🔒Filtro Bola Presa #81

Bem amigos do Bola Presa, mais um Filtro Bola Presa no ar! Nesta semana trazemos tudo de péssimo, cômico, trágico e curioso que aconteceu na SEMANA DO PESADELO do Los Angeles Lakers. Tem jogadas estranhas de LeBron James, que foi empurrado e levou dois cachorros para passear. Além disso tem Kyrie Irving vindo do futuro, comerciais questionáveis dos anos 1980, cocôs de bode, trash talk virtual, xavecos de mascote e muito mais.

FRACASSO DA SEMANA

No mundo da NBA só se fala no fracasso desta temporada do Los Angeles Lakers. Não é à toa, afinal estamos falando do time mais popular dos Estados Unidos, o segundo maior vencedor da história da liga, o time que mais disputou finais e que acabou de contratar o nome mais conhecido do basquete neste século para sair da sua maior crise. São muitos superlativos para simplesmente ignorar. E o Lakers, dramático como sua cidade manda, adora alimentar tudo isso com lances bisonhos, recordes negativos e tudo que uma queda gloriosa exige.

Começamos com a derrota para o Phoenix Suns, o atual bi-campeão da LANTERNA da Conferência Oeste. O Lakers precisava desesperadamente vencer, mas acabou vendo o pior time a superar LeBron James na sua carreira. O Suns tinha então 19% de aproveitamento na temporada! Nunca LeBron tinha perdido para uma equipe com aproveitamento tão baixo. O pior time a ter vencido o Rei LeBrão tinha sido o Cleveland Cavaliers de 2010-11, num jogo de revanche do time recém abandonado.

Foi nessa partida que LeBron James cometeu o que pode ter sido o erro mais BISONHO de sua carreira. Turnovers são comuns para jogadores que estão com a bola o tempo inteiro, mas isso aqui… a última vez que vi um lance desse foi numa Pelada Bola Presa de Assinantes (de verdade)!

Nessa semana LeBron também deixou todo mundo coçando a cabeça com lances que na NBA se chama de “walk the dog” ou “levar o cachorro pra passear”. É quando o jogador deixa a bola correr do seu lado sem pegá-la na mão para evitar que o relógio dispare. Normalmente algum adversário se aproxima de quem faz isso para forçar que o cara pegue logo o diacho da bola na mão, mas o Los Angeles Clippers deixou LeBron levar a bola a quadra inteirinha para então arremessar de 3 pontos. O lance foi correto (deu uma posse de bola a mais para o Lakers antes do fim do período), mas foi bisonho e a bola não caiu:

Ele tentou a mesma coisa na derrota para o Denver Nuggets, mas dessa vez a coisa ficou ainda mais feia porque ele DEIXOU A BOLA escapar na hora de pegar ela e arremessar. Que desastre!

Como meme pouco é bobagem, ele ainda teve que aguentar a viralização do lance onde Kyle Kuzma o empurra para contestar um arremesso. Nem é que empurrar companheiros na defesa seja algo novo, até acontece com alguma frequência, mas geralmente é alguém mais experiente que empurra um novato perdido. E ainda reforça a ideia que LeBron não está dando a mínima na defesa:

Há uma defesa de LeBron James nesse caso: ele estava marcando Montrezl Harrell, não Danilo Gallinari. A não ser que a orientação de Luke Walton tenha sido de trocar a marcação a cada corta-luz simples, quem errou mesmo aí foi Kuzma, que empurrou LeBron não em forma de “bronca”, mas para corrigir uma falha sua.

