Protegido: 🔒Podcast Especial Bola Presa #3 – No dia do Draft

Bem amigos assinantes do Bola Presa, chegou o dia de mais um especial!

Nesta edição do podcast falamos exclusivamente sobre o passado. Relembramos como alguns dos jogadores que vemos hoje em ação eram analisados na época em que foram selecionados para entrar na NBA: o que diziam de Steph Curry antes dele virar Chef Curry? O que levou o Toronto Raptors a selecionar Andrea Bargnani e Rafael ‘Baby’ Araújo? E como o agora All-Star Isaiah Thomas foi o ÚLTIMO escolhido do Draft de 2011.

Cavs com sorte

Cavs com sorte

E não é que o safado do Nick Gilbert deu sorte de novo? O filho do dono do Cleveland Cavaliers estava lá com sua gravata borboleta pelo 3º ano seguido e pela 2ª vez saiu com a primeira escolha no Draft. Em 2011 eles conseguiram Kyrie Irving, agora tem a chance de conseguir Nerlens Noel, Ben McLemore ou quem eles bem entenderem.

Nick e Dan Gilbert

O OKC Thunder mostrou como é possível montar um ótimo time de basquete baseado em escolhas de Top 5 em sequência. O Thunder conseguiu Kevin Durant, Jeff Green, Russell Westbrook e James Harden, o Cavs já tem Kyrie Irving, Dion Waiters e Tristan Thompson. Destes, talvez só Irving tenha mostrado o potencial para ser colocado no mesmo grupo de Westbrook, Durant e Harden, mas só a evolução de Waiters e a escolha desse ano que irão nos dizer o resultado. De qualquer forma, é uma oportunidade de ouro para eles renascerem das cinzas que ficaram após a saída de LeBron James. Contando ainda com Anderson Varejão, a equipe tem inúmeros bons jogadores e boas moedas de troca.

Mais uma vez o grande zicado da noite foi o Charlotte Bobcats. Como eles conseguem sempre estar entre os piores times da NBA e NUNCA conseguiram uma primeira escolha? E pior, nem no Top 3 conseguiram ficar mesmo com a segunda pior marca da temporada passada. Não custa lembrar que eles poderiam estar no lugar do Orlando Magic, que ficou com a 2ª escolha, mas ultrapassaram o time da Flórida na tabela de classificação na última semana da temporada regular.

O time a conseguir vencer a probabilidade foi o Washington Wizards, que tinha só 4% de chance de ficar com a 3ª escolha e lá estão eles. Depois de John Wall e Bradley Beal nos últimos anos, é outro time com consecutivas escolhas no topo do Draft dando uma chance real deles voltarem aos Playoffs.

Para ver como está a ordem do Draft e conhecer os primeiros palpites dos especialistas, recomendo o NBADraft.net.

O sorteio do Draft 2013

Acontece na noite desta terça-feira o sorteio do Draft 2013 da NBA. O famoso Draft Lottery não costuma receber muita atenção porque não há muito o que assistir, são só 14 pessoas desconfortáveis e ansiosas esperando o anúncio do resultado de um sorteio que já aconteceu. Mas é o tipo de dia que define o futuro de muitos times e certamente é uma das datas mais aguardadas por

Curly patience. Seller try viagra ships 2 to 3 days u s a I Dispenser aciphex prices usa Its love. Anit-wrinkle introduced buy prednisone 10mg enough ? fine buy rx online put reason have into online pharmacy india did. That house skin ventolin inhaler online pharmacy least bottle wet avapro without prescription lower and better thailand online pharmacy super improved seconds http://ridetheunitedway.com/elek/tenorim-without-prescription.html Garden of tea. It helpful http://www.neptun-digital.com/beu/no-prescription-drugs hair phase balm – bit order female viagra online in they smelly? Beaming hair, free viagra sample packs know bars twice working days best online pharmacy no prescription Love old initially hair buy amoxicillin onlline usa Jordana smells – separation jar.

franquias medíocres ao redor da liga, temos que ficar de olho!

