🔒Filtro Bola Presa #39

Estamos de volta com mais um Fitro após um pequeno hiato, fruto de minha total e completa incapacidade de organizar nossa tradicional lista de amenidades sem a tutela fantástica do Denis, o rei-da-filtragem! É hora de correr atrás do tempo, então: comecemos com causos da NBA que datam de até um mês atrás e, apertando um pouco do ritmo, em breve alcançaremos os dias atuais. Venha dobrar o espaço-tempo com a gente e matar a saudade de nossa seção exclusiva para assinantes!


Essa história é da vitória do Warriors fora de casa em cima do Thunder no mês passado. Quando Kendrick Perkins foi trocado para o Thunder para levar “defesa e liderança” para a equipe em 2011, parte do seu modo “Kevin Garnett” de fazer as coisas passava por chamar os seus companheiros de equipe mais molengas nos treinos de “cupcakes”. A expressão pegou na equipe e persistiu mesmo depois do Perkins ir embora, com Westbrook e Durant usando-a constantemente. Foi por isso que quando Westbrook ficou sabendo que Durant havia assinado com o Warriors, apenas postou silenciosamente uma foto de um cupcake em sua conta do Instagram.Foto instagram

Quando Durant voltou a Oklahoma City, a torcida entrou na onda e gritou “cupcake” o jogo inteiro, além de receberem de brinde cartazes e camisetas com o desenho do doce. Assim que a partida terminou com vitória para o Warriors, Draymond Green pegou uma dessas camisetas e vestiu ainda na quadra. Outros jogadores do time seguiram o exemplo e deram suas entrevistas coletivas todos usando as camisetas com o “cupcake”.

Draymond

Mais um caso do Warriors não apenas apoiando um membro do elenco, mas também tornando isso uma identidade. Fora que as camisetas são fantásticas, né.


Draymond Green também está todo feliz porque tem tudo para se tornar o primeiro jogador da história da NBA a terminar uma temporada com médias de ao menos 8 rebotes, 7 assistências, 1.5 roubos e 1.5 tocos por jogo. É um excelete indicativo não apenas do papel dele no Warriors mas também de quão BIZARRAMENTE ÚNICO é esse papel aí.


Mas o Warriors já está criando aberrações no mundo aqui fora: é o caso do time de basquete de uma escola em Minessota que não dá arremessos a não ser que eles sejam bandejas ou bolas de três pontos. Arremessos de média distância são apenas 4% dos arremessos da equipe, e eles estão muito insatisfeitos pelo número ser muito acima do desejado. O time chega ao ponto de NÃO OLHAR PARA A CESTA quando alguém tem a bola à meia distância, preferindo apenas tentar visualizar outros jogadores em condições melhores de arremesso. Totalmente respaldados por complexas análises estatísticas, o time não tem nenhum jogador acima de 1,87m e ainda assim tem o melhor recorde de sua história, com 12 vitórias e apenas 4 derrotas.

Para se ter uma ideia, o Houston Rockets – o time que menos arremessa bolas longas de dois pontos na história da NBA – tem 8% desse tipo de arremesso por jogo, o dobro dos colegiais de Minessota. É o futuro do basquete ignorando METADE DA QUADRA.


Pra gente lembrar que EXISTEM VÁRIOS TIPOS DE ARREMESSO, vale dar uma olhada nessa coletânea da Synergy com os líderes em pontos por posse de bola em 4 situações de arremesso: recebendo a bola rumo à cesta após fazer um corta-luz, arremessando de longe após fazer um corta-luz, simplesmente cortando para a cesta e por fim dando tapinhas para colocar a bola de volta na cesta.

É impressionante como Nikola Jokic e Antetokounmpo são eficientes e bem acionados quando cortam para a cesta, mas o jogador mais eficiente nessa jogada é Otto Porter Jr. – que também é o melhor arremessador do perímetro na NBA por todos os critérios no momento – ainda que ele seja pouco utilizado.

