🔒Filtro Bola Presa #49

Então é Natal. Ano-novo também. E pra NBA tanto faz porque as coisas continuam acontecendo loucamente todos os dias como se nada estivesse rolando no mundo ao redor. Mas o último Filtro Bola Presa de 2017 está aí para tentar colocar ordem no caos =)

Começamos com o próprio Natal e as suas boas ações: John Wall presenteou pobrezinhos com brinquedos singelos. E por pobrezinhos eu quero dizer “seus colegas também milionários de time” e por brinquedos singelos eu quero dizer “um relógio Rolex de US$ 40.000″:

Segundo o ‘Daily Mail’, o processo de compra começou um mês atrás e não foi tão fácil como parece porque a Rolex tem “políticas de exclusividade” que dificultam compras em larga escala. Ou seja, você chega lá dizendo que quer dar milhares de dólares para eles e os caras dizem que vão pensar. Mas João Paredão conseguiu e se tornou o melhor companheiro de time do ano. Fácil.

Já o Lonzo Ball foi o melhor FILHO. Primeiro por não reclamar das asneiras ditas pelo pai, depois por comprar um ROLLS ROYCE para o maluco:

A melhor trollagem do Natal ficou por conta de Draymond Green, que foi enfrentar o Cleveland Cavaliers com um tênis personalizado com o Arthur, personagem que virou mascote do rival:

Mas não podemos esquecer que este é um feriado religioso. Então tire cinco minutinhos da sua vida para reverenciar o Klayteísmo:


AMOR NATALINO

Fim de ano é uma época da gente tentar se convencer de que ama, sim, as pessoas ao nosso lado. A NBA viu nessas últimas semanas algumas bonitas demonstrações de amor. Começamos pelo reencontro emocional dos Stache Brothers Enes Kanter e Steven Adams. Alguém já viu sorriso mais apaixonado do que esse do turco? Com direito a cabecinha no ombro e tudo #MaisAmorPorFavor

View this post on Instagram

Always nice to see my brother #StacheBrothers4Life

A post shared by Enes Kanter (@eneskanter11) on

E que tal Jimmy Butler mostrando toda sua confiança no pequenino Tyus Jones? Só algumas sugestões do que ele poderia ter feito. Você consegue, menino!

Lá em Washington vimos a bonita cena de Kelly Oubre Jr. decidindo FAZER FLEXÕES de braço ao invés de brigar com JR Smith:

E seguindo o ensinamento de Pelé, Russell Westbrook não esqueceu das criancinhas:

Mas nem tudo é amor. Zach Randolph não se encantou com as provocações de DeMarcus Cousins e cravou: “Na minha área os bullies é que sofrem bullying”. Frase. Do. Ano.


DICAS DE LEITURA


SINCRONIA DA SEMANA

Desde aquele vídeo impressionante dos jogadores do Phoenix Suns indo para o ataque de maneira sincronizada, o @World_Wide_Wob faz uma compilação de jogadores sincronizados na NBA. O Houston Rockets nos trouxe uma contribuição no Natal:

A ESPN aproveitou a moda juntou todos em um vídeo só:

Só ficou faltando essa aqui da dupla Tony Parker e Manu Ginóbili:


ESTATÍSTICAS DA SEMANA

Descobrimos nos últimos dias que o Dallas Mavericks consegue a façanha de ser o time mais apaixonante da NBA e, ao mesmo tempo, o mais DESINTERESSANTE da liga. Explico: o Mavs LIDERA os 30 times em completar a capacidade do seu próprio ginásio, mas quando joga fora enche só 86% das arquibancadas alheias. É a PIOR marca da NBA. Ou seja, os fãs de Dallas não deixam de ver o time, mas os rivais não gastam um trocado furado para ver seus próprios jogadores enfrentarem a turma de Harrison Barnes.

Mas aqui vale também um asterisco do calendário. O Mavs ainda não enfrentou, fora de casa, os líderes da NBA em público (Warriors, Bulls, Sixers, Heat…)

Tema do nosso post de ontem, o Chicago Bulls se tornou o primeiro time da história da NBA a ter uma sequência de 10 derrotas seguidas imediatamente seguida de uma sequência de ao menos cinco vitórias:

Outro tema de post foram os tocos do Golden State Warriors. Pois bem, eles lideram a liga com 8,6 tocos por jogo, seguidos pelos 5,8 do San Antonio Spurs. Essa diferença de 2,8 é MAIOR do que a diferença do mesmo Spurs para o Detroit Pistons, que é o ÚLTIMO COLOCADO DE TODA A NBA em tocos por partida, 3.4. 

No último Filtro a gente tinha destacado o PRIMEIRO arremesso de meio da quadra feito por um fã na HISTÓRIA do ginásio do Atlanta Hawks. Pois não é que já acertaram de novo? Foram ZERO acertos nos primeiros 835 jogos, agora 2 acertos em 7 partidas:


FASHION WEEK

O que o DeMarre Carroll estava tentando aqui? Não entendi, mas gostei.

Image uploaded from iOS

Aqui eu entendi o que o Damian Lillard quis fazer e já aviso: DEU CERTO. #sexy

O nosso Neymar Ousadia e Alegria resolveu ostentar uma camisa do Kawhi Leonard em sua folga de fim de ano:


DANÇA DA VITÓRIA

Aqui não temos uma trollada de Joel Embiid ou um trash talk de Draymond Green, a dança da vitória das últimas semanas veio discretamente de um GENERAL MANAGER. Kevin Pritchard, responsável do Indiana Pacers pela troca de Paul George por Victor Oladipo e Domantas Sabonis, apareceu no Twitter para FAVORITAR algumas das críticas que ele recebeu na época da negociação.

KP

Ele não respondeu, não bateu no peito e nem disse um “FALA AGORA, OTÁRIO”. Só foi lá e apertou o coraçãozinho.

Quem foi para a trollada TRADICIONAL foi o menininho visitado por LeBron James num hospital antes da partida entre Cleveland Cavaliers e Los Angeles Lakers: “você pode enterrar no Lonzo por mim?”

Lá em Boston, Gordon Hayward tem passado o tempo de recuperação jogando vídeo game em público, algo conhecido pela meninada como STREAMING. Durante uma partida de Hearthstone perguntaram para ele: “A Terra é plana ou Kyrie está errado?”. Hayward, ainda bem, deu voz à razão:


TIETE DA SEMANA

A minha subcelebridade favorita de 2017 foi o #SaltBae, aquele turco churrasqueiro marombado que joga o sal de uma maneira muito afetada na carne. O cara é FANTÁSTICO! Ele agora abriu uma filial do seu restaurante em Miami e recebeu a visita da galera do Portland Trail Blazers. Teve até carninha na boca do Damian Lillard:


JOGADAS BOLA PRESA DA SEMANA

A sequência de Brook Lopez em Cleveland foi uma para a história: quem, em poucos segundos, consegue dar airball em DOIS LANCES-LIVRES e logo depois errar uma enterrada fácil? E pior, Lopez acerta 71% dos seus lances-livres, não é um defeito do seu jogo. Foi só um apagão. Um à lá Mineirão-2014, mas um apagão:

No outro time de Los Angeles temos o novato Sindarius Thomas mandando passes perfeitos… para o assistente técnico Sam Cassell. Ele acertaria esse arremesso há uns 15 anos, mas calma lá né:

O novato Jordan Bell fez uma bela de uma CAGADA ao dar passos demais nessa bandeja. Os juízes não marcaram, mas Bell mostrou que percebeu a cagada. Dez pontos pelo auto-conhecimento:

A última jogada veio de uma FESTA DA FIRMA por aí. Sei lá onde isso rolou, mas foi cruel DEMAIS:


ESQUISITICES DA SEMANA

Nada foi mais estranho nos últimos dias do que descobrir que a casa do ex-jogador Charlie Villanueva foi invadida e que roubaram A SUA PRIVADA:

Não foi menos estranho ficar sabendo que o Dion Waiters precisou ir para o vestiário no meio de um jogo para VOMITAR. Estava doente? Não, só comeu muito ESPAGUETE antes do jogo…

E que palavra usar para descrever a imitação de Chewbacca feita por Trevor Ariza?

Por fim, vamos só apreciar DeMarcus Cousins, Rajon Rondo e Dante Cunningham jogando cartas no chão do ginásio do Washington Wizards. Esse é o tal “reconhecimento de gramado”?


FOTO DA SEMANA

Meu deus o GÊNIO que transformou essa foto do LeBron James caindo no meio da torcida em uma pintura! O mundo vai ser assim, cheio dessas coisas fantásticas, quando as máquinas estiverem trabalhando para nós e todos tivermos tempo de sobra. Deus abençoe o tempo livre!


HISTÓRIA INSPIRADORA PARA CHORAR NO FIM DO ANO

O San Antonio Spurs compartilhou nas últimas semanas a história de Glen Erp, um dos seus mais apaixonados torcedores em toda a história da franquia. Erp comprava “season tickets” do time desde a primeira temporada do time em San Antonio e suas últimas palavras antes de morrer foram “o Spurs venceu ontem à noite?”:

Muitas vezes vemos histórias de amor familiar por um time como algo exclusivo do futebol. É legal ver que mesmo no mundo comercial de “franquias” do esporte americano existem torcedores apaixonados desse jeito, que usam o amor por um time como uma ferramenta para unir diferentes gerações.


MASCOTES POWER RANKINGS

Nesta semana não tem para ninguém. Vitória DUPLA do Clutch, mascote do Houston Rockets. Escolha o motivo para ele ser o vencedor. Você prefere o SOCO que ele tomou do lendário George Foreman

…ou dele usando a FORÇA como Darth Clutch para derrubar pinos de boliche gigantes?

Os 5 pontos do segundo lugar vão para o Coyote, colega Texano do Clutch. Ele fez parte do Ballet de San Antonio e assumiu diferentes papéis no espetáculo “O Quebra-Nozes”. Inesquecível:

[ux_gallery name=”off”]25295,25296,25297,25298,25299,25300[/ux_gallery]

CLASSIFICAÇÃO GERAL

Coyote – 25 pontos

Benny – 15 pontos

Grizz, Hooper, Hugo, Clutch, Franklin e Bango – 10 pontos

Jazz Bear– 5 pontos

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!