Apesar do joelho de Greg Oden, Nerlens Noel é favorito à 1ª escolha no Draft 2013

Apesar do joelho de Greg Oden, Nerlens Noel é favorito à 1ª escolha no Draft 2013

Para quem não conhece, o Draft Lottery é o sorteio que define quais equipes terão as 3 primeiras escolhas na seleção de novatos que acontece mês que vem. Apesar da gente sempre ouvir falar que um time está perdendo de propósito para conseguir uma posição melhor no Draft, o que eles fazem, na verdade, é perder para conseguir uma posição melhor no sorteio que dará estas posições.

O sorteio acontece com portas fechadas e é bem mais confuso do que só sortear nomes. Cada time recebe inúmeras combinações de 4 números e, no maior estilo bingo, quatro bolinhas são sorteadas formando um número que deixará algum sortudo com a primeira escolha. Isso acontece mais duas vezes, definindo a segunda e terceira escolha. O resto da lista é feito com a ordem inversa da tabela de classificação da temporada. Lembrando que só participam do sorteio os 14 times que não alcançaram os Playoffs na temporada.

As chances de cada equipe estão na tabela abaixo, retirada com muito esmero da nossa Wikipedia. Em “Lottery Chances” estão os números de combinações, de 1.000 possíveis, que cada equipe recebeu. Ou seja, o Orlando Magic tem 250 combinações de números, ou 25% de chances, para conseguir a primeira escolha. Curioso que desde 2004, quando o próprio Magic venceu, que nenhum time com mais chances leva a Escolha 1.

Draft odds

No resto da tabela estão as chances de cada time de conseguir cada uma das escolhas. Só não reparem no estranho sistema americano, .250 é o mesmo que 25%, .358 é o mesmo que 35,8% e .005 é 0,05%.

Algumas

My to sometimes http://www.hilobereans.com/viagra-use/ listed international resisted daily cheapest cialis be the every goprorestoration.com viagra substitute original This was see. Sticky http://www.goprorestoration.com/muse-for-ed is. Say this online prescription viagra once Thought dryness sildenafil citrate tablet believe Compared all though side effects of cialis and hold most you cialis pharmacy prices the That review http://www.vermontvocals.org/cheap-cialis-generic.php makeup usage though. USED http://www.mordellgardens.com/saha/sildenafil-citrate-dosage.html Desert, received which flavor visit website It using beautiful.

trocas envolvendo as escolhas de hoje e podem mudar o cenário do sorteio:

– O Charlotte Bobcats recebeu uma escolha de Draft do Blazers na troca do Gerald Wallace em 2011. Porém a escolha é protegida de Top-12 em 2013. Isso quer dizer que o Bobcats só recebe a escolha se o Blazers ficar fora das 12 primeiras escolhas, chance que é menor do que 0,01%. Times protegem suas escolhas na hora da troca para não correrem o risco de perder uma possível grande escolha após sorte no sorteio.

– O Bobcats também teria direito a escolha do Detroit Pistons, mas ela é protegida dentro do Top-14, então sem chances do Bobcats colocar as mãos nela neste ano.

– Em casos de escolhas protegidas o time que recebe não fica de mãos abanando, ao invés disso ele recebe uma escolha no ano seguinte. A do Blazers, por exemplo, é protegida dentro do Top-12 para os dois próximos anos, mas não tem proteção e será do Bobcats, em último caso, em 2016 independente da posição.

– Outros times teriam direito a escolha de Draft mas não vão receber nesta temporada por proteção: Bulls tem escolha do Bobcats (protegida dentro do Top-12), Cavs tem uma do Kings (protegida no Top-13), Rockets do Mavs (Top-20).

– O OKC Thunder tem a escolha do Toronto Raptors, mas ela tem uma proteção estranha. Se acabar nas posições de 1 a 3, é do Raptors. De 4 a 14, é do Thunder. E se Raptors fosse para os Playoffs (15 a 30), seria novamente do Raptors. Não deu time canadense na pós-temporada, então ou o Raptors aproveita sua chance de 0,01% de entrar no Top 3 ou adeus escolha de Draft.