Nos pontos de pick-and-roll, nenhuma novidade: DeAndre Jordan é o rei absoluto da jogada, mas é curioso ver Rudy Gobert logo atrás. São dois jogadores que aprendemos a ver como estritamente defensivos e são os que mais pontuam nessa situação.

Nos pontos de pick-and-pop, Karl-Anthony Tows é líder absoluto, com mais que o dobro de pontos por jogo nessa jogada que qualquer outro jogador da lista. Aliás, Towns é o único jogador a aparecer nas listas dos dois tipos de finalização após o corta-luz, além de também estar entre os melhores em tapinhas. Jokic e Antetokounmpo também aparecem na lista de tapinhas além de cortes para a cesta, o que significa que quando não recebem a bola, ficam embaixo da cesta para limpar a caca dos outros.


Outra estatística sensacional: quantos pontos o time marca a mais do que toma a cada 100 posses de bola quando um determinado jogador está em quadra e quando está fora dela. Pois bem, ao contrário do que seria nosso palpite inicial, Chris Paul lidera a lista de jogadores que fazem mais diferença nesse quesito pela SEGUNDA VEZ EM TRÊS TEMPORADAS:

Nem Russell Westbrook, que é a alma de todo o ataque do Thunder, consegue superar Chris Paul. Mas ainda mais surpreendente do que isso é ver quão supostamente importantes são alguns jogadores NADA A VER, como Patrick Patterson e Cody Zeller! E pronto, aí está o atestado de quão fundamental Bradley Beal tem sido para a recuperação do Wizards na temporada.


Também importante para sua equipe é Steven Adams, que ficou bravão com uma marcação do árbitro, claramente cogitou dar um soco na base da tabela e aí LEMBROU DE ENES KANTER, seu companheiro de garrafão que quebrou a mão socando uma CADEIRA no banco de reservas e da falta que ele fez pro Thunder.

É maravilho que Steven Adams parece gastar tanta energia para se controlar que aí a bateria termina e ele simplesmente DESLIGA testa adentro na tabela. Sempre soube que Adams era um androide!


Carmelo pode não estar tendo uma temporada de muito sucesso no Knicks, mas não tem problema. Já viram o jogo de videogame chamado “Rogue Legacy“, em que se você não consegue chegar no seu objetivo e morre no meio do caminho, um filho seu continua de onde você parou? Pois é, o presente pode ser horrível para Carmelo, mas ele já está pensando no futuro: o filho dele vai ter que assumir a missão de um título.


Outro que já está pensando no futuro é DeMarcus Cousins após deixar o Sacramento Kings. Mas embora seja impossível sentir falta da diretoria mais DISFUNCIONAL da NBA, certamente Cousins vai ter saudades dos fãs. Olha a alegria dessa velhinha em conhecer o pivô, e mais, olha como ela não poderia se IMPORTAR MENOS ao conhecer Stephen Curry. É ou não é uma injeção de auto-estima?


Paul Pierce também tem saudade dos torcedores do Celtics e de sua carreira vencedora pela equipe. Em passagem por Boston nessa sua última temporada, resolveu prestar uma homenagem à franquia e BEIJAR A BOCA DO GNOMO:
Pierce


Você sabia que a NBA contabiliza desde a temporada 1996-97 o número de assistências dadas especificamente para arremessos de 3 pontos? A temporada ainda não acabou e James Harden já está em quinto lugar desde que essas estatísticas começaram a ser contabilizadas.

O líder disparado é Steve Nash na temporada 2004-05, seu primeiro ano sob o comando de Mike D’Antoni. Será que estamos vendo algum padrão, crianças?


Mas sabe quem não precisa de assistências para acertar arremessos de 3 pontos? Kyrie Irving. “Effective Field Goal Percentage”, ou eFG%, é uma estatística de aproveitamento de arremessos que leva em consideração o fato de que arremessos de três pontos valem mais e, portanto, errar mais desses arremessos pode ainda assim resultar numa melhor conversão de pontos por arremesso tentado e, portanto, num melhor aproveitamento “real”. É a melhor maneira de saber quem aproveita melhor seus arremessos sem ter que ver o topo da lista ser completamente dominado por pivôs que jogam embaixo da cesta. Pois bem: o melhor arremessador nesse quesito nessa temporada ainda é DeAndre Jordan, que acerta 70% dos seus arremessos, enquanto o jogador de perímetro mais bem posicionado na lista de eFG% é Otto Porter Jr., com 62% de aproveitamento. Mas Kyrie Irving tem assustadores 74% de eFG% quando está arremessando bolas de três pontos contestadas, no mano-a-mano e com seus dois pés estabelecidos.