Teve alguma coisa boa na semana de LeBron, afinal? Bom, teve o singelo fato de que ele superou ninguém menos que MICHAEL JORDAN na lista de maiores cestinhas da história da NBA. Ele agora só fica atrás de Kobe Bryant, Karl Malone e Kareem Abdul-Jabbar. Um feito espetacular, claro, mas Richard Jefferson e Channing Frye acham que ele só fez isso porque é fominha, arremessa muito e está na liga há tempo demais:

Se não ficou claro, um aviso importante para a internet: é tudo IRONIA. Os dois são amigos de LeBron e foram campeões ao seu lado pelo Cleveland Cavaliers em 2016. Eles só tem um prazer enorme em se cutucar. Veja só a reação de Channing Frye ao encontrar um cara aleatório nas ruas de Miami com uma camiseta antiga de Richard Jefferson no New Jersey Nets:

Colegas do LeBron, de uma forma ou de outra, estão sempre se divertindo. Mostra como tá o clima aí, Rondo

Para fechar a seção Lakers, que tal Música de Menina? Essa só não faz parte na nossa playlist porque essa versão não está no Spotify.  Adeus, Luke Walton, em breve mais um EX de LeBron James:


COMERCIAL DA SEMANA

No nosso grupo do Facebook o pessoal resgatou aquele famoso comercial da Nike que fez história no começo dos anos 2000. A OBRA-PRIMA completou 18 anos nesta semana e vale pela nostalgia dos jovens Denis e Danilo tentando (e falhando) em imitar tudo isso em pequenas quadras de São Bernardo do Campo:

Mas a memória coletiva não relembra só as grandes obras, mas também os desastres. Também nessa semana a internet trouxe à tona um comercial dos anos 1980 em que Scottie Pippen fala ao lado de um pão gigante, flerta com cheerleaders e ENTERRA UM SANDUÍCHE:


ESTATÍSTICAS DA SEMANA

O Nylon Calculus fez uma conta legal para associar agressividade na defesa e faltas. Afinal, quem tem o melhor saldo na soma de tocos e roubos contra faltas cometidas? O líder, com folga, é Anthony Davis. No resto do Top 5 outros conhecidos nomes de qualquer grande lista defensiva e… Brook Lopez? Brook Lopez.

Faltas

Para quem gosta de estatísticas, na última semana a ESPN testou uma transmissão alternativa com dados da Second Spectrum rolando na tela enquanto a partida acontece. Dá pra saber quantos rebotes o cara tem no jogo assim que ele agarra mais um e mesmo saber o aproveitamento esperado de cada jogador para um arremesso no local em que ele está naquele exato momento. E tudo com comentários de, entre outros, Tom Thibodeau e Zach Lowe:

O Portland Trail Blazers embalou uma boa sequência de vitórias na última semana e ninguém ficou mais feliz com isso do que o pivô Jusuf Nurkic. Segundo o Bobby Marks, da ESPN, ele tem um bônus de 1,25 milhão de dólares em seu salário anual se o time chegar a 50 vitórias na temporada e se ele atuar em ao menos 71 das 82 partidas do time. Ele já jogou 64 vezes e o Blazers está a 11 vitórias do 50º triunfo. Ainda dá pra conseguir aquele dinheiro pra viajar pro Guarujá nas férias, amigo!

Ah, e lembra de quando o Moe Harkless se recusou a arremessar de 3 pontos nos últimos jogos da temporada passada? Ele precisava manter seu aproveitamento um pouco acima dos 35% para garantir 500 mil dólares e assim o fez. Nessa temporada o bônus ainda vale, mas seu aproveitamento é de apenas 28%.

Na última semana o Boston Celtics venceu o Golden State Warriors por 33 pontos de vantagem. Não só foi a maior derrota do Warriors desde que Steve Kerr assumiu o time, mas também a maior derrota deles desde 2009. O quinteto inicial da última lavada tinha no quinteto inicial o novato Steph Curry, Monta Ellis, Corey Maggette, Vlad Radmanovic e Mikki Moore. Outros tempos!