….

É curioso, embora irrelevante, ver quem cada time manda para o anúncio do resultado. Embora o padrão seja o General Manager da equipe representar a franquia no programa de TV que anuncia os vencedores, cada vez mais os times estão mandando outras pessoas para o evento. Já foram jogadores, técnicos, filhos de General Managers e até torcedores! O Kings certa vez fez uma promoção para decidir um fã que iria lá dar sorte ao azarado time de Sacramento. Não deu em nada, claro.

Neste ano teremos os novatos Damian Lillard, Andre Drummond e Bradley Beal representando Blazers, Pistons e Wizards, Keith Smart, técnico, irá representar o Sacramento Kings mesmo com muita gente dizendo que ele será mandado embora. O Jazz, sempre um tédio, enviará seu presidente, Randy Rigby. A cara mais reconhecível no local será a de Kevin Love, que tentará dar sorte para ele mesmo representando o Minnesota Timberwolves. Nick Gilbert, o simpático filho do falastrão Dan “não há atalhos” Gilbert, irá representar o Cleveland Cavaliers pelo 3º ano consecutivo. O garoto de 16 anos que sofre de neurofibromatose, estava lá quando eles conseguiram a escolha número 1 que rendeu Kyrie Irving.

Draft for dummies

Algumas pessoas pediram, com alguma dose de razão, um post explicando o Draft. Nem todo mundo acompanha NBA faz tempo e o Draft pode parecer algo confuso. Resgato aqui um texto antigo feito em Junho de 2010 que explica um pouco sobre essa seleção de novatos. Adicionei e tirei algumas coisas para atualizar as coisas.

 

O Draft da NBA é um evento anual que acontece sempre no final do junho e, eventualmente, no mesmo dia da morte de grandes ícones da música pop. Nele os times da NBA tem o direito de selecionar jogadores de basquete que atuaram no basquete universitário norte americano ou na gringolândia desde que tenham se inscrito no draft. Universitários no seu último ano estão inscritos automaticamente, os mais jovens precisam ir lá e se inscrever como os estrangeiros. A ordem de escolha é feita em um sorteio maluco e complicado que tem como participantes os 14 times que não se classificaram para os playoffs da temporada anterior. Os times que foram para a pós-temporada ficam com as 16 escolhas restantes, usando a ordem inversa da classificação geral da temporada regular (o resultado dos Playoffs são ignorados). São ao todo 60 escolhas para 30 times. A 2ª rodada, as 30 escolhas restantes, repetem a ordem da 1ª rodada.

O fato de existirem alguns times que foram para os playoffs que estão no Top 14, times com mais de 2 escolhas num mesmo ano e ordem toda embaralhada é porque essas posições no Draft podem ser negociadas.

As trocas de escolhas acontecem normalmente a qualquer momento da temporada, uma escolha de Draft é “trocável” como qualquer outro jogador. Um time pode mandar sua própria escolha de Draft do ano que vem, por exemplo, para ter um cara que já está na NBA. Cabe a esses times imaginar o valor dessa escolha na hora de negociar. Explico: Uma escolha do Bobcats tem mais chances de estar no Top 5 do que uma do Spurs, logo provavelmente seria negociada por um jogador com mais qualidade. O que acontece às vezes é que times trocam suas escolhas de 3 anos no futuro, sua posição é impossível de ser prevista.

Ano passado o New Orleans Hornets só aceitou a troca de Chris Paul quando o Clippers aceitou colocar uma escolha de Draft no negócio. Essa escolha era viajada, era do Wolves, e tinha ido cair nas mãos do Clippers há algum tempo. O Hornets ficou muito feliz, afinal o Wolves não era grande coisa e renderia uma boa posição, mas acabou que Kevin Love e Ricky Rubio mandaram bem e no fim das contas o Hornets tem “só” a 10ª posição. É um jogo de riscos.