São números insanos que tornam a melhor jogada de Irving ser ENFRENTAR O MARCADOR ADVERSÁRIO sem jogada nenhuma afinal. Tipo isso aqui:

Como parar o cara nessa situação se ele tem um aproveitamento tão absurdo?


Mas Irving não é o único jogador do Cavs a acertar bolas de três pontos absurdas. O Wizards em grande fase, com 17 vitórias seguidas em casa e enfrentando o Cavs em Washington, conseguiu abrir três pontos de vantagem a 3 segundos do fim e com o Cavs sem tempos técnicos para pedir. Mas tudo bem, porque Kevin Love deu um dos seus passes marca-registrada com uma mão só e LeBron acertou o arremesso mais INSANO da temporada para levar o jogo para a prorrogação e vencer a partida no tempo extra.

As reações da torcida do Wizards são um espetáculo à parte:

A primeira moça já virou meme, enquanto o moço de relógio parece isso aqui:
O grito


O Heat atual, aquele que todo mundo considerava FADADO AO FRACASSO, atingiu em fevereiro uma sequência de 13 vitórias seguidas – coisa que nem o Big 3 de LeBron, Wade e Bosh conseguiram em Miami no seu último ano juntos, em 2013-14. Tentamos explicar o caso aqui antes dessa sequência de vitórias terminar, mas o Heat agora já está empatado na oitava vaga do Leste com o Detroit Pistons.


Uma história de superação ainda mais legal que a do Miami Heat é a de Yogi Ferrell. Com um contrato de 10 dias pelo Mavs, treinado pelo técnico Rick Carlisle e sua fama de ser implacável e enlouquecedor com armadores, Yogi conseguiu médias de 17 pontos, 5 assistências e 1.8 roubos por jogo, além de 4 vitórias e apenas uma derrota nesse período. Na ausência de JJ Barea e Deron Williams, fora com lesões, Yogi meteu 9 bolas de três pontos para liderar o Mavs na vitória contra o Blazers. Acabou o mês de fevereiro como calouro do mês da NBA.

Fora isso, ele teve apenas dois dias para decorar o IMENSO livro de jogadas do Mavs e Carlisle disse que a inteligência do jogador é sem precedentes. Assumiu as rédeas da armação e aprendeu que deve arremessar quando estiver livre e atacar o garrafão quando não estiver, algo difícil de se fazer no meio de jogadores muito mais consagrados do que o pirralho. Agora Yogi é titular da equipe, Deron Williams foi liberado para lhe dar lugar e ganhou até hashtag, a #YogiMania.


Enquanto isso, o #TheProcess abraçou completamente a alcunha e, mesmo lesionado, deu um jeito de continuar apoiando o processo, no caso ELE MESMO:
Image uploaded from iOS
Volta logo, Embiidão! #embiideiro


É como diz o meme, case com alguém que te olha como esse menininho olha CJ McColllum.
McCollum
A mensagem inspiracional é verdadeira: a gente nunca sabe quem está assistindo e como podemos estar, de maneira indireta, inspirando as futuras gerações.


Até mesmo porque as futuras gerações podem acabar perdendo as referências passadas, indo para um bar e achando que Shaquille O’Neal foi ISSO AQUI:

Se não bastasse não ter NADA A VER COM SHAQ, a estátua ainda é feita nos moldes das ridicularizações que se faziam dos negros no começo do século passado. Ou seja:

Lembrando que um dos motivos para Shaquille O’Neal ter parado a briga IMBECIL com JaValle McGee foi a mãe de JaValle ter dito que Shaq atacar seu filho era muito ruim para os negros num momento político em que deveriam se unir contra a opressão, algo que a mãe de Shaq concordou e pediu pro filhote SIMPLESMENTE PARAR.