MANIA DA SEMANA

O momento de Trae Young na temporada é sensacional. O novato do Atlanta Hawks conseguiu roubar um pouco da atenção de Luka Doncic entre os novatos e transformou seu time em um (que o Danilo não me escute) espetáculo até bem divertido de assistir. E se você for seguir uns joguinhos deles, repare nesse TIQUE do armador: toda vez que ele lança uma ponte aérea, ele pula junto com o amiguinho na hora da enterrada:


PICUINHA DA SEMANA

Adoro quando os jogadores usam as redes sociais da maneira correta. Para interagir e se aproximar com os fãs? Para dar bons exemplos e usar sua plataforma ampla para divulgar mensagens construtivas? Não, mas para discutir e provocar companheiros de trabalho, é claro. Temos aqui Patrick Beverley dizendo que “homens mentem, números não” ao retuitar uma mensagem que lista o péssimo aproveitamento de Paul George quando marcado por Beverley na partida entre LA Clippers e OKC Thunder. Ele ainda tentou ironizar o fato de George ter reclamado da arbitragem depois.

Paul George respondeu com o clássico “apenas pare, amigo”

Também tivemos Donovan Mitchell compartilhando um vídeo do seu companheiro Derrick Favors enterrando na fuça de Ersan Ilyasova e dizendo que aquilo só aconteceu porque o turco tinha empurrado o pivô do Jazz no lance anterior:


DICAS DE LEITURA


HISTÓRIA QUE PARECE INVENTADA DA SEMANA

Na ESPN, o Kevin Arnovitz fez um baita texto para falar de toda a MERDA que é a situação interna do Phoenix Suns. Entre as  histórias contadas que fazem Robert Sarver parecer um dono desastroso para a franquia, uma se destaca e vale por todas as outras. Para entender essa história só preciso das duas informações antes:

  1. Nos EUA se usa muito o termo G.O.A.T. para se referir a quem é o melhor de todos os tempos em alguma atividade. É uma sigla para Greatest Of All Time (Melhor de Todos os Tempos). Mas goat também significa “bode” em inglês.
  2. Em um evento para celebrar o recorde de pontuação de Diana Taurasi, estrela do Phoenix Mercury da WNBA, o time adquiriu diversos bodes vivos, uma brincadeira para chamá-la de a melhor de todos os tempos.

Dito tudo isso, vamos ao causo:

Quatro anos depois de nomear Ryan McDonough como General Manager, Sarver trouxe bodes vivos do evento de Diana Taurasi e os colocou no escritório de McDonough. Era pra ser tanto uma pegadinha como uma mensagem motivacional: o Suns deveria encontrar um GOAT próprio, alguém que domina o jogo como Taurasi. Os bodes, sem saber de sua conotação metafórica, defecaram sobre todo o escritório do General Manager.

Como é possível que alguém tem uma ideia dessa? Como alguém coloca BODES em um escritório e espera passar uma mensagem com isso?! O Phoenix Suns é um desastre.

E já que estamos falando de péssimos donos de time, James Dolan virou notícia pelos motivos errados de novo no New York Knicks. Ao ouvir um torcedor gritar “venda o time”, ele respondeu expulsando o cara do Madison Square Garden e dizendo “aproveite eles pela TV”:

Testemunhas falaram que dois seguranças foram pedir identificação e levar o torcedor para fora do ginásio. Um porta-voz do Madison Square Garden não comentou o caso em específico, mas disse que “nossa política é e seguirá sendo a de que se você é desrespeitoso com alguém, vamos pedir para que não retorne”.


TEORIA DA CONSPIRAÇÃO DA SEMANA

Como disse no post dessa semana, o Boston Celtics está ameaçando (mais) uma reação na temporada e Kyrie Irving diz que uma longa viagem de avião entre Boston e Oakland deu ao time uma chance de conversar e lavar roupa suja. Veremos se dura, mas até então as notícias que vinham de lá eram a de que Irving não estava satisfeito e que seus companheiros não estavam felizes com ele. E é daí que vem a teoria de que o filme “Uncle Drew”, estrelado por Irving fazendo o papel de um jogador IDOSO, teria sido na verdade filmado no futuro:

Nesta cena Uncle Drew diz: “passei a vida toda na estrada e não tenho amigos. Fico pulando de cidade para cidade e você quer saber o motivo? Porque fui muito orgulhoso para pedir desculpas”


FIM DE TEMPORADA DA SEMANA

Alvin Gentry, técnico do New Orleans Pelicans, estava tendo dificuldades para articular seus comentários sobre a partida contra o Utah Jazz. Ele estaria nervoso, passando mal ou confuso? Não, apenas tomou uns copinhos de cerveja depois da partida. Nada a esconder:

Kevin Durant não estava bêbado, só completamente desligado. Ele tentou tomar água enquanto sua boca estava COBERTA POR UMA TOALHA. Ele nem é soldado no deserto pra se vestir assim! De qualquer forma ele afirma que conseguiu, sim, tomar a água por dentro da toalha. #Informação


SACRILÉGIO DA SEMANA

O Daryl Morey, General Manager do Houston Rockets, acha que o futebol é um jogo quebrado e propôs mudanças drásticas: campo menor, 7 jogadores contra 7, substituições livres, relógio regressivo e o fim dos pênaltis. Acho um absurdo e que ele não deve enfiar a mão no nosso esporte sagrado…

…mas admito que sou a favor do fim dos pênaltis.


DIBRE DA SEMANA

O D’Angelo Russell meteu um DIBRAÇO pra cima do Cedi Osman nessa semana. A finta é chamada de shamgod porque foi criada por um jogador chamado God Shammgod nos anos 1990. É uma das jogadas mais gostosas de se assistir na vida:

A carreira de Shammgod na NBA foi curta: apenas 20 jogos na temporada 1997-98 pelo Washington Wizards, mas sua fama de driblador criada desde os tempos de basquete de rua e colegial em Nova York dura até hoje. Tanto que agora, depois dos 40, ele se tornou o primeiro TÉCNICO DE DRIBLE de toda a NBA! Passou despercebido, mas desde 2016-17 ele trabalha ajudando os jogadores do Dallas Mavericks a terem mais controle de bola. O legal é que os treinos valem desde os armadores até para os pivôs, como explica essa boa matéria do Harold Courant. A ideia é diminuir o número de desperdícios de bola e ter uma equipe com mais jogadores capazes de botar pressão na defesa.

Depois do sucesso dos treinadores especializados em arremesso, imagino que mais técnicos focados em outras partes específicas do jogo devem ganhar espaço na NBA. Não é caro para o quanto a liga movimenta de dinheiro e pode fazer toda a diferença.


TERAPIA DA SEMANA

Já falamos bastante aqui sobre a questão dos problemas de saúde mental e depressão entre atletas. Tem o caso do Royce White há alguns anos e os mais recentes sobre DeMar DeRozan e Kevin Love. Não é novidade, mas foi legal ouvir o comissário da liga Adam Silver falar sobre o assunto na última Sloan Sports Conference. Ele destaca como os jogadores, mesmo ricos e bem sucedidos, são como tantos outros jovens de hoje em dia: sozinhos, ansiosos e infelizes:


BOTH TEAMS PLAYED HARD DA SEMANA

Temos um novo técnico de basquete no mundo: Rasheed Wallace, um dos ícones que guia esse blog desde seu nascimento, vai treinar o time da escola pública Durham Jordan, na Carolina do Norte. Faltas técnicas a parte, o cara sempre foi excepcional no relacionamento com outros jogadores, especialmente os novatos, e acredito que deva ser ótimo para educar jovens atletas.


