô ganhava do Thunder.
ou ainda
O Dwight Howard jogando ao lado de 4 anões pernetas venceria o Thunder.
Essa última afirmativa é até bem realista. Ontem o Superman Dwight meteu um triple-double contra o Thunder com alguns números dignos de um time inteiro: 30 pontos, 19 rebotes e 10 tocos. Para se ter uma idéia, os quatro titulares não chamados Duncan do Spurs somaram: 14 pontos, 1 toco e 13 rebotes.
A NBA deveria suspender o Johan Petro já que ele não teve a dignidade de se aposentar ontem à noite depois da partida.
Ontem ainda tivemos muitas outras grandes atuações. Brandon Roy e Rudy Fernandez jogaram muito contra o Wade, que fez isso. O Chris Paul fez um Dwight Howard dos pequeninos ao marcar 30 pontos e dar 13 assistências e o Kobe fez uma cesta fora do comum para selar a vitória do Lakers contra o Hornets. A bola, um arremesso dificílimo na cara do Posey, foi comentado depois pelo próprio Kobe:
“Eu só queria acertar um arremesso bem na cara dele.”
O espírito olímpico ainda está presente em Kobe Bryant.
Mas entre tantas estrelas e atuações geniais e uma boa briga, vocês preferem o quê? Imaginando a resposta eu deixo o melhor para o final e aqui está o vídeo da treta entre o Rafer Alston e o Matt Barnes. Quem diria que o Artest não estaria presente na primeira briga do Rockets na temporada….

Detalhes legais do vídeo:

– O Barnes provocou e merecia uns tapas mesmo.
– O Nash ou é o pior separador de brigas da história ou foi lá causar mais confusão. Quem diria que ele é um brigão?
– O Shaq venceu a luta ao empurrar, em sequência, T-Mac, Yao e um grupo de umas 9 pessoas.
– No final o Yao afaga a cabeça do Alston como quem diz “bom menino”. Tocante.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!