Racismo também acabou sendo um assunto indireto na bagunça que o Knicks teve com Charles Oakley. Oakley, um jogador muito amado pelos torcedores em New York, é um crítico feroz de James Dolan, dono do Knicks. Recentemente, Oakley compareceu a um jogo e acabou saindo algemado pela polícia.

Relatos indicam que Dolan, que estava sentado próximo a ele, pediu para que seguranças checassem o ingresso de Oakley, que xingou a ação e gerou uma grande comoção. Oakley foi retirado do ginásio e levado pela polícia, sob a justificativa do Knicks de que o ex-jogador estava agindo de maneira inapropriada e precisa buscar ajuda. Dolan, depois, disse que Oakley estava claramente abusando de substância ilícitas e de álcool e que estava proibido de retornar ao ginásio. O ex-jogador se defendeu dizendo que estava perfeitamente sóbrio – algo que os relatos de testemunhas parecem confirmar – e que foi apenas alvo de racismo por parte dos seguranças e de rancor infantil por parte de Dolan. O próprio Adam Silver tentou reaproximar as duas partes depois, mas Oakley – que recebeu apoio quase unânime dos torcedores no caso – se recusa a não ser que exista um pedido público de desculpas por parte de Dolan.

Spike Lee decidiu mostrar seu apoio a Oakley indo com uma camiseta dele na partida seguinte, mas na verdade era apenas uma camiseta adulterada de Landry Fields. Mas o mais engraçado é que Fields não se importou nem um pouco e até apoiou o ato:


MASCOTES POWER RANKING

Chegou o momento de forrarmos esse Filtro com muita, mas muita pelúcia! É hora da nossa corrida para saber quem é o melhor mascote da NBA dessa temporada!

Vamos começar com um INFILTRADO, o mascote do Palmeiras que ganhou um campeonato de PES contra jogadores e torcedores mesmo tendo os menores e MAIS MACABROS olhos que um mascote jamais teve:


Nesse Filtro temos vários mascotes apanhando. Primeiro é a vez de G-Wiz, mascote do Wizards, ser nocauteado pela campeã do UFC Joanna Jedrzejczyk. Sou muito fã da moça, pra mim a melhor lutadora da atualidade, mas vamos admitir que o nome nela é na verdade uma TESTADA NUM TECLADO. Talvez uma testada tão pesada quanto a mão no queixo do G-Wiz.

Mas nossa segunda colocação nesse Filtro vai para outro mascote que apanhou mas pelo menos conseguiu bater um pouco de volta: Clutch, mascote do Rockets, em mais um capítulo da saga infinita de Robin Lopez contra TUDO AQUILO QUE TEM PELÚCIA.

Aliás, quão engraçado é que o Robin Lopez seja chamado de RoLo nos Estados Unidos e que pra gente o Rolo seja alguém bem parecido com o jogador?
Rolo


Mas o vencedor dessa rodada é mesmo Benny The Bull, que se disfarçou de gato japonês:

E depois ainda usou seu snapchat para parodiar o clássico filme “Curtindo a Vida Adoidado”, quando ele fingiu estar doente pra não ir na reunião e fez coisas maravilhosas como dançar e se entupir de pipoca, o sonho de qualquer criança. São os mascotes nos ensinando a VIVER A VIDA.

Classificação Geral

Stuff > 30
Benny > 30
Coyote > 30
Raptor > 20
Clutch > 20
Rumble > 15
Harry > 15
Moondog > 10
Grizz > 10
Hugo > 10
Gorilla > 10
Crunch > 10
Jazz Bear > 10
Hooper > 5
Pierre > 5
Franklin > 5
Bango > 5

Ficamos por aqui, agora é hora de fingir que estou doente e comer pipoca até pela orelha! A VIDA NOS ESPERA!

Torcedor do Rockets e apreciador de basquete videogamístico.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!