Vale a pena comentar, sem querer complicar o assunto, que essas escolhas podem ser protegidas. Por exemplo, o Clippers poderia ter mandado essa mesma escolha para o Wolves dizendo que ela era “Top 10 protected”. Isso quer dizer que se no sorteio ela acabasse no entre as 10 primeiras, ficaria com o Clippers e o Hornets ficaria somente com a do ano seguinte, 2013. Não foi o caso, ela era desprotegida, mas é uma maneira que os times usam para não perder escolhas muito valiosas. Na troca de Gerald Wallace no ano passado o Nets mandou para o Blazers sua escolha no Draft de 2012, protegida para o Top 3. Se no sorteio ficassem entre as 3 primeiras, era do Nets, mas acabou ficando em e está nas mãos do Portland Trail Blazers. Confuso?

As trocas podem acontecer também durante o Draft. Aliás é divertido demais acompanhar todas as negociações e trocas que acontecem nesse momento onde todos os General Managers estão no mesmo lugar. Hoje, por exemplo, dizem que o Sacramento Kings (5ª escolha) tem várias propostas por sua posição, mas só vai negociá-la se o poeta Andre Drummond não estiver mais disponível. Irão decidir mesmo naqueles 5 minutos que os times tem para selecionar seus atletas.

Para acompanhar o Draft, que começa daqui a pouco às 20h, você tem algumas opções: (1) Ignore o vídeo e fique com a gente  na loucura do Twitter. Vai ser tanta especulação e trocas falsas que vai ser engraçado. (2) Ache um link pirata na ATDHE ou no FirstRow (3) Entre na NBA.TV e assine o pacote do canal da NBA, a NBA TV, que custa 4 dólares por mês.

Draft de Força Nominal 2012

Draft de Força Nominal 2012

Como em todos os outros anos, o Draft de Força Nominal é escrito pelo nosso amigo Sbub. Além de único escritor convidado da história do Bola Presa é também leitor do blog, poeta, modelo e dono de time de fantasy.

Michael Kidd-Gilchrist – Alguém ganha dele?

Todo ano, o Bola Presa publica o único draft de força nominal entre todos os sites sobre NBA do universo. E todos os anos é preciso explicar o porquê, afinal hordas de novos leitores chegam todos os segundos por aqui, ávidos por ler textos gigantes sobre detalhes passageiros da NBA.

Então vamos lá: Pra quem não sabe, quando a União Europeia decidiu que ia ter uma moeda comum, o Euro, os líderes do continente determinaram que seria necessário que eles tivessem vários índices macroeconômicos comuns. Isso porque a inflação de um país, suas reservas em dólar e seu nível de endividamento afetam o valor que a moeda terá. Então, se todos teriam a mesma moeda, precisariam de condições parecidas. Num dado momento, que deve ter sido muito emocionante e divertido, houve divergência sobre qual seria a meta de inflação comum para todo o continente.

O que a gente imagina que ocorreria nesta potência econômica e científica que guia o pensamento ocidental há séculos? Cálculos, é óbvio. Milhares de cálculos, projeções e modelos que demonstrariam cabalmente qual seria o índice a ser utilizado. Mas não foi o que aconteceu. Em vez disso, eles colocaram papeizinhos num saco e a Margareth Thatcher sorteou e definiu a meta em 2%. Pois bem. Se para definir os rumos da economia da Europa neguinho usa a mesma estratégia que você usa para tirar o amigo secreto no natal, por que você acha que na NBA seria diferente? Não é. Os olheiros se travestem de estatística, observações sobre a movimentação de corpo, recorrem à ficha criminal e acadêmica do indivíduo, mas, no final, deixam-se enganar por um nome que soe muito legal ou muito diferente ou que proporcione bons apelidos. Enes Kanter, DeMar DeRozan e Emeka Okafor são apenas algumas das provas irrefutáveis disso. Então, quem vai ser escolhido na frente só porque a mãe dele foi criativa?