BOAS AÇÕES DA SEMANA

Em sua temporada de despedida, Dwyane Wade criou a tradição de trocar de camiseta com os adversários após os jogos. Às vezes é com algum amigo próximo, outras com grandes jogadores do outro time e até com jovens promessas. Mas no jogo contra o Atlanta Hawks ele resolveu puxar de lado o discreto novato Kevin Huerter, que foi pego de surpresa ao ver o ídolo o chamando para a troca:

D-Wade disse que ficou sabendo que Huerter sempre usou os tênis de sua linha, que cresceu sendo seu fã e que até usava o número 3 por causa de Wade, então que decidiu fazer a grata surpresa. Foi muito bonito e certamente Huerter ficou feliz, mas no passado ele disse que usa a camisa 3 por causa de… Allen Iverson:

A outra boa ação da semana já tinha sido anunciada. Lembra quando aquela garotinha mandou uma carta para Steph Curry reclamando que não tinha tênis da linha Curry em tamanho para garotas e nem na seção feminina do site? Pois o jogador do Golden State Warriors respondeu a carta e prometeu que eles lançariam um modelo novo pensando nelas em 8 de Março, Dia da Mulher.

A data chegou e Curry não só lançou o modelo novo, o Curry 6, como a jovem Riley participou do desenho do produto e de seu lançamento.  Ele utilizou o tênis na partida contra o Denver Nuggets:

Ao lado da sua mulher Ayesha, Curry também decidiu criar um programa de bolsas de estudo apenas para garotas que querem estudar matemática, tecnologia e ciência, áreas do conhecimento normalmente dominada por homens nas universidades. Segundo a Under Armour, os lucros da venda dos tênis novos irão bancar as bolsas de estudo.


MASCOTES POWER RANKING

Começamos essa semana não distribuindo pontos, mas com um alerta: a violência contra mascotes É REAL! O maligno Danny Green, do Toronto Raptors, AGREDIU COM UM CHUTE o pobre Moondog, mascote do Cleveland Cavaliers, que estava celebrando o aniversário do Pierre num jogo do New Orleans Pelicans. Indefensável. O jogo que espere!

Os 10 pontos dessa semana vão para Benny, que conseguiu um XAVECO nervoso no bela repórter Cassidy Hubbarth, da ESPN. Ele chegou chegando, se aproximou e pediu pra ela ligar depois. Quem resiste?!

Em uma semana marcada por mascotes, nossa amiga Cassidy também tomou um BAITA SUSTO com o CANHÃO DE CAMISETAS do Franklin, mascote do Sixers:

Os 5 pontos vão para o Jazz Bear, que foi até a casa de uma senhora de CENTO E DOIS ANOS que não perde uma partida do Utah Jazz. Juntos eles viram a vitória do time sobre o Nuggets na última semana:

RANKING

Bango – 45
Benny – 40
Rumble – 35
Coyote e Franklin – 30
Grizz – 25
Raptor e Jazz Bear – 20
Crunch, Hugo, Clutch e Harry  – 15
G-Wiz e Stuff – 10
Champ, Slamson, Gorilla, Chuck, Pierre, Moondog e Rocky – 5

Torcedor do Lakers e defensor de 87,4% das estatísticas.

Como funcionam as assinaturas do Bola Presa?

Como são os planos?

São dois tipos de planos MENSAIS para você assinar o Bola Presa:

R$ 14

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

R$ 20

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo: Textos, Filtro Bola Presa, Podcast BTPH, Podcast Especial, Podcast Clube do Livro e texto do FilmRoom.

Acesso ao nosso conteúdo exclusivo + Grupo no Facebook + Pelada mensal em SP + Sorteios e Bolões + Vídeo ao vivo para discutir Clube do Livro e FilmRoom.

Como funciona o pagamento?

As assinaturas podem ser feitas pelo Aplicativo PicPay. Baixe, cadastre-se, busque o Bola Presa e escolha seu plano de assinaturas. Você pode pagar com cartão de crédito ou carregar sua Carteira PicPay com boleto ou depósito bancário. Depois de assinar, escreva para bolapresa@gmail.com para mais detalhes de como ter acesso ao conteúdo exclusivo.

DÚVIDAS SOBRE AS ASSINATURAS? Nos escreva: bolapresa@gmail.com

Assine já!