>O pior do ano (mas não da história!)

>

Você também usaria se torcesse para o Nets. Ou se fosse feio como o Calvin Booth.

Não sei explicar direito o porque, mas assisti vários jogos do Nets nessa temporada. Não sei se é porque eu me sinto culpado por ser um pecador e acho que mereço ser punido, se é pra rir da desgraça alheia ou se é pra tentar entender como um time com um elenco daqueles consegue lutar até as últimas semanas da temporada para não ter a pior time de todos os tempos.

Talvez seja um pouco das três coisas, mas mais pela última. O Devin Harris está longe de ser o melhor armador da NBA e vai estar na lista do prêmio Monstars de jogadores que mais desaprenderam a jogar na temporada, mas ainda assim é um tremendo jogador, o Brook Lopez tem vaga garantida como pivô no All-Star Game todo ano, é só jogar em um time que não vença menos jogos que o Washington Generals. E sem contar jogadores bons e legais de assistir como Chris Douglas-Roberts, Courtney Lee, Yi Jianlian e o novato Terrence Williams, que dá algumas das enterradas mais legais da NBA atualmente. Tudo isso junto monta um time interessante, preciso assistir pra tentar achar uma explicação para o fato deles serem mais fedidos que o Rio Pinheiros.
Mas antes de explicar porque o time é ruim, gostaria de achar uma explicação sobre porque as pessoas vão até o ginásio do Nets, o IZOD Center, que dizem que fica perto de um lixão e longe de tudo, e pagam para assistir esse lixo de time (um time lixo do lado de um lixão, que mundo irônico, não?)? Eu estou em casa, entediado e sem muitas opções do que fazer, mas e eles? Será que o Nets tem uma Gaviões da Fiel que está com o time em qualquer situação (desde que o preço dos Tacos dentro do ginásio ainda seja bom)? Pode ser, mas toda torcida apaixonada assim cedo ou tarde vai começar a reclamar.
No começo da temporada ficou conhecida a foto de dois torcedores do Nets que apareceram em um jogo com um saco de papel na cabeça com os dizeres “0-18”, indicando as 18 derrotas e nenhuma vitória do time no campeonato, e escondendo a cara de vergonha por ser um fã do Nets. Veja a foto aqui.
E eis que no jogo contra o Heat, três jogos atrás, apareceu mais um cara com um saco na cabeça, mas dessa vez sem nada escrito. É a foto que ilustra nosso post. Apenas ficou parado assistindo ao jogo e escondendo sua cara para que ninguém soubesse que ele torce para o Íbis da NBA. O episódio teria passado em branco se não fosse por um cara chamado Brett Yomark, o CEO do New Jersey Nets. Bravo com a atitude do torcedor, foi até ele e perguntou “Por que você está com um saco na cabeça?”, a resposta foi curta, seca: “Porque é o Nets é tãaao bom”. O cara de terno e gravata, chefe de operações e executivo importante do time perdeu a compostura, mostrou o dedo do meio para o torcedor e foi embora. Tudo do lado de um monte de jornalistas e outros torcedores.
Mas não é que a cobrança do torcedor e a polêmica em torno da reação do CEO foram seguidas de duas vitórias? Faltava motivação? Reclamação? Acho que o fato serviu para lembrar todos os jogadores que a temporada estava chegando no fim, a água estava chegando na bunda e que daqui a pouco quem teria que usar sacos na cabeça seriam eles, por estarem no pior time de todos os tempos.
Analisando o monte de jogos que eu assisti do Nets, a minha conclusão mais clara é a de que eles não são sempre ruins, mas não tem idéia de como ganhar um jogo. Durante três quartos eles são ruins como qualquer outro time ruim do Leste, como o Sixers ou o Knicks, mas no quarto período eles fazem uma bobagem atrás da outra e perderiam até para o time meu e do Danilo que disputava os saudosos Jogos Escolares de São Bernardo. Cansei de pensar que ia presenciar uma vitória do Nets e só ver eles forçando arremessos de três em horas impróprias e tomando cestas fáceis e bobas no minuto final. Qual a solução para um time assim?
O Bucks, que tinha sérios problemas ofensivos em quartos períodos, se arrumou trocando pelo John Salmons, que começou a tomar conta dos jogos nos minutos finais. Mas como o Nets não tinha a defesa do Bucks e nem tentou contratar ninguém, a solução era mais complicada, era vencer o jogo em três quartos. Foi o que fizeram contra o Kings.
Faltavam 12 jogos para o fim da temporada e nesses jogos eles precisavam de 2 vitórias para igualar a marca do Sixers de 1973, o time com menos vitórias em uma temporada na história, ou 3 para se livrar dessa sina. O jogo era em casa e o Kings estava sem Tyreke Evans, machucado, a chance era de ouro e eles aproveitaram. Jogaram os três primeiros períodos com uma baita vontade, com medo da marca histórica e bastou esse empurrãozinho para que entrassem no último quarto vencendo por 9. Com essa vantagem, em casa e contra um time que estava sem o jogador que faz tudo no último período não tinha como perderem.
O jogo seguinte foi contra o Detroit Pistons. Um jogo que eu não assisti porque tenho amor à vida. No nosso Twitter até desafiei as pessoas a assistirem os 48 minutos de jogo, sem trocar de canal e sem vomitar, duvido que alguém tenha conseguido. A partida era novamente em casa e contra um time que está numa fase horripilante. Dessa vez não vencerem em três quartos, muito pelo contrário, o melhor período foi justamente o último! Marcaram 38 pontos no período final, o Yi Jianlian dominou o fim da partida e eles defenderam tão bem durante todo o jogo que marcaram 21 pontos de contra-ataque, quase 10 a mais do que a média deles na temporada. E não dá pra não mencionar os 37 pontos do Brook Lopez, marca máxima da sua carreira.
Tá bom que o adversário foi um lixo, mas o mínimo que a gente esperava do Nets na temporada era isso, que eles tivessem um time bom o bastante para ganhar de outros times ruins. Só isso! Nada nunca vai explicar porque eles perderam de tantos times horríveis durante essa temporada, porque entregaram tantos jogos nos minutos finais. E essas duas vitórias seguidas contra times ruins só mostram que a maior parte do problema estava na cabeça dos jogadores, bastou um pouco de vontade, aquele “sentido de urgência” por vitórias que todo mundo buscou o melhor do seu jogo.
A melhora do Nets foi acompanhada da melhora de humor do CEO que mostrou o dedo para o fã com o saco na cabeça. Já na partida seguinte ele fez uma promoção no IZOD Center: Todo torcedor que tivesse um saco na cabeça seria abordado por funcionários do ginásio e ofereceriam para eles um pacote de presentes que tinha um poster do time, um pacote com cards da NBA e uma mensagem dizendo “Obrigado por nos deixar ver a sua cara. Esperamos vê-la mais vezes em partidas do New Jersey Nets”. Quem tirasse o saco, levava o presente. Podem levar o case para suas aulas de marketing, crianças.
Hoje tem mais um jogo e mais um adversário em fase lamentável, o Bulls. Eu aposto em mais uma vitória do Nets, assim como aposto em mais vitórias deles até o fim da temporada. Nos seus jogos finais ainda pegam o Bulls mais uma vez e o Wizards, dá pra ganhar numa boa. Também apostaria que eles poderiam vencer o Pacers, mas não vou falar nada porque, sem ninguém perceber, o Pacers tem 5 vitórias seguidas! Atualmente é a maior sequência de vitórias do Leste e a segunda maior da NBA, perdendo apenas para as 6 seguidas do Suns.
Explicar a mini-ressurreição do Nets não foi fácil, mas eu tentei nesse post. A do Pacers eu nem me arrisco a chutar! O Indiana tem o segundo ritmo de jogo mais rápido da liga (perde só para o Warriors), mas tem só o 3º pior ataque da NBA, ou seja, é um Warriors que não sabe atacar. Além disso de uma zica Clipperiana que faz com que trocentos jogadores fiquem se machucando um atrás do outro e de maneira bizarra, foi primeiro o Mike Dunleavy, depois o TJ Ford, Jeff Foster e o Roy Hibbert conseguiu machucar a mandíbula!
Mas o destaque na área médica vai para o Tyler Hasnbrough. Ele só jogou 29 jogos na temporada, sua última partida foi em 16 de janeiro e desde então ninguém sabe o que ele tem. Alguns médicos dizem que é uma infecção no ouvido, mas ninguém tem certeza, o cara não pode ser curado porque não sabem o que tratar. Rumores dizem que o Dr. Foreman acha que é câncer, o Taub acha que é uma doença auto-imune, o House acha que o Hansbrough está mentindo e todo mundo sabe que não é Lúpus.
Para vocês que estão afim de um jogão entre dois times quentes, anotem aí, dia 10 de abril tem Nets x Pacers, você ousa perder essa partidaça? Tá, confesso, não conseguir manter a cara séria enquanto escrevia isso.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!