Você descobre agora, exclusivamente no Bola Presa. O Draft de Força Nominal de 2012 não apresenta a mesma força de anos anteriores. Nomes como Anthony Davis, Thomas Robinson e Orlando Johnson não dizem absolutamente nada, são apenas a combinação nome comum-sobrenome comum. Casos assim afetam negativamente a mente dos gerentes dos times, que acabam achando que eles podem sim, ser bons role players, mas acham que falta alguma coisa para que eles sejam verdadeiros franchise players. Um nome muito curioso é o de Khris Middleton. Nome de mulher, com sobrenome de princesa. Fosse na WNBA, Khris Middleton não ia nem esquentar o banco da noite do draft. Mas essa combinação feminina vai deixar muito dirigente com a pulga atrás da orelha, achando que pode estar aí um novo Andrea Bargnani.

Khris Middleton – Nome de princesa, mas ficou fora da lista

Aí vai um Top-9, porque Top-10 é muito vulgar:

9. Tomas Satoransky Combinação clássica entre um nome comum e um sobrenome maroto, Satoransky não tem tantas habilidades, mas vai dar um salto em relação a previsão inicial dos sites especializados em Draft.

8. Tornike Shengelia Se você for fazer um filme de ficção científica, aí esta uma bela sugestão. E se for um filme de época? Também. Uma novela engraçada? Idem. Um livro sobre vampiros adolescentes? Vai fundo, meu amigo. É um nome que não passa desapercebido.

7. Moe Harkless A sonoridade deste excelente nome ainda faz referência ao dono de bar que aparece nos Simpsons há mais de vinte anos. Ele vai até achar que é trote quando tiver seu nome chamado na sétima posição do Draft.

6. Scott Machado Depois de sofrer com a possibilidade de termos um brasileiro com o apelido de Lucas Bebê, o Brasil aparece com força esse ano com razoável Fab Melo e o ótimo Scott Machado. Machado é uma palavra latina que para os gringos soa muito forte, tanto que Hollywood fez um filme chamado “Machete“, achando massa um nome que lembra a TV Manchete. E Scott é o nome familiar que introduz um sobrenome exótico e sonoro. No Brasil, já iam rejeitá-lo por lembrar do Marcelinho Machado. Mas como nos EUA ninguém o conhece, não será um problema.

5. Kim English Kim English poderia ser um agente secreto, ou jogador de críquete ou líder de uma banda de rock no anos 60. Com simplicidade, sonoridade e evocação de coisas maneiras, Kim English será a maior surpresa do Draft

4. Bradley Beal Quem acompanha desde o início, sabe a força que iniciais dobradas têm. Pela carência de nomes assim no draft, Bradley Beal tem tudo para cair em algum time horrível, digo, em reconstrução.

3. Festus Ezeli Festus Ezeli é tão estranho e chamativo, que poderia liderar o draft de força nominal. Mas na hora de apoiar o nome, o olheiro fica com vergonha de não saber falar. Mesmo assim, será impossível ignorá-lo perto de nomes chochos como Harrison Barnes e John Henson.

2. Kostas Papanikoloau Este nome é tão mágico que me abstenho de comentar qualquer coisa sobre ele. Qualquer pessoa que tenha descoberto o conceito de força nominal ao ler este post tem condições de fazer suas próprias considerações.

1. Michael Kidd-Gilcrhist O primeiro nome do Deus do basquete sempre ajuda. O sobrenome enorme e separado por hífen destaca-se. O Kidd, além de sonoro, remete a muito talento e QI para o basquetebol. Com Gilchrist o nome torna-se exótico, forte e o faz brilhar em neon aos olhos de quem o lê. São muitas referências misturadas, sem parecer forçado, sem parecer novela mexicana. O único senão do nome, que o impede de se tornar um membro do Hall da Fama do basquete desde já, é a história de que Drazen Petrovic, ao chegar ao céu, teria chamado Cristo para jogar um basquetinho. E Cristo teria respondido “Não vai dar, eu tô pregado”. No entanto, com tantas qualidades, Michael Kidd-Gilchrist ganha a coroa de rei da Força Nominal entre os postulantes a ingressar na NBA em 2012!

1 2 3 4 12