🔒Filtro Bola Presa #66

Bem amigos ASSINANTES, mais um Filtro Bola Presa no ar! Nessa semana temos protestos, crise no Warriors e no Lakers, o mistério do arremesso do Markelle Fultz, pipoca, Jimmy Butler sendo fofo, gostos alimentares bizarros, camisetas novas, LeBron James em modo preguiça, as mãos suadas de Dwight Howard e muito mais!


POLÍTICA

Sei que muita gente não gosta de misturar política e esporte, mas essa foi uma semana cheia de manifestações no mundo da NBA. Pra começar vamos para Portland, onde tivemos um protesto num dos intervalos de uma partida. O Blazers é patrocinado por uma empresa de lá, a “Leupold & Stevens”, uma marca de instrumentos ópticos, principalmente binóculos. Até aí tudo bem, poréeeem ela firmou um contrato com o exército israelense para fornecer miras para rifles e um conjunto de moradores – incluindo uma forte associações de judeus americanos – se levantou contra a empresa por auxiliar o massacre contra o povo palestino. O movimento tem ganhado força nos últimos meses, e tem pedido para que o Blazers encerre o acordo com a “Leupold”. A empresa, que em vários intervalos dos jogos entrega o “Leupold Hometown Hero”, um prêmio para veteranos de guerra moradores de Portland, fez nessa semana uma homenagem para o condecorado sargento Josh Hernandez, que na hora de receber as honras revelou uma camiseta com os dizeres “encerrem esse patrocínio”, “LeupoldNão”, e ainda seguiu o gesto com um ajoelhamento simbólico. A “hashtag” movimentou as redes sociais e foi assunto de muitos Twitters gringos sobre NBA, deixando a gente aqui no Brasil meio perdidos sem entender o que estava acontecendo:

Teve outros temas recebendo atenção também. Kyle Kuzma teve espaço na ESPN para se manifestar contra o descaso quanto à “crise da água de Flint”: a fonte de água potável da cidade de Flint foi mudada de um rio para outro mais barato em 2014, e a ausência de tratamento contaminou a água com chumbo dos encanamentos. Como as cidades nos Estados Unidos tradicionalmente consomem a água que sai de suas torneiras, as instruções das autoridades é de que até 2020 a população local só ingira água mineral. O problema é que Flint já era uma cidade devastada pela saída de uma fábrica da “General Motors”, que foi para o México e deixou a esmagadora maioria da população desempregada e, portanto, incapaz de comprar água mineral. Kuzma faz parte de um movimento que cobra o auxílio do governo para a questão:

Já na California, o Milwaukee Bucks resolveu aproveitar a visita a Los Angeles para usar camisetas em protesto contra o recente massacre em Thousand Oaks, uma das cidades mais seguras dos Estados Unidos e que foi vítima de um atirador que entrou numa casa noturna e matou 12 pessoas, incluindo o xerife local, antes de se suicidar. As camisetas, além dos nomes das vítimas, contém a palavra “Basta”, um dos mantras principais na busca por um maior controle de posse de arma nos Estados Unidos:


FULTZGATE

Já contamos aqui no começo do ano a história de como Markelle Fultz se esqueceu de como arremessar, mas essa polêmica parecia superada para a nova temporada, com ele mais tranquilo e com um arremesso ligeiramente mais funcional. O problema é que ele tem evitado arremessar nas últimas partidas e de repente, num lance livre, cometeu esse HORROR que nos lembra os piores dias do ex-pivô Chuck Hayes:

O treinador responsável por treinar Fultz individualmente desde antes dele entrar na NBA, e um dos maiores suspeitos para o arremesso do então novato ter “quebrado” na temporada passada, rapidamente correu para o Twitter para dizer que ele NÃO TEM NADA A VER COM ISSO, e que os dois romperam e não se falam mais:

Seja porque ele esqueceu como arremessar, porque reformou sua mecânica ou porque ainda está lesionado, o que importa é que Fultz não se sente mais confiante em tentar esse tipo de jogada: ele e Ben Simmons tentaram, no ano inteiro, um total de DOIS arremessos recebendo um passe e subindo imediatamente. Foram 633 minutos totais, de modo que o repórter Derek Bodner tem razão quando nos lembra de que é surreal como eles funcionam juntos mesmo SE NEGANDO a arremessar bolas passadas um para o outro:


A INSISTÊNCIA FAZ O HOMEM

Por falar em lances livres, Rajon Rondo tem um ritual frequente em sua tentativa de ser o cara MAIS CHATO a já ter pisado numa quadra de basquete: ele sempre tenta cumprimentar os adversários que acabaram de bater lances livres, deixando um monte de gente PUTAÇA no processo. Mas nessa semana finalmente deu certo: Marvin Bagley, novato do Kings, talvez nem tenha percebido o que aconteceu, porque ser iniciante na NBA é um mundo de novidades e a gente não lembra nem quem está ou não está no nosso time:


NBA CITY JERSEYS

Outra novidade da temporada é a volta das “NBA City Jerseys”, camisetas temáticas especiais para cada time da NBA usar em datas selecionadas. É uma chance de sair das cores e modelos padrão e explorar a história da equipe, as marcas da cidade, a cultura local e uniformes antigos. Vale dar uma olhada em todas elas:

Pra quem quer entender a motivação para cada uniforme tem uma matéria bacana do The Ringer fazendo um ranking das melhores camisetas e explicando o que inspirou cada design: tem cantor pop na do Wolves, rapper na do Nets, tribos indígenas na do Thunder, seleção olímpica de 1984 na do Clippers, e aquela camuflagem de guerra MEDONHA na do Spurs outra vez… pelo menos a camuflagem não é tão feia quanto as edições comemorativas do Blazers que parecem aquelas camisetas de pijama que você usa para pintar a casa ou que você deixa sua filha pequena rabiscar pra deixar ela feliz.


QUE MORTE HORRÍVEL

A volta de Carmelo Anthony para Oklahoma não foi muito feliz: além de acertar apenas UM dos 11 arremessos que deu, ele ainda tomou um toco DUPLO que virou um HIGH FIVE no ar para comemorar:

Diz a lenda que depois desse vexame ele ficou sozinho olhando para o nada no vestiário, foi ignorado pelo Westbrook que foi buscar o Harden (já que os dois são amigos dos tempos de Thunder), entrou sozinho no ônibus e LITERALMENTE nunca mais voltou. A versão oficial é que ele está “doente” e não viajará com o time; na prática, ele apenas não quer voltar após desastres consecutivos e uma resposta “fria” de seus companheiros e ex-companheiros:


Enquanto Carmelo dá todos os sinais de que deveria se aposentar, Derrick Rose continua sua história de superação com uma temporada redentora e em altíssimo nível após as gravíssimas lesões que abalaram sua carreira. Mas não é só das próprias lesões que Derrick Rose entende, não: ele estava em quadra quando Caris LeVert, um dos jovens mais promissores do Nets, se contundiu essa semana, num lance tão horrível que não vai ter nem vídeo no Filtro porque eu não tenho estômago para postar.

Mais assustador do que a lesão (que, por sorte, não foi tão séria assim: apesar da perna DESMONTAR, nenhuma fratura aconteceu e LeVert deve voltar em alguns meses) só a incrível descoberta de que Derrick Rose estava em quadra também em outras duas lesões terríveis e famosas, a de Gordon Hayward na temporada passada e a de Paul George, uma das mais horríveis da história do esporte. Acho que já temos um culpado.


CRISE DA SEMANA

Com o jogo empatado, Kevin Durant só queria pegar o rebote e correr para o ataque conseguir um rebote de último segundo, mas Draymond Green é quem agarrou o rebote, se negou a passar a bola mesmo com Durant pedindo DESESPERADO, saiu correndo sem rumo, escorregou e viu o cronômetro estourar sem sequer tentar uma jogada:

Até aí tudo bem, poréeeeem os dois começaram a discutir no banco de reserva, com Durant exigindo que ele passasse a “porcaria da bola”. O clima terrível ficou ainda pior quando Kevin Durant saiu na prorrogação com sua sexta falta e o Warriors perdeu o jogo:

A briga pelo jeito se esticou para os vestiários e, depois dos jogadores do Warriors supostamente terem tomado as dores de Durant, Draymond Green foi suspenso internamente, sem receber seu salário, por um jogo. Será que essa micro-mini-nano rachadura é o bastante para o resto da NBA começar A SONHAR?


A situação do Spurs não chega a ser uma crise, mas certamente já foi melhor: com a vitória do Kings em cima da equipe de San Antonio essa semana, temos a primeira vez nos últimos DEZESSEIS ANOS que o time de Sacramento conseguiu 8 vitórias numa temporada antes do rival. Desde a temporada 2004-05 o Kings venceu apenas 5 jogos contra o Spurs e perdeu 45, a pior marca entre dois times no período. Parece que as coisas estão mudando…


Mas crise de verdade, de verdade MESMO, é a que temos no Lakers: alguém no elenco foi pego quebrando uma das maiores e mais importantes tradições da NBA, que é comer SANDUÍCHE DE MANTEIGA DE AMENDOIM COM GELEIA nos vestiários, cometendo a heresia de substituir o recheio por MANTEIGA DE AMÊNDOAS. Já tem até jogador propondo reunião do time para descobrir quem está cometendo esse absurdo:

Se eles tivessem se dado ao trabalho de caçar na internet, no entanto, não precisariam da reunião para saber quem era o dono do pote vazio de pasta de amêndoas: o Reddit já descobriu que é culpa do Josh Hart. Aproveite também a magia da internet para entender como surgiu essa bizarra tradição alimentar na NBA, seguida por todos os times da Liga.


TROTE DE NOVATO

Não envolve manteiga de amendoim, mas todo novato importante sempre passa por um trote dos jogadores mais velhos envolvendo comida: é o tradicional TROTE DA PIPOCA NO CARRO, um dos melhores motivos do mundo para ir para o trabalho de bicicleta. Pelo menos Jeremy Lin atestou que a pipoca jogada dentro do carro do Trae Young era gostosa:

É tarde demais para encher o carro do Brandon Ingram de pipoca, já que ele está no seu terceiro ano de NBA, mas ele ainda é calouro aos olhos dos veteraníssimos que acabaram de chegar ao Lakers. O resultado é que o pobre rapaz não tem sossego nem na hora de amarrar o tênis no meio de um jogo:

Um que vai merecidamente ganhar um carro cheio de pipocas em breve é o pirralho abaixo, que poderia facilmente jogar no Hawks agora mesmo. O mais engraçado da jogada é que ela parece pior do que é de verdade porque o defensor NEM SE MEXE, de tão ruim que é, e acaba não caindo nas fintas:


IMAGEM DA SEMANA

É muito comum para quem faz dietas rígidas ter um “Dia do Lixo” semanal em que se pode comer qualquer coisa – diz a lenda que até ajuda o metabolismo, de modo que muita gente é incentivada a enfiar o pé na jaca. Mas certamente ninguém leva a ideia de “Dia do Lixo” tão a sério quanto Enes Kanter:


“Você pode ser o que quiser, meu filho, não deixe ninguém te impedir de sonhar”.
“Então eu quero ser a bola de basquete, mãe”. Pronto:


MULTA DA SEMANA

Nikola Jokic comentou que o novato do Bulls, Wendell Carter, com seus 2,25m de envergadura, é “incrivelmente grande e longo” – e aí, percebendo que seus coleguinhas de primeira série iriam tirar sarro da frase, achou uma boa ideia numa ENTREVISTA COLETIVA avisar que seu comentário “não era homossexual”. Pronto, tomou 25 mil dólares de multa dentro da política anti-homofobia da NBA, e tem sorte de não ter sido multado em mais 25 mil dólares na política anti-A Praça é Nossa:


TROCA DA SEMANA

Jimmy Butler finalmente conseguiu ser trocado depois de causar CAOS E DESTRUIÇÃO no Wolves, criticando seus companheiros publicamente, mais especificamente Andrew Wiggins e Karl-Anthony Towns. Mas existe pelo menos um jogador do elenco que não pode reclamar de Butler ser um mal companheiro de equipe: Tyus Jones. Na semana passada, Jimmy Butler pagou um avião fretado para Tyus, campeão universitário por Duke em 2015, poder ver seu irmão jogar sua primeira partida pela mesma universidade. Tyus não conseguiu um avião convencional e Butler, que iria junto, manteve o voo fretado mesmo depois de não poder viajar.

O amor por Tyus Jones, aliás, não é recente. Pra quem acha que Jimmy Butler só critica seus companheiros, na temporada passada ele respondeu a TODAS as perguntas da imprensa com um elogio a Tyus após uma partida em que o jovem armador roubou 7 bolas:

Gostar de Tyus Jones é uma coisa, confiar nele, entretanto, é outra. Com um corte na mão que deveria ter tirado Jimmy Butler de quadra, o ala resolveu ESCONDER A MÃO NO CALÇÃO para não ter que deixar o jogo e dar lugar aos reservas, Jones incluso. É um desses casos de “se quer algo bem feito, faça você mesmo” num nível tão grotesco que o cara acaba jogando várias POSSES DE BOLA com a mão dentro das calças:


SHOW DO INTERVALO DA SEMANA

Se você já cansou de ver a chinesinha de monociclo empilhar louça na cabeça, pode se divertir com o grau de sincronicidade da galera do batuque:

É impressionante, mas não tanto quanto a existência neste mundo de uma pessoa que MERGULHA FRANGO NO REFRIGERANTE antes de comer. Dá dó que ela tenha sido pega no flagra num telão gigantesco, mas dó mesmo a gente deveria sentir do BOM SENSO:

Outro torcedor que teve destaque num intervalo foi esse clone idêntico do Donovan Mitchell invadindo o espaço pessoal de Jayson Tatum:

Mas nem todo fã tenta atrapalhar: nessa semana um jovem fã devolveu para Jamal Murray a bola do seu jogo de 48 pontos, que Kyrie Irving jogou na torcida para Murray não conseguir guardá-la como “punição” após ter tentado superar os 50 com uma bola de três pontos quando o jogo já estava decidido e o Celtics não estava mais marcando. É um daqueles “códigos silenciosos” da NBA em que não se tenta pontuar quando o outro time já desistiu… Ah, sim, outra multa da semana: Irving também pagou 25 mil dólares pela birra.


COSPLAY DA SEMANA

Ainda no clima de Halloween, Zach LaVine resolveu se fantasiar mentalmente de Michael Jordan, fazer a lição de casa direitinho e reproduzir uma das jogadas icônicas do ídolo:


DICAS DE LEITURA


JOGADA BOLA PRESA

Mais irritante do que Dwight Howard errando esses arremessos ridículos que não batem sequer no aro só o TEATRINHO dele enxugando as mãos depois como se os erros dele fossem culpa do suor. Pode ficar de olho, ele enxuga as mãos depois de QUALQUER arremesso errado, é hilariante:

E que tal outro pivô, Enes Kanter, sendo apresentado a uma tradição americana, a LUTA LIVRE?

E pra completar, uma das três versões de LeBron James: existe o LeBron normal, o LeBron piradão nos Playoffs, e o LeBron abaixo, que é o PREGUIÇOSO da temporada regular que tenta desviar uma bola usando um chutinho ridículo que não chega nem perto porque ele cochila no meio do caminho:


MASCOTES POWER RANKING

Temos uma semana cheia de mascotes incríveis para apreciar! O campeão dessa vez é o Franklin, mascote do Sixers, não apenas porque ele acertou um dos arremessos mais difíceis que existem (e que todo mascote fica tentando em toda partida, sem muito sucesso), mas pela COMEMORAÇÃO dele depois do acerto:

Na segunda colocação temos Hugo, o mascote do Hornets, perdendo TOTALMENTE A NOÇÃO, tentando uma sedução no meio da quadra e se arrependendo dois segundos depois diante dos olhos incrédulos da torcida:

Compartilhando o segundo lugar, porque a semana foi TOP, temos o vencedor de um incrível duelo de armas atiradoras de camisetas: o Rumble desafiou Clutch e venceu com uma CAMISETADA nas partes baixas, coisa fina, e pela vitória ganha uns pontinhos!

E como menção honrosa não poderíamos deixar de fora a ANARQUIA do Moondog e sua trupe inflável tirando sarro do rigor das forças armadas e ainda lambendo a cabeça de um policial:

RANKING

Franklin – 20
Bango – 15
Coyote, Benny e Clutch – 10
Champ, Harry, Hugo e Rumble – 5

Torcedor do Rockets e apreciador de basquete videogamístico.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!