>Só vou opinar depois de ver mais jogos

>

“Isso aê, timê!”

Sábios são os 22 indivíduos que responderam nossa enquete ao lado com os dizeres “Só vou opinar depois de ver mais jogos”. Realmente a lua de mel do Knicks com os seus torcedores durou dois dias e o time viu ontem o que pode vir a ser sua realidade.
Ainda é cedo para ter certeza de qualquer coisa, eu sei, mas eu tenho um blog sobre NBA, então preciso comentar todo dia sobre o que está acontecendo, seja o primeiro ou o último dia da temporada. Então tudo o que eu disser já vem com um “mesmo sendo apenas o começo da temporada” implícito, ok?
Ontem o Knicks tomou um sapeca-iá-iá do Sixers e marcou apenas 87 pontos. Bem diferente do time que atropelou o Heat e marcou 120 ainda nessa semana. O que isso quer dizer?
Pode não querer dizer nada, claro, mas pelos talentos do time do Knicks e lembrando do Suns do técnico D’Antoni, podemos chutar algumas coisas com um mínimo de embasamento. Embasamento, não embaseamento, isso é pro Josh Howard.
O Suns do D’Antoni tinha dias ruins, como qualquer outro time. Mas dificilmente tomavam pau como o Knicks tomou ontem. É normal para times velozes, que abusam das bolas de 3 pontos, ter dias ruins, aqueles em que a bola não cai nem com reza braba. Nesses momentos o Suns tinha uma jogada básica, era o pick-and-roll do Nash com o Amaré Stoudemire, que resultava em arremesso do Nash, bandeja do Nash ou com o Amaré Stoudemire envergonhando alguém no garrafão. Em outras palavras, o Suns tinha uma jogada para casos de emergência.
Mas pensa bem, qual é a jogada que o Knicks pode fazer? Tem a opção “Buraco Negro” de jogar a bola pro Zach Randolph (que fez boa estréia!) e ver o que ele faz pra se virar, ou então isolar o Jamal Crawford. Mas não é a mesma coisa. Talvez com o passar da temporada eles ganhem uma jogada mais confiável, mas sem nenhum talento individual do nível de Amaré e Nash fica mais difícil.
O jogo de ontem foi fora de casa e como fã do Sasha Vujacic eu sei que tem muito arremessador por aí que fica com bracinho de tiranossauro rex quando joga fora de seus domínios. Ontem foram 10% a menos de aproveitamento nas bolas de 3 e 16% a menos nos arremessos em geral. É fora de casa em que os times costumam depender mais de suas grandes estrelas e o Knicks ainda não tem um talento em especial ao qual o time corre nos tempos difíceis.
O Suns do D’Antoni sofreu sempre com jogadores de garrafão. O Amaré Stoudemire nunca foi um primor defensivo e várias vezes eles tinham que apelar pro Shawn Marion pra marcar caras enormes. Esse problema resultou na contratação do Shaq, como todos lembram. Ontem vimos como o Knicks é bem parecido com o Suns ao defender o garrafão, o Elton Brand se refez depois de uma estréia mais ou menos e meteu 24 pontos, 14 rebotes e 3 tocos em cima do garrafão indefeso do NY. Enquanto o ataque está aparando arestas, não seria nada mal a defesa conseguir segurar alguma coisa.
Mas tudo bem, no geral está bom. Uma vitória dentro de casa e uma derrota fora não é um mal começo para um trabalho completamente novo no Knicks. Se fosse só por isso o time já seria divertido de acompanhar, certo? Jogadores novos, técnico novo, sistema tático completamente diferente, torcida impaciente e um time tradicional. Mas não é só isso, no Knicks nunca é só isso.
Nesses dois primeiros jogos o Stephon Marbury e o Eddy Curry, dois dos maiores salários e sem dúvida os jogadores com mais nome no elenco, não jogaram um minuto sequer! E os dois estão bem fisicamente. Quer dizer, o Curry está igual sempre, mas poderia jogar. No primeiro jogo os dois ficaram no banco, mas não entraram, receberam o famoso “DNP-CD” (Did not play – coach’s decision ou “Não jogou – decisão do técnico’) no boxscore da partida. Mas no jogo de ontem o Marbury ainda foi promovido à “Inactive List“, a lista dos jogadores que nem são listados para ficar no banco de reserva! Ou seja, ficou de terninho vendo o time apanhar do Sixers.
Foi uma resposta bem forte do Mike D’Antoni para a torcida do Knicks que gritava “Nós queremos Steph!” durante o jogo contra o Miami no meio da semana. O técnico demonstrou com essa atitude que não está nem um pouco interessado em usar o armador tão cedo.
Com isso, obviamente, começaram os boatos. Já não precisa de muito pra ter boataria na NBA, imagina com uma coisa dessas. As últimas “notícias” dizem que o Eddy Curry está para ser trocado, o Knicks só está esperando um doido aparecer e que uma opção seria o Golden State Warriors, já que o Al Harrington pediu para ser trocado.
Mas o Al Harrington está jogando bem pelo Warriors, com muitos minutos e permissão para arremessar quando quiser. Ontem ele até fez um arremesso de 3 (um dos 12 que ele tentou) espetacular no fim do tempo normal do jogo contra o Raptors que lembrou muito aquele famoso arremesso do Horry contra o Kings em 2002.
O Al Harrington no Knicks faz sentido. Ele arremessa de longe, está acostumado a jogar na correria e rende bem por lá. O que não faz sentido é o Don Nelson, que já tem um pivô bom, o Andris Biendris, querer o Fat Curry. Deve ficar só nos boatos mesmo.
Ainda sobre o Al, o que estão dizendo hoje é que o Pacers está interessado nele! O Pacers! Ele já jogou lá duas vezes! Eles querem quebrar o recorde do Antoine Walker e do Celtics de mais vezes um cara ser trocado e voltar para o mesmo time. Que patético.
Para o Marbury não tem nada de boato ainda, ninguém quer encarar os 20 milhões por ano que ele ganha. O que se diz é que se o Knicks der um “buyout” no contrato dele, ou seja, pagar tudo de uma vez e transformar o cara em um jogador com passe livre, o Miami estaria interessado em levá-lo para a Flórida.
Vamos ver, o Knicks tem tudo para ser uma das novelas mais divertidas de se acompanhar nessa temporada e estaremos aqui para pegar no pé deles.
Quer ver a cesta do Al Harrington? Duvidou quando eu disse que o Biendris é bom? Quer ver como Chris Bosh e Jermaine O’Neal estão se virando juntos? É só acompanhar o vídeo “NBA Game in 6 minutes“, uma idéia bem legal de um grupo de torcedores do Raptors de resumir os jogos do Toronto em apenas 6 minutos.
Aproveitem a seção YouTube e assistam à jogada do dia: Rudy Gay acerta uma cesta no último segundo e dá a vitória para o Grizzlies contra o Magic. Isso mesmo, depois de dois jogos o Magic tem duas derrotas, para o Hawks e para o Grizzlies. Irgh